domingo, 3 de abril de 2016

A tentativa de criminalizar Boulos e o MTST

Por Leonardo Sakamoto, em seu blog:

Da mesma forma que é democrática a livre manifestação popular em defesa do impeachment de Dilma Rousseff, também é democrática a livre manifestação popular que considera um golpe de Estado a forma como é conduzido o processo de cassação.

Grupos e partidos contrários ao governo, que discordaram do resultado das eleições de 2014, foram às ruas contesta-las e demonstrar sua insatisfação, o que foi fundamental para colocar Dilma e o PT a um passo do cadafalso (bem, na verdade, eles mesmo caminharam para a forca por conta dos seus próprios erros). Posso discordar dos métodos e narrativas desses grupos e partidos mas, até aí, faz parte do jogo.

Portanto, soa hipócrita, para dizer o mínimo, quando representantes do PSDB e do DEM entram com representações junto ao Ministério Público Federal pedindo a investigação do coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) Guilherme Boulos sobre declarações que tem dado em eventos.

Dizem que ele incita ao crime e forma milícia privada por afirmar o óbvio – que parte da sociedade vai resistir nas ruas se o impeachment ocorrer sem estar baseado em um claro crime de responsabilidade cometido pela presidente.

Lembrando que incompetência no cargo, falta de capacidade política e dificuldades de se expressar em público não significam crime de responsabilidade.

Por outro lado, resistência significa utilizar os meios possíveis e ao alcance de cada um para demonstrar sua insatisfação. A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) resiste ao governo federal gastando milhões de reais para ocupar, na forma de anúncios, espaços nobres nos principais jornais e portais a fim de clamar pelo impeachment – além de produzir e distribuir um exército de patos de borracha amarelos pelo país.

A própria oposição resiste travando a aprovação de projetos de lei que visam a retomar o crescimento econômico (projetos com as quais ela concorda, aliás), ocupando o espaço com discursos pró-impeachment, para desgastar o governo federal e forçar sua saída. E prometem fazer o mesmo caso o impeachment não passe.

Daí quando trabalhadores e movimentos sociais prometem resistência, cruzando os braços em greves e ocupando ruas, avenidas e outros espaços, a ação vira caso de polícia? Aonde o pessoal acha que está? Ou onde gostaria que estivéssemos? No Brasil do final do século 19 ou em plena ditadura civil-militar?

A criminalização da resistência de apenas um dos lados dessa disputa mostra o quanto os atores de nosso sistema político são incapazes de entender o que é, de fato, uma democracia. Chamar de chantagem toda forma de protesto com a qual não concordamos é, no mínimo, infantil.

A oposição não vai admitir, mas a quantidade de pessoas que têm ido às ruas para criticar a forma como está sendo conduzido o processo de impeachment – atenção, não confundir com ir às ruas para apoiar esse governo – foi maior que a esperada. À frente de muitas delas, está o MTST e a Frente Povo sem Medo, que se mantém bastante críticos ao Palácio do Planalto.

A partir daí, a narrativa para a criminalização de movimentos sociais tem sido anabolizada na mídia, nas redes sociais, nos espaços políticos. Narrativa que quer inverter os sentidos das palavras e transformar resistência popular em ameaça à democracia e à governabilidade.

Guilherme Boulos é liderança do principal movimento social de massa deste país em termos de centralidade da pauta, capacidade de mobilização e visão de atuação hoje. Um movimento com uma agenda antiga, mas com uma equipe que sabe se comunicar e influenciar a disputa simbólica da narrativa, pela mídia, pelas redes sociais.

E vem exatamente do posicionamento crítico adotado contra a atual administração federal o respeito de vários setores da esquerda para com o movimento e com Boulos. Esse respeito e essa capacidade de mobilização, que consegue colocar dezenas de milhares de militantes nas ruas quando preciso, assusta muita gente. Que prefere ver ele preso do que articulando com outros movimentos ou em cima de um caminhão de som.

O pedido de investigação criminal de Guilherme Boulos é uma amostra do que acontecerá com parte da esquerda brasileira se o macarthismo à brasileira se instalar como ação sistemática de limpeza ideológica. Já estamos vendo, aqui e ali, a perseguição a quem usa roupas vermelhas e a agressão em espaços públicos contra quem defende determinado ponto de vista. Até o juramento de Hipócrates foi rasgado por médicos que acham normal não prestar atendimento a alguém que não compartilha da mesma opinião política que eles.

