terça-feira, 21 de novembro de 2017

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Mais um golpe contra a vida do povo negro

São Paulo, 20/11/17. Foto: Lucas Martins/Jornalistas Livres
Por Elder Reis, no blog Levante Popular da Juventude:

O golpe em curso no Brasil carrega a marca da execução de um plano contra o povo, imposto pela classe dominante, que nunca pensou um projeto soberano de desenvolvimento para o país. Isso se expressa na constante aprovação de uma série de medidas antipopulares, que desmontam cotidianamente direitos sociais conquistados a muito suor e muita luta. Exemplos recentes são os impactos de medidas como a reforma do ensino médio, a lei da mordaça, bem como o corte de verbas das universidades públicas, as alterações no FIES e no PROUNI que representam um verdadeiro ataque e desmonte da educação pública brasileira.

Consciência Negra tem dia, história e luta

São Paulo, 20/11/17. Foto: Lucas Martins/Jornalistas Livres
Por Cezar Britto, no blog Socialista Morena:

A História tem revelado que a Lei Áurea, de 13 de maio de 1888, foi aprovada em razão da luta abolicionista e da vitoriosa e crescente “desobediência civil” praticada por escravos rebelados. Basta que se observe que, na época, apenas 5% dos descendentes de africanos eram fisicamente livres, embora, como agora, ainda aprisionados pelo preconceito racial e a desigualdade sócio-econômica. O “apenas” está escrito por força da gramática, pois basta um homem ser escravo para que permaneça o grave crime praticado contra a humanidade.

Será o início da decadência da Globo?

Por Renata Mielli, no site Mídia Ninja:

Um império não se derruba com um tiro só, ele vai sendo abalado aos poucos, vai sendo desconstruído, questionado e denunciado.

Um império não acaba repentinamente. Vai perdendo o seu poder e sua credibilidade lentamente: É o caso das organizações Globo, o império midiático erguido durante a ditadura militar e que passa pelo pior momento de sua história.

O mais recente episódio envolvendo a emissora aconteceu nesta terça-feira, 14 de novembro, quando uma das testemunhas de acusação chamadas a depor no julgamento sobre o escândalo envolvendo a Fifa (e o pagamento de propinas e o direito de transmissão de jogos) citou a TV Globo como um dos grupos de mídia participantes do esquema.

Temer e o pacote de favores para Shell

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

Além de indignar os 200 milhões de brasileiros, a descoberta do pacote de favores prestados pelo governo Temer à Shell e outras empresas britânicas para facilitar ainda mais o domínio externo sobre as reservas do pré-sal ajuda a iluminar aspectos necessários a defesa dos interesses do país.

O benefício é jogar luzes sobre num debate que ocorre na surdina, no Congresso, que irá ter consequências - um pouco mais, um pouco menos nefastas - para o destino do país.

Estudos mostram o abismo racial no Brasil

Do site Vermelho:

A população negra é a mais afetada pela desigualdade e pela violência no Brasil. É o que alerta a Organização das Nações Unidas (ONU). No mercado de trabalho, pretos e pardos enfrentam mais dificuldades na progressão da carreira, na igualdade salarial e são mais vulneráveis ao assédio moral, afirma o Ministério Público do Trabalho.

De acordo com o Atlas da Violência 2017, a população negra também corresponde a maioria (78,9%) dos 10% dos indivíduos com mais chances de serem vítimas de homicídios.

O futebol nas mãos da Globo

Por André Pasti e Iago Vernek, na revista CartaCapital:

As últimas semanas do departamento jurídico do principal conglomerado de comunicação brasileiro, o grupo O Globo, não devem ter sido das mais fáceis. Primeiro, o afastamento de William Waack, âncora de um dos principais jornais da emissora, devido ao vazamento de vídeos que mostram o jornalista tendo atitudes racistas. Agora, os dirigentes do grupo Globo viram a acusação de que a empresa pagou propina para adquirir direitos de transmissão de futebol virar manchete em jornais do mundo todo.

A quem serve a privatização da Petrobras

Por Cláudio Guedes, no blog Nocaute:

Neste sábado (18), mais um artigo no Estadão que defende a privatização da Petrobras.

Os argumentos são os mesmos de sempre: a corrupção nas estatais e a recuperação da capacidade de investimentos das empresas liberando-as do jugo dos sindicatos e dos políticos.

