segunda-feira, 16 de julho de 2018

Moro, o exterminador de empregos

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

O gráfico aí de cima, publicado hoje no Estadão, sob o título Empreiteiras encolhem R$ 55 bilhões após Lava Jato, dá apenas um retrato parcial da paralisia que o espalhafato com que, para servir à política, se conduziu as investigações sobre a corrupção em obras públicas no Brasil.

Que, é evidente, não acabou.

Os mentirosos atacam a Petrobras

Por Sylvio Massa, no site da Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet):

Alguns períodos da nossa história foram marcados por expressivos bordões.

O mais antigo pertence a Pero Vaz de Caminha: ”O melhor fruto que se pode tirar desta terra me parece que será salvar essa Gente.”

Depois, já no Império, Dom Pedro I sentenciou: ”Diga ao Povo que eu fico.”

Com a queda do Império, Deodoro comandou: ”Pois diga ao Povo que a República está feita.”

Decorrido o tempo de amadurecimento de nossa consciência política, o Povo sai às ruas e grita: ”O petróleo é nosso.”

Os dilemas da democracia no Brasil

Por Patrick Mariano, na Revista Cult:

Jânio de Freiras, no artigo “A disputa que decide”, é certeiro quando afirma que nas eleições deste ano a disputa será entre Lula versus o combinado STF-STJ e que isto questiona a legitimidade do resultado do pleito como representação eleitoral democrática. De um lado, pontua Jânio, 150 milhões de eleitores e, do outro, 11 ministros do STF e 33 do STJ.

A ascensão dessa burocracia estatal sobre o poder político vem de longa data, mas nos últimos anos ganhou forte impulso, notadamente com a aprovação da Lei da Ficha Limpa pelo próprio Congresso Nacional, que cedeu parcela relevante do poder do voto dos eleitores para os juízes, em evidente afronta ao texto constitucional. A entrega do exercício do poder popular para uma burocracia estatal de clara verniz conservadora, como demonstram as pesquisas sobre a classe social dos juízes e sua vinculação ideológica, se deu gratuitamente, sem qualquer contrapartida por parte de quem o recebeu.

Um jogo judicial mais do que claro

Foto: Cláudio Kbene
Por Mário Augusto Jakobskind, no jornal Brasil de Fato:

Se por acaso alguém tinha dúvidas sobre a perseguição ao preso político Luiz Inácio Lula da Silva, a decisão da presidenta do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Laurita Vaz, de, entre outras coisas, impedir que o ex-presidente conceda entrevistas, deixou tudo muito claro. Se até o traficante Fernando Beira Mar e outros presos por graves acusações já concederam entrevistas, por que a magistrada determinou a proibição de Lula, um preso político?

Ela simplesmente seguiu o roteiro de outras instâncias que querem, de qualquer forma, silenciar o candidato presidencial preferido dos eleitores, segundo as mais recentes pesquisas. Os últimos procedimentos da Justiça simplesmente confirmam que a mesma quer silenciar o candidato.

Em defesa da presunção de inocência

Do site da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD):

Diversas organizações de juristas se mobilizam para coletar assinaturas em defesa do princípio constitucional da presunção de inocência. Lançado nesta segunda-feira (16) pela Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD), o abaixo-assinado vai coletar assinaturas em todos os estados brasileiros.

O princípio da presunção de inocência é direito de toda pessoa humana, de acordo com o artigo XI, da Declaração Universal dos Direitos Humanos e está afirmado na Constituição brasileira de 1988.

Datena, Barbosa e Huck: por que desistiram?

Por Marina Gama Cubas, na revista CartaCapital:

Um dos últimos "grandes" outsiders das eleições de 2018 anunciou no início de julho que está fora da corrida eleitoral deste ano. O apresentador da Band José Luiz Datena havia apresentado sua pré-candidatura ao Senado pelo DEM e voltou atrás em menos de uma semana. No mesmo dia retornou a seu programa dominical na emissora.

Não é a primeira vez que faz isso e nem o único. Nas eleições de 2016, o jornalista já havia ensaiado disputar a prefeitura de São Paulo pelo PP, mas retirou sua pré-candidatura.

"Achei que não era a hora de participar dessa política do jeito que ela esta aí", afirmou à imprensa sobre a mais recente desistência.

