segunda-feira, 14 de junho de 2021

Fiasco e mentiras da "motociata" do fascista

Por Altamiro Borges

Os bolsonaristas seguem a máxima nazista de que uma mentira repetida muitas vezes vira verdade – e engana os otários. As deputadas Carla Zambelli e Bia Kicis, por exemplo, compartilharam em suas redes sociais que a "motociata" de sábado (12) reuniu 1.324.523 motos e que já teria entrado para o “Guinness Book”, o livro dos recordes. A descarada fake news foi desmentida até pelo comando da Polícia Militar de São Paulo.

Segundo cálculos da PM, com a ajuda de helicópteros e recursos de georreferenciamento, o caríssimo passeio em apoio antecipado a Jair Bolsonaro – que deveria ser tratado como crime pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) – teve no máximo 12 mil motos. Outro levantamento mostra que o número divulgado pelas milícias é superior à quantidade destes veículos na capital.

A greve contra a privatização da Eletrobras

Por Altamiro Borges

A partir desta terça-feira (15), os 12 mil trabalhadores da Eletrobras entrarão em greve por 72 horas. A paralisação é uma resposta unitária e nacional à decisão do Senado de votar às pressas a Medida Provisória (MP-1031) do governo federal, que prevê a privatização da estratégica empresa estatal.

O protesto também é contra o descumprimento do acordo coletivo da categoria e às demissões de dirigentes sindicais. Segundo Nailor Gato, vice-presidente da Federação Nacional dos Urbanitários (FNU), “a população não será prejudicada pela nossa luta. Mas é necessário entender que a soberania nacional está em jogo, que haverá aumentos de preços, caso a Eletrobras seja privatizada, e que serão os consumidores que pagarão por tudo isso”.

Sigilo sobre Pazuello humilha o Exército

Por Fernando Brito, em seu blog:

A confirmação da recusa do Exército em dar a conhecer o processo que, afinal, “passou pano” sobre a transgressão disciplinar de Eduardo Pazuello ao subir ao palanque de um comício de Jair Bolsonaro, reafirmando o sigilo por cem anos – isso mesmo, um século – é a comprovação do corporativismo covarde a que a instituição se lançou.

A transgressão do general não foi dentro do quartel, num alojamento militar. Foi em praça pública, diante de quem quisesse ver.

O tal do Queiroga e a Seleção genocida

Por Jorge Gregory, no site Vermelho:


Como qualificou um colega nas redes sociais, a manifestação da Seleção Brasileira, pela qual aguardamos por mais de uma semana, não passou de um “pum”. E malcheiroso, acrescentaria eu. Obviamente não se esperava do atual elenco posições políticas mais contundentes, até porque Sócrates, Vladimir e Casagrande são personagens do passado, mas no mínimo um posicionamento coerente com a grave situação sanitária que o país vive. Queiram ou não, ao aceitar participar da Copa América, jogadores e comissão técnica assumiram o lado de Bolsonaro. A nota divulgada não passa de um manifesto pífio que, com muita boa vontade, podemos qualificar como um desencargo de consciência diante das quase 500 mil mortes.

O desfile de motocicletas com Bolsonaro

Por Luis Felipe Miguel


As análises que vi sobre o desfile de motocicletas com Bolsonaro oscilaram entre sobre ou subdimensioná-lo.

Não dá para dizer que tinha pouca gente.

Tinha bastante.
É verdade que dez pessoas aplaudindo aquele genocida já seriam indício de uma doença social grave, mas sábado, em São Paulo, teve muito motoqueiro.

Por outro lado, foi bem menos do que o bolsonarismo sonhava.

A comparação com as manifestações da esquerda no dia 29 são difíceis, porque gente é uma coisa, moto é outra - e para mim é óbvio que Bolsonaro optou por esse tipo de demonstração exatamente para evitar comparações.

Unidade antifascista para derrotar Satã

Por Tarso Genro, no site Sul-21:


Em diversos textos defendi a necessidade de uma voz unificada da oposição para combater a emergência do fascismo. O fascismo é a exceção permanente e ele não emerge suavemente, como um parto normal da democracia política. Ele surge como um vírus que infecta o tecido da democracia e perverte os seus fundamentos, fazendo-o pela denúncia da não entrega das suas promessas de igualdade e pela naturalização do mal, como necessário à sobrevivência de uma parte da espécie.

CPI avança sobre máfia da cloroquina

Classe média, corrupção e meritocracia

Bolsonaro será candidato forte à reeleição?

Bolsonaro perdeu o Peru e muito mais!

Eletrobrás, racionamento e privatização

A história do Jornal Nacional da TV Globo

domingo, 13 de junho de 2021

Pazuello, Mayra e Araújo têm sigilo quebrado

Por Altamiro Borges

O general Eduardo Pazuello, o ex-chanceler "Beato" Ernesto Araújo e a "capitã Cloroquina" Mayra Pinheiro terão seus sigilos telefônico e telemático quebrados nos próximos dias. A decisão pode ajudar a esclarecer quem ganhou grana com o "tratamento precoce" e a venda do Kit-Covid e quantas mortes estas maluquices causaram no Brasil, principalmente com o atraso na compra de vacinas.

A decisão foi tomada no sábado (12) pelos ministros Ricardo Lewandowski e Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Eles negaram os pedidos do ex-ministro da Saúde, do ex-ministro das Relações Exteriores e da secretária de Gestão do Trabalho do Ministério da Saúde para suspender determinação da CPI do Genocídio de quebrar seus sigilos.

