sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Porque os grupos de mídia atacam os blogs

Por Luis Nassif, no Jornal GGN:

Na edição de ontem, a Folha publicou um resumo dos gastos de publicidade das empresas públicas. Entre os mais de 5 mil veículos programados, o jornal definiu uma curiosa subdivisão: as verbas dos grupos de mídia e as verbas dos blogs e jornais online independentes - classificados como "aliados do governo".

Comunicação e democracia, tudo a ver

Por Luciano Martins Costa, no Observatório da Imprensa:

O principal extrato da Pesquisa Brasileira de Mídia 2015 (íntegra aqui), divulgada na sexta-feira (19/12) pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, revela que quase metade da população tem acesso à internet, e desse total 37% a utilizam todos os dias, com uma intensidade de quase 5 horas por dia.

Multa da água! Estelionato eleitoral?

Por Eduardo Guimarães, no Blog da Cidadania:

O jornais paulistas do último dia útil da semana noticiam retribuição que o povo que reelegeu o governador Geraldo Alckmin em primeiro turno neste ano acaba de ganhar dele: a conta de água de quem exceder a média do que gastou entre fevereiro de 2013 e janeiro de 2014 será majorada em cinquenta por cento.

Cuba e EUA: o início do fim do bloqueio

Por Frei Betto, no site da Adital:

O papa Francisco, ao comemorar ontem 78 anos, deu um inestimável presente ao Continente americano: o início do fim do bloqueio dos EUA à Cuba e o reatamento das relações diplomáticas entre os dois países.

Este foi o tema que Francisco priorizou com Obama no encontro que mantiveram, em Roma, em março deste ano. Um ano antes, ao assumir o pontificado, Francisco se inteirou da questão ao receber Diaz-Canel, primeiro vice-presidente do Conselho de Estado de Cuba.

"Carta Maior" vai processar a Folha

Do site Carta Maior:

Com obsessiva recorrência, o oligopólio midiático que domina a sociedade brasileira desembainha armas para fustigar qualquer ensaio de pluralidade na estrutura de comunicação do país.

Interditar a participação, mesmo que tangencial, como acontece hoje, dos veículos progressistas na programação da publicidade estatal, é um dos carros-chefes dessa guerra diuturna.

"Vai pra Cuba". Obama ouviu os coxinhas!

Por Miguel do Rosário, no blog O Cafezinho:

Uma nova era começou!

Segundo o New York Times, as relações diplomáticas entre EUA e Cuba serão completamente restauradas.

Várias medidas políticas já foram decididas para restabelecer a confiança entre os dois países.

Rumo a Cuba pós-embargo

Por Leonardo Padura, no site Outras Palavras:

Uma enorme marina, capaz de abrigar umas mil embarcações de recreio, foi construída no extremo da península de Hicacos, de onde domina a praia de Varadero e, graças a ela, o polo turístico mais importante de Cuba, pela quantidade de hotéis e de quartos que possui.

A uns 200 quilômetros a leste do balneário, na baía de Mariel, foi inaugurado um porto para supercargueiros e manejo de grandes contêineres, em cujo entorno se criou uma “Zona Especial de Desenvolvimento”, na qual espera-se que funcione uma zona franca que abrigará inclusive diversas indústrias.

Aécio insiste na censura no Twitter

Da revista Fórum:

O juiz Helmer Augusto Toqueton Amaral, de São Paulo, determinou a quebra dos sigilos cadastrais e eletrônicos de usuários da rede social Twitter, a pedido do senador Aécio Neves (PSDB-MG). A princípio, a solicitação do tucano pretendia saber a identidade de 66 perfis do microblog, mas somente 20 foram autorizados pela Justiça, segundo informações publicadas nesta sexta-feira (19) pela Folha de S. Paulo.

A "mão pesada" de Alckmin na Alesp

Por Eduardo Maretti, na Rede Brasil Atual:

A Assembleia Legislativa de São Paulo chega ao fim de sua 17ª legislatura com uma retrospectiva de produção baixa e, considerando o papel fundamental que o Legislativo deve ter num regime republicano, com perspectivas pouco ou nada animadoras para os próximos quatro anos. A não ser em situações específicas, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) contou até o fim de 2014 com uma bancada amplamente majoritária de 78 deputados contra apenas 26 da oposição, formada pelo PT (22 deputados), PCdoB (dois), Psol e PDT (um cada). Esse desequilíbrio e o rolo compressor do Palácio dos Bandeirantes, de 2015 a 2018, será maior. Após as eleições deste ano, a oposição será 31% menor e contará com apenas 18 parlamentares: 14 do PT, dois do Psol e dois do PCdoB.

“Bolsonaro, você não merece ser deputado”

Do site da UJS:

“Bolsonaro, você não merece ser deputado.” A afirmação da representante da União da Juventude Socialista (UJS), Maria das Neves, deu o mote da manifestação realizada na tarde desta quarta-feira (17), na Câmara dos Deputados. Movimentos sociais, sindicais, estudantis, camponês se uniram ao movimento de mulheres para pedirem punição para o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) que, ao ofender a deputada Maria do Rosário (PT-RS) atingiu todas as mulheres brasileiras e o Parlamento.

Governo banca a pior mídia do planeta

Por Leandro Fortes, no blog Diário do Centro do Mundo:

O recente levantamento publicado pela “Folha de S.Paulo” sobre despesas de publicidade do governo federal, nos últimos 14 anos, 12 dos quais sob o comando do PT, é, ao mesmo tempo, um espanto estatístico e um desalento político.