Aos que ainda não nasceram

Por João Quartim de Moraes, no site Vermelho:

Nestes tempos sombrios, “só está rindo quem ainda não ouviu as más notícias” (Bertolt Brecht).

Manifestações em homenagem à memória de Domenico Losurdo acumulam-se no portal de Materialismo Storico, a revista internética da qual ele foi eminente fundador. Um luto entranhado, sem pompas, com a inarredável certeza de que perdemos muito quando seu cérebro pujante e fecundo parou de funcionar. De Stefano Azzarà, diretor da revista e um de seus mais próximos parceiros, amigos e companheiros, recebi junto com um fraterno agradecimento pela curta síntese que publiquei na Grabois e no Vermelho sobre o legado político e teórico desse extraordinário militante comunista, a informação de que todas as mensagens “di cordoglio e di saluto” podiam ser lidas em www.materialismostorico.it .

Casa Grande já pendurou o Moro no poste

Favreto e a exceção que lhe atacou

Por Tarso Genro, no site Sul-21:

O livro do brilhante jurista Marcelo Neves, nominado “Transconstitucionalismo” (S.P. 2009, Edição do autor,312 pgs.) comentando uma decisão do STF (HC 82.424\RS) cujo julgamento “caracterizou como crime de racismo” a negação do Holocausto, mostra que tal decisão baseou-se não só na ordem jurídica nacional, mas também em precedentes do direito estrangeiro, invocando um caso específico (Jersild x.Dinamarca), julgado pelo Tribunal Europeu de Direitos Humanos, em setembro de 1994. Diz Marcelo Neves: “Em muitos outros julgamentos, o STF apresentou indicações de sua disposição para integrar-se em um diálogo transconstitucional, em um sistema de níveis múltiplos, no qual diversas ordens jurídicas são articuladas concomitantemente para a solução de problemas constitucionais de direitos humanos.”

O novo perfil do desempregado no Brasil

Por Marcio Pochmann, na Rede Brasil Atual:

Nas enquetes realizadas com a população, o problema da escassez do emprego emerge com maior centralidade entre os brasileiros. Ao mesmo tempo, o monitoramento dos riscos sociais revela que o medo do desemprego atinge patamar inédito, tendo o IBGE apontado para o universo de quase 28 milhões de pessoas comprometidos com a procura por trabalho, equivalendo a um trabalhador a cada três nessa dramática situação.

No governo Temer, o retorno das políticas neoliberais em uma economia combalida pela recessão não apenas aprofundou a dimensão do desemprego nacional. Também produziu um novo tipo de desempregado.

O lucrativo exército da segurança privada

Por Breno Costa, Reinaldo Chaves e Hyury Potter, no site The Intercept-Brasil:

Existe um universo paralelo na segurança do Rio de Janeiro. Além de policiais fardados, fuzileiros vestidos para a guerra e delegados engravatados que buscam solucionar assassinatos e outros crimes, empresas de segurança – legais e clandestinas – atuam para supostamente coibir a ação de bandidos. Num levantamento inédito, The Intercept Brasil descobriu que elas são controladas, em alta proporção, por quem deveria contribuir, em suas funções públicas, para um ambiente mais seguro. Na prática, quanto pior a segurança pública, melhor andam seus negócios privados.

Rever a política de preços da Petrobras

Por Haroldo Lima, no Blog do Renato:

Em maio o IBGE registrou uma queda de 10,9% no PIB brasileiro, que já estava mal. Explicou que a causa dessa derrocada foi a “greve dos caminhoneiros”. Mas os problemas que a provocaram não foram enfrentados, mas contornados com medidas paliativas. Nas redes sociais já se fala no recrudescimento do movimento.

Entre 6 e 9 de julho, o Haiti viveu problema semelhante: os preços dos combustíveis subiram mais de 50%, inclusive o do querosene, que ilumina as casas mais pobres de lá. Uma greve parou tudo, houve muita violência e mortes. Os aumentos foram decididos pelo FMI.