As mentiras do presidente e a Copa América

Bolsonaro quer controlar a internet

CPI seguirá a grana que bancou a cloroquina?

Vidas negras importam!

Pandemia aumenta violência contra mulher

Surge uma nova geração anticapitalista?

Ilustração: AnnaPa
Por Paul Mason, no site Outras Palavras:

Eles passaram por provas, testes, julgamentos e avaliações desde crianças; disseram-lhes que precisavam se destacar, competir e ter sucesso. Mas, por causa da covid-19, toda uma geração de estudantes que deixou a escola e a faculdade enfrenta um presente sombrio e um futuro incerto na Europa.

Quando o The Guardian perguntou aos jovens europeus - entre a adolescência e os pouco mais de vinte anos - como a pandemia fazia-os se sentirem, era de se esperar um excesso de frustração: empregos perdidos, amizades distanciadas à força, encontros amorosos cancelados. Mas o que surgiu foi uma crítica ao capitalismo.

Assim como seus predecessores nos levantes que se seguiram à crise de 2008, esta geração de jovens está pronta para tirar conclusões sistêmicas da maneira como as elites políticas administraram a pandemia. Eles sabem que pagarão impostos mais altos e que vão carregar dívidas pessoais maiores, além de enfrentar mais incertezas do que qualquer outra geração desde a Segunda Guerra Mundial.

Os militares e o Plano Bolsonaro

Por Vinicius do Valle, no jornal Le Monde Diplomatique-Brasil:

O anúncio de que o Exército brasileiro absolveu o general Eduardo Pazuello acendeu o sinal amarelo de muitos analistas políticos. Ao dizer que acataria os argumentos do general, o Exército assumiu a constrangedora posição de considerar o ato político de 24 de maio no Rio de Janeiro como apenas um “passeio de motocicleta”, e não um evento partidário, porque Bolsonaro, apesar de todo o discurso fortemente eleitoral, não é filiado a nenhum partido. A absolvição, ainda mais com base em justificativas tão esdrúxulas, tem como consequência abrir as portas para a quebra da hierarquia militar, dando aos militares da ativa – das mais distintas patentes – a possibilidade de se posicionar e, mais do que isso, se articular politicamente, de forma explícita.

Não tem conversa com bolsonarista

Por João Paulo Cunha, no jornal Brasil de Fato:

Não quero papo com bolsonarista. Pode ser até parente próximo, pai, filho ou mesmo o espírito santo. Sem chance. A expressão “troca de ideias” padece de uma crença na capacidade do outro em trazer algo novo para o horizonte, que mereça até mesmo ponderação ou mudança de ponto de vista. Não é o caso dos minions: não tem como ser um deles sem deixar de ser gente. Pelo menos o que entendo por gente. Tem conversa que não vale a pena.

Crescimento do PIB e desigualdade de renda

Editorial do site Vermelho:


As projeções e os dados do crescimento da economia brasileira têm servido de maquiagem para as ilusões que o governo Bolsonaro tenta vender. O país segue com baixo investimento – público e privado –, o que afeta, além da infraestrutura, o emprego e a renda, componentes básicos do desenvolvimento nacional associado ao progresso social. O persistente crescimento do desemprego em níveis elevados, por exemplo, decorre, basicamente, do baixo investimento, a causa fundamental da inconsistência da retomada do crescimento.

Com que finalidade induziram à morte?

Por Moisés Mendes, no Diário do Centro do Mundo:


Com que finalidade o deputado e médico Osmar Terra propagou com insistência no ano passado, com a cumplicidade de parte da imprensa, a informação de que a epidemia da Covid-19 não mataria nem mil pessoas no Brasil?

Com que finalidade?

Esta é a pergunta que abre as portas para muitas respostas.

Com que finalidade Terra, no começo da epidemia (que ainda não era pandemia), saiu a alardear que as pessoas não precisariam se proteger, que nem de vacina o Brasil precisaria, porque morreria pouca gente e em pouco tempo todos estariam imunizados pelo contágio de rebanho?

O avião, as motos e o jegue

Por Fernando Brito, em seu blog:


Jair Bolsonaro, “nem aí” para governar, está como se estivesse em reta final de campanha eleitoral.

Aproveita enquanto pode usar, e usa, a máquina pública para promover seu turismo eleitoral, provocativo e agressivo.

Confia em que haverá, além das falanges fascistóides e orgulhosas de de sua ignorância, uma maioria que adira, outra vez, por manipulação e preconceito, ao “candidato do jegue”, como se referiu ontem a Lula, ao invadir um avião em Vitória para produzir alvoroço e, pelo que se viu nos vídeos, até uma briga dentro da aeronave (artigo 261 do Código Penal: “expor a perigo embarcação ou aeronave, própria ou alheia, ou praticar qualquer ato tendente a impedir ou dificultar navegação marítima, fluvial ou aérea”).

sábado, 12 de junho de 2021

Chile: das lutas nas ruas à Constituinte

As muitas formas de calar a imprensa

Bolsonaristas atacam jovem em Vitória

Quem são os evangélicos no Brasil

Um museu da tortura na ditadura militar

CPMI das fake news e a rota do dinheiro

Bolsonaro é hostilizado em Vitória

A vitória da esquerda no Peru

As contradições das Forças Armadas no Brasil

É possível um mundo sem prisões?

Renda no Brasil despenca 10% na pandemia

O que é pós-verdade?

