quinta-feira, 6 de agosto de 2020

Bolsonaro queria as tropas no STF

A prisão do secretário de João Doria

Brasil faz voo cego na pandemia

Três cenários pós-pandemia

A guerra de Bolsonaro: 100 mil mortos

Desafios e perspectivas do sindicalismo

Gilmar e Lewandowski detonam Moro

Aras denuncia o Esquema Lava-Jato

14 anos da Lei Maria da Penha

China e EUA: uma nova Gerra Fria?

quarta-feira, 5 de agosto de 2020

Cadê os deputados que invadiram hospitais?

Por Altamiro Borges

Perguntar não ofende: Há dois meses, no início de junho, cinco deputados bolsonaristas invadiram o hospital de campanha no Anhembi, em São Paulo, para “apurar as internações por Covid”. O crime rendeu um processo por infração de medida sanitária, que prevê até um ano de prisão. Como anda o processo?

Segundo o boletim de ocorrência, os deputados Adriana Borgo (Pros), Marcio Nakashima (PDT), Leticia Aguiar (PSL), Coronel Telhada (PP) e Sargento Neri (Avante) invadiram o local "visando fiscalizar os trabalhos realizados" e, com essa atitude criminosa, colocaram em risco a saúde de pacientes e profissionais da saúde.

Bolsonaro despreza profissionais da saúde

Por Altamiro Borges

O "capetão" Jair Bolsonaro, principal responsável por quase 100 mil óbitos no país, despreza os que salvam vidas. Ele agora vetou o Projeto de Lei 1826/2020, que fixava uma compensação financeira de R$ 50 mil para os profissionais da saúde incapacitados permanentemente em decorrência do novo coronavírus.

O projeto de autoria do deputado Reginaldo Lopes (PT-MG) também determinava pagamento de indenização a dependentes do profissional da saúde em caso de óbito. Mas o assassino Bolsonaro, com sua necropolítica, decidiu descartar médicos, enfermeiros e outros profissionais que estão na linha de frente da guerra à Covid-19.

Mídia foi cúmplice do golpe na Bolívia

Guedes quer prejudicar trabalhador duas vezes

Da Rede Brasil Atual:

Para aprovar o novo imposto sobre transações digitais, no mesmo modelo da extinta CPMF, o ministro da Economia, Paulo Guedes, quer retirar mais direitos dos trabalhadores. A ideia é reduzir a tributação que as empresas pagam sobre os salários dos funcionários, incluindo o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Segundo o jornal O Estado de S.Paulo, Paulo Guedes quer diminuir de 8% para 6% o valor dos salários que é depositado pelas empresas nas contas do FGTS e cortar metade dos encargos referentes ao Sistema S.

O SNI de Jair Bolsonaro

Editorial do site Vermelho:

A obsessão do presidente Jair Bolsonaro em robustecer o sistema de inteligência do Estado, na prática significa que ele tenta implantar um esquema de espionagem para controle da oposição. Essa ideia ficou explícita na fatídica reunião ministerial de 22 de abril, divulgada como parte das acusações do ex-ministro da Justiça Sérgio de que Bolsonaro estaria tentando controlar a Polícia Federal (PF).

Antifascismo e espionagem particular

Pastores vestidos de PMs

Informalidade, desemprego e luta popular

STF aponta parcialidade de Sergio Moro

O país que colocou a IURD para correr

As discussões sobre a reforma tributaria

A Cultura do Brasil está sendo asfixiada

Cineasta Silvio Tendler
Por Léa Maria Aarão Reis

Há cerca de dez dias, o cineasta e um dos mais experientes documentaristas brasileiros Silvio Tendler, autor de filmes memoráveis como os clássicos Jango, Os anos JK, Militares da democracia, Privatizações: a distopia do capital e O veneno está na mesa, lançou uma convocação, como ele diz, que são, simultaneamente, um alerta e um S.O.S. em prol da recriação do Ministério da Cultura deste país. Reformulado há 35 anos, quando sua autoridade foi desvinculada da pasta da Educação, o MinC foi extinto com presteza, logo no começo do atual governo, transformado em Secretaria e incorporado ao Ministério da Cidadania!

Carta de apoio ao juiz Pierre Souto Maior

Juiz Pierre Souto Maior
Manifesto de apoio

Nós, juízas e juízes abaixo assinados, manifestamos nossa solidariedade ao Juiz de Direito do Tribunal de Justiça de Pernambuco, Pierre Souto Maior Coutinho de Amorim, em face da notícia de que sua Excelência o Ministro Corregedor Nacional instaurou contra ele, de ofício, Pedido de Providência em razão de erro de digitação constante em duas decisões proferidas pelo magistrado de primeiro grau quando da análise de 10 comunicações de flagrantes, dando a equivocada impressão de que o juiz estava autorizando a devolução de todos os bens apreendidos ao indiciado “mesmo” as drogas.

terça-feira, 4 de agosto de 2020

Na TV, ministro tenta esconder dossiê

Todos os fakes do presidente

Por Fernando Brito, em seu blog:

Reportagem do Fantástico, longa e detalhada, mostra que os perfis derrubados pelo Facebook na rede bolsonarista eram, explicitamente, ligados ao próprio Jair Bolsonaro.