Uma homenagem a Waldir Pires

Do site do Centro de Estudos Barão de Itararé:

Símbolo da luta pela democracia e contra as desigualdades no Brasil, Waldir Pires e sua trajetória serão tema de debate na terça-feira, 31 de julho, a partir das 19 horas, em São Paulo. Por ocasião do lançamento do livro Waldir Pires: Biografia Vol. 1, de Emiliano José, o Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé promove debate com as presenças do autor da obra, do jornalista Bob Fernandes, do deputado federal Paulo Teixeira, além de Isabel dos Anjos Leandro (Fundação Perseu Abramo) e Renata Mielli (Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação).

domingo, 15 de julho de 2018

Carta da juventude ao presidente Lula

Enviada por André Tokarski

Carta da militância da União da Juventude Socialista a Luís Inácio Lula da Silva

Querido presidente Lula, nós da União da Juventude Socialista somos milhares de jovens espalhados pelo país. Estamos reunidos em nosso congresso nacional após um amplo processo de mobilização que envolveu o campo e a cidade, a escola, a universidade, os centros e as periferias. Durante todo esse rico processo reafirmamos a certeza de que a sua condenação sem provas é o retrato do Estado de exceção em curso no Brasil. Por isso gritamos em alto e bom som: LULA LIVRE! Defenderemos até o fim o seu legítimo direito de se candidatar.

Reunida em Cuba, esquerda aposta na unidade

Por Waldo Mendiluza, no blog Resistência:

Representantes de partidos e organizações da esquerda latino-americana e caribenha buscam a partir deste domingo (15), em Havana, Cuba, elaborar estratégias que contenham as ações da direita regional, na 24ª reunião anual do Foro de São Paulo.

O Foro de São Paulo, que se reúne de 15 a 17 de julho em Havana, foi criado em 1990. Agrupa mais de uma centena de forças progressistas do continente e se reúne pela terceira vez na ilha (1993 e 2001), em um cenário semelhante ao que o viu nascer há quase três décadas.

Os sentimentos comandam a sociedade

Por Silvio Caccia Bava, no jornal Le Monde Diplomatique-Brasil:

Explorando medo e descontentamento, as elites criam uma agenda cujo centro da discussão é a violência, a corrupção e o crime. Essa agenda tem um duplo sentido. Ela cria uma percepção de que estamos todos ameaçados, é intimidatória, dissemina o medo. E tem uma função estratégica, de definir os temas do debate público. Não se fala de enfrentar a desigualdade, reduzir os juros bancários, cobrar impostos dos ricos. Se fala da luta da policia contra os bandidos.

A "liberdade de expressão" da TV Globo

Dodge, a parcial, diz que Moro é 'imparcial'

Do blog Socialista Morena:

A Procuradoria-Geral da República atestou na última sexta-feira que o juiz Sérgio Moro, responsável pela prisão do ex-presidente Lula, é um juiz absolutamente “imparcial” e que as reclamações do petista de que está sendo perseguido não passam de “inconformismo” dele. A afirmação da Procuradoria veio em parecer ao Superior Tribunal de Justiça, se manifestando contra o pedido da defesa de Lula para que o juiz de primeira instância seja considerado suspeito para julgar a ação penal relacionada ao sítio da Atibaia.

O eclipse da ética na atualidade

Por Leonardo Boff, em seu blog:

Entre os dias 10 e 13 de julho de 2018 realizou-se em Belo Horizonte um congresso internacional organizado pela Sociedade de Teologia e Ciências da Religião (SOTER) em torno dos temas: Religião, Ética e Política. As exposições foram de grande atualidade e de qualidade superior. Refiro-me apenas à discussão acerca do Eclipse da Ética que me coube introduzir.

A meu ver dois fatores atingiram o coração da ética: o processo de globalização e a mercantilização da sociedade.

Moro é agente da CIA?

Por Joaquim de Carvalho, no blog Diário do Centro do Mundo:

O parecer do subprocurador-geral da república Nívio de Freitas Silva Filho sobre a parcialidade de Sergio Moro é um das peças jurídicas que entrarão para a história como o relatório do coronel Job Lorena de Santana sobre o atentado do Riocentro, em 1981.

Segundo o coronel, não eram os militares que explodiriam uma bomba no show onde havia milhares de pessoas. Na verdade, eles estavam ali para garantir a segurança do espetáculo e acabaram alvo de um atentado realizado por organizações de esquerda.

Para Nívio de Freitas Silva Filho, no processo em que a defesa de Lula pede o afastamento do juiz por falta de parcialidade, Moro é um juiz exemplar. “Moro se manteve imparcial durante toda a marcha processual”, escreveu o subprocurador.

A Embraer vai virar Vemag?

