segunda-feira, 18 de junho de 2018

Papa faz homília sobre comunicação caluniosa

Da revista Fórum:

O Papa Francisco fez homilia, nesta segunda-feira (18), sobre comunicação caluniosa. A fala do Papa acontece, coincidentemente, uma semana após a polêmica da tentativa da visita de Juan Grabois a Lula e a entrega do terço abençoado, que levou a Agência Lupaa acusar injustamente de fake news sites progressistas como a Fórum e o Brasil 247, e ser desmentida pelo próprio Vatican News.

Em sua homilia, na Missa da Casa de Santa Maria, ao citar a história de Nabot narrada na Primeira Leitura, no Livro dos Reis (veja abaixo), o Papa falou sobre “Como as ditaduras adulteram a comunicação”.

Contas na Suíça: do nazismo ao futebol

Por Rafael Tatemoto, no jornal Brasil de Fato:

O país representado pela primeira seleção a ser enfrentada pelo Brasil na Copa é conhecida por diversos produtos: chocolates, queijos, canivetes e relógios. A importância econômica de nenhum desses, entretanto, se equipara ao peso de seu sistema financeiro.

Os bancos representavam 10,5% do Produto Interno suíço em 2014, segundo dados da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico). Para comparação, o percentual da vizinha alemã era 3,6%. As mais de 200 instituições financeiras que operam na Suíça concentram um quarto de todos os depósitos de estrangeiros no mundo.

Futebol e política: lições de otimismo

Editorial do site Vermelho:

O confronto entre Brasil e Itália, no distante 21 de junho de 1970, uniu os brasileiros – todos torciam pelo tricampeonato mundial de futebol. Era um domingo e mesmo em hospitais os internados se acotovelavam onde quer que houvesse um aparelho de TV, para torcer pela seleção canarinho.

Era com certeza um período político pior do que o atual. A ditadura militar triunfante estava no auge, sob o tacão do general Médici. O ambiente era tão opressivo que as principais correntes políticas democráticas pregavam o voto nulo na eleição de cartas marcadas que ocorreria naquele ano.

A farsa jurídica contra Gleisi Hoffmann

Do site de Dilma Rousseff:

Presidenta nacional do Partido dos Trabalhadores, a senadora Gleisi Hoffmann passou a ser o principal alvo da perseguição jurídica e política que levou o ex-presidente Lula à prisão. O processo contra Gleisi, o ex-ministro e ex-deputado federal Paulo Bernardo e o empresário Ernesto Kugler tem todas as características de uma farsa – repleta de mentiras evidentes e depoimentos contraditórios.

Os acusadores tornaram-se delatores premiados para obter vantagens jurídicas, como a própria liberdade, e o acesso aos recursos financeiros ilegalmente obtidos. Estão, portanto, dispensados de restituir o que roubaram. Esta situação absurda – criminosos confessos forjando acusações contra inocentes em troca da impunidade - é parte ponderável das investigações baseadas em delações premiadas sem quaisquer provas .

Brasil do golpe: 'mercado' não sonha mais

Por Marcelo Manzano, no site da Fundação Perseu Abramo:

Já há algum tempo crescem as críticas ao conservadorismo do Banco Central do Brasil comandado pelo ex-Itaú, Ilan Goldfajn. A sua vagarosa política de redução da taxa Selic frente a um quadro de grave desemprego e inflação abaixo do piso mostrou-se equivocada e minou a já escassa energia que seria necessária para impulsionar uma recuperação da nossa economia.

domingo, 17 de junho de 2018

Datena no DEM: candidatura ou negociata?

Por Altamiro Borges

De dois em dois anos, a cada eleição, o apresentador José Luiz Datena ameaça ser candidato a algum posto. Em 2016, já era dada como certa sua candidatura a prefeito da capital paulista. Na reta final, ele sumiu do noticiário e ninguém falou mais no assunto. Ficou aquela sensação de que alguma coisa sinistra rolou nos bastidores da política. Agora, ele garante que disputará uma vaga ao Senado por São Paulo. De diferente, o fato de que finalmente ele tirou a máscara das suas posições direitistas e filiou-se ao DEM. O novo demo tem forte exposição na mídia, com longas horas de retórica inflamada na Band, sempre se travestindo de paladino da ética. Será que agora a candidatura é para valer ou é mais uma negociata de bastidores?

Meirelles já virou bagaço no PMDB

Por Altamiro Borges

Logo após o golpe que derrubou Dilma Rousseff e alçou ao poder a quadrilha de Michel Temer, o rentista Henrique Meirelles foi tratado como o candidato ideal da direita nativa para dar continuidade ao projeto de desmonte do Estado, da nação e do trabalho nas eleições de 2018. A sua equipe econômica, formada por abutres financeiros, foi batizada de “drean team” e a mídia privatista era só elogios ao “ministro” da Fazenda e à sua política de austericídio fiscal. Henrique Meirelles virou o queridinho de Míriam Leitão, Carlos Alberto Sardenberg e de outros porta-vozes dos banqueiros. Mas apesar de toda a bajulação e blindagem midiáticas, a sua candidatura presidencial nunca decolou e hoje o oportunista mais se parece com um bagaço, prestes a ser descartado.