A mesma lengalenga, aparentemente meritória. Pois quem não é a favor de empresas eficientes? Quem é a favor da corrupção (com exceção dos poucos que dela se beneficiam)? É claro que essas são questões importantes, mas secundárias, menores, quando a questão é a Petrobras.

Huck e a irresponsabilidade aventureira

Por Aldo Fornazieri, no Jornal GGN:

Perdido em sua desventura histórica, perplexo com as hordas de corruptos e criminosos seriais que pontificam no poder há décadas e que estão imunes aos ditames da lei porque assim o quer o próprio STF, andando em círculos para chegar sempre no mesmo ponto sem sair do lugar, dominado por uma elite criminosa que sonega um futuro ao povo e o mantém e desditosa vida de sofrimentos, desigualdades e carências o Brasil parece não ter limites em seu extravio, na sua danação, pois ele se tornou prisioneiro do charlatanismo dos velhacos, dos manipuladores da esperança, dos oportunistas que querem o poder a qualquer custo, dos embusteiros que inventam fórmulas e atalhos mirabolantes para enganar a boa fé de um povo desenganado. Foi assim com Collor de Mello, foi assim com Dória e agora querem que seja assim com Luciano Huck, o amigo dileto de Aécio Neves.

As entranhas do 3º Congresso do MBL

Por João Filho, no site The Intercept-Brasil:

Vesti minha camisa e atravessei a cidade até chegar no pomposo bairro da Vila Olímpia em São Paulo. A missão era acompanhar o 3º Congresso do MBL, no ainda mais pomposo World Trade Center. Mesmo após ter assistido a um vídeo do Salsicha convidando a todos, até mesmo os intervencionistas militares, eu já imaginava que não daria para levar o convite ao pé da letra.

A aversão que os líderes do movimento têm aos jornalistas é conhecida. Apesar de não haver nenhuma restrição à entrada da imprensa na página de informações sobre o congresso, um jornalista foi expulso e outra impedida de entrar. Uma jornalista da Folha foi barrada porque, segundo um dos líderes, “o povo ficou chateado” com uma matéria escrita por ela que “não teria o enfoque certeiro”.

Globo vai se ferrar no exterior

A legislação patriarcal sobre as mulheres

Por André do Amaral, no site Outras Palavras:

Os acontecimentos recentes no país demonstram que a maioria dos homens insiste em não reconhecer os privilégios herdados socialmente pela brutalidade do patriarcado. Insistem em negar o argumento lúcido das mulheres que se esforçam para lançar luz sobre o sofrimento causado pela cultura machista. Para tal, utilizam argumentos rasos decorados em cartilhas de cronistas conservadores e posicionamentos absurdos, revestidos com o verniz de opinião. Trata-se, contudo, de um movimento social recorrente na história, aqui denominado como a legislação patriarcal sobre o corpo feminino.

Ingleses garantiram vantagens no pré-sal

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

O jornal inglês The Guardian, com base numa comunicação reservada obtida pelo grupo Greenpeace, informa que o ministro do Departamento de Comércio Internacional do Reino Unido, Greg Hands, “pressionou o governo brasileiro para facilitar o caminho para BP e Shell para garantir blocos de petróleo na polêmica região pré-sal do país”.

Greg Hands se encontrou com Paulo Pedrosa, secretário-geral do Ministério de Minas e Energia, e “diretamente” levantou as preocupações das empresas petrolíferas Shell, BP e Premier Oil britânicas sobre “tributação e licenciamento ambiental”.


A greve dos trabalhadores da EBC

Do site do FNDC:

O Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), organização que reúne mais de 500 entidades filiadas em todas as regiões do país, vem a público manifestar apoio e solidariedade aos trabalhadores e trabalhadoras da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), que deflagraram greve nesta terça-feira (14). A paralisação, que registra uma forte adesão de profissionais nas praças do DF, RJ, SP e MA, é uma resposta à total intransigência da direção da empresa na negociação do acordo coletivo de trabalho (ACT) para o próximo ano. Após oito rodadas de reuniões, a EBC se recusa a conceder qualquer tipo de reajuste nas cláusulas econômicas, como salários, ajuda-alimentação, auxílio às pessoas com deficiência, auxílio-creche e seguro de vida.