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

A gente era guri e entre os carros mais populares do Brasil estavam os DKV-Vemag (na verdade, DKW, de Dampf Kraft Wagen, em alemão): um sedã, uma camioneta, o jipe “Candango” e, já no final, um coupé, o Fissore.

Vemag, acredite, significava “Veículos e Máquinas Agrícoslas”, a empresa brasileira que detinha os direitos de fabricação dos alemães da Auto Union – hoje a Audi, subsidiária da Volkswagen).

Quando lançados, tinham metade das peças produzidas aqui e, anos depois, todas elas.

Eleições-2018: Alckmin na ofensiva

Por Tereza Cruvinel, no Jornal do Brasil:

A desistência do pré-candidato do PRB, Flávio Rocha, deve ser entendida como parte do esforço desesperado do tucano Geraldo Alckmin para tonificar sua candidatura, garantindo o apoio dos partidos do Centrão e impedindo que fechem com Ciro Gomes, do PDT.

Com o apoio dos quatro partidos médios e o tempo de televisão ampliado Alckmin calcula que poderá brigar por uma vaga no segundo turno.

Se a eleição fosse hoje, a disputa final seria entre Bolsonaro e o candidato do PT.

O valor do gesto de Rocha vai além, portanto, do 1% que ele sempre teve nas pesquisas.

TRF-4 só autoriza decisão de juiz antipetista

Por Beatriz Vargas Ramos, no blog Viomundo:

Um desembargador de plantão defere um pedido liminar em Habeas Corpus (o HC foi impetrado contra o juízo da execução penal).

Coisa que às vezes acontece, nada de mais, não seria a primeira vez.

Aí então, um juiz de primeiro grau, que já não tinha jurisdição no caso (porque já havia sentenciado – processo findo, jurisdição esgotada), “decide” que precisa de uma orientação para saber “como proceder” (quando a ele não competiria proceder nem para A nem para B).

Decide que alguém precisa decidir o que o fazer com a decisão do desembargador de plantão.

A política externa e as eleições de 2018

Por Marcelo Zero

No Brasil, as questões relativas à inserção internacional do país normalmente não têm centralidade nos debates e programas eleitorais. Com efeito, ao contrário dos temas atinentes à política econômica, educação, saúde, segurança pública etc., a política externa ocupa espaços secundários, muito restritos, nos discursos eleitorais.

Isso é o que é, mas não é o que deveria ser.

Por quê? Porque a política externa, que conduz a uma determina inserção internacional do país, condiciona ou mesmo determina o possível projeto de Nação a ser implantado e o rumo das próprias políticas internas.

Portugal enfrenta o "austericídio" e cresce!

Por Antonio Barbosa Filho, em seu blog:

Portugal comemora o terceiro ano de governo de Esquerda com índices econômicos inéditos no país e uma acelerada recuperação, depois das fracassadas políticas "de austeridade" impostas pelo sistema financeiro internacional. O aumento do PIB em 2017, de 2,7%, foi o maior atingido neste século; e o desemprego ficou em 7,3%, o menor desde 2002!
 

sábado, 14 de julho de 2018

Em campo, o eleitor desanimado

Por Maurício Dias, na revista CartaCapital:

Enterradas as esperanças no futebol, após a queda da Seleção Canarinho diante do canário-belga, chegou a vez de o brasileiro entrar em campo para tentar organizar a própria cabeça e avaliar Michel Temer diante do retumbante fracasso do governo dele, nascido de um golpe do qual participou.

A eleição para a Presidência da República está próxima, a menos de 90 dias. Apontam as pesquisas para uma fuga do eleitor, ou da política, que, em pouco menos de um ano, manteve praticamente no mesmo ponto a corrida pelos resultados. Vive-se no campo de futebol e na economia há um marasmo incômodo.

A vitória da luta em defesa da Eletrobras

Editorial do site Vermelho:

Quando as lutas institucional e social andam juntas, o caminho do êxito é sólido. Na última terça-feira (10), o exemplo da força que surge dessa atuação conjunta foi a retirada de pauta, pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, do PL 9463/18, que trata da privatização da Eletrobras.
.
Foi uma vitória política do povo e dos parlamentares progressistas e nacionalistas que conseguiram, com isso, dar realidade ao esforço de barrar mais esta tentativa de desmonte do Estado promovida pelo governo ilegítimo de Michel Temer. A deputada federal Luciana Santos, presidenta nacional do PCdoB, definiu como “vitória espetacular” já que “Temer não tem autoridade política nem legitimidade para privatizar ativos tão estratégicos para o país”, como é o caso de Eletrobras.

