quinta-feira, 29 de setembro de 2016

“João Dólar” será cassado? Tucano é santo!

Por Altamiro Borges

Nesta segunda-feira (26), o Ministério Público Federal entrou com ação contra a chapa do tucano “João Dólar Jr.” à prefeitura de São Paulo. O promotor José Carlos Bonilha pediu à Justiça Eleitoral a cassação da sua coligação e também a inelegibilidade do governador Geraldo Alckmin por abuso de poder político. Se a drástica solicitação fosse contra um candidato de esquerda, a mídia chapa-branca teria feito o maior escarcéu. O assunto seria manchete dos jornalões e motivo de ácidos comentários dos “calunistas” de rádio e tevê. Mas como atinge o empresário-picareta do PSDB, a maior parte dos eleitores paulistanos nem ficou sabendo da ação do MPF. Afinal, todo tucano é santo, segundo a visão distorcida e seletiva da imprensa amiga.

No pedido da cassação, o promotor citou vários casos de abuso do poder político. Lembrou que o governador exonerou a sua secretária de Meio Ambiente e nomeou Ricardo de Aquino Salles, ligado ao Partido Progressista. Em troca, a chapa de João Doria recebeu apoio do PP, aumentando em 25% o seu tempo de rádio e tevê. “Na nossa avaliação, isso caracteriza um desvio de finalidade. A secretaria foi dada procurando atender a interesse político-partidário, e não de acordo com o interesse público”, afirma José Carlos Bonilha. Ele também relatou a participação do governador em atos de campanhas antes da oficialização da candidatura. “O Alckmin saiu visitando comunidades em São Paulo, especialmente Paraisópolis, se deixando fotografar, interagindo com a comunidade. Portanto, fazendo ato de campanha. O governador, como chefe do Executivo, tem que manter neutralidade em relação aos concorrentes”.

O promotor também criticou o uso na campanha tucana do slogan “Acelera São Paulo”, marca de um programa da secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação de São Paulo. “Esse slogan foi apropriado pela coligação e não é possível que a ela tenha o nome de uma marca, um símbolo, uma imagem ou um slogan de um ente público. A lei eleitoral proíbe expressamente. Isso é crime eleitoral”, garante. Vários dos casos citados pelo MPF foram apontados por setores do próprio PSDB, que até hoje não engoliram a imposição do nome do empresário-picareta, apadrinhado de Geraldo Alckmin. Ainda de acordo com o promotor, se a ação for julgada procedente, mesmo após uma eventual vitória eleitoral de “João Dólar”, o seu diploma poderá ser cassado.

Conhecendo o histórico do Judiciário de São Paulo – que mais se parece com um poleiro tucano –, tudo indica que a ação do promotor José Carlos Bonilha não vai dar em nada. O que só reforçará uma chacota que circula há muito tempo nas redes sociais: basta se filiar ao PSDB para não ser processado, investigado, condenado e, muito menos, preso! Afinal, os tucanos são santos – protegidos por Deus, pela Justiça e pela mídia chapa-branca!

*****

Leia também:

3 comentários:

Cícero disse...

Como referido no texto, também acho que esta ação não vai dar em nada. Infelizmente, no Brasil, o Poder Judiciário utiliza dois pesos e duas medidas no julgamento de políticos do PT e do PSDB: aqueles são julgados e condenados com a rapidez de um Usain Bolt, mesmo sem provas; estes são declarados inocentes e seus processos arquivados.

É incrível como denúncias contra alguém do PT tramitam rápido nos tribunais. Mas quando o denunciado é do PSDB, aí os processos demoram anos, até décadas para serem julgados.

Silvio Nobre disse...

Mais facil eu voltar a andar! Esse MPF e Judiciario corrupto nao nos autoriza ter esperança. Creio que mesmo com provas a denuncia so foi feita porque interessa o "Cerra"!

Benedito Ap. da Silva (Benê) disse...

Uma vergonha essa nossa (IN)justiça.