Temer e o Brasil governado por estúpidos

Por Tereza Cruvinel, em seu blog:

Não há mandiocada verbal que traduza o tamanho da estupidez, da desonestidade, da boçalidade, da indecência política, do machismo e da ignorância que levaram Michel Temer a autorizar e seu marqueteiro Elsinho Mouco a criar a peça publicitária em que desencavam uma fala da presidente deposta Dilma Rousseff sobre o papel da mandioca na formação da cultura nacional. Para começar, mentem. A inserção do PMDB apresenta a fala de Dilma como sendo de 2016, num esforço para justificar o golpe, quando ela foi feita em 2015, quando a então presidente participou da abertura dos Jogos Indígenas. Dilma saudou a mandioca como um dos elementos fundadores da cultura nacional mas eles apresentam a fala como sinal de sua alienação, como se em plena crise se dedicasse a falar sobre abobrinhas e mandiocas.

Beto Richa e o promotor afastado no Paraná

Por Helena Sthephanowitz, na Rede Brasil Atual:

O Ministério Público do Paraná afastou o promotor Carlos Alberto Choinski um dos responsáveis por inquéritos da Operação Quadro Negro, que investigava um esquema de fraude e desvios de dinheiro de construção de escolas públicas no Paraná. Segundo as investigações, o prejuízo aos cofres públicos é de cerca de R$ 20 milhões. Delatores afirmaram ao Ministério Público Federal (MPF), que parte desse dinheiro abasteceu campanhas políticas do PSDB e partidos aliados.

CPMI do Ministério Público é bem-vinda

Por Eugênio Aragão, no blog Diário do Centro do Mundo:

A atividade parlamentar soberana ainda é a que distingue uma democracia de regimes autoritários. A ninguém passou desapercebido, por outro lado, o quanto nos últimos anos muitos dos atores do legislativo desonraram o mandato popular, seja por se venderem por trinta pratas a um governo golpista, seja por transformarem sua nobre arena num picadeiro de circo, mais preocupados em fazer coro com o discurso de ódio barato que foi disseminado pela mídia, do que representar os interesses de seus constituintes.

sábado, 18 de novembro de 2017

Novo diretor da PF vai "estancar a sangria"?

Por Daniel Giovanaz, no jornal Brasil de Fato:

"Tem que mudar o governo para estancar essa sangria".
Há um ano e meio, a frase dita pelo senador Romero Jucá (PMDB), braço-direito de Michel Temer (PMDB), ao ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, entrava para a história como um dos símbolos do golpe parlamentar de 2016.

A conversa telefônica foi divulgada durante o período de afastamento provisório da então presidenta Dilma Rousseff (PT), e escancarou um dos objetivos do impeachment: frear as investigações de corrupção no Brasil, e não ampliá-las.

Temer eleva publicidade na Globo e Facebook

Por Miguel do Rosário, no blog Cafezinho:

O golpismo compensa no Brasil.

Austeridade fiscal vale só para saúde, educação, pesquisa e infra-estrutura.

Quando se trata da Globo, Veja, Facebook, Folha, Estadão, IstoÉ, o governo federal é o mais generoso do mundo.

Segundo números atualizados da Secom, compilados com exclusividade pelo Cafezinho, os recursos de publicidade federal destinados à TV Globo cresceram 55% nos dez primeiros meses de 2017, na comparação com o mesmo período de 2015.

Para que serve o jornal O Globo?

Temer lança o programa "Menos Médicos"

Do site de Dilma Rousseff:

O presidente usurpador decidiu assinar um decreto proibindo a criação de cursos de medicina no Brasil por um período de cinco anos.

É exatamente o contrário do que o Brasil precisa. O governo golpista está cometendo com este decreto um atentado contra a saúde da população.

O Brasil tem no máximo a metade do número de médicos de que necessita. E a esmagadora maioria dos milhares de médicos brasileiros em atividade trabalha nas capitais e nos grandes centros urbanos.

Trump rouba dos pobres para dar aos ricos

Do blog Socialista Morena:

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, acaba de aprovar na Câmara, por 227 votos a favor e 205 contra, a reforma tributária dos sonhos da direita brasileira: por ela, os ricos pagarão cada vez menos impostos, e os pobres, mais. Uma reforma à Robin Hood, só que ao contrário. Enquanto o herói mítico tirava dos ricos para dar aos pobres, Trump quer tirar dos pobres para dar aos ricos. O 1% ri, os 99% choram. Falta agora a palavra do Senado.