Flávio Rocha e a fábula da presidência

Por Rafael Duarte, no site Saiba Mais:

O empresário Flávio Rocha, dono das lojas Riachuelo, sai menor do que entrou desta segunda aventura para chegar ao Palácio do Planalto. Até lançar a pré-candidatura à presidência da República pelo PRB, em abril de 2018, Rocha era apenas mais um empresário liberal milionário em sua contradição: recebia dinheiro público do Estado via empréstimos a juros abaixo do mercado, pagava em suaves prestações e atacava esse mesmo Estado por gerir mal os recursos.

PF submete PHA a condução coercitiva

Raquel Dodge exerce 'ódio autoritário'

Da Rede Brasil Atual:

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, ignorou um fato público notório na peça em que pede ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) a abertura de inquérito para investigar o desembargador Rogério Favreto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), e os deputados federais Paulo Pimenta (PT-RS), Paulo Teixeira (PT-SP) e Wadih Damous (PT-RJ).

Moro e PF escancaram perseguição a Lula

Por Matheus Tancredo Toledo, no site da Fundação Perseu Abramo:

O circo judicial do último domingo (8), deixou mais explícita ainda a perseguição jurídica ao ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O desembargador Rogério Fravero, que estava de plantão no Tribunal Regional Federal da 4a Região neste final de semana, deferiu um habeas corpus impetrado pelos deputados Wadih Damous (PT-RJ), Paulo Pimenta (PT-RS) e Paulo Teixeira (PT-SP) e decretou a soltura de Lula. O juiz de primeira instância Sergio Moro estava de férias, mas mesmo assim enviou ofício à Polícia Federal orientando os servidores a não cumprir a ordem judicial.

TV Globo e o sequestro da nossa emoção

Por Diógenes Júnior, no site Jornalistas Livres:

Domingo, 08 de julho de 2018. Uma notícia sacode o Brasil.

O ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva, preso em Curitiba desde o dia 07 de abril por decisão do juiz de 1³ instância Sérgio Moro, teve seu pedido de habeas corpus, peça jurídica assinada pelos advogados Wadih Damous e Paulo Pimenta, também deputados, acatado e deferido, e sua soltura imediata determinada pelo desembargador Rogério Fraveto, que havia assumido naquela data o posto de plantonista do Tribunal Regional Federal da Quarta Região – TRF-4 com sede em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

O redesenho da economia mundial

Por Luciano Coutinho, no site da Fundação Maurício Grabois:

Estados Unidos, China, Alemanha, Japão, Coreia, entre outros, se engajaram numa renhida disputa pela liderança em novas tecnologias. Não é para menos, a 4ª revolução industrial vai redesenhar o mapa geoeconômico global; os modelos de negócio e as lideranças de mercado irão mudar. Está em jogo a posição competitiva de cada país.

Nos anos 90 a abertura comercial multilateral induziu a fragmentação geográfica da produção de várias cadeias de valor, com destaque para as indústrias de equipamentos de TI, componentes, bens de capital, automobilística. As empresas multinacionais dos países avançados terceirizaram a produção, principalmente para os tigres asiáticos (Taiwan, Coreia, China).

Com Temer, renda dos autônomos despenca

Lula é absolvido e lidera em pesquisa tucana

Por Eduardo Guimarães, no Blog da Cidadania:

A semana começou bem e mal, simultaneamente, para Lula. No domingo, ganhou habeas corpus, perdeu, ganhou, perdeu, ganhou de novo e, por fim, perdeu. Mas a mesma semana termina bem para ele. Além de ter sido absolvido, mostrando que só é condenado quando o juiz é Sergio Moro, DISPAROU em pesquisa eleitoral feita por apoiadores do PSDB.

Após imbróglio jurídico que quase culminou em sua soltura no último domingo, o ex-presidente Lula viu o nível de apoio à sua candidatura atingir o maior patamar em um mês. Segundo pesquisa feita pelo Ipespe (Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas) entre 9 e 11 de julho, a oitava por encomenda da XP Investimentos, ele tem 30% das intenções de voto na simulação de primeiro turno que considera sua candidatura.

Contra Lula, imprensa ataca o plantonista

O que estamos esperando?

