segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Fascistas são derrotados... na Áustria

Por Altamiro Borges

Analistas políticos da maior seriedade têm alertado para o crescimento das correntes neofascistas no mundo. A vitória de Donald Trump nos EUA reforçou o coro sobre esta avalanche reacionária que coloca em risco a própria sobrevivência da humanidade. A eleição deste domingo (4) na Áustria, porém, serviu como um certo alívio diante destas avaliações alarmantes. O candidato da extrema-direita, o xenófobo Norbert Hofer, levou uma surra nas urnas – contra todas as previsões anteriores. O independente Alexander Van der Bellen, do Partido Verde, venceu a eleições presidenciais com mais de 60% dos votos. O resultado foi comemorado pela forças antifascistas da Europa.

PEC-55 não melhora a economia

Lava-Jato e Folha mantêm perseguição a Lula

Por Pedro Breier, no blog Cafezinho:

A Oi informou ao Ministério Público Federal que Kalil Bittar, irmão de Fernando Bittar, em cujo nome está registrado o “sítio do Lula” em Atibaia, pediu à operadora a instalação de uma antena de celular em uma área próxima ao sítio.

A Folha dá a notícia com aquela parcialidade manipuladora de sempre: ‘Sócio de filho de Lula pediu para a Oi instalar antena em Atibaia’ é a manchete, porque Kalil Bittar é sócio de um dos filhos de Lula na empresa Gamecorp.

Quem pode tirar o Brasil do lodo?

Por Saul Leblon, no site Carta Maior:

A guinada editorial dos últimos dias é tão seca que os leitores e assinantes da mídia conservadora poderiam acionar o Procon por propaganda enganosa.

Depois de incentivar as ‘expectativas otimistas dos mercados’ com a promessa de que os rios verteriam leite e fios de mel desceriam das encostas - tão logo o comando da nação retornasse às mãos dos livres mercados - a emissão conservadora mudou o tom abruptamente para a chave sombria.

Itália de Renzi é o Brasil de Temer

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

Enquanto os brasileiros aguardam pela segunda votação da PEC 55 pelo Senado, a renúncia do primeiro-ministro italiano Matteo Renzi, desmoralizado por uma derrota política acachapante, é mais uma advertência sobre as inconveniências de programas de austeridade forçada, que não levam em conta as necessidades da maioria da população.

Explico. Em teoria, o referendo italiano nada tinha a ver com economia. A questão envolvia uma reforma política que diminuía as prerrogativas do Senado italiano. Na prática, foi a prolongada crise econômica italiana, atolada numa recessão que se prolonga por sete anos, sem índices de crescimento real há 13, alimentando um desemprego que bate nos 11%, que abriu o terreno para a derrota de Renzi, reforçando incertezas sobre o novo governo daquele país e sobre o futuro da União Europeia.

A seca extrema avança no Nordeste

Por Miguel Martins, na revista CartaCapital:

Nem sempre uma fogueira de São João serve de metáfora aos castigos da seca sobre a terra ardente, como cantava Luiz Gonzaga em Asa Branca. Em Sousa, município do Sertão da Paraíba, a tradicional festa popular serviu em 2015 de alento para quem espera a volta de chuvas abundantes na região.

Após cinco anos de estiagem no Nordeste, o município lançou o programa São João das Águas. Em lugar de contratar atrações musicais com cachês astronômicos, a prefeitura preferiu convocar trios de forró com músicos locais a preços modestos. A economia serviu para bancar a perfuração de 130 poços para captação de água, inaugurados sob o ritmo do triângulo e da zambumba.

Brasil caminha para uma convulsão social

Por Marco Weissheimer, no site Sul-21:

Em 1964, Franklin Martins tinha 15 anos de idade quando o golpe civil-militar contra o governo de João Goulart virou sua vida ao avesso. Militante do movimento estudantil e repórter iniciante na agência de notícias Interpress, foi se envolvendo cada vez mais na luta de resistência contra a ditadura que teve um de seus ápices em 1969 quando integrou o grupo, formado por militantes da Ação Libertadora Nacional e do Movimento Revolucionário 8 de Outubro, que sequestrou o embaixador americano Charles B. Elbrick para forçar o governo militar a libertar 15 presos políticos. A partir dessa ação teve que sair do país. Viveu em Cuba, no Chile, chegou a retornar ao Brasil mas, em 1974, teve que sair mais uma vez, indo para a França. Só voltou em 1977, quando a ditadura começava a dar sinais de exaustão.