Isso é o mais importante: a conexão direta entre o presidente e o que ele chamou de sua “rede de informação”, como ele próprio referiu-se, na tal reunião ministerial de 22 de abril, como sua fonte maior de informações.

E, também, fontes de desinformação localizadas dentro do Palácio do Planalto e de gabinetes de deputados bolsonaristas.

O debate dos bloqueios de perfis na internet

Por Marcos Dantas, no Jornal GGN:

Admita-se que muita gente ache difícil dissociar as recentes decisões do ministro Alexandre de Morais em relação ao Twitter e Facebook, de imagens e elucubrações que se possa fazer quanto às suas recônditas intenções, considerando sua biografia política e jurídica. Provavelmente essas decisões não passem mesmo de expressão, na superfície da atual asquerosa política brasileira, de disputas de poder que se travam em profundidades que mal podemos e menos ainda desejamos divisar…

Teletrabalho e os direitos dos trabalhadores

Por Nivaldo Santana, no Blog do Renato:

No início do mês de junho, o Partido Comunista Português (PCP) realizou um seminário interno denominado “Teletrabalho: ilusões, fragilização dos trabalhadores; garantia de direitos”. Participaram da atividade dirigentes partidários, sindicais, parlamentares, acadêmicos e trabalhadores de diferentes áreas.

O seminário tratou de uma questão que também ocorre no Brasil – a explosão do teletrabalho durante a pandemia da Covid-19. No Brasil, cerca de nove milhões de trabalhadores foram transferidos dos seus locais de trabalho para exercer suas atividades em casa. Segundo estudos do IPEA, avalia-se que cerca de um terço desses trabalhadores poderá continuar no teletrabalho.

O bem-vindo choque entre Aras e a Lava-Jato

Por Bepe Damasco, em seu blog:

O atual procurador-geral da República, Augusto Aras, foi alçado ao cargo por Bolsonaro, que passou por cima da tradição da lista tríplice da corporação do Ministério Público, indicando alguém para servir aos seus interesses políticos e proteger sua família.

Dito e feito. Quando volta suas baterias contra a Lava Jato, Aras age, principalmente, com o objetivo de minar a provável candidatura presidencial de Moro, atual desafeto de Bolsonaro. De quebra, confronta a Globo, que assumiu uma postura crítica ao capitão, depois de contribuir decisivamente para a ascensão do fascismo no Brasil.

O esforço de Aras para concentrar poder na cúpula da PGR, esvaziar a “República de Curitiba” e agradar a Bolsonaro pode também estar relacionado a sua possível intenção de ocupar uma cadeira no Supremo Tribunal Federal.

Naturalização da pandemia, o pior dos mundos

Por Gilberto Maringoni e Artur Araujo, na revista CartaCapital:

Há um estranho paradoxo no país. Vivemos a maior tragédia sanitária de nossa História, com quase 100 mil vítimas e nos aproximamos de 3 milhões de infectados. Diariamente, cerca de 1.400 brasileiros perdem a vida, o que corresponde a um óbito por minuto! A doença significa hecatombe econômica, perda de empregos, quebradeira de empresas, desespero, fome e marginalidade. O paradoxo está na crescente naturalização da tragédia. Ela está sendo assimilada como parte da paisagem brasileira.

Uma plataforma para políticas de comunicação

Do site do Centro de Estudos Barão de Itararé:

Estruturar políticas públicas para ancorar a gestão das cidades a partir da perspectiva da redução de desigualdades e ampliação de direitos é um dos principais desafios dos setores progressistas que se apresentam para a disputa das prefeituras e Câmaras Municipais. Por isso, o Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé apresenta a sua plataforma com propostas para a área, visando os processos eleitorais de 2020.

O esforço de incorporar propostas de políticas públicas democráticas para a área da Comunicação nas plataformas de candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais tem sido uma das prioridades das entidades que atuam na luta pelo direito à comunicação no Brasil.

Ultradireita cerceia informações da Covid

Por Alexandre Padilha, no jornal Brasil de Fato:

A falta de transparência e o cerceamento de informações unem os governos de ultra-direita que estão sendo as maiores vergonhas no combate à pandemia da Covid-19 no mundo.

Aqui no Brasil o governo Bolsonaro se nega a prestar informações.