Por João Paulo Cunha, no jornal Brasil de Fato:

A escalada regressiva no Brasil está desafiando o senso de realidade. As sucessivas perdas econômicas, sociais e de direitos vão se acumulando como um monturo, deixando explícito o cenário de ditadura que nos espreita da esquina. Não se pode dizer que não está havendo reação popular, ela existe, mas enquadrada num modelo que não dá conta da potência do adversário, que merece a exata designação de inimigo.

Lula na cova dos leões

Por Miguel do Rosário, no blog Cafezinho:

Olhando os diferentes cenários da pesquisa XP, divulgada há pouco no Infomoney, e comparando-os às últimas pesquisas de intenção de voto lançadas por outros institutos, conclui-se que, a poucos mais de 80 dias do primeiro turno das eleições presidenciais, o quadro está congelado. As oscilações nas últimas semanas não são relevantes.

Produziu-se mais ou menos um consenso entre todos os institutos. No cenário com Lula, ele tem em torno de 30%. Sem sua presença, Bolsonaro lidera com cerca de 20%. Embaralhados em segundo lugar, Marina Silva, Ciro Gomes e Geraldo Alckmin, com alguma vantagem para os dois primeiros.

sexta-feira, 13 de julho de 2018

Dodge: rápida com Favreto, omissa com Moro

Por Cíntia Alves, no Jornal GGN:

Raquel Dodge já representou contra o desembargador que concedeu liberdade a Lula em duas frentes. Numa delas, no Conselho Nacional de Justiça, pede a pena máxima para Rogério Favreto: a aposentadoria compulsória. Enquanto isso, as denúncias sobre a polêmica indústria da delação premiada repousam na mesa da comandante do Ministério Público Federal. Dodge notabiliza o uso de dois pesos e duas medidas quando o assunto é Lula e os abusos da República de Curitiba.

A briga da Globo com Marcelo Crivella

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

Palavra de carioca: Marcelo Crivella é um péssimo prefeito, administrativamente.

Politicamente, pior ainda, porque não conseguiu – e nunca tentou – sublimar sua vinculação a Igreja Universal do Reino de Deus e tratar a cidade como um governante laico.

Convenhamos, porém: o fisiologismo nojento que ele pratica com pastores está longe de ser novidade, praticado por gente sem e com outras ligações extra-religiosas.

Mas o estado de abandono e carência da cidade vai muito além da responsabilidade de Crivella.

Esperando alguma luz nas eleições

Por Tereza Cruvinel, no Jornal do Brasil:

A incerteza acompanha a eleição deste ano desde o início, mas ela se tornou aguda neste momento crucial para a definição das alianças. Ciro Gomes, Geraldo Alckmin e o PT travam uma briga de foice no escuro em busca dos apoios do PSB e do chamado Centrão.

No escuro porque não dispõem de pesquisas novas indicando a posição atual de cada candidato. A última do Datafolha saiu em 10 de junho e a última IBOPE/CNI, no dia 28.

Fatos posteriores podem ter afetado todos os candidatos mas Lula, suspeitam os partidos cortejados, pode ter ganhado impulso com a chanchada do solta-não-solta de domingo, reforçando a narrativa da perseguição política.

Ressaca da Internet, espírito do tempo

Por Leonardo Foletto, no site Outras Palavras:

Escrevo e acompanho as discussões, avanços e retrocessos da internet e do que se convencionou chamar de cultura digital desde 2008, quando criei o site BaixaCultura com um amigo. Já se foram 10 anos e tanto mudou nesse período que posso apontar, não apenas questões pontuais, mas todo um espírito do tempo (como dizem os alemães, zeitgeist) diferente hoje. Que pode ser resumido numa expressão que tenho usado faz alguns meses por aí: ressaca da internet. Depositamos tantas possibilidades de libertação (da informação, confrontando grandes grupos midiáticos; de liberdade de falar o que bem quiser; de criar tecnologias e mundos novos) que nos descuidamos, ou não conseguimos, prestar atenção na ascensão dos monopólios das empresas de tecnologia, na construção de bolhas de informação que confirmam pontos de vista e na cada vez mais real possibilidade da internet virar uma TV a cabo, com o já proclamado fim da neutralidade da rede. Tomamos um porre de otimismo. E agora – ou melhor, desde pelo menos 2016 – estamos na fase de ressaca, refém dos monopólios da internet, da comercialização de qualquer dado deixado na rede, das fake news chegando de todos os lados. Distopia pura.