Brazil on sale: a desgraçada conta do golpe

Por Margarida Salomão, no site Mídia Ninja:

Dia 11 de Novembro último, passou a valer a famigerada Reforma Trabalhista que precariza até a aniquilação os direitos do trabalhador brasileiro. Ainda nesta semana, um Congresso desmantelado avançou em sua pauta regressiva: criou impedimentos para o aborto legal e aprovou uma série de mudanças penais sem consequências para nossa gravíssima situação de insegurança, mas que acirra a guerra civil contra os jovens negros e pobres das periferias brasileiras.

Resposta a Temer: “autoritário é você!"

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

Michel Temer já disse que não ligava para a própria impopularidade. Ontem, fez uma afirmação inaceitável:

- Se não prestigiarmos certos princípios constitucionais, nossa tendência é caminhar para o autoritarismo. Nós brasileiros temos tendência para a centralização -, disse ele, na quarta-feira, 15 de novembro, ano 128 da República.

Alvo de uma rejeição popular que é recorde histórico, Temer esconde atrás de um sujeito coletivo ("nós, brasileiros") as próprias responsabilidades pela tragédia na qual mergulhou o Brasil e os brasileiros. Hanna Arendt, uma das mestres do pensamento político moderno, produziu uma distinção básica para o debate, separando governantes que exercem a autoridade permitida pelo cargo. E aqueles que ultrapassam os limites autorizados por sua legitimidade. Alguma dúvida sobre o caso Temer?

O ilusionista Temer mudou o Brasil para pior

Editorial do site Vermelho:

Ilusionista – este é outro adjetivo que pode ser aplicado ao usurpador da Presidência da República, o ilegítimo Michel Temer.

Sua arte de iludir foi exercida desta vez no artigo que publicou em O Estado de S. Paulo, sob o título “O Brasil voltou aos trilhos” (14/11/2017) no qual exerce a habilidade de prestidigitador com farto apoio em dados estatísticos manipulados para amparar a vã tentativa de apresentar favoravelmente os resultados de seu mau (e mal) governo.

Os paladinos das causas minoritárias

Foto: Ricardo Stuckert
Por Marcos Coimbra, na revista CartaCapital:

O ano está terminando e as eleições presidenciais ficam cada vez mais próximas. Daqui a apenas 11 meses, teremos um novo presidente da República. Comparado a momentos semelhantes vividos nas últimas décadas, este é o mais incerto. Não pela dúvida a respeito de quem vai ganhar a eleição, pois, a 11 meses do pleito, ninguém apostava, por exemplo, que Fernando Collor venceria em 1989 ou que, em 1994, Fernando Henrique Cardoso nem sequer seria candidato.

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

70% não ligam para as opiniões de FHC

Por Altamiro Borges

A mídia elitista, com seu complexo de vira-lata, continua a dar grande destaque para o “príncipe da Sorbonne”, o ex-presidente FHC. Ele é colunista de vários jornais e tudo o que ele fala vira manchete e destaque nas emissoras de rádio e tevê. Uma pesquisa recente, porém, evidencia que o “príncipe da privataria” – como ele foi batizado pelo renomado jornalista Palmério Dória – não está com esta bola toda. A curiosa informação foi postada numa notinha bem minúscula na revista “Veja”, que sempre paparicou o grão-tucano. Vale conferir:

A Globo pagou propina? Cadê o Moro?

Por Altamiro Borges

As denúncias são antigas. Há muito tempo se especula sobre a relação promiscua entre TV Globo e as corruptas entidades que comandam o futebol, garantindo-lhe o direito de exclusividade na transmissão dos jogos. A mídia nativa – excluindo a própria emissora por razões óbvias – nunca acionou seus “repórteres investigativos” para apurar as denúncias. Já o Ministério Público e a Polícia Federal jamais investigaram o império global. O “justiceiro” Sergio Moro, sempre tão bajulado pela mídia, nunca se acanhou em participar de convescotes na companhia dos filhos de Roberto Marinho. Pelo contrário. Na sua doentia vaidade, ele adora aparecer nas telinhas. Será que agora, com as denúncias expostas no exterior, alguém irá investigar a poderosa Rede Globo?

