domingo, 16 de outubro de 2016

Cadê os ‘coxinhas’ do Banco do Brasil?

Por Altamiro Borges

Participei de alguns encontros sindicais dos bancários neste ano. Aproveitei para perguntar como os trabalhadores da base estavam reagindo à cruzada golpista pelo impeachment de Dilma. No geral, segundo os relatos, a categoria estava apática. Tinha duras críticas ao governo petista, mas também desconfiava dos propósitos dos grupos que rosnavam por sua queda. Para minha surpresa, porém, a sondagem indicou que um dos maiores focos de apoio ao golpe se encontrava entre os funcionários do Banco do Brasil. Como será que os “coxinhas do BB”, como eram ironizados, vão se comportar agora diante das notícias de que o covil golpista pretende desmontar esta importante instituição financeira?

Na entrevista que concedeu à Globonews nesta quinta-feira (13), o Judas Michel Temer confirmou seus intentos malignos. De forma arrogante e desrespeitosa, ele deixou implícito que planeja reduzir o papel estratégico do banco, diminuindo seu tamanho para, ao que tudo indica, justificar uma futura proposta de privatização. Questionado pela ex-urubóloga Miriam Leitão, hoje convertida em porta-voz otimista do governo ilegítimo, o usurpador respondeu: “O Banco do Brasil está pensando em cortar uma porção de funções, de cargos que lá existem, que são absolutamente desnecessários”. Na mesma entrevista, ele defendeu a PEC da Morte – do corte dos gastos nas áreas sociais – e a retomada das privatizações.

A declaração gratuita do Judas não foi um raio em céu azul. Nos últimos dias, cresceram os boatos de que o BB prepara um agressivo plano de demissões voluntárias – o famoso PDV. A Folha desta sexta-feira (14) informa que a meta é dispensar cerca de 10 mil bancários – 9% do quadro funcional. Há quem fale em até 18 mil demissões. O jornal chapa-branca até tenta justificar o facão. “Com mais de 109 mil empregados e um grupo de quase 5.000 estagiários, o BB tem um quadro de funcionários ‘inchado’ em relação aos seus concorrentes da iniciativa privada – Itaú, Bradesco e Santander”. Para “enxugar” este quadro, a nova direção do banco estaria tentando convencer os bancários de que “não se trata de demissão, mas de incentivo à aposentadoria”.

A diminuição do quadro funcional já vinha ocorrendo na “gestão empresarial” do Banco do Brasil nomeada pela presidenta Dilma – o que explica o inocente apoio ao golpe de alguns funcionários, principalmente dos cargos de chefia. Mas o objetivo agora é acelerar este processo, inclusive com métodos terroristas de assédio moral. Ainda segundo a Folha privatista, “o BB precisa aumentar a rentabilidade e, para isso, diminuir as despesas com pessoal é visto como essencial”. A receita para isto inclui demissões e arrocho, já que “o custo com a folha de pagamentos segue alto. No segundo trimestre de 2015, foram gastos R$ 4,9 bilhões com pessoal. No mesmo período deste ano foram R$ 5 bilhões”.

Os "coxinhas" e a resistência sindical

Diante dos riscos iminentes, a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf) já se encontra em estado de alerta. Em matéria postada nesta sexta-feira (14), a entidade reagiu à entrevista na Globonews. “O ataque de Michel Temer demonstra desconhecimento de que o papel do BB se tornou mais relevante quando de fato seus funcionários foram mais valorizados, com o fim da política de reajustes zero e a recuperação de direitos. Cresceu o banco e cresceu o número de funcionários. O que vemos hoje nas milhares de agências do BB é justamente a necessidade de mais pessoas para atender melhor os clientes que geram lucros bilionários ao banco e ao governo. A fala de Temer reforça ainda mais a postura de ataque do atual governo aos trabalhadores”, reagiu Wagner Nascimento, coordenador da Comissão dos Funcionários do BB.

Ainda de acordo com a entidade, o Banco do Brasil não confirmou a intenção de estimular as demissões voluntárias, “apenas informou que extinguiu a diretoria de Relações com Funcionários e Entidades Patrocinadas (Diref) e a diretoria de Crédito Imobiliário (Dimob). As medidas são decorrentes da nova gestão do banco, comandada por Rogério Caffarelli, que tem foco puramente comercial, em melhorar os resultados do banco. Para Wagner Nascimento, o banco precisa responder ao questionamento das entidades e também se pronunciar oficialmente sobre os planos de redução de quadros. ‘Não é certo os funcionários saberem de demissões, corte de funções e reestruturações pela imprensa. Isto gera uma onda de incertezas e boatos que são rapidamente multiplicados e que de fato prejudicam as condições de trabalho”.