Cuidado: Só Bolsonaro está em campanha!

Por Ricardo Kotscho, em seu blog:

Acabou-se a ilusão do hexa, a Copa da Rússia está chegando ao fim, e o que sobrou para nós aqui é um país cada vez mais degradado, falido, sem vergonha, amorfo, entregue às baratas do fim de feira da “ponte para o futuro”, que nos levou de volta ao século 19.

Foi o que senti ao ler o noticiário desta sexta-feira, 13 de julho de 2018.

Se algum leitor conseguir encontrar alguma notícia boa para me animar um pouco diante de tudo que aconteceu esta semana, eu agradeço.

CTB-Bahia debate comunicação sindical

Do site da CTB-BA:

A CTB Bahia está convocando todos para o 2º Encontro Estadual de Comunicação, que será realizado no dia 28 de julho, no Sindicato dos Comerciários da Bahia, na rua Francisco Ferraro, no bairro de Nazaré, em Salvador, às 13 horas.

O Encontro é voltado para diretores e assessores de comunicação dos sindicatos filiados e movimentos sociais, além da presença de presidentes e dirigentes sindicais, para discutir o atual momento politico que estamos vivendo.

Neymar e as quedas do Brasil

Por Miguel Martins, na revista CartaCapital:

Nas redes sociais, é comum ver brasileiros "defenderem" Neymar. "Só nós podemos falar mal dele", responderam muitos ao ator Matthew Lewis, da saga cinematográfica Harry Potter, que o chamou de "patético". Difícil é controlar o fenômeno pop mundial de piadas sobre as quedas em campo do camisa 10 da seleção. Seria capaz de ameaçar a indiscutível supremacia brasileira na produção humorística dos fatos cotidianos?

As preferências da nossa burguesia

Por Umberto Martins, no site Vermelho:

Se a verdade deve ser buscada nos fatos, como sugerem os comunistas chineses, é conveniente analisar o significado do espetáculo encenado pelos barões da indústria brasileira durante a reunião com presidenciáveis patrocinada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) no dia 4 de julho em Brasília.

A plateia, composta por cerca de 2 mil empresários - em sua maioria brancos, ricos, bem nutridos, de terno e gravata – respaldou as pregações do pré-candidato da extrema-direita, Jair Bolsonaro, aplaudido de pé em alguns momentos, e reservou vaias a Ciro Gomes, que teve a coragem de defender em palco tão hostil interesses e bandeiras da classe trabalhadora.


General Mourão e as 'fake news" do PRTB

Por Piero Locatelli, no site The Intercept-Brasil:

O PRTB, partido controlado por Levy Fidelix e que agora tem o general do Exército Antonio Mourão como pré-candidato na chapa à Presidência, transferiu dinheiro para a empresa responsável por três dos maiores divulgadores de boatos e difamações no Brasil: o site Folha Política e as páginas no Facebook Movimento Contra Corrupção e TV Revolta. Além de espalharem notícias falsas, os sites servem como canais de comunicação e divulgação das pautas da nova direita brasileira, amplificando, também, as opiniões de Fidelix e do general Mourão.

Moro é intocável até a canoa virar

A vitória da proteção aos dados pessoais

quinta-feira, 12 de julho de 2018

Moro vira principal cabo eleitoral de Lula

Por Ivan Longo, na revista Fórum:

Nesta quinta-feira (12) se completa exatamente um ano que o juiz Sérgio Moro condenou o ex-presidente Lula à prisão. A sentença proferida pelo magistrado de Curitiba determinou que o petista ficasse preso por nove anos e seis meses pela condenação de lavagem de dinheiro e corrupção passiva. De acordo com o Ministério Público Federal, Lula teria recebido R$ 3,7 milhões de propina da empreiteira OAS em reformas em imóvel tríplex no Guarujá (SP).

Um Judiciário teratológico [monstruoso]

Por Jeferson Miola, em seu blog:

teratologia (1881 cf. CA1)
substantivo feminino med


1 especialidade médica que se dedica ao estudo das anomalias e malformações ligadas a uma perturbação do desenvolvimento embrionário ou fetal

2 p.sin.os monstros como um conjunto; a monstruosidade ‹as cortes medievais adoravam a t.›
Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa

Nestes tempos de fascismo jurídico-midiático, é preciso atentar ao juridiquês para decifrar o significado das decisões teratológicas – ou melhor, monstruosas – de juízes, policiais federais e procuradores.