Globo faz a diferença na Justiça

Por Luís Nassif, no Jornal GGN:

Peça 1 - as relações históricas com o MPF

Antes da Lava Jato e das jornadas de junho de 2013, já havia um acordo tácito entre a imprensa - Globo à frente - e procuradores.

Matérias penais sempre renderam leitura e audiência. A mídia ia atrás dos escândalos investigados, selecionava alguns e lhes dava visibilidade. Sua participação era duplamente vantajosa para o procurador contemplado. Dando visibilidade ao processo, reduzia as resistências dos juízes. E elevava o procurador, ainda que provisoriamente, ao status de celebridade.

Cunhou-se uma expressão no MPF: só vão para frente processos que a mídia bate bumbo.

Entrega do Brasil avança: o desmonte do INPI

Por Antônio José da Silva, no site Brasil Debate:

Você sabia que o Instituto Nacional da Propriedade Industrial – INPI, órgão do governo federal que concede patentes de invenção e registra marcas comerciais, também foi o responsável, durante décadas, pelos procedimentos de registro público de contratos que licenciam ou alienam esses direitos de propriedade industrial e fiscalizam a transferência de tecnologia?

Poderíamos dizer, inclusive, que o INPI tem uma longa tradição e um papel extremamente relevante de defesa do desenvolvimento econômico e industrial no Brasil através destas práticas [1].

MPF e PF são cúmplices da Globo

“Compra-se a reforma”, confessa Sardenberg

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

Algo aconteceu ontem para levar o ultramercadista Carlos Alberto Sardenberg, onipresente membro da equipe econômica da Globo, a uma crise de sinceridade em seu artigo de hoje.

Diz que a reforma da previdência não tem 308 votos sinceros de que precisa para aprovar – sinceridade não tem nem 100 votos para coisa alguma por lá.

Diz que “a proposta só passa com votos fisiológicos. E esse tipo de voto se compra”, dando como exemplo o Ministério das Cidades e as verbas do “Minha Casa, Minha Vida”.

O suspeito silêncio do MPF no caso Globo

Por Tereza Cruvinel, em seu blog:

Ao longo da Operação Lava Jato, tornou-se evidente a existência de uma aliança entre o Ministério Público Federal, a Polícia Federal e a mídia, que fez a sua parte com uma cobertura espetaculosa, desprezando a presunção da inocência dos investigados e executando a divulgação seletiva das delações premiadas vazadas por procuradores ou delegados federais. Os veículos do grupo Globo foram parceiros especiais desta aliança, comparecendo com suas equipes na hora exata para documentar prisões e conduções coercitivas.

Como a Globo manteve a Libertadores?

Por Eduardo Guimarães, no Blog da Cidadania:

Quem conhece os meandros do futebol brasileiro diz não estar surpreso com a acusação de corrupção de que a Globo foi alvo na terça-feira (14/11). Muito já foi denunciado sobre os métodos da família Marinho para impedir que outras emissoras conseguissem direitos de transmissão.

A Globo comprava direitos de transmissão da Copa Libertadores da América de uma empresa controlada por um argentino chamado Alejandro Burzaco, quem acusou a emissora de pagar propina a cartolas sul-americanos.

Reforma ministerial pode virar tiro no pé

Por Hylda Cavalcanti, na Rede Brasil Atual:

Apesar de hoje (15) ser feriado, reuniões e negociações continuam sendo realizadas em Brasília e em vários estados para discussão da reforma ministerial, que o presidente Michel Temer está sendo pressionado a adiantar. Nos últimos dias, com a antecipação da saída do ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB), que pediu exoneração do cargo, o Palácio do Planalto deu sinais de que vai mexer no alto escalão do governo até o início de dezembro.

A trajetória da maior inimiga do Brasil

Por Bepe Damasco, em seu blog:

Diante das denúncias de um delator, em processo que corre nos EUA, de que a Rede Globo pagava propina para garantir direitos de transmissão de competições internacionais de futebol, lembrei-me de que era preciso atualizar um texto que escrevi e postei aqui em março deste ano. Nele, fiz uma espécie de passo a passo da atuação militante das Organizações Globo contra o Brasil, os brasileiros e a democracia.

