domingo, 25 de dezembro de 2016

Sete verdades sobre o conflito na Síria

Homs, Siria, 24 de dezembro de 2016. Foto:Omar Sanadiki/Reuters
Por Igor Fuser, no jornal Brasil de Fato:

Com a melhor das intenções e a maior inocência, muitos brasileiros com posições progressistas têm se deixado levar pelas informações deformadas sobre a situação na Síria que nos chegam por meio da mídia pró-imperialista. A isso se soma a postura delirante de certos grupos de ultraesquerda que tomam partido, naquele conflito, exatamente do mesmo lado que os Estados Unidos, a Otan e os terroristas psicopatas do Estado Islâmico, espalhando pelas redes sociais, de forma acrítica, as versões dos propagandistas do Império. Uma polêmica se instala em setores da esquerda brasileira a partir de uma falsa questão: apoiar ou não o regime de Bashir Assad.

Em relação a isso é importante, antes de qualquer coisa, desconstruir a fraude maniqueísta veiculada pela mídia, que reduz um conflito extremamente complexo a um jogo de videogame onde se situam, de um lado, os “rebeldes” do bem, acompanhados dos civis indefesos que os apoiam, e do outro, os carniceiros do governo sírio, com seus russos desalmados.

Resumidamente, alguns pontos devem ficar claros, para que se entenda corretamente o que está acontecendo na Síria.

1. Não existe uma “revolução síria”. Se, no início, em 2011, havia forças políticas sinceramente interessadas em democratizar o país, elas há muito tempo desapareceram de cena, engolidas pelo que é na realidade uma rebelião étnico-religiosa, conservadora, de caráter islâmico fundamentalista.

2. Os EUA e seus aliados árabes (principalmente o Catar e a Arábia Saudita) são os grandes culpados, por terem armado, financiado e treinado os combatentes fundamentalistas, usados como bucha de canhão no plano de Washington (formulado alguns anos antes) de se livrar de Assad, último remanescente da velha onda de governantes árabes nacionalistas, tais como Kadafi na Líbia e Saddam Hussein no Iraque.

3. O regime de Assad é de fato uma ditadura (numa região onde é preciso procurar com uma lupa para encontrar, aqui e ali, algum fiapo de democracia), mas é um regime laico, tolerante em relação à diversidade étnico-religiosa do país, defensor dos direitos da mulher, e independente do ponto de vista geopolítico. Sua sobrevivência, no atual contexto, é a única garantia de manutenção da integridade política e territorial da Síria diante da estratégia imperialista de implodir e fracionar, sempre que possível, os Estados nacionais com potencial de se contrapor à hegemonia estadunidense, em qualquer região do mundo. É o que já fizeram na Iugoslávia, no Iraque, na Líbia.

4. Uma grande parcela da população síria (a maioria, talvez) está do lado de Assad, certamente não porque sinta amor por esse governante, mas porque a derrota dos fanáticos islâmicos é o único meio de pôr fim à carnificina e ao caos, restabelecendo um mínimo de paz.

5. A Rússia teve e tem um papel positivo no conflito, impedindo que – ao menos desta vez – os Estados Unidos usem diretamente a força militar para impor sua vontade no Oriente Médio. A derrota dos EUA na Síria favorece a perspectiva de um mundo multipolar, com mais espaço para os projetos de emancipação humana do que um império estadunidense.

6. A ampla maioria dos combatentes anti-Assad são ligados a organizações terroristas como a Al Qaeda e o Estado Islâmico – grupos incompatíveis com os valores da civilização universalmente aceitos, o que inclui não apenas a democracia e os direitos humanos, mas também a preservação do patrimônio histórico e cultural. Quem apoia os “rebeldes sírios" (muitos dos quais nem sírios são) endossa também a destruição, entre outras coisas, dos monumentos arquitetônicos de Palmira, um tesouro da humanidade.

7. As versões de que o exército sírio está massacrando civis nas áreas controladas pelos “rebeldes”, praticando genocídio e estupros em massa, são comprovadamente mentirosas e fazem parte de uma campanha da mídia pró-imperialista para deslegitimar qualquer acordo que inclua a permanência de Assad (ainda que se estabeleçam eleições gerais) e para respaldar uma intervenção militar da Otan e dos regimes árabes mais reacionários. Isso agravaria ainda mais o conflito e destruiria a Síria de uma vez por todas, tornando a tragédia humanitária infinitamente mais grave.

2 comentários:

José Artur Grossi disse...

As (ex)potências imperialistas europeias até hoje carregam esse simbolismo da "democracia", que, necessariamente, os coloca em "vantagem" comparativa com resto do Mundo e, portanto, justificam suas continuadas atrocidades, guerras, massacres EUGÊNICOS.
Os EEUU herdaram e aprofundaram o excepcionalismo branco, europeu, capitalista.
O neoliberalismo é uma RELIGIÃO.
Onde está a "democracia" americana, exceto na contínua PROPAGANDA que a comissão Crew e Eduard Bernays inauguraram em 1917/18?
A esquerda brasileira e mundial precisam rever essa tolice de ter a Europa e os EEUU como referência, Pai, Mestre, guia...
Só houve progresso nos países da periferia do capitalismo que se recusaram a PAGAR ROYALTIES PELA DEMOCRACIA.
A DEMOCRACIA É UMA EXPERIÊCIA, não um PRODUTO acabado.
Assad foi ELEITO!

Eliseu Leão disse...

Flagrante - Escandalo internacional - a imprensa nao deu noticia.
Video traduzido em portugues

http://www.pandoratv.it/?page_id=18