Universidades federais à beira do colapso

sexta-feira, 11 de junho de 2021

The Economist e o Cristo Redentor sem ar

A bolsa vai bem e o povo vai mal

Por Paulo Kliass, no site Carta Maior:


As páginas de economia dos jornalões e as notícias dos grandes meios de comunicação mal conseguem esconder seu êxtase. As informações a respeito do comportamento recente da Bolsa de Valores tendem a criar um cenário otimista, quase ufanista, de valorização dos patrimônios dos grandes investidores institucionais. Ao longo dessa semana, o índice do Ibovespa vem superando todos os recordes de pontuação, sempre acima da marca simbólica de 130 mil pontos.

Solidariedade a Manuela. Combate à barbárie

Editorial do site Vermelho:

A ampla solidariedade que a ex-deputada e candidata a vice-presidenta da República em 2018 *pela aliança PT/PCdoB* Manuela d’Ávila vem recebendo diante das ameaças de violência contra ela e sua filha Laura, de cinco anos de idade, revela a gravidade do momento político vivido pelo país. Este Portal Vermelho tem mostrado o alcance da resposta dos segmentos democráticos e civilizados da sociedade, assim como o apoio ao abaixo-assinado que pede a investigação e punição aos criminosos.

A humilhação pública de militares inseguros

Por Moisés Mendes, no site Brasil-247:


As Forças Armadas, puxadas para a arapuca da cumplicidade e da subserviência articuladas por Bolsonaro, vêm sendo humilhadas pelo envolvimento de alto risco com um governo de extrema direita.

A CPI do Genocídio, que já enquadrou o general Eduardo Pazuello por duas vezes, nesta quarta-feira submeteu um coronel do Exército a uma humilhação exemplar.

O coronel Elcio Franco, ex-secretário executivo do Ministério da Saúde, sempre submetido às ordens de Pazuello, foi provocado pelo senador Alessandro Vieira, do Cidadania de Sergipe, a dizer qual era o broche que levava na lapela.

O coronel da reserva, que teve amplos poderes para tratar das questões da pandemia como o segundo de Pazuello, respondeu que aquele era o broche das Forças Especiais do Exército.

O Brasil virou o país dos escroques

Por Fernando Brito, em seu blog:


O episódio da combinação entre o falsário que inseriu, na noite de domingo, um relatório fajuto e combinado com o presidente da República – ou com os filhos presidenciais, o que dá no mesmo – para que este colocasse em dúvida a extensão das mortes pela Covid, é só um retrato do que é a entrega do comando deste país à pior malta de escroques em sua história, e olhe que já tivemos por aqui escroques capazes de superar os maiores do mundo.

O sujeito que emprenhou com documentos faltos o site do TCU é “peixe” de Bolsonaro, que por ele interferiu para ser nomeado para um cargo no BNDES, em telefonema pessoal do presidente da República, ao então presidente do TCU para que este autorizasse sua requisição para o cargo, informa Waldo Cruz, da Globonews.

Agenda sindical e mão amiga

Por João Guilherme Vargas Netto


As direções sindicais acertariam se discutissem as medidas necessárias para implementar a agenda legislativa dos trabalhadores elaborada pelo DIAP e a difundissem nas bases. São 23 propostas que abarcam as preocupações do mundo do trabalho sobre temas em discussão no Congresso Nacional ou que precisam ser apresentadas.

Já Clemente Ganz Lucio acerta em seu artigo sobre a agenda legislativa ao cravar que a medida número um é a exigência da votação do auxílio emergencial de 600 reais para todos os necessitados até o fim da pandemia.

Batalha da comunicação sindical na pandemia

Não à PEC-32 da "reforma administrativa"

O povo cubano comanda o seu destino

Chico Buarque, Hildegard Angel e a ditadura

quinta-feira, 10 de junho de 2021

Elcio Franco, o arrogante coronel da Saúde

Por Altamiro Borges

Em seu depoimento à CPI do Genocídio na quarta-feira (9), o coronel da reserva Elcio Franco, que foi secretário-executivo do general Eduardo Pazuello no Ministério da Saúde, tentou livrar a cara do ex-chefe e esconder a existência do "gabinete paralelo" – ou "gabinete da morte". O milico, para não perder o costume, esbanjou arrogância e má-fé!

Vale lembrar que o coronel, considerado o braço direito do ex-ministro, tinha muitos poderes e conhece todos os crimes da gestão genocida. Entre outras funções, ele era o responsável pelas negociações com os fabricantes para a compra de vacinas contra a Covid-19. Ele enrolou ao máximo para tentar justificar o injustificável – o atraso na aquisição das vacinas.

A “sangria” da TV por assinatura

Por Altamiro Borges

Segue a "sangria" da televisão por assinatura em decorrência da explosão da internet, do "pibinho" de Jair Bolsonaro e da perda de credibilidade da mídia tradicional – entre outras causas. Em sua coluna no site UOL nesta quarta-feira (9), Ricardo Feltrin informou que a “TV paga ‘sangra’ e perde mais 156 mil assinantes em abril”.

Os dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) mostram que a agonia do setor continua e não há perspectiva de melhoras. "Em abril, o setor viu a fuga de outros 156,9 mil assinantes, que deixaram voluntariamente o serviço ou o tiveram cortado pelas próprias operadoras por falta de pagamento", relata o jornalista.

Bolsonaro choraminga: 'Perdemos agora o Peru'

Por Altamiro Borges

O neofascista Jair Bolsonaro está com medo dos novos ventos mais favoráveis às forças de esquerda na América Latina. Após a queda do seu tutor ianque, Donald Trump, o vira-lata sarnento se vê ainda mais castrado. Nesta quarta-feira (11), durante culto evangélico em Anápolis (GO), o “capetão” choramingou: "Perdemos agora o Peru".