Foram 15,7 bilhões de reais despejados, prioritariamente, em veículos de comunicação moralmente falidos e explicitamente a serviço das forças do atraso e da reação. Quando não, do golpe.

Aécio é diplomado... numa clínica!

Por Altamiro Borges

O cambaleante Aécio Neves está com algum problema sério. Nem o bafômetro consegue identificar o transtorno. O senador mineiro-carioca até agora não engoliu a derrota na eleição presidencial – nem a surra que levou em Minas Gerais e no Rio de Janeiro. Ele já pediu recontagem dos votos, deu apoio aos malucos que gritam pelo impeachment da presidenta e pelo retorno da ditadura e pressionou pela rejeição das contas de campanha do PT. Sua última investida, porém, foi a mais patética. Seu partido solicitou que ele fosse diplomado no lugar de Dilma Rousseff. Não é piada! Aécio Neves poderia até ser "diplomado", mas numa clínica... psiquiátrica!

Yoani Sánchez perderá a boquinha?

Por Altamiro Borges

A blogueira Yoani Sánchez, tão bajulada pela mídia colonizada, ficou triste com o restabelecimento das relações diplomáticas entre EUA e Cuba e com a libertação dos três heróis cubanos – Gerardo Hernandez, Ramón Labaniño e Antonio Guerrero. Enquanto o mundo inteiro saudava a "decisão histórica" e milhares ocupavam as ruas de Havana para festejar, ela lamentou: "O castrismo venceu... No jogo da política, os totalitarismos sempre conseguem se impor sobre as democracias". A tristeza da mercenária é compreensível. Talvez agora ela tenha mais dificuldades para garantir os subsídios das potências capitalistas e os holofotes da imprensa mundial para a sua causa "dissidente".

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Cuba e EUA: Fim da Guerra Fria

Por Ricardo Kotscho, no blog Balaio do Kotscho:

Sou do tempo em que ir a Cuba era proibido para os brasileiros. Os dois países não tinham relações diplomáticas e no nosso passaporte vinha um aviso: era permitido viajar para qualquer país do mundo, menos para a ilha caribenha.

A expressiva vitória de Cuba

Editorial do site Vermelho:

Há dezesseis anos, sob a inspiração e liderança de Fidel Castro, o invicto comandante da Revolução, o povo cubano mobilizou-se na luta pela libertação de cinco patriotas encarcerados nos Estados Unidos.

Em setembro de 1998, Gerardo Hernández, Ramón Labañino, Fernando González, Antonio Guerrero e René González foram presos em Miami por agentes do FBI. Acusados de conspiração, espionagem e preparação de atentados, foram condenados a pesadas penas de prisão. Desde 2001, quando o líder histórico da Revolução disse “Volverán!” (Voltarão), os cubanos e seus amigos solidários em todo o mundo reafirmaram com mais esperança e convicção seu compromisso com a vitória da causa da libertação dos Cinco.

A publicidade estatal e a transparência

Da revista CartaCapital:

A mídia nativa raramente fala de si, ao contrário do que acontece nas democracias maduras, onde os meios de comunicação, o “quarto poder”, vigiam-se uns aos outros. É um traço do oligopólio. Os erros são escondidos, os crimes protegidos (quem não se lembra da ameaça – “mexeu com a Abril, mexeu com todos" – de um dos Marinho ao governo caso a base aliada ousasse investigar as relações bandidas de jornalistas da Veja com o bicheiro Carlinhos Cachoeira?). Só se abre exceção quando se trata de perseguir uma obsessão do baronato, em especial da Folha de S.Paulo: tentar provar que veículos, blogs e sites não alinhados ao pensamento dominante são financiados de forma “bolivariana” pelo governo. É outro traço do oligopólio. Quem pensa diferente deve ser tratado como criminoso. Eliminado, se possível.

Marina Silva e o jatinho-fantasma

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

A Folha traz hoje a informação de que, com muita justiça, o prefeito tucano de Santos isentou por três anos os imóveis atingidos pela queda do avião de Eduardo Campos.

Mas, a essa altura, mais de quatro meses depois do acidente, já é o caso da gente se perguntar se o avião caiu mesmo.

EUA e Cuba: "Uma decisão histórica"

Do governo gestor ao governo de combate

Por Wladimir Pomar, na revista Teoria e Debate:

Em 2010, ao iniciar seu primeiro mandato, o governo Dilma já encontrou um cenário internacional e um cenário nacional diferentes dos enfrentados pelo governo Lula, entre 2003 e 2007. Nesse período, a entrada da China na OMC e sua ascensão, assim como a de outros países da Ásia oriental, no mercado mundial beneficiaram a economia brasileira de diferentes maneiras. Em primeiro lugar, pela elevação da importação de commodities minerais e agrícolas, permitindo altos saldos na balança comercial brasileira. Em segundo lugar, pela produção de manufaturados de baixo preço em grande escala, forçando a inflação mundial e também nacional a ser reduzida. Em terceiro lugar, por alcançarem um nível de acumulação de capitais que os obrigou a exportar capitais e contribuir para o reerguimento industrial e econômico de inúmeros países.

EUA, Cuba e a vitória do Brasil

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

Depois de passar meio século em operações sombrias para derrubar o governo nascido da revolução de Sierra Maestra por todos os meios ao alcance do império, Washington tomou uma medida de acordo com o estágio de civilização criado pela formação dos Estados Nacionais, lá pelos séculos XVIII-XIX.

Anunciado ontem, o reatamento de relações diplomáticas entre Estados Unidos e Cuba tem uma utilidade suplementar no Brasil: coloca em seu devido lugar o anti-comunismo primitivo que fez uma grande aparição na da última campanha presidencial.