Globo segue mentindo sobre a Petrobras

Por Mário Augusto Jakobskind, no jornal Brasil de Fato:

O jornal O Globo a cada edição se supera em matéria de entreguismo. Na verdade não chega a surpreender, porque a publicação da família Marinho apenas continua o que tem feito ao longo da história brasileira contemporânea, neste caso relacionado com a Petrobrás. Na época da criação da estatal petrolífera, o referido jornal sempre dava espaço para os inimigos do projeto e se colocava contra o empreendimento.

A corrupção da Globo no mundo do futebol

Por Miguel do Rosário, no blog Cafezinho:

Eu vou começar esse post com um pouco de humor, ou seja, vou divulgar a nota do grupo Globo em resposta ao depoimento do empresário argentino, Alejandro Buzarco, que acusou a emissora de ter pago propina em contratos de direitos de transmissão de campeonatos internacionais de futebol.

*****

Nota da Globo

Decidirão pelas mulheres?

Por Jandira Feghali

Um forte coro, outrora engasgado, ecoou pelo Centro do Rio durante toda a tarde de terça-feira (13). Com bravos punhos erguidos ao ar em posição de luta e seios pintados como donas do próprio corpo, milhares de mulheres se uniram contra as alterações na PEC 181/15 que proíbe o aborto legal no Brasil. Atos como esse ocorreram em várias outras cidades do país. Uma corrente gigantesca de sororidade conectou-as em sua marcha contra o conservadorismo político. Era um grito engasgado, sufocado, oprimido.

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Facão: Gazeta, SBT e RedeTV! botam pra ferrar

Por Altamiro Borges

A crise da mídia tradicional, decorrente do caos econômico (que ela tenta esconder), da explosão da internet e da sua própria perda de credibilidade, continua produzindo vítimas entre os trabalhadores. Ela já não atinge mais apenas jornais e revistas – muitos que já fecharam ou outros que estão próximos da falência, com quedas de tiragem e sumiço de anunciantes. Agora a crise impacta com força as poderosas emissoras de televisão. Nos últimos dias, SBT, Gazeta e RedeTV! botaram para ferrar contra centenas de profissionais, anunciando demissões em massa, extinção de programas e cortes de direitos.

A agonia da Abril e a decadência da 'Veja'

Por Altamiro Borges

Nesta segunda-feira (13), o Grupo Abril – que edita várias revistas, entre elas a fascistoide “Veja” – divulgou um comunicado preocupante aos seus funcionários. Sem maiores explicações, informou que o executivo Walter Longo vai deixar a presidência da empresa após apenas dois anos no cargo. Ele será substituído por Arnaldo Figueiredo Tibyriçá, vice-presidente jurídico da corporação há 15 anos. A abrupta mudança atiçou o pânico nas redações do Grupo Abril, sinalizando que novas demissões podem ocorrer nas próximas semanas. No mercado editorial há consenso de que a empresa passa por uma fase de enormes dificuldades financeiras. Alguns especialistas garantem que ela está agonizando, beirando a falência.

A hora do pânico da Globo

Por Leandro Fortes, em sua página no facebook:

Não vejo Jornal Nacional, por recomendação médica, mas fui ver o VT da edição recente, sobre o escândalo da Fifa.

É pânico em estado puro.

Sem nenhum outro argumento, o JN anunciou, em quatro oportunidades, num jogral constrangido de seus apresentadores, que uma "investigação interna" nada encontrou que corroborasse a denúncia de pagamento de propina feita, nos Estados Unidos, pelo empresário argentino Alejandro Burzaco.

Monarquistas apoiam Temer. Faz sentido!

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

Num país onde omissões graves e abusos tremendos costumam inspirar nostalgias perigosas, nunca é tarde demais para reconhecer a importância da proclamação da República, no célebre 15 de novembro de 1889.

O país assistiu bestializado à proclamação da República, escreveu Aristides Lobo, observador da época. Correto. Não foi um movimento popular, mas um golpe de Estado, destinado a impedir o que se chamava de Terceiro Reinado.