O seu lamento – que logo virou zoeira nas redes sociais – referia-se à vitória do professor e líder popular Pedro Castilho nas eleições presidenciais do país vizinho. "Perdemos agora o Peru... Vai reassumir lá um cara do Foro de São Paulo", esbravejou, usando o fantasma desta organização de esquerda para espantar os fiéis da igreja “Church in Connection”.

Queiroga confirmou na CPI que é um fantoche!

Por Altamiro Borges


O site Metrópoles confirma que o segundo depoimento do ministro da Saúde, o médico-capacho Marcelo Queiroga, na terça-feira (8), irritou os integrantes da CPI do Genocídio. Ele mentiu, tentou enrolar e revelou-se um grande oportunista. “O presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz, chamou Queiroga de ‘carreirista’ e disse que ele protegeu Bolsonaro”, relata a nota.

Questionado sobre os constantes passeios do fascista, que provoca aglomerações e rejeita o uso da máscara, o ministro tergiversou: “Não sou censor do presidente”. Em outro trecho, o oportunista fez questão de agradecer ao “capetão” pela nomeação ao carguinho: “A maior oportunidade da minha vida quem me deu foi o presidente Bolsonaro”.

Intelectuais judeus peitam Bolsonaro 'nazista'

O avanço da fome no campo na pandemia

O que pesa contra Bolsonaro na CPI da Covid

A luta antirracista é somente identitária?

Riscos dos agrotóxicos para os brasileiros

Os ataques à EBC e à comunicação pública

Lições do Peru e o avanço do golpe no Brasil

Lixo contaminado: Garis querem vacina

Bolsonaro mente, a descarada/mente!

quarta-feira, 9 de junho de 2021

Mais de 80 mil mortos por omissão do governo

Por Altamiro Borges

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da CPI do Genocídio, tuitou: "Já temos elementos suficientes para provar o que já sabíamos: mais de 80 mil brasileiros morreram por omissão do governo!". Ele se referia a dois ofícios enviados pela farmacêutica estadunidense Pfizer ao presidente Jair Bolsonaro sobre a compra das vacinas.

Os documentos foram encaminhados em 12 de setembro de 2020 pelo executivo mundial da multinacional, Abert Bourla, e foram “confirmados como recebidos" pelo gabinete presidencial. Segundo levantamento feito por Randolfe Rodrigues, o governo do genocida ignorou, ao todo, 53 e-mails da Pfizer solicitando posicionamento sobre a aquisição de vacinas.

"Cova América" pode balançar Bolsonaro

Por Altamiro Borges

A "Cova América" ainda vai dar muita dor de cabeça ao "capetão" Jair Bolsonaro. Nessa quinta-feira (10), em sessão emergencial, o Supremo Tribunal Federal (STF) analisará o pedido da suspensão dos jogos sob o argumento de que eles deverão elevar ainda mais o número de infectados, hospitalizados e mortos pela Covid-19 no Brasil.

O julgamento da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF-849) e do Mandado de Segurança 37.933 ocorrerá no plenário virtual e os ministros terão até às 23h59 de sexta-feira (11) para votar. Os casos foram incluídos em uma pauta extraordinária a pedido da ministra Cármen Lúcia, relatora do processo no STF.

Amazônia desmatada. Salles “passa a boiada”

Ensinamentos da vitória popular no Peru

Foto: Sebastian Castaneda/Reuters
Por Jair de Souza


O candidato socialista Pedro Castillo acaba de vencer o segundo turno das eleições presidenciais no Peru, disputando contra Keiko Fujimori, a candidata da extrema direita peruana e filha do ex-ditador Alberto Fujimori.

Reagindo de modo similar ao que vem ocorrendo nos últimos anos com os direitistas quando são derrotados nas eleições, Keiko Fujimori passou a levantar suspeitas de que houve fraude no processo eleitoral. Porém, todos sabem, e ela mais do que ninguém, que os únicos que teriam condições de fraudar as eleições no Peru são aqueles que estão inteiramente alinhados com a candidatura da própria Keiko Fujimori. As organizações que apoiam a candidatura de Pedro Castillo estão inteiramente fora da máquina do Estado peruano. Não passa de uma demência ou pura má fé imaginar que uma força política completamente alheia às instituições do Estado, sem contar com ninguém de sua filiação em nenhum cargo de relevância nos órgãos institucionais, possa ter influência determinante sobre os resultados eleitorais.

Amazonas, da conivência à violência

Foto: Reprodução/Manaus Alerta
Por Vanessa Grazziotin, no jornal Brasil de Fato:

No último domingo (6), Manaus e também alguns municípios do interior do Amazonas se transformaram, mais uma vez, em palco de ataques violentos. Ônibus, agências bancárias, logradouros públicos e até ambulância foram depredados e queimados.

As razões da violência, segundo a Secretaria de Segurança Pública do Estado, teria sido uma reação à morte de um traficante, conselheiro do Comando Vermelho, o CV.

Há tempos o Amazonas vive uma profunda insegurança pública, sem que o estado seja capaz de reverter o quadro e garantir uma maior tranquilidade ao conjunto de sua população.

Bolsonaro mente em tudo, mas e daí?