IstoÉ homenageia o Judas Temer

Por José Augusto Camargo (Guto)

Uma festa com nobres convidados

A Editora Três e suas revistas, entre elas a valorosa IstoÉ – que tem se rivalizado com a Veja e a Época na missão de produzir as piores capas e reportagens nestes tempos de golpe – prestará mais um relevante serviço à causa conservadora.

No dia 6 de dezembro, no Citibank Hall São Paulo, uma famosa casa de shows paulista localizada na Avenida Nações Unidas nº 17 955, a empresa realizará o seu tradicional evento Brasileiro do Ano, que premia aqueles que, na visão da editora, foram as personalidades de mais destaque em suas áreas.

Economia ruma para o caos. Temer balança!

Por Altamiro Borges

Os indicadores econômicos pioram a cada dia que passa. O “golpe dos corruptos” acelerou a instabilidade política e está jogando o país no precipício. Muitos dos chamados “analistas do mercado” – na verdade, porta-vozes da agiotagem financeira – já preveem que o Brasil pode estar caminhando da recessão para a depressão, com quebradeira de empresas, inadimplência, desemprego e outras chagas. O paraíso prometido pelo covil golpista e pela mídia chapa-branca vai virando um inferno. Neste cenário sombrio, o “salvador da pátria”, o rentista Henrique Meirelles, já está na fritura e há quem garanta que o Judas Michel Temer está prestes a ser traído, sendo jogado fora como bagaço.

domingo, 4 de dezembro de 2016

Moro e Janot servem aos interesses dos EUA

Por Altamiro Borges

Vale a pena conferir a instigante entrevista do cientista político Luiz Alberto de Vianna Moniz Bandeira concedida ao Jornal do Brasil neste sábado (3). Premiado autor de diversos livros sobre as ações agressivas dos EUA pelo mundo, ele dá elementos que confirmam a hipótese de que o império agiu para derrubar a presidenta Dilma Rousseff. De forma corajosa e lúcida, Moniz Bandeira também aponta os laços que unem as ações do juiz Sergio Moro e do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, aos interesses econômicos e geopolíticos dos EUA. Para quem ainda acha que esta hipótese é meramente conspirativa, a entrevista é assustadoramente real e factível.

“Coxinhas” endeusam Moro e poupam Temer

Por Altamiro Borges

Com a generosa cobertura da mídia falsamente moralista – em especial da TV Globo –, milhares de pessoas voltaram às ruas neste domingo (4) para defender os abusos da Lava-Jato e para endeusar o “carrasco” Sergio Moro. As “marchas contra a corrupção” ocorreram em cerca de 200 cidades. Elas foram organizadas por várias grupos golpistas, como o Movimento Brasil Livre (MBL) e o Vem Pra Rua. O curioso é que os tais “coxinhas”, que se fantasiam de paladinos da ética, pouparam a gangue do Judas Michel Temer. Nenhum cartaz, faixa, boneco ou discurso contra Geddel Vieira, Romero Jucá, Eliseu Padilha e outros famosos corruptos que tomaram de assalto o Palácio do Planalto.

O que está em jogo com as 10 medidas

Por Henrique Cartaxo, no site Jornalistas Livres:

Em Março de 2015, já em resposta às manifestações contra seu governo, Dilma Rousseff apresentou um pacote de medidas de combate à corrupção que incluíam criminalização do caixa 2 e do enriquecimento ilícito, exigência de ficha limpa para todos os servidores públicos e confisco e alienação de bens oriundos de corrupção. O pacote teve pouca atenção da mídia e uma das primeiras atitudes do governo Temer foi retirá-lo do regime de urgência na tramitação, o que garantiria que ele seria votado no congresso, em favor das famigeradas 10 medidas protocoladas pelo Ministério Público Federal um ano depois, em Março de 2016.