Primeiro tentou tirar o painel de transparência do ar, agora está omitindo as informações sobre o desabastecimento de medicamentos eficazes na condução das internações em Unidades de Tratamento Intensivo (UTI) e cometeu um crime de responsabilidade, por mim já denunciado à PGR, ao não prestar informações a partir de um requerimento formal de informação que fiz enquanto parlamentar, que, passados 30 dias constitucionais de tempo de resposta, o Ministério da Saúde não se pronunciou.

O conflito entre bolsonarismo e lavajatismo

Da Rede Brasil Atual:

Para o cientista político e professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Wagner Romão, o conflito entre o lavajatismo e o bolsonarismo deve se intensificar, com vista às próximas eleições. Bolsonaro e o ex-ministro Sergio Moro, seu antigo aliado, devem disputar a hegemonia no campo da direita.

Os procuradores da Operação Lava Jato, que praticamente pavimentaram a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência da República, agora se dizem arrependidos do voto no atual presidente. É uma reação às declarações do procurador-geral da República, Augusto Aras, que afirmou que a chamada “República de Curitiba” detém “documentos encobertos” de cerca de 38 mil pessoas.

A pobreza como tragédia bolsonarista

Editorial do site Vermelho:

Entre 2011 a 2020, o Produto Interno Bruto (PIB) per capita no Brasil deve recuar 8,2%, ante uma alta de 28% na década anterior. O dado é da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). O cenário piorou consideravelmente, mas os indicadores negativos vêm de antes. É a maior queda do padrão de vida do país desde a década de 1940, quando começou a série histórica. Só neste ano, a redução deverá chegar a 6,7%.

segunda-feira, 3 de agosto de 2020

Humor e coragem contra desmonte da cultura

Retorno às aulas provocará mais mortes

A lição de Trump para o Brasil

Quem paga o pato da Lava-Jato?

MST e MTSC se unem na solidariedade

Facebook suspende contas de bolsonaristas

Amazon e o capitalismo tardio

Lava-Jato se tornou o bode expiatório

Torturas e mortes durante a ditadura militar

Governo golpista adia eleições na Bolívia

domingo, 2 de agosto de 2020

DEM, MDB e as movimentações no Congresso

Por André Singer, no site A terra é redonda:

As bancadas do MDB e do DEM, somando 63 deputados, decidiram se afastar do grupo – conhecido como “blocão” – que tem apoiado sistematicamente o governo federal. O afastamento dessas bancadas não inviabiliza a atuação do governo na Câmara dos Deputados, pois ele continua contando com o apoio potencial de cerca de 200 deputados que permanecem na assim chamada “base governista”.

Ricos não pagam quase nada de impostos

Por Jair de Souza

Nenhuma sociedade pode existir dignamente sem a existência de impostos. Todos os serviços públicos dependem de impostos para funcionar. De nossas inúmeras necessidades, todos aspiramos a uma escola pública de qualidade, a um atendimento médico público eficiente, a um transporte público digno e a um sistema de segurança que realmente nos proteja. Mas, como ter acesso a isso sem recursos para bancar os custos? Os ricos só se preocupam com os serviços públicos de repressão policial e com o judiciário, porque são os que lhes servem melhor para conter a rebeldia popular e os protestos dos trabalhadores e dos pobres em geral. Porém, eles não dão a mínima para as necessidades básicas do povo trabalhador.

Pandemia, crise e periferias

Por Leonardo Fontes, no jornal Le Monde Diplomatique-Brasil:

“No início da pandemia, aqui foi tudo meio incerto, porque em casa só eu estou trabalhando, em um estágio que paga muito pouco, mãe, padrasto e irmão desempregados, mesmo antes da pandemia. Assim que saiu a notícia de corte nos contratos, entrei em desespero porque até então era a única renda, anunciaram os auxílios e ainda assim foi a saga pra que minha mãe e padrasto conseguissem a liberação, meu padrasto conseguiu na semana passada inclusive. […] Minha avó está com muito medo de morrer sozinha, liga toda madrugada e chora.”

Camila, 22 anos, é moradora do bairro do Jardim Ângela e está no último semestre do curso de licenciatura em Artes em uma universidade particular de São Paulo, beneficiária de uma bolsa do ProUni. Sua fala resume alguns dos problemas que têm sido enfrentados por moradores das periferias de São Paulo e de outras cidades do país diante da pandemia de Covid-19 e da falta de ação por parte das diferentes esferas de governo.

Pandemia expõe a exclusão digital

Por Wagner de Alcântara Aragão, no site Brasil Debate:

O ensino à distância imposto pela pandemia de Covid-19 escancara a exclusão digital. Não é raro tomarmos conhecimento de professores e professoras pedalando ou caminhando por quilômetros, indo por conta própria, levar atividades a seus estudantes, já que uma boa parcela deles não dispõe de acesso à internet.