Por Fernando Brito, em seu blog:

Um dos mais importantes primeiros-ministros ingleses do século 19, Benjamin Disraeli, dizia que há “três espécies de mentiras: mentiras, mentiras deslavadas e estatísticas”.

Jair Bolsonaro, um campeão nesta matéria, conseguiu reunir as três, ontem, com a história do “relatório do tal Tribunal de Contas da União” que mostraria não serem de Covid metade das mortes atribuídas à Covid.

Mentira, diriam os antigos, adrede preparada, porque suas redes virtuais já tinham pronto para ser disparado na internet, com a ajuda do R7, supostos trechos do suposto relatório que afirmava, sem maiores argumentos, que só 41% das mortes registradas como provocadas pela doença o eram de fato.

Depois de horas de amedrontamento, o TCU informou que não havia o relatório e muito menos qualquer conclusão ou especulação neste sentido.

A CPI e os flagrantes contra Bolsonaro

Editorial do site Vermelho:

Na sexta-feira (4) a CPI da Covid-19 completou um mês do início dos depoimentos. Desde o primeiro deles, o do ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, foi denunciada a existência de um “ministério paralelo”, utilizado para fundamentar as medidas contrárias às orientações da ciência tomadas por Bolsonaro, confirmada por vários depoimentos posteriores, inclusive da médica Nise Yamagushi, que tentou minimizar seu papel nefasto como cúmplice e talvez a principal referência contrária à ciência do governo.

Justiça e direitos pra quem?

Copa de Bolsonaro e o Exército da boquinha

Quem vai presidir o Peru? Castillo ou Keiko?

O protagonismo da juventude na Colômbia

Seleção se acovarda e joga Copa América

Não é gabinete paralelo, é 'shadow cabinet'

Lava-Jato deixou perguntas sem resposta

terça-feira, 8 de junho de 2021

OAB vai pedir afastamento do juizeco Bretas

Eleição no Peru e as perspectivas no Brasil

O que a eleição no Peru pode nos ensinar

Pedro Castillo. Foto: Francisco Vigo/EFE
Por Renato Rovai, em seu blog:


O candidato outsider de esquerda Pedro Castillo deve se tornar o próximo presidente do Peru depois de uma apuração duríssima em que a virada só veio nos últimos 6% dos votos.

Deve não significa que será, porque essas últimas urnas reservam muitas emoções. Além do voto do interior mais distante, ainda há votos de peruanos que vivem no exterior, onde Keiko tem vantagem.

De qualquer forma, se a vitória vier ela será histórica. Inclusive porque Castillo não estava entre os favoritos até a reta final do primeiro turno.

A chance maior era de um segundo turno entre a extrema-direita, liderada por Keiko Fujimori, e uma candidatura liberal de direita.

Uma vitória de Castillo acabará se tornando uma poça de água no deserto. Mas é preciso analisar também a força do fujimorismo.

Militares: Nada de novo no front

Por Leandro Fortes, no Diário do Centro do Mundo:

Em 1975, o Exército aceitou e disseminou a informação que o jornalista Wladimir Herzog, assassinado sob tortura nas dependências do DOI-CODI, em São Paulo, havia se suicidado. De joelho, como mostra a foto do inquérito policial militar, à época.

Apontado como subversivo pela ditadura militar, Herzog, funcionário da TV Cultura, se apresentou voluntariamente à unidade do Exército para dar esclarecimentos sobre sua atuação política. Submetido a choques elétricos e a um espancamento brutal, o jornalista morreu durante o interrogatório.

Em 1981, o Exército aceitou e disseminou a informação que dois militares, o capitão Wilson Dias Machado e o sargento Guilherme Pereira do Rosário, haviam sido vítimas de um ataque terrorista no Centro de Convenções do Riocentro, na Zona Oeste do Rio, onde milhares de pessoas estavam reunidas para um show comemorativo de Primeiro de Maio.

Brasil, uma democracia militarizada

Por Maud Chirio, no site Carta Maior:


Assim que o ex-capitão paraquedista Jair Bolsonaro assumiu a presidência da República, em 1º de janeiro de 2019, a forte tendência militarista de seu governo não atraiu grande atenção dos observadores políticos.

Ela era menos inquietante do que a extrema radicalidade das propostas do então novo presidente, seus apelos à violência e o perfil ultraconservador de alguns dos seus ministros civis, como os críticos ao aquecimento global Ricardo Salles e Ernesto Araújo, respectivamente ministros do Meio Ambiente e das Relações Exteriores.

Este último, fiel trumpista e discípulo do pseudo-filósofo de extrema direita, Olavo de Carvalho, compõe o que os jornalistas chamam de “ala ideológica” do governo, a mais inclinada às teorias da conspiração, à ruptura com o ambiente internacional e à designação de inimigos dentro de uma chamada “guerra cultural” que os bolsonaristas pretendem travar.

Um deserto chamado Brasil?

Por Frei Betto, em seu site:


A data de 5 de junho comemora o Dia Mundial da Ecologia e do Meio Ambiente. O que celebrar em nosso país se, em 2019, foram desmatados no Brasil 1.218.708 hectares (12.187 km²), sendo que 63% na Amazônia, segundo o Relatório Anual do Desmatamento do MapBiomas 2020.

É considerado desmatamento a supressão total ou quase total da vegetação nativa. Portanto, o conceito não inclui derrubada de árvores isoladas ou queimadas para aberturas de roças.

A Amazônia Legal perdeu 64 km² de área de florestas entre março de 2020 e março de 2021 – aumento de 156%. Principais causas: impunidade aos crimes ambientais, abertura de pastos, extração de madeira, mineração, garimpo e grilagem ilegais em terras do poder público.