A economia e a corrida eleitoral

Por Paulo Kliass, no site Vermelho:

Uma vez ultrapassada a barreira simbólica dos 12 meses, o processo político tende a ficar completamente dominado pela lógica das eleições de outubro do ano que vem. Candidatos a candidatos, pré-candidatos, factoides, pesquisas de intenção de voto, eventos partidários, mudanças ministeriais, troca-troca de partidos, enfim tudo parece se mover na direção do pleito.
O processo eleitoral deverá abordar um conjunto amplo de questões. Desde a avaliação política do processo do golpeachment até discussões mais concretas a respeito de propostas para temas cruciais que martirizam o cotidiano da grande maioria de nossa população, tais como segurança pública e desemprego.

A reforma trabalhista é tiro no pé

Por Marcelo P.F. Manzano, no site da Fundação Perseu Abramo:

Na última quarta-feira, reunidos em um seminário organizado pelo Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho (Cesit), no Instituto de Economia da Unicamp, especialistas de distintas áreas debateram a respeito dos prováveis desdobramentos da reforma trabalhista que entrará em vigor no próximo dia onze.

Entre os muitos pontos tratados, um dos principais diz respeito à perspectiva econômica que serve de mote à reforma: a suposta retomada do dinamismo econômico por meio da ampliação da competitividade que se conseguiria com a redução do custo do trabalho no Brasil. Por uma série de motivos, entretanto, há sólidas razões para, não apenas duvidar dessa tese, como para acreditar que a reforma trabalhista deverá antes fragilizar ainda mais a combalida economia brasileira.

No MinC de Temer, a cultura do compadrio

Por Jotabê Medeiros, na revista CartaCapital:

Qual será o interesse que leva uma pessoa a aceitar um cargo em um regime de exceção? A primeira resposta que ocorre é: vantagens? Três meses depois que o jornalista Sérgio Sá Leitão assumiu o Ministério da Cultura do governo Temer, dando fim a uma vacância de 34 dias na pasta, seu currículo levanta dúvidas sobre as motivações no cargo.

Ex-secretário do ministro Gilberto Gil durante dois anos, ex-secretário municipal de Cultura do Rio de Janeiro na gestão de Eduardo Paes (PMDB) e ex-presidente da RioFilme, Leitão tinha, ao contrário do antecessor, Roberto Freire, um perfil de trânsito no meio cultural. E não pesa contra ele acusação de malversação, tráfico de influência ou desvios, ao contrário de quase todo o espectro ministerial do governo Temer.

Corrupção na Fifa e o cinismo da Globo

Por Kiko Nogueira, no blog Diário do Centro do Mundo:

O empresário Alejandro Burzaco, um dos delatores do caso Fifa, acusou a Globo de ter pago propina por direitos de transmissão de competições ligadas à Conmebol, como Copa América, Libertadores e Sul-Americana.

Burzaco, que se entregou em 2015, disse que, por meio de sua empresa de marketing esportivo, subornava autoridades.

Segundo ele, Marcelo Campos Pinto, então diretor da área esportiva da Globo, se reuniu em 2012 num restaurante de Buenos Aires chamado Tomo Uno com Julio Grondona, presidente da AFA, José Maria Marin e Marco Polo Del Nero. No encontro, falaram de pagar 600 mil reais aos dois últimos.

A crise do Rio e o golpe de 2016

Por Paula Quental, no site Brasil Debate:

A crise do Rio de Janeiro e a solução proposta pelo governo federal na forma do Plano de Recuperação Fiscal (PRF), homologado em setembro, estão longe de ser uma questão localizada, restrita ao Estado. Tanto o diagnóstico da crise, como o “remédio” prescrito para enfrentá-la fazem parte da orientação da política econômica posta em prática com o golpe de 2016, que destituiu a presidente Dilma Rousseff. São outra “face” do golpe, não tão evidente como a emenda do teto de gastos e a reforma trabalhista, mas com potencial para fazer estragos no país todo, comprometendo políticas e serviços públicos.

O parlamento e o direito à reciprocidade

Por Cezar Britto, no site Congresso em Foco:

A nova legislação trabalhista brasileira, agora rebatizada de Consolidação das Lesões Trabalhistas, tornou-se uma das mais perversas do mundo, pois está centrada na compreensão de que o trabalho é “mero” custo de produção, uma “coisa” a ser apropriada pelo menor preço. A Reforma Trabalhista, por seu conteúdo demolidor de direitos, não fora aprovada por obra e graça do Divino Espírito Santo, tampouco nascera da vontade altruísta da classe trabalhadora de sacrificar-se em sofrimento temporal na busca da “salvação eterna”.