O gesto de solidariedade, de comprometimento com a função de educar, sensibiliza. É enaltecido, e assim deve ser. No entanto, a ternura com que observamos essas cenas deve vir acompanhada de indignação e cobrança por políticas públicas que efetivem o acesso à internet como um direito. Até porque foi isso que nos prometeram, mais de 20 anos atrás, com a privatização do Sistema Telebrás.

A volta às aulas é desrespeito à sociedade

Por Hermes Silva Leão, no jornal Brasil de Fato:

Na semana em que o número de mortos e contaminados pelo Covid-19 atinge marcas recordes no estado do Paraná o governo Ratinho Jr (PSD) anuncia a retomada das aulas presencias na rede estadual no próximo mês de setembro.

Na manhã de sábado, 1 de agosto, os números consolidados a partir de dados do próprio governo anunciam que 1.899 paranaenses perderam a vida pela pandemia. Nas últimas 24 horas, foram 59 mortes ocorridas em 25 municípios de todas as regiões do estado.

Portanto, o vírus circula em todo o território paranaense. Ainda neste último dia de julho Curitiba registrou 24 mortes, novo recorde diário de vidas perdidas na capital.

Corrida pela vacina é corrida pelos bilhões

Por Fernando Brito, em seu blog:

Tão apavorante quanto a onda de mortes – que está atingindo a inacreditável marca de 700 mil -, o mundo vai assistir, logo, logo, outro espetáculo apavorante e desumano: a contaminação, pelo dinheiro, da (ou das) vacina(s), se vierem a ser bem-sucedidas as experiências que estão rendo realizadas por universidades e laboratórios de vários países.

Poder das multinacionais e retorno do Estado

Por Liszt Vieira, no site Carta Maior:

A organização não governamental Global Justice Now publicou um estudo comparando as cifras de negócios das principais empresas com a receita orçamentária dos países. Segundo essa lista, se a rede norte-americana de supermercados Walmart fosse um Estado, ocuparia o décimo lugar, atrás somente dos EUA, China, Alemanha, Japão, França, Reino Unido, Itália, Brasil e Canadá. No total, 69 das 100 principais entidades econômicas são empresas. As 25 corporações de maior valor superam o PIB de numerosos países.

Pandemia e a luta pelo fim do Teto de Gastos

Ilustração do site Direitos Valem Mais
Da Rede Brasil Atual:

A coalizão Direitos Valem Mais, que reúne cerca de 230 organizações da sociedade civil, sindicatos e acadêmicos, aponta que os impactos da crise causada pela pandemia tornam urgente a revogação da Emenda Constitucional (EC) 95, que estabelece o chamado Teto de Gastos. As entidades enviaram um alerta público ao Supremo Tribunal Federal (STF), solicitando que o dispositivo seja declarado inconstitucional.

Bolsonaro repete a tragédia de Donald Trump

Editorial do site Vermelho:

Os números impressionam, mas são reais. A economia dos Estados Unidos retraiu no segundo trimestre no ritmo mais acentuado desde a Grande Depressão, com queda do Produto Interno Bruto (PIB) de 32,9% em taxa anualizada no trimestre passado. É o mais forte declínio desde que a medição começou a ser feita, em 1947, de acordo com o Departamento do Comércio norte-americano. A taxa na comparação entre os trimestres foi de uma queda de 9,5%.

Ideologia de general

sábado, 1 de agosto de 2020

O site Conversa Afiada dá adeus!

Do Leonardo Miazzo, no site Conversa Afiada:

Olá, tudo bem?

Dados o profundo respeito e a imensurável consideração por cada um de vocês, amigos navegantes, este texto vai direto ao ponto: o Conversa Afiada encerrou suas atividades em 31/VII/2020. Esse é o fato. Mas, a partir de agora, você está convidado a entender o que isso significa.

Por mais de uma década, este site idealizado, construído e mantido por Paulo Henrique Amorim e uma pequena - mas aguerrida - equipe serviu de bastião da luta pela formação de uma imprensa independente, progressista e destinada a combater em todas as frentes possíveis o PiG (e seus efeitos deletérios), os golpistas e os traidores da democracia brasileira. PHA foi pioneiro, um revolucionário nas chamadas "novas mídias". Um colosso!

Economia para pensar o Brasil

Batalha pelo poder, mentiras e gargalhadas

A crise na cinemateca brasileira

Elon Musk e o golpe na Bolívia

Duas baixas na comunicação independente

Mais casa sem gente que gente sem casa!

As transformações no mundo do trabalho

Lava-Jato, Aras e a encruzilhada do MPF

Sem a Lava-Jato, Moro cai no desespero

Em meio à pandemia, desemprego explode

Problemas psicológicos crescem na pandemia

sexta-feira, 31 de julho de 2020

Volta às aulas: escolas desprezam a vida

Fernando Morais anuncia fim do Nocaute

Orgulho dos próprios defeitos

Por João Paulo Cunha, no jornal Brasil de Fato:

Em um texto que tem sido reproduzido em todo o mundo, o historiador Yuval Noah Harari defende que a única forma de combater a pandemia é com a cooperação internacional. De acordo com ele, baseado em conhecimento histórico de outros flagelos do passado e nas mais recentes pesquisas no campo das ciências da vida, basta um caso, em uma única localidade, para que o perigo para toda a humanidade permaneça ativo. Arrogar prioridade, seja pelo poder ou pelo dinheiro, não é garantia de nada.