Bolsonaro e o falso discurso de incorruptível

Políticas sociais x desmonte da proteção

A economia vai bem, mas o povo vai mal

Eletrobras: Maior golpe da história do Brasil

segunda-feira, 7 de junho de 2021

Amado Batista já pagou sua dívida ambiental?

Copa América: Bolsonarismo ocupa a CBF!

Bolsonaro e o Marco Civil da Internet

Comandante do Exército agiu com prudência

Por Vivaldo Barbosa, no site Brasil-247:


Acostumado a remar contra marés temporárias, passageiras, que atingem até setores lúcidos e progressistas, desde os tempos que trabalhava de perto com Leonel Brizola, afirmo o seguinte: o Comandante do Exército agiu com prudência.

A maré de opinião de muitos setores cobra punição ao general, sem o que a disciplina e hierarquia teriam ficado irremediavelmente comprometidas.

A lei e os regulamentos não devem ser sempre aplicados em uma linha reta.

É claro que esse general fez muito mal ao Exército, deixou o Comandante mal, prejudicou até o Bolsonaro. Nunca deveria ter feito o que fez.

Nem ele nem Bolsonaro.

Acontece que, se o Comandante o pune, estaria igualmente punindo o Presidente.

Pois Bolsonaro o levou para o caminhão, o abraçou, passou o microfone a ele, com sua costumeira irresponsabilidade. E o Presidente da República é o Comandante em Chefe do Exército.

A impunidade de Eduardo Pazuello

Por Luis Felipe Miguel, no site A terra é redonda:


A impunidade de Pazuello é um indicador poderoso da posição dos militares e da complexidade da conjuntura política no Brasil para quem sonha com a restauração do caminho democrático.

Dissipa-se de vez a ilusão de que os generais podem servir de freio a Bolsonaro.

Para não brigar com ele, assumiram um vexame homérico: aceitar a desculpa esfarrapada de um general embusteiro, num caso que atraiu os olhares de toda a nação, avacalhando de vez a hierarquia (que, segundo o discurso oficial, seria a marca distintiva dos militares) e escancarando a partidarização dos quartéis.

Para Bolsonaro, que cultiva hoje, como cultivou no passado, a agitação política do baixo oficialato, é uma vitória e tanto.

Seus adeptos mais aguerridos ganharam carta branca para fazer o que bem entenderem. Para o generalato covarde, é a absoluta desmoralização.

A arma na parede de Bolsonaro

Foto: Reprodução
Por Eugênio Aragão, no Diário do Centro do Mundo:

É do teatrólogo russo Anton Chekov a frase célebre “se for, no primeiro ato, pendurar, na parede, uma pistola, no último, deve-se atirar com ela – do contrário, não a pendure.”

Bolsonaro pendurou, desde seu primeiro dia no governo, a pistola na parede.

Ameaçou o STF, homenageou um torturador, afrouxou as regras de aquisição e posse de armas pela população, participou de atos públicos contra o Congresso e o judiciário e, dentre outras bazófias, prenunciou não aceitar o resultado das eleições presidenciais de 2022, se ele não for eleito.

Ninguém pode dizer que não viu a pistola dependurada.

Todos os dias fomos assaltados com o discurso ameaçador e disruptivo do presidente da república.

Seu mandato tem sido exercido com improbidades e indecoro a rodo. Não pode ter passado desapercebido.

E no Brasil, vai ter Copa América!

A vida dos demitidos pela Lava-Jato

The Economist quer "eliminar" Bolsonaro?

CBF é máfia; negócio da Copa América é grana

Neofascismo: o que é e onde surgiu?

The Economist e o Cristo Redentor sem ar

Por Altamiro Borges

A imagem de Jair Bolsonaro no mundo está cada dia pior. A revista britânica The Economist, considerada uma bíblia da cloaca financeira internacional, estampou na capa da semana passada a estátua do Cristo Redentor sem ar, respirando com uma máscara de oxigênio. Em um dos vários artigos dessa edição especial sobre o Brasil, uma afirmação peremptória: “A prioridade mais urgente é tirá-lo pelo voto” em 2022.

Diferentemente de parte da mídia nativa, que ainda nutre ilusões sobre a possibilidade de “civilizar” o fascista no poder, a conclusão da revista é que “será difícil mudar o rumo do Brasil enquanto [Bolsonaro] for presidente”. O caderno especial com dez páginas, organizado pela correspondente Sarah Maslin, aborda temas como economia, corrupção e Amazônia.

domingo, 6 de junho de 2021

Amazônia desmatada. Salles "passa a boiada”

Por Altamiro Borges

Apesar do cerco que sofre de todos os cantos, nacionais e internacionais – inclusive sob o risco de ter em breve a sua prisão decretada –, o ministro Ricardo Salles segue “passando a boiada” da devastação ambiental. Na sexta-feira (4), o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) apresentou dados que comprovam que o desmatamento na Amazônia Legal em maio foi o maior registrado desde 2016, quando a série histórica teve início.

Foi o terceiro mês seguido de recorde de destruição da floresta em 2021. Em 28 dias, a devastação atingiu a marca de 1.180 km² - um aumento de 41% em relação ao mesmo mês de 2020. Desde o início da operação do satélite Deter-B do Inpe, é a primeira vez que esse número ultrapassa 1.000 km² no mês.

Amado Batista já pagou sua dívida ambiental?