Waack, racismo e a Rede Globo: tudo a ver

Por Henrique Oliveira, no site Justificando:

O jornalista da Rede Globo, William Waack, foi afastado das funções de jornalismo após vazar um vídeo gravado minutos antes de entrar no ar. Durante a cobertura sobre a eleição de Donald Trump, no dia 8 de Novembro de 2016, o jornalista aparece xingando um motorista que estava buzinando, e faz comentários racistas com o também jornalista Paulo Sotero.

O diálogo:

William Waack: “Tá buzinando por que, ô seu merda do cacete? Deve ser um daqueles… Não vou nem falar de quem é, eu sei o que é… Sabe o que, né? Preto, né?” e Sotero pergunta: “Ahn?” e Waack diz: “Preto, né? Sabe o que é isso? É coisa de preto”, Sotero: “Sim”. E conclui o diálogo: “Com certeza”.

Míriam Leitão e o cachorro hidrófobo

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

Mais cedo, registrei que Miriam Leitão tinha ficado “mordida” com a manchete da Folha que dizia que o mercado financeiro flertava com as recém adquiridas virtudes liberais de Jair Bolsonaro.

Bem, esta tarde o que rola nas redes é a mordida, mesmo que em palavras, do candidato respondendo a ela.

Faz aquele “não diga bobagem, Miriam” com que José Serra a brindou, em 2010, parecer coisa de “gentleman”.

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Temer e PMDB querem poluir a campanha

Por Tereza Cruvinel, em seu blog:

Venho dizendo aqui no 247 que o racha do PSDB pode ter como consequência o lançamento de um candidato governista do PMDB, para fazer a defesa de Temer. O líder do governo no Senado, Romero Jucá, acaba de confirmar isso. Disse ele hoje que, se ninguém o fizer (e quem haveria de fazer isso, após a revoada dos tucanos), o PMDB lançará um candidato para defender o “legado” de Temer, que a seu ver, vem fazendo “mágica”. Se a ameaça se confirmar, os eleitores brasileiros, já castigados pelos retrocessos de Temer, serão também obrigados a ouvir 85,5 segundos diários de bazófia peemedebistas. Embora tenha apenas 5% de preferência dos eleitores e possa até desaparecer em alguns estados – como o Rio, onde todos os quadros do partido estão presos ou sendo investigados - o PMDB tem o maior tempo de televisão e poderá veicular 3,2 inserções diárias, afora o tempo dividido nas edições da tarde e da noite do horário eleitoral.

A Lava-Jato nasceu em Washington

O dinheiro do pré-sal vai para os bancos


A Petrobras anunciou nessa segunda-feira (13) que a companhia registrou lucro líquido de R$ 266 milhões no terceiro trimestre de 2017. No trimestre anterior, chegou a R$ 370 milhões.

Contudo, para a Federação Única dos Petroleiros (FUP), os números realmente importantes são outros. "Nos últimos três trimestres, a empresa registrou R$ 5 bilhões em lucro líquido, mas entregou R$ 108 bilhões ao sistema financeiro", diz a entidade, em nota.

"Às custas de desinvestimentos e de drásticos cortes nas áreas operacionais, o endividamento da Petrobras diminuiu 11% em relação aos três primeiros trimestres do ano passado", diz a FUP. "No mesmo período, os gestores encolheram ainda mais os investimentos, que caíram 19%. Só neste terceiro trimestre, houve uma redução de R$ 10,4 bilhões."

Temer comete crime contra os idosos

13 observações sobre a resistência ao golpe

Por Breno Altman, em seu blog:

1. Nem sempre é possível reagir à contrarrevolução nos moldes empregados, por exemplo, pelo chavismo na Venezuela, especialmente frente ao golpe cívico-militar de 2002.

2. Não depende apenas de vontade e empenho da direção política, no momento exato da ofensiva de direita, a qualidade da reação ao golpismo. Se as condições politicas não são preparadas, com antecedência, por uma correta estratégia de poder, o fracasso geralmente é inevitável.

3. A mais importante dessas condições políticas é ter o apoio mobilizado da maioria dos trabalhadores, construindo sua disposição de defender o governo popular como uma batalha de vida ou morte.