domingo, 1 de maio de 2016

Marta Suplicy é vaiada no ato do 1º de Maio

Por Altamiro Borges

Não será nada fácil a vida dos golpistas - principalmente para os que, de forma oportunista, traíram o seu passado e jogaram a sua história no lixo. Que o diga a senadora Marta Suplicy, que foi eleita para diversos cargos públicos com o apoio do PT e que até o final de 2014 era ministra de Dilma Rousseff. Hoje, filiada ao PMDB do mafioso Eduardo Cunha, ela se traveste de vestal da ética e desponta como uma das líderes da cavalgada golpista pelo impeachment da presidenta. Haja botox! 

Mas esta surpreendente conversão não engana ninguém. Os seus antigos eleitores, principalmente da periferia de São Paulo, já a tratam com desconfiança, como traidora. E seus novos "amigos", furiosos inimigos da esquerda e das políticas sociais, não gostam dela. Sempre a trataram de "Martaxa" e de outros adjetivos impublicáveis. Neste domingo, Dia Internacional dos Trabalhadores, Marta Suplicy teve mais uma prova de que sua jogada oportunista poderá dar xabu. Em pleno ato da Força Sindical, na capital paulista, ela foi vaiada e foi obrigada a encurtar seu discurso demagógico e golpista.

Segundo relato do insuspeito jornal O Globo, "a senadora Marta Suplicy (PMDB-SP), que foi vaiada ao iniciar seu discurso, comentou o pacote de mudanças anunciado por Dilma, que chamou de 'ato de desespero'". Já o Estadão - que nunca gostou da ex-prefeita - pegou mais pesado. "Vaiada ao ser anunciada e durante seu breve discurso, a senadora Marta Suplicy, provável candidata do PMDB à prefeitura de São Paulo, afirmou que 'o Brasil tem jeito'. 'Daqui a 10 dias teremos uma luz no fim do túnel', disse ela, em referência à data de apreciação do processo de impeachment no Senado".

Esquecendo o seu passado, a ex-petista ficou ao lado de Paulinho da Força, o mercenário que sempre tentou desqualificá-la na política. Este, porém, parece que também não agradou as pessoas que foram ao Campo de Bagatelle, na zona norte da capital, para concorrer a um dos automóveis sorteados. Ainda segundo o Estadão, "anfitrião do evento, o deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP) chegou a cantar uma música usada em atos de rua pró-impeachment, sem empolgar o público". Pelo jeito, os presentes rejeitaram os dois farsantes - um mais antigo e outra mais recente. A vida é dura!

*****

Leia também:





2 comentários:

Joanilson Marcos Nascimento disse...

Só gostaria de comentar o seguinte se a Marta Suplicy não usar o sobre nome do ex marido ela ganharia alguma coisa é se o Suplicy resolvesse tira sue nome da marta ela estaria frita pois nem nome próprio tem e esse Paulinho que se diz da força sindical também não tem nome próprio também não usasse o nome do sindicato também não ganhava nada por isso vou deixar aqui uma campanha para esses sujeitos oportunistas deixe de usar os nomes que eles usurparam

alexfigfloripa disse...

Falando em botox, deve vir aí, pelo menos é o que querem os golpistas, um novo governo FHC, em versão "embotocada". Sugiro até que se vá para o site Morph Thing e misture as figuras de Temer e FH para ver o resultado.