Por Altamiro Borges

Sempre desconfie dos que vivem posando de moralistas – geralmente eles são imorais. Bravateiam contra a corrupção apenas para esconder seus podres. Na semana passada, o cantor sertanejo e ruralista Amado Batista vomitou em uma entrevista à Rede Nordeste de Rádio: “Lula é um ladrão, só vota nele quem gosta de ladrão. Diferente de Bolsonaro, que não rouba”.

Ele ainda insinuou que o filho do ex-presidente, conhecido como Lulinha, “saiu do nada, hoje é milionário. Não estou exagerando, digo porque conheço seus negócios no agronegócio. Ande pelo Mato Grosso, como eu, e você comprovará”, disparou sem apresentar provas o caluniador bolsonarista.

Água “consagrada” não cura R.R. Soares

Por Altamiro Borges

Da trágica série "A vida é irônica e cruel". O site Metrópoles informa que "o missionário R.R Sores, de 73 anos, precisou ser intubado na tarde deste sábado (5), após complicações no quadro de Covid-19. O líder da Igreja Internacional da Graça de Deus está internado desde sexta-feira, no Hospital CopaStar, na Zona Sul do Rio de Janeiro".

Em postagem de maio de 2020, o mesmo site registrou ironicamente que "o pastor e empresário Romildo Ribeiro Soares, conhecido como R.R. Soares, tem anunciado há uma semana uma suposta cura ao novo coronavírus durante o programa 'O show da fé', vinculado pela TV Band".

Os crimes sexuais do fundador da Casas Bahia

Fanáticos por cloroquina espalham barbárie

O legado e a luta de Zuzu Angel

Copa América é pra desviar foco de Bolsonaro

Bolsonaro e a economia em ano eleitoral

O Brasil está longe da normalidade

Por Luis Manuel Fonseca Pires e Pedro Estevam Alves Pinto Serrano, no jornal Le Monde Diplomatique-Brasil:

O Brasil está longe da normalidade, disse o presidente da república Jair Bolsonaro em discurso a militares em São Gabriel da Cachoeira, no Amazonas, na última quinta-feira dia 27 de maio. Não foi promessa nem vaticínio. Mas diagnóstico. O presidente acerta. Encontramo-nos em direção da consumação do estado de exceção. Faltou dizer que ele é o responsável porque esta situação decorre de sua agenda política de caos, destruição e morte. Há um nome em ciência política para este tipo de programa de governo: necropolítica. O regime de exceção – oposto à normalidade democrática que se anuncia na Constituição – é alimentado pelo conflito, a discórdia, o embate constante e sistemático contra inimigos que podem ser pessoas vivas ou mortas, ideias presentes ou passadas, instituições públicas ou privadas, nações estrangeiras ou cidadãos do próprio país: um adversário político, o meio ambiente, o STF, Leonardo de Caprio, a urna eletrônica, a CPI da Covid, a China. É preciso encontrar um inimigo e lançar-se contra ele. Sem inimigo(s) o estado de exceção não sobrevive.

Onde há fumaça há fogo

Por João Paulo Cunha, no jornal Brasil de Fato:

Há certo consenso entre os analistas políticos de que Bolsonaro, quando se vê encurralado, solta rolos de fumaça para turvar a visão do horizonte da verdade. Essa operação parece seguir o instinto do presidente, como um gesto imediato de raiva: imaturo, ressentido e grosseiro. No entanto, por trás da aparente espontaneidade, há uma astúcia da estupidez. As mensagens atingem diferentes públicos e acabam assumindo lugar de destaque no ecossistema de comunicação, dos jornalões às redes sociais.

Impunidade de Pazuello: risco à democracia

Editorial do site Vermelho:

O perdão ao ex-ministro da Saúde general Eduardo Pazuello pelo Exército tem enorme gravidade. É um perigoso precedente. O episódio afronta a Constituição e o Regulamento Disciplinar do Exército quanto às restrições à participação política de militares, em particular o que se encontram na ativa. A impunidade foi criticada por três ex-ministros da Defesa (Aldo Rebelo, Celso Amorim e Raul Jungman) e por militares como Carlos Alberto dos Santos Cruz, o ex-ministro e general da reserva Sérgio Etchegoyen e o ex-presidente do Superior Tribunal Militar (STM), brigadeiro Sergio Ferolla.

A revanche dos militares

Por Moisés Mendes, no site Brasil-247:


Bolsonaro está ganhando de goleada.

Mandou mais de 10 generais embora do governo, quase todos humilhados pelos filhos dele, e não aconteceu nada.

Empurrou o vice Hamilton Mourão para uma função subalterna e perigosa no Conselho da Amazônia, sob o comando de Ricardo Salles e seus grileiros, e não acontece nada.

Dispensou o ministro da Defesa e os comandantes das três armas, porque não toparam levar adiante o blefe do golpe, e não aconteceu nada.

Diz e repete que é comandante supremo das Forças Armadas e se refere ao “meu Exército”, para imposição de um poder militar de governo, e não de Estado, e não acontece nada.

O papel contemporâneo das Forças Armadas

Por Jeferson Miola, em seu blog:


1.

A escalada militarista no Brasil desperta enorme atenção mundial. Não bastasse o componente militar em si, muitos elementos presentes na dinâmica política brasileira têm parentesco com a emergência e a evolução do fascismo e do nazismo na Europa dos anos 1920 a 1945, assim como com a atual expansão da extrema-direita e do neofascismo em vários países.