Daqui para a caça nas ruas, escolas e empresas é um pulo.

Apesar de conquistas sociais obtidas na última década, o governo não atendeu às pautas históricas propostas pelos movimentos sociais – o que, do meu ponto de vista, não seria nenhuma “revolução'', mas melhoraria a vida de milhões de brasileiros que se mantêm excluídos. Pelo contrário, em nome da “governabilidade'' fez alianças espúrias, apoiando forças econômicas e políticas que eram contrárias a esses interesses populares, ignorando o suporte oferecido por esses mesmos movimentos para um mandato que significasse uma mudança de paradigma.

E nada indica que, se sobreviver à convulsão, irá fazer a “guinada à esquerda'', mítico desejo da militância, que passa frio no barraco de lona na beira da rodovia, que convive com ratos em prédios ocupados em grandes cidades, que sente medo de ser despejada de sua terra tradicional, que vive as condições de trabalho precarizadas em nome do progresso.

Mas todos os movimentos sociais sabem o que é serem considerados criminosos simplesmente por lutarem pelos direitos que lhes são garantidos pela Constituição. Sabem o que é levar cacete por representar o que está em desacordo com a visão hegemônica de “progresso'' e crescimento econômico, seja no campo ou na cidade. E ainda guardam na memória as cicatrizes deixadas pelos anos de governo Fernando Henrique Cardoso, temendo que voltem a ser caçados dependendo de quem assuma o poder ou do clima político do país.

Você pode não gostar de Guilherme Boulos. Mas, se preza pela liberdade, deveria repudiar a sua criminalização e dos movimentos sociais populares, da mesma forma que deve ser repudiada a criminalização de qualquer liderança social, de direita ou esquerda.

Pois, hoje é com ele. Depois, com uns comunistas, sindicalistas, operários, jornalistas… Amanhã, quem sabe, se não vai ser com você?

4 comentários:

Anônimo disse...

Não podem mais vitimar lideres de nossa sociedade.
teremos que fazer um movimento a cada usurpação de nossos
direitas.
Já deixamos que matassem varios lideres, sem nos manifestarmos
devidadmente..
Tinhamos a noção de que a LEI cumpriria com seu papel..
E esta provado que não..

Anônimo disse...

Quem não enfrenta, não governa !!!
Basta de republicanismo suicida !!!
O Daiello já deveria ter sido substituído ... (para começar).

Jorge Nogueira Rebolla disse...

A fascinação na porta dos fundos

http://vermelhosnao.blogspot.com.br/2016/04/a-fascinacao-na-porta-dos-fundos.html

Não são fascistas no sentido de seguidores da ideologia. Os que apoiam o juiz universal e as suas correias de transmissão são no sentido estrito. São totalitários que desejam exterminar os diferentes. São fascistas sim, embora os seus líderes repudiem toda e qualquer intervenção estatal em defesa das classes baixas. A grosso modo: fascismo sem leis trabalhistas e direitos sociais. Ainda não chegaram ao Século XX e querem controlar o XXI. Il Duce embora morto há setenta anos era um pouco mais avançado que a horda que se espalha pelo ambiente virtual e pelas ruas. A mesma violência real e retórica dos camisas negras de um século atrás, mas também contra a jornada de trabalho limitada, a saúde e a educação públicos e gratuitos.

A intolerância das tropas de assalto ficou clara com a ordem unida contra o vídeo Delação, do canal Porta dos Fundos, no Youtube. Enquanto nas primeiras horas no ar a quantidade de likes e dislikes permaneceu equilibrada, chegando juntos aos 60.000, a conjuração dos titereiros não se fez esperar. O alto comando dos bolsominions, tucanalhas, olavetes e globais ordenou aos seus zumbis que atacassem o canal. No próprio Youtube, no Facebook, no Twitter e nas demais redes sociais.

Unknown disse...

off topic :Os blogs br. poderiam contribuir com os da UE, com nomes/dados - p/ampliar a lista:D
http://m.eldiario.es/economia/implicada-trama-sociedades-fiscales-Panama_0_501500186.html