quinta-feira, 12 de maio de 2016

Muitos que festejam hoje vão chorar amanhã

Por Altamiro Borges

Manipulados pela imprensa golpista, alguns "midiotas" buzinaram seus automóveis e bateram panelas ao tomarem conhecimento do resultado da votação do Senado na manhã desta quinta-feira (12), que aprovou - por 55 votos a favor e 22 contra - o afastamento temporário da presidenta Dilma Rousseff. Muitos dos que festejam hoje, porém, deverão estar se lamentando nas próximas semanas ou meses. É que eles rapidamente perceberão que o golpe não visou apenas estuprar a frágil democracia nativa. O seu maior objetivo é promover um brutal retrocesso no Brasil, impondo um novo projeto de nação com menos direitos para os trabalhadores e para os setores médios da sociedade.

No caso dos assalariados "midiotizados", a vitória dos golpistas representará uma destrutiva ofensiva contra os direitos trabalhistas. A terceirização selvagem das atividades fins atingirá várias categorias, inclusive as do topo da pirâmide social, que hoje gozam de férias, décimo terceiro salário e outros direitos conquistados com muitos anos de luta. Os que não forem vítimas da terceirização direta serão atingidos pelo golpe do "negociado sobre o legislado", que visa exatamente anular os direitos fixados na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Desemprego, arrocho salarial e precarização trabalhista fazem parte do programa "Ponte para o futuro" - ou "pinguela para o passado" - dos vitoriosos de hoje no Senado. A elite empresarial, que apoiou o golpe, cobrará a fatura com pressa e intensidade.

Já no caso dos trabalhadores que estão à beira da aposentadoria, o impeachment de Dilma resultará na ampliação da idade mínima para o gozo deste direito. Segundo o próprio noticiário da mídia privada, a reforma da Previdência Social será uma das prioridades do governo ilegítimo do Judas Michel Temer. Editoriais da imprensa e documentos das entidades patronais exigem rapidez na imposição desta medida "impopular". As pessoas de cabelo branco que foram às ruas gritar pelo "Fora Dilma" rapidamente perceberão que cavaram a sua própria sepultura como escravos do trabalho, como oprimidos que servem aos opressores.

Até entre os pequenos e médios empresários e os tais "empreendedores" haverá choradeira daqui a poucos dias. As medidas de estímulo ao crédito e de concessão de subsídios, que nos últimos anos visaram aquecer o mercado interno de consumo para minimizar os efeitos da grave crise econômica, deverão ser anuladas ou reduzidas no esforço da "austeridade fiscal" - que serve apenas para manter os lucros dos banqueiros. Em síntese, os "midiotas" que hoje festejam o golpe logo perceberão que foram massa de manobra das elites empresariais. A choradeira será patética. Alguns até tentarão esconder que participaram desta conspiração, que apoiaram o "golpe dos corruptos". Mas será tarde!

*****

Leia também:

- Vai ter luta; Manifesto à nação

- Golpe coincide com ofensiva patronal

- Os 180 dias que abalarão o Brasil

- Senado é o verdugo a mando do Cunha

1 comentários:

Egberto Ribeiro Turato disse...

Discordo. Não creio que irão chorar. Infelizmente. Quando as coisas piorarem, vão dizer que é herança maldita do PT. Os que festejam hoje são pessoas com traços de psicopatia na personalidade. Psicopatas tem superego deficiente, não se arrependem. Choram os que têm brio na cara. Quem soltou rojões e fez buzinaço com a chegada, hoje, de corruptos comprovados ao governo, têm distúrbios de caráter. Remorso não está nesses corações.