Florestan Fernandes, um intelectual do povo

Arte: Centro Acadêmico Florestan Fernandes - CAFF
Por José Carlos Ruy, no site da Fundação Maurício Grabois:

Florestan Fernandes, cujo centenário se comemora em 22 de julho (ele nasceu em (22/07/1920), foi um intelectual raro - de origem muito humilde, chegou aos mais altos postos na universidade, e foi reconhecido como cientista social renovador no Brasil e no exterior.

Certa vez ele escreveu que "nunca teria sido o sociólogo em que me converti sem o meu passado", sem "as duras lições da vida". Ele tem razão, sobretudo quando disse que seu aprendizado "sociológico" começou aos seis anos de idade, "quando precisei ganhar a vida como se fosse um adulto". Ele tinha razão - filho de uma empregada doméstica, mãe solteira, logo cedo foi forçado a tomar contato com as dificuldades da vida. Uma experiência que o marcou para sempre e, certamente, foi decisiva nas escolhas intelectuais que fez quando adulto - sempre tentando compreender as complexidades da vida do povo. Foi professor que, armado com sua ciência, nunca abandonou o esforço de entender o Brasil, suas complexidades e as condições da existência da democracia em nosso país.

Punhos fechados e mãos dadas

Foto: Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba
Por João Guilherme Vargas Netto

Há quase 40 anos o grande dirigente sindical Hugo Perez poetizava assim a necessidade da luta, da unidade e da solidariedade para os trabalhadores.

Os metalúrgicos da Renault, em greve, juntamente com os companheiros do Brasil Metalúrgico e de milhares de outros trabalhadores corporificam hoje a poesia do dirigente.

À valente greve efetivada com o apoio do sindicato vão se somando os gestos de solidariedade efetiva que demonstram a unidade de ação.

Tivemos ontem, dia 30, uma jornada nacional com manifestações nas concessionárias da Renault em apoio aos grevistas que conseguiu chamar a atenção até mesmo da mídia grande para a justa luta travada em São José dos Pinhais.

Conluios da Volks, do nazismo a Bolsonaro

Por Murilo Leal e Gabriel Dayoub, no site Outras Palavras:

Há cinco anos, a Volkswagen enfrenta um Inquérito Civil Público que a investiga por graves violações de direitos humanos cometidas durante a ditadura civil-militar brasileira. É o primeiro caso do tipo no Brasil, em que uma empresa é formalmente acusada por crimes em conjunto com o regime autoritário. Após anos de uma difícil negociação, a montadora segue criando novas dificuldades, impedindo a chegada num acordo e sabotando o pilar central da reparação por seus crimes: a constituição de um espaço de memória dos trabalhadores.

Mania de fracasso só ajuda Bolsonaro

Por Paulo Moreira Leite, no site Brasil-247:

A noção de que vivemos num país condenado a jamais resolver seus principais problemas econômicos e sociais é bastante antiga.

Incapaz de enxergar as próprias responsabilidades pelo atraso de uma nação onde uma monarquia que nasceu fora de época convivia com uma escravidão que envergonhava a humanidade, a elite da Primeira República atribuía o atraso social e econômico do país à teoria das três raças tristes -- índio, negro e português.

Assim, com base num pensamento racista de pretensões científicas que iria alimentar as grandes tragédias do século XX, justificava-se nossas dificuldades para construir uma democracia de verdade.

Lula continua sendo um prisioneiro político

Por Jeferson Miola, em seu blog:

O julgamento da suspeição de Sérgio Moro e a reabilitação dos direitos políticos do Lula são as duas faces de uma única moeda. Se o STF julgar como suspeita a conduta do Moro na farsa da Lava Jato para condenar Lula, a consequência lógica será a anulação das sentenças condenatórias do ex-presidente.

Se isso acontecesse, Lula se livraria das condenações ilegais e seus processos retornariam à fase de instrução na 1ª instância judicial. Ele então recuperaria os direitos políticos cassados pela justiça que foi corrompida pela Lava Jato e tutelada pelo general Villas Bôas para viabilizar a eleição do Bolsonaro em 2018.

Intelectuais apoiam "Carta ao Povo de Deus"

Enviado por Eleonora de Lucena:

O Projeto Brasil Nação divulga hoje mensagem de apoio à carta de bispos brasileiros que aponta as ações do governo Bolsonaro contra a Nação, num momento em que o país se aproxima dos 100 mil mortos pela Covid 19. O texto é assinado por ex-ministros, professores universitários, jornalistas, artistas e dirigentes de movimentos populares.

