segunda-feira, 4 de julho de 2016

PT, MP e o peixe morre pela boca

Por Breno Altman, na revista Fórum:

O PT nasceu sob vários influxos. Um deles foi a crítica contra o socialismo real, a experiência forjada pela revolução de outubro e liderada pela URSS.

O centro desta crítica era a questão democrática. Muitos dos formuladores dessa crítica não escondiam reverência a ideias liberais, prestando homenagem ao suposto caráter universal dos princípios de Montesquieu, sobre a separação de poderes.

Alem desta influência cultural, o pensamento democrático hegemônico no PT também foi construído a partir do espírito da luta contra a ditadura e da vivência corporativo-sindical.

O fato é que o partido passou a considerar que a democracia vinha da combinação entre soberania do voto, participação popular e autonomia dos poderes de Estado.

Os petistas viraram campeões, antes e depois de liderarem o governo federal, da pressão por autonomia do Ministério Público, dos órgãos policiais e outras estruturas do Estado, cujo comando se deslocou do primado da vontade popular, chancelada pelo voto, para a auto-regulação das corporações.

O petismo, dessa forma, alimentou um dos monstros que corrói nossa democracia, sob a manta de republicanismo: a autonomia, como fundamento do Estado, esvazia o papel soberano do povo e o transfere para espaços cuja ascensão nada tem a ver com as urnas ou a participação cidadã.

Deu no que deu.

2 comentários:

Silvio Nobre disse...

Transformaram liberdade e autonomia em libertinagem e autoritarismo.

Humberto Luiz Lima de Oliveira disse...

Não avaliaram as consequências do desejo.Ou, se deixaram ficar prisioneiros das próprias ideias.