Wagner Nascimento também alerta que o enxugamento do número de funcionários é prejudicial para a instituição financeira e a não reposição de vagas de aposentados piora as condições de trabalho de quem fica. “Não repor as vagas de aposentados sobrecarrega quem fica. O banco precisa ser oxigenado. Somos contra a esse enxugamento e contrários a qualquer PDV. Um plano de incentivo à aposentadoria precisa ser analisado. Muitos esperam esse incentivo para requerer o benefício”. Ele também criticou a extinção da Diretoria de Relações com Funcionários, uma medida autoritária que reduz a interlocução do banco com os trabalhadores.

*****

Leia também:




8 comentários:

João Luiz disse...

Para você que aí fica
Vou te dar uma dica
Além de sonso e vagabundo
Sou Cineasta Diretor
A MAMÃE é pamonha
Me estimulou na maconha

Deus não dá noz nem voz
a quem não tem dentes
Se você ainda não sabe
Vivo de Festival de Tiradentes.
P’ra garantir minhas mesadas

Fixo nas mais caras pousadas
Para divulgar meu Aquarius
Sou capaz de roubar um Stradivarius
Onde há dinheiro público
Sou como o Mustela putorius
Juro por tudo que é bíblico

Mando essa antes que acabe:
Vivo da Lei Rouanet
Sou do PeTê
Não vejo empecilho
Sou Kleber Mendonça Filho.


=====
JL.




Mente Insana disse...

Você mais uma vez foi brilhante.
Os funcionários do Banco do Brasil, Correios e Petrobrás , estão perdendo tempo.
Já deviam estar em estado de greve a muito tempo.
Estas empresas estão sendo destruídas.
Escutam diariamente a ladainha que o Brasil foi quebrado pelo governo anterior e o pior de tudo! Acreditam. Nunca vi tanta apatia.
Quando acordarem será tarde.
São funcionários que dedicaram a vida inteira a suas empresas e que ficaram irremediavelmente desempregados ou subempregados para o resto da vida.

Alexandre Figueiredo disse...

A Miriam Leitão hoje é beijafloróloga, e vejo o quanto o pessoal da TV Globo, da Globo News e similares está zen. Toda vez que o golpe é consolidado e a plutocracia toma o poder, até parece que tomaram um porre de suco de maracujá. Quem não os conhece pensa até que viraram budistas.

Anônimo disse...

Os coxinhas possuem uma cloaca muito resistente.
Acredito que aguentarão até 2018 facilmente.

Anônimo disse...

Os coxinhas devem estar neste exato momento comemorando nha Avenida PAU LISTRA. Todos vestidos com o uniforme da seleção brasileira.
Comemorando a gasolina R$ 0,03 centavos mais barata.

Adma disse...

"A diminuição do quadro funcional já vinha ocorrendo na “gestão empresarial” do Banco do Brasil nomeada pela presidenta Dilma – o que explica o inocente apoio ao golpe de alguns funcionários".

Trabalhei no BB de 1980 a 2000 e enfrentei os anos terríveis de Fernando Henrique, lidando PDVs e clima de terrorismo iguais a esse. O Ourocard, s3etor onde trabalhava na época, foi todo terceirizado em 1998 e os funcionários não comissionados que lá trabalhavam na época ficaram como excedentes, tendo que procurar um local para trabalhar. Nem eu nem meus colegas éramos coxinhas ou neoliberais. Todos éramos contra a privatização e odiávamos o governo do PSDB.

A frase acima, retirada do texto, diz muito sobre a mudança de ânimo dos funcionários do BB. Não houve uma "direitização" da categoria. Constata-se, na verdade, que o governo Dilma aplicou as mesmas diretrizes neoliberais no trato com o funcionalismo, o que explica a aversão da categoria a seu governo.

Gilberto disse...

O povo na rua reage à ditadura. Prisão longa para todos os golpistas. Lula lidere seu povo. Venha pra rua, não tenha medo.

Anônimo disse...

Versos ruins, pé quebrado recalcado