Veja a seguir a íntegra da nota e a lista de signatários.

quinta-feira, 30 de julho de 2020

Missão do bolsonarismo é destruir a cultura

Desemprego bate recorde com Bolsonaro

Por Altamiro Borges

O desemprego que já era alto no país – fruto da política econômica destrutiva da dupla Bolsonaro-Guedes – piorou ainda mais com a pandemia do coronavírus. Dados do Ministério da Economia apontam que o Brasil perdeu 1.198.363 de postos de trabalho com carteira assinada no primeiro semestre deste ano.

O mundo do trabalho foi tragicamente afetado pela pandemia, que já matou quase 100 mil brasileiros e também provocou o fechamento de diversas atividades econômicas no país. O saldo negativo neste primeiro semestre está na diferença entre as 6.718.276 contratações e as 7.916.639 demissões.


Pandemia acelera crise na América Latina

O Brasil caiu nas mãos do seu torturador

Por Marcia Tiburi, na revista CartaCapital:

Em 17 de abril de 2016, na votação do farsesco impeachment contra Dilma Rousseff, Bolsonaro se tornou o Ubu rei nacional. Ubu Rei é o personagem de uma peça homônima de Alfred Jarry que data do final do século 19. Nela, o personagem principal é um sujeito que quer ser rei para comer muito, matar, enriquecer ilicitamente e fazer todo tipo de maldade e grosseria que estiver ao seu alcance.

O Ubu Rei é um personagem fundamental que nos ajuda a perceber como e por que as figuras mais grotescas fazem muito sucesso na política. Quando a política não se realiza como tragédia, ela se realiza como farsa e a farsa, no sentido do teatro do grotesco que produz efeitos de poder justamente por ser desqualificado e violento, é o que vivemos há um bom tempo no Brasil. Pelo menos desde o golpe de 2016.

A quem interessa a liberação das armas?

Por Clara Assunção, na Rede Brasil Atual:

O aumento na circulação de armas e munições no país – e suas consequências – está diretamente relacionado à liberação por decretos e portarias assinados pelo presidente Jair Bolsonaro desde o início de seu mandato. É o que afirmam especialistas diante do registro de quase 140 mil novas armas de fogo apenas nos primeiros meses de 2020.

Os dados, divulgados em reportagem do programa Fantástico, da TV Globo, a partir de informações da Polícia Federal e do Exército, apontam para um crescimento no número de armas nas mãos dos brasileiros desde 2016. Mas que nesses primeiros meses do ano já ultrapassou o total de 2018, quando pouco mais de 138 mil armamentos foram registrados.

A pandemia e os efeitos sobre o SUS

Por Bruno Moretti e Ana Paula Sóter, no site Brasil Debate:

Muito se tem falado sobre a retomada do papel do Estado. Laura Carvalho [1] se refere à “volta do Estado” para designar a explicitação das funções estatais durante a pandemia. Em que condições o pós-pandemia poderia marcar esta retomada? A maior presença do Estado é atestada pelo orçamento da pandemia, de R$ 500 bilhões. Metade do valor se refere ao auxílio emergencial. Segundo a Pnad Covid-19, referente a maio de 2020, os domicílios mais pobres receberam 49% de sua renda habitual do trabalho, mas, com o auxílio emergencial, alcançaram 99% de sua renda usualmente recebida [2].

Huawei e a bofetada do império

Por Fernando Brito, em seu blog:

É uma bofetada na soberania de nosso país a entrevista do embaixador norte-americano Todd Chapman a O Globo, dizendo que “haverá consequências” se o Brasil permitir a entrada da tecnologia da chinesa Huawei no estabelecimento da telefonia 5G e que empresas norte-americanas deixariam, neste caso, de atuar aqui.

Um pacto em defesa do emprego e da vida

Editorial do site Vermelho:

O debate das causas do desemprego sempre oferece oportunidade para uma compreensão mais abrangente sobre os problemas sociais, especialmente em um país com tantas desigualdades sociais e econômicas como o Brasil. Na busca de meios para enfrentar seus efeitos é possível identificar a natureza de classe do problema.

Foi o que ocorreu com a proposta do governador do estado Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), de um Pacto Nacional pelo Emprego feita ao presidente Jair Bolsonaro, respondida com ironia e desdém. A atitude de Bolsonaro serve bem para demonstrar sua irresponsabilidade e seu desprezo diante dos problemas enfrentados pelo povo com as crises econômica e sanitária.

Augusto Aras e a desmoralização da Lava-Jato

Bolsonaro agora é denunciado em Haia

A sabujice de Bolsonaro diante dos EUA

A economia política da internet

quarta-feira, 29 de julho de 2020

Tímida, mídia rompe silêncio sobre Haia

Felipe Neto: quem calunia quem?