É essencial estudar-se e entender-se o fenômeno brasileiro na sua complexidade. Ao lado disso, é importante também alargar-se o campo de análise com o objetivo de desvendar a eventual existência de fios de conexão entre o “caso brasileiro” e lógicas militaristas também presentes nas realidades de potências capitalistas centrais, como a Alemanha, França e EUA.

"Copa Bolsonaro" está virando desastre

Por Fernando Brito, em seu blog:


É bom tomar muito cuidado ao meter a mão em uma cumbuca cheia de cobras, lagartos e de ratos como é o embrulho que se formou envolvendo o governo Bolsonaro a CBF, a seleção brasileira e outros envolvidos na “Cova” América, apelido que o torneio sul-americano tomou e colou.

É encrenca para todo lado e o risco de Jair Bolsonaro ter conseguido avacalhar também o futebol é muito grande.

Os atletas da Seleção que atuam na Europa, que são a maioria, não querem jogar. Os que atuam aqui, os acompanham, porque estão em meio ao Brasileirão, Libertadores e outros torneios.

Alegam cuidado sanitário, mas sabe-se que este é só um pretexto, porque estão irritados com Rogério Caboclo, presidente da CBF, na foto com Bolsonaro, pela maneira autoritária com que são tratados.

sábado, 5 de junho de 2021

CPI da Covid e o organograma da morte

Teto de gastos: porque não funciona

Vídeo prova 'gabinete paralelo' de Bolsonaro

CPI seguirá rastro do dinheiro da cloroquina

Internet: democratização do acesso às redes

Marcelo Bretas é acusado de negociar penas

Nise foi criticada por ser mulher?

Recuo tático ou avanço da militarização?

Os novos protestos contra Bolsonaro

Os gabinetes do ódio e da morte de Bolsonaro

Colômbia insurgente contra o neoliberalismo

sexta-feira, 4 de junho de 2021

Fascista Daniel Silveira mantém tornozeleira

Por Altamiro Borges

O deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), que está em prisão domiciliar com a sua tornozeleira, seguirá sob investigação por mais 60 dias. A prorrogação foi decidida pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que é responsável pelo inquérito que apura as ações fascistas do brutamonte bolsonarista.

O parlamentar, eleito em 2018 na onda reacionária após destruir uma placa da vereadora assassinada Marielle Franco (PSOL), responde a uma investigação por publicar vídeo com ameaças aos ministros do STF, exaltar o AI-5 (o ato mais violento da ditadura militar) e espalhar fake news.

OAB vai pedir afastamento do juizeco Bretas

Por Altamiro Borges

Mais uma juizeco carrasco, que a mídia udenista transformou em herói nacional apesar das inúmeras denúncias de abuso de autoridade, vai para a guilhotina. Segundo reportagem da revista Veja, "a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) prepara uma minuta para pedir ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) o afastamento de Marcelo Bretas".

O vaidoso e bombado juiz da 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro, responsável pela midiática Operação Lava-Jato no estado, foi acusado de práticas ilegais na condução dos processos. Ele foi alvo de delação premiada encaminhada pelo advogado Nythalmar Dias Ferreira Filho à Procuradoria-Geral da República (PGR).

A mídia em busca da terceira via

Sérgio Mamberti: "Senhor do meu tempo"

Livretos Populares: Vacina para todos, já!

Sobre PIB, desemprego e fome

Por Bepe Damasco, em seu blog:


Assim como a guerra é assunto importante demais para ficar restrito aos militares, também o debate sobre a economia não pode e não deve ficar restrito aos economistas e jornalistas real ou pretensamente especializados no assunto.

Refiro-me, por óbvio, à perspectiva econômica que realmente importa, que é a geração de emprego e renda, o desenvolvimento sustentável da economia, o avanço científico e tecnológico, as conquistas sociais, a melhoria efetiva das condições de vida das pessoas.

Bem diferente dos parâmetros do neoliberalismo, cujo projeto estratégico para o Brasil alcança não mais do que 30% dos seus habitantes e a exclusão da imensa maioria. Daí a relevância que confere à jogatina da bolsa de valores e ao parasitismo do mercado financeiro.

E não é por outra razão que o mantra da responsabilidade fiscal domina o noticiário econômico do cartel da mídia, enquanto a responsabilidade social sequer é mencionada.

O passo largo do golpismo

Por Tereza Cruvinel, no site Brasil-247:

Mais tarde será tarde, se já não for. Bolsonaro respondeu aos protestos populares, à CPI, ao panelaço e ao fracasso de seu governo com um passo vigoroso em seu projeto golpista. Subjugou o Exército, que não punindo o general Pazuello, assumiu-se como partido armado de Bolsonaro, e não como instituição de Estado. Mas não são apenas as Forças Armadas. O bolsonarismo está dominando as PMs, a PRF e a PF.

Às favas os escrúpulos

Por Lygia Jobim, no site Carta Maior:


A frase dita pelo Coronel Jarbas Passarinho, quando ministro do Trabalho e da Previdência Social, durante a reunião na qual se decidiu pela decretação do AI-5, em dezembro de 1968, pode ser colocada na boca do comandante do Exército, General Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira: "Às favas, senhor presidente, neste momento, todos os escrúpulos de consciência."

Só que o General Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, ao deixar de punir a participação de Eduardo Pazuello em manifestação política-partidária, mandou às favas igualmente o princípio básico pelo qual, todo militar, deve obediência ao que determina, não só o regulamento disciplinar do Exército como o Estatuto dos Militares, abrindo espaço para que a indisciplina se instale dentro da força que comanda.