Protestos tentaram emparedar Congresso

Foto: Jornalistas Livres
Por Tereza Cruvinel, em seu blog:

As manifestações deste domingo contra a corrupção e em apoio à Lava Jato emparedaram o Congresso e especialmente o presidente do Senado, Renan Calheiros, um dos alvos dos protestos, que em nota algo enigmática pareceu admitir o adiamento da votação do projeto sobre abuso de poder, apontado pelo juiz Sergio Moro como ameaça à Lava Jato. Mas se Renan capitular, livrando também Temer do dilema de sancionar ou vetar a proposta, que fará o baixo clero da Câmara, que deu o golpe e empossou Temer buscando apenas a boia de salvação? Todos os caminhos levam ao agravamento da crise: ou partirão para novos confrontos com o Judiciário/Ministério Público, ou começarão a desistir de Temer, que não serviu para estancar a sangria, nem estabilizar a política, nem recuperar a economia.

"As 10 medidas contra a Constituição"

Temer garante TVs e rádios para golpistas

Por Altamiro Borges

Sem legitimidade e cada vez mais detestado pelo povo, o Judas Michel Temer tem feito de tudo para garantir o apoio dos donos da mídia. Ele já concedeu anistia às emissoras de radiodifusão que estavam com as suas concessões vencidas, aumentou as verbas publicitárias para as poucas famiglias que dominam o setor e agora decidiu entrar na briga para manter as concessões de rádio e tevê dos políticos com mandato – o que atenta contra a própria legislação em vigor no país. Com estas iniciativas, o usurpador tenta comprar a cumplicidade da imprensa mercenária, que foi protagonista do “golpe dos corruptos” e agora cobra a fatura.

Globo, Band e o presidiário Sérgio Cabral

https://ajusticeiradeesquerda.blogspot.com.br/
Por Altamiro Borges

O ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, agora está no presídio de Bangu e virou saco de pancada da mídia falsamente moralista. As joias, as lanchas, os carrões e outros produtos de luxo dele e de sua esposa são exibidos como prova inconteste de que todos os políticos são corruptos – reforçando o coro fascista da negação da política. Mas, em um passado nem tão distante, o tratamento dado ao chefão do PMDB – o mesmo partido do Judas Michel Temer – era bem diferente. Ele era blindado pela imprensa mercenária. Na prática, como revelam os três exemplos abaixo, Sérgio Cabral mantinha uma relação bastante sinistra e promíscua com os barões da mídia.

O pesadelo econômico de Michel Temer

Por Laura Carvalho, no site Outras Palavras:

O Senado aprovou na terça-feira (29), em primeiro turno, a PEC 55, que tem sido vendida desde o início do governo Temer como uma verdadeira panaceia para os graves problemas enfrentados pela economia brasileira. Com a provável aprovação da proposta em segundo turno no próximo dia 12, o governo terá de encarar a realidade.

Se a retomada do crescimento econômico, a criação de postos de trabalho e o reequilíbrio das contas públicas dependessem apenas de uma base de 3/5 dos senadores e de uma alteração retrógrada na Constituição, o governo Temer estaria salvo. O que os números mostram, no entanto, é que a macroeconomia existe.

As 14 características do fascismo

Benito Mussolini e Francisco Franco
Por Cynara Menezes, no blog Socialista Morena:

Umberto Eco (1932-2016) é uma das personalidades que melhor poderiam definir o fascismo, pois nele se combinaram a experiência própria, a erudição e a lucidez analítica. Como italiano, viveu de perto o fascismo e suas consequências, e como intelectual dedicou-se a estudá-lo, entendê-lo e explicá-lo, mas, acima de tudo, a denunciá-lo e preveni-lo. De todos os males que o ser humano pode gerar a si mesmo, poucos são tão nefastos como um regime totalitário, em que normalmente o sofrimento é muito maior do que os possíveis benefícios.

Pedro Taques, o governador sem moral

Por Luis Nassif, no Jornal GGN:

Governador do Mato Grosso, Pedro Taques não é apenas mais um governador enredado com denúncias de corrupção. Ex-Procurador da República, sempre foi tratado pela corporação como um símbolo da boa política, da contribuição do Ministério Público à luta pela ética na política.

Tanto que, na véspera de deixar o cargo, o Procurador Geral da República Roberto Gurgel tirou da gaveta uma ação contra o presidente do Senado Renan Calheiros, candidato à reeleição, visando beneficiar a candidatura do colega Pedro Taques, então Senador pelo Mato Grosso.

Temer apressa porrada na Previdência

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:


O Globo publica hoje manchete dizendo que Michel Temer apressou o envio da mensagem com a reforma da Previdência, que, em tese, deve ser entregue à Câmara dos Deputados na terça-feira.

Frise-se, logo, que o entregará a uma Câmara completamente deslegitimada diante da população.