sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

EUA bancam o terrorismo de Israel

O jornal Folha de S.Paulo reproduziu nesta semana, sem chamada de capa ou qualquer destaque, um elucidativo artigo da agência Reuters. Ele informava que “os EUA estão contratando um navio mercantil para levar centenas de toneladas de armas da Grécia a Israel ainda neste mês” de janeiro. Entre outros “materiais perigosos”, estariam novos tipos de explosivos e detonadores. Ainda segundo a agência de notícias, “o pedido de envio foi feito em 31 de dezembro” (o genocídio na Faixa de Gaza começou no dia 27), e o serviço sujo, quase clandestino, seria feito por uma transportadora privada alemã.

O Pentágono negou o envio, mas “um comando da Marinha americana confirmou que o carregamento de 325 contêineres de seis metros cada deve ser levado em duas viagens do porto grego de Ashdod, que fica a 38 quilômetros da Faixa de Gaza”. O armamento saiu do porto de Sunny Point, na Carolina do Norte e “os documentos estipulam que a embarcação deve ser capaz de ‘carregar 5,8 milhões de libras (2,6 milhões de quilos) de peso de explosivo líquido’”. A notícia, sem alarde na mídia, veio à tona no mesmo dia em que a inoperante ONU criticou Israel por “crimes de guerra” na agressão em Gaza.

US$ 84,9 bilhões em financiamento

Além de vetar qualquer resolução da ONU contrária ao terrorismo de Estado de Israel, os EUA ainda bancam seu belicismo genocida. Isto não é de hoje. Há décadas que Israel é a cabeça de ponte do imperialismo para suas ambições geopolíticas e econômicas no Oriente Médio – uma região rica em petróleo e nevrálgica na “contenção das potências rivais”, como a China e Rússia. No passado, quando alguns países da região tentaram romper a dependência colonial, os sionistas serviram de aríete aos EUA. Quem paga exige retorno. O imperialismo financia os sionistas e garante seus interesses na região.

O jornalista Argemiro Ferreira, autor do livro “O império contra-ataca”, prova em seu blog que os EUA financiam o terrorismo sionista. “Nos últimos 60 anos, transferiu-se à responsabilidade do contribuinte americano o ônus de sustentar o estado de Israel e sua devastadora máquina de guerra. Dados conservadores do Washington Report sobre o período de 1947-1997 são assustadores. Benefícios recebidos por Israel: em concessões e empréstimos, US$ 74,1 bilhões; outras, US$ 9,05 bilhões; juros de pagamentos adiantados, US$ 1,65 bilhão. Total: US$ 84,9 bilhões (14,6 mil dólares por israelense)”.

O poderoso lobby sionista

Para ele e outros jornalistas de renome, esta relação promíscua e assassina entre EUA e Israel também decorre da influência do lobby sionista nos bastidores da política ianque. “A opção do apoio a Israel, adotada pelos governantes dos EUA desde Harry Truman, resulta menos da tendência geral da população do que do trabalho liderado pelo milionário lobby israelense – o American Israel Public Affairs Commitee (Aipac) De quatro em quatro anos, todo candidato presidencial submete-se no Aipac ao ritual de purificação e declara seu apoio formal a Israel”, afirma Argemiro Ferreira, que posta em seu blog uma foto do presidente eleito Barack Obama em recente visita ao Aipac.

O renomado intelectual James Petras também compartilha desta visão. Ele lembra que a Aipac tem 100 mil filiados e 150 lobistas, que atuam em tempo integral nos corredores da Casa Branca e do Congresso. “Mais de 20 deputados e uma dúzia de senadores são sionistas, que apóiam automaticamente as políticas de Israel e pressionam por mais financiamento e armamento dos EUA para sua máquina militar... A Aipac tem pessoas em posições chaves no Tesouro, no Comércio e no Conselho de Segurança Nacional, funcionários no Pentágono e conselheiros no topo sobre assuntos do Oriente Médio”.

A “cobertura ideológica” da mídia

Petras observa, ainda, que a influência israelense se estende além dos poderes públicos. “A maioria da indústria do cinema, dos jornais e da mídia eletrônica é de propriedade ou é influenciada por magnatas judeu-sionistas”. Na fase que precedeu a invasão de Gaza, a mídia venal reforçou a campanha de que Israel é vítima e de que o Hamas é terrorista. Segundo Petras, o lobby sionista “criou a cobertura ideológica para a ‘guerra total’ de Israel” – curiosamente, esta foi a manchete da principal revista ianque no Brasil, a Veja.

Após afirmar que o New York Times e o Washington Post são controlados por notórios sionistas, Petras também revela um fato familiar aos brasileiros. Lembra que “escritores, jornalistas e editores estadunidenses louvam e defendem a ‘guerra total’ de Israel sem identificar sua antiga filiação e identificação com organizações sionistas”. Ali Kamel diretor-executivo de jornalismo da TV Globo, deve ter copiado esta fórmula ao enviar como correspondente à Faixa de Gaza a jornalista Renata Malkes, uma antiga sionista.

4 comentários:

Anônimo disse...

Os USA dependem financeiramente dos judeus. As grandes fortunas americanas estão nas mãos dos judeus. Quem tem poder é o "money". Esses fariseus, sionistas, renegados até por Jesus, hipocritamente afirmam que Deus lhes prometeu aquele pedaço de terra. Tudo desculpa para dar vazão aos seus baixos instintos capitalista. Continuarão a ser escorraçados até os fins dos dias.
Em todos os povos existem seres bons e maus. Acredito que o Propocolo dos Sábios do Sião foi escrito por eles.

Anônimo disse...

Todo mundo sabe que os Judeus Sionistas, controlam os Senadores norte-americanos,controlam a mídia, controlam o que cidadão comum na América respira e come, e que Obama, e outros presidentes adiante serão meros fantoches.
Isto não anti-semitismo, é anti- sionismo.
Bom abrir os olhos.
Bom ler Norman Finkelstein.

a. disse...

Em um jornal do interior do RIO DE JANEIRO, li que existem terroristas de ambos os lados que provocam esses conflitos, fico triste;apenas que pessoas de bem de ambos os lados creem na PAZ, assim fico feliz.
Hoje e talvez neste mes seja essa a notícia que me alegrará de verdade.

Eugenio Hansen, OFS disse...

SOBRE BOICOTE À ISRAEL

Paz e bem!

Miro:

Há um link
com informações
sobre empresas a serem boicotadas?
E com htmls de banners chamando o boicote?