MST doa toneladas de alimentos na pandemia

Aras denuncia a gangue da Lava-Jato

As emissoras brasileiras se rendem

Bolsonaro é denunciado por genocídio

Felipe Neto e a nova arapuca bolsonarista

As novas ameaças de golpe na Bolívia

CPI da Lava Jato já é proposta na Câmara

Por Plínio Teodoro, na revista Fórum:

Após críticas do Procurador-Geral da República, Augusto Aras, dizendo que é hora de “corrigir rumos” do “lavajatismo”, o deputado Paulo Pimenta (PT-RS) anunciou que vai pedir a imediata instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar os “graves” fatos revelados pelo PGR.

“Os 50 mil documentos que a Lava Jato possui arquivados em um sistema paralelo, sem controle da PGR ou das Corregedorias, revela um Estado Policial dentro do País. Trata-se de uma afronta ao Estado de Direito e não pode ser tolerado impunimente pelo STF e pelo Congresso”, tuitou Pimenta.

A arapongagem contra os antifascistas

Por Tânia Maria Saraiva de Oliveira, no jornal Brasil de Fato:

Araponga é o nome de uma ave de porte médio que habita alguns países da América do Sul, inclusive o Brasil, cuja característica mais marcante é o canto alto e estridente. Popularmente, tornou-se sinônimo de espionagem, por ser título e apelido do personagem central de uma telenovela do gênero comédia pastelão da Rede Globo do início dos anos 1990.

Na vida real e nada cômica, o Serviço Nacional de Informações (SNI), que no folhetim televisivo o atrapalhado detetive Aristênio tenta convencer seus superiores de reativar, foi o centro de produção de informações sobre pessoas, grupos políticos, movimentos sociais e instituições, criado no primeiro ano da ditadura civil-militar em 1964.

terça-feira, 28 de julho de 2020

Patrimônio dos ricaços cresce US$ 34 bilhões

Por Altamiro Borges

Além das milhares de mortes, a Covid-19 gera milhões de famintos, desempregados e desesperados. Mas no mundo do capital, a desgraça tem classe. O jornal Valor publicou nesta terça-feira (28) uma matéria revoltante comprovando que o "patrimônio de bilionários brasileiros cresce US$ 34 bilhões" em plena pandemia.

A matéria baseia-se em uma pesquisa da ONG Oxfam. Ela mostra que a fortuna de 73 bilionários da América Latina aumentou US$ 48,2 bilhões entre março e julho – uma alta de 17%. Neste seleto grupo de ricaços da região, 42 estão no Brasil. O patrimônio deles cresceu US$ 34 bi no período – para US$ 157,1 bilhões.

45 minutos do segundo tempo

Por João Guilherme Vargas Netto

Aos 45 minutos do segundo tempo os metroviários de São Paulo tiveram que suspender a greve que sua assembleia (virtual) havia convocado para hoje, dia 28.

Na longa negociação com o Metrô e os gestores estaduais (a data-base é em abril) os trabalhadores reivindicavam, pura e simplesmente, a manutenção das cláusulas vigentes (a ultratividade) e o respeito aos direitos, inclusive sindicais, realizando várias assembleias sempre virtuais e procurando a mediação da Procuradoria do Trabalho e da Justiça.

EUA orquestraram o golpe na Bolívia

Por Leonardo Wexell Severo

Nesta entrevista exclusiva, o líder camponês e indígena David Choquehuanca, candidato à vice-presidência da Bolívia pelo Movimento Ao Socialismo – Instrumento Político para a Soberania dos Povos (MAS-IPSP) denuncia “o assalto ao lítio, recurso natural estratégico do qual o país tem a maior reserva do planeta, como o que está por detrás da deposição do presidente Evo Morales”.

Chanceler do país andino de 2006 até 2019, o dirigente assevera que a ação militar e a fraude com a participação da Organização dos Estados Americanos (OEA) são dois lados da mesma moeda do “golpe planificado, financiado e orquestrado pelos Estados Unidos, que pôs a saúde, a economia e a política da Bolívia em estado de coma”. 

MDB e DEM racham o Centrão

Por Eduardo Maretti, na Rede Brasil Atual:

O movimento protagonizado pelo DEM e pelo PMDB, de desembarcar do “blocão” que formam com o Centrão na Câmara dos Deputados, já estava desenhado. A jogada dos dois partidos tem no horizonte mais distante a eleição presidencial de 2022. No caso da sucessão de Jair Bolsonaro, a constatação óbvia está na última pesquisa Confederação Nacional do Transporte/MDA, que apontou que o atual presidente lidera a ainda distante disputa presidencial com 29,1%, seguido pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), com 17%.