Lawfare: as masmorras da América Latina

Por Jorge Elbaum, no site Carta Maior: 

No dia 3 de julho, a juíza da Corte Nacional de Justiça do Equador ordenou a captura do ex-presidente Rafael Correa, sob a acusação de ordenar o sequestro de um delinquente equatoriano, Fernando Balda, dentro do território da Colômbia. Segundo a informação oficial difundida pela secretaria de comunicações do atual presidente, Lenín Moreno, a ordem de detenção será apresentada em breve à Interpol, para solicitar sua detenção em Bruxelas, onde o líder da Revolução Cidadã vive atualmente com sua família.

Ricos saem na frente nas eleições de 2018

Da Rede Brasil Atual:

Sem um teto nominal (apenas proporcional) que limite as doações de pessoas físicas a partidos e candidatos, os mais ricos continuarão a ter chances maiores de elegerem seus candidatos nas eleições de outubro, mesmo com a proibição do financiamento empresarial das campanhas. Com isso, as distorções na representação, em especial no Poder Legislativo, devem permanecer. O Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) estima que quase não haverá mudança na composição do Congresso, e o índice de reeleição pode chegar a até 90%.

Mídia e Judiciário causam ódio e nojo

Por Bepe Damasco, no seu blog:

Não há como não lembrar do célebre desabafo do Doutor Ulisses Guimarães, ao ser instado pela imprensa a comentar um dos incontáveis atentados do regime militar contra as liberdades e as garantias fundamentais : “Sinto ódio da ditadura. Ódio e nojo.”

No domingo, 8 de julho, ao fim da expectativa nervosa que opôs com impressionante nitidez o Brasil dos democratas, progressistas, legalistas e nacionalistas ao país dos golpistas, entreguistas, fascistas, larápios das riquezas nacionais e manipuladores da informação, um derradeiro sentimento assaltou-me antes de a adrenalina baixar e, finalmente, conseguir conciliar o sono: o ódio e o nojo que sinto pela mídia mafiosa e pelo sistema de justiça do meu país.

A perseguição ao desembargador Favreto

Do blog Socialista Morena:

Enquanto o Conselho Nacional de Justiça mantém sem previsão de julgamento o processo que apura eventual crime contra a Constituição por parte do juiz Sérgio Moro no caso da divulgação dos grampos entre a presidenta eleita Dilma Rousseff e Lula, um grupo de 100 membros do Ministério Público (MP), entre procuradores e promotores, entrou já na noite de domingo com um pedido de providências no Conselho contra o desembargador Rogério Favreto, que concedeu habeas corpus ao ex-presidente preso em Curitiba. Eles pedem o afastamento do magistrado de suas funções.

A sanha obsessiva de Sergio Moro

O Brasil precisa ser refundado

Por Marcelo Zero

Os lamentáveis episódios do dia 8 de julho desnudaram ao país e ao mundo que há uma falência generalizada das instituições democráticas do Brasil.

Pela primeira vez, um habeas corpus, instrumento jurídico fundador das garantias democráticas, foi descumprido por manobras articuladas entre um juiz de primeira instância, o Poder Executivo e setores da mídia oligopolizada.

A decisão relativa ao habeas corpus, embora questionável, como toda decisão jurídica, era legítima, legal e regimental. Cabia apenas seu cumprimento expedito. O questionamento e a eventual reversão da decisão cabiam a outras instâncias, que não justiceiros de férias.

O golpe na era da hipocrisia

Por Luis Nassif, no Jornal GGN:

Peça 1 – chocando o ovo da serpente

No evento dos 80 anos da Folha, em 2001, foi constituída uma mesa de debates e uma colega enalteceu a grande vitória da democracia: as algemas colocadas pela Polícia Federal no senador Jader Barbalho. Já havia, então, a celebração da selvageria. Fiz-lhe ver que se tratavam assim um senador, o que não fariam com os anônimos?

A lógica bisonha de que a igualdade dos direitos consiste em todos terem seus direitos desrespeitados – como propõe o inacreditável Ministro Luís Roberto Barroso – era apenas um álibi para não tratar dos abusos contra os menos favorecidos.