As faces neofascistas que Bolsonaro esconde

Editorial do site Vermelho:

Há mais de um mês, o presidente Jair Bolsonaro adota uma postura de recuo tático para tentar dissimular sua essência autoritária. Isso decorre do surgimento de algumas iniciativas de frente ampla, dos inquéritos contra o bolsonarismo no Supremo Tribunal Federal (STF) e da prisão do dileto amigo da sua família, Fabrício Queiroz. Momentaneamente, Bolsonaro tem economizado arroubos e ameaças à institucionalidade democrática do país.

As várias pandemias do coronavírus no Brasil

A desigualdade e a concentração de renda

A busca da unidade para derrotar Bolsonaro

A questão ambiental e a soberania nacional

Bolsonaro tem atributos do anticristo

segunda-feira, 27 de julho de 2020

General Pazuello, incompetência e genocídio

Bolsonaro faz dossiê contra servidores

O papel da mídia na Lava-Jato

Dia Nacional da Rebeldia Cubana

A invasão de Guedes nos bancos públicos

Como fica Bolsonaro se Trump perder?

Pago pelo Brasil, general serve aos EUA

Bolsonaro e o genocídio dos povos indígenas

Quem ganha na reforma tributária de Guedes?

Os vira-latas e a questão ambiental

Por Paulo Nogueira Batista Jr.

Quero tratar hoje de um tema de vital importância: a agenda ambiental. O Brasil tem tudo para desempenhar papel de liderança nesse tema, como fez aliás em períodos anteriores. No atual governo, porém, o nosso país tem se destacado por sua postura anticientífica e negacionista. No tema ambiental, assim como na pandemia. Ficamos isolados e fomos transformados em párias internacionais, inclusive nesse tema que é objeto de atenção crescente no mundo inteiro.

Escola privada e a pedagogia da morte

Por Gilson Reis

A pedagogia é a ciência que trata da educação e das suas várias dimensões políticas, históricas, culturais, sociais etc. Que estuda os problemas relacionados ao conhecimento e desenvolvimento humano e sua relação enquanto indivíduo social inserido numa determinada sociedade. A pedagogia tem ainda como objetivo central estudar e construir cientificamente métodos e conhecimentos capazes de ensinar, orientar e educar pessoas nos seus diversos processos e estágios da vida. Essa construção percorre desde os primeiros dias de vida e se projeta para toda a fase adulta.

Algumas observações sobre as eleições de 2020

Por Ronald Freitas

As circunstâncias mais gerais em que se realizam as eleições municipais de outubro.

Como o Partido tem afirmado em seguidas resoluções, vive o Brasil e o mundo envoltos em uma crise sistêmica do capitalismo, na sua atual fase de financeirização da economia, e de predomínio das ideias neoliberais na orientação das políticas econômicas da maioria dos países ricos. Isso, tensiona povos e nações, piora de forma relativa e absoluta as condições de vida dos povos, particularmente daquelas que retiram seu sustento do trabalho assalariado, ou sobrevivem de trabalho informal. A essa realidade sócio-econômico-política, veio se agregar a Pandemia do Covid-19, com seu rastro de morte, desemprego, fome e desesperança para milhões de pessoas. No momento que escrevo, segundo dados, divulgados pela imprensa, temos no mundo 15.008.046 casos confirmados, e já ocorreram 616.985 mortes. Números eloquentes a dar a dimensão da tragédia que nos acomete.

domingo, 26 de julho de 2020

Neobolsonarista, líder do Centrão vira alvo

Por Altamiro Borges

Bem que o bravateiro general Augusto Heleno cantarolou na convenção do PSL que homologou a candidatura do “capetão” Bolsonaro em 2018: “Se gritar pega Centrão, não fica um meu irmão”. O agora ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) até anda meio sumido e quieto, mas a paródia do sambinha segue atual.

Neste sábado (25), a Folha noticiou que “a Procuradoria da República em Alagoas abriu investigação criminal contra o deputado federal Arthur Lira (PP), um dos líderes do centrão e novo aliado do presidente Bolsonaro (sem partido)”. Ele é acusado por sua ex-esposa, Jullyene Rocha, de ocultação de bens e lavagem de dinheiro.

General Pazuello e o genocídio na Saúde

Por Altamiro Borges

Os generais ficaram irritadinhos com Gilmar Mendes quando ele afirmou que “o Exército está se associando ao genocídio” ao ocupar o Ministério da Saúde em plena tragédia do coronavírus. Os fatos, porém, dão razão ao polêmico ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). A incompetência impulsiona a pandemia e as mortes!

Nesta quinta-feira (23), o Estadão publicou longa matéria sobre a trágica “interinidade” de Eduardo Pazuello, que já dura mais de dois meses na pasta. “O Ministério da Saúde gastou cerca de 30% do dinheiro prometido para enfrentar a Covid-19 desde março, mostra auditoria do Tribunal de Contas da União”, destaca o jornal.