As eleições e a trágica normalidade

Por Aldo Fornazieri, no Jornal GGN:

O Brasil é um país inabilitado à grandeza e os seus líderes, com raríssimas exceções, são inabilitados à conquista da glória - aquela condição de uma fervorosa admiração pelas gerações do presente e do futuro. Como regra geral, os nossos líderes querem apenas viver a fama nas benesses do presente, e não pensam em alcançar a glória imorredoura dos tempos vindouros. Em sendo assim, o Brasil vai se configurando cada vez mais como um país com uma história irrelevante para os destinos do mundo e da humanidade e sem um futuro promissor, por não ser capaz de se dar um destino brotado da ação interna e vulcânica de seu próprio povo.

A nova onda da "censura" no Brasil

Por Hildegard Angel, no Jornal do Brasil:

São tão edificantes os comentários dos âncoras dos telejornais, quando repercutem as falas de ministros do Supremo por uma imprensa livre, ou dos editorialistas importantes, quando condenam qualquer tipo de censura à imprensa.

No entanto, a verdade que reside por trás do “affair terço do Papa” é justamente a prática da Censura à imprensa, rotulando-se como falsa uma notícia, tendo como referência uma fonte única, o site Vatican News.

O capitalismo contra o capitalismo

Por Carlos Pompe, no site da CTB:

A paralisação de maio dos caminhoneiros durou 11 dias. Realizada por empresários e trabalhadores do setor, ganhou amplo apoio do movimento sindical e social. À revelia de seus organizadores, realizadores e grande parte de apoiadores, tinha um forte componente anticapitalista: submeter a objetiva lei econômica capitalista de mercado aos objetivos e interesses sociais do conjunto da comunidade (também conhecida como contradição entre relações de produção e forças produtivas).

'Fake news': A gente vê na Globo!

Por Caetano Manenti, no site Jornalistas Livres:

O jornalismo que usa como fonte única e exclusivamente as forças policiais do Rio de Janeiro cometeu mais um erro (?) gravíssimo nesta quarta-feira.

No RJTV2, às 19h22, a reportagem da jornalista Mônica Teixeira que abordava o assassinato do inspetor da Polícia Civil, Ellery Ramos de Lemos, na favela de Acari, trouxe a foto de um homem negro acompanhada da seguinte locução: “A Divisão de Homicídios da Polícia Civil identificou um suspeito, o criminoso que tem o apelido XXXX e seria cunhado de YYYY, chefe do tráfico do Amarelinho, que foi preso ontem”.

Temer implode o Brasil

Por Orlando Silva, no Blog do Renato:

Faltam apenas seis meses e meio para acabar 2018 e dar um fim ao governo ilegítimo de Michel Temer, que será enterrado pelas eleições de outubro. É muito pouco tempo, mas temos de ampliar nossa resistência para frear o presidente, que insiste em liquidar em uma canetada direitos, políticas, legislações e projetos idealizados e construídos coletivamente por décadas.

O governo virou vexame nacional e internacional. É inacreditável, mas o Brasil está na lista suja da Organização Internacional do Trabalho (OIT) em razão da violação de direitos trabalhistas. A Oposição e a sociedade avisaram. Não foram ouvidas. O Executivo ‘vendia’ a matéria, como se fosse a modernização das leis trabalhistas. Na prática, o desemprego explodiu, chegando recentemente a 13,7 milhões de pessoas (aumento de 11,2% em relação ao trimestre anterior, conforme o IBGE). Houve também maior precarização das relações de trabalho. Agora, Temer tem de se explicar até novembro.

As duas armas da direita na América Latina

Por Patricio Montesinos, no blog Resistência:

A violência e as mentiras são hoje as duas armas principais utilizadas pela direita internacional e particularmente a deste hemisfério para pretender destronar os governos progressistas que em Nossa América resistem à atual investida neoliberal orquestrada desde os Estados Unidos.

Os mal chamados “golpes suaves” aplicados há poucos anos no Paraguai e no Brasil parecem já não estar muito na moda, a julgar pelos fatos mais recentes. Agora os preferidos de Washington e da oligarquia regional são evidentemente os “golpes de rua”, experimentados primeiro na Venezuela, com as denominadas guarimbas [barricadas a partir das quais grupos organizados praticam atos violentos], e nas últimas semanas em uma versão quase idêntica, na Nicarágua.

Jovens brasileiros e a fronteira da exclusão

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

A foto aí de cima não é, evidentemente, de refugiados árabes ou africanos atulhados num destes barcos que a toda hora lemos naufragarem no Mediterrâneo, numa terrível ironia com os navios que levam multidões de refugiados para a Europa, que os repele.

São imigrantes italianos, como poderiam ser espanhóis, migrando para a Argentina, como poderia ser para o Brasil, aos milhões, como o fizeram especialmente no final do século XIX e início do XX, até a 2ª Grande Guerra.

O rosário do papa e as ousadias de Francisco

Por Flávio Aguiar, na Rede Brasil Atual:

Há uma anedota fictícia sobre um papa, também fictício, que deve receber uma visita, digamos, não ortodoxa, e que deve permanecer secreta. Não vou contá-la aqui, apenas citar uma de suas passagens. A certa altura, diz o papa a seu secretário que deve fazer os arranjos para a visita: "Ela (a visita) deve vir com as orelhas tampadas". "Por quê?", pergunta o secretário. "Porque", responde o Papa, "todas as paredes do mundo têm ouvidos, mas as do Vaticano também têm boca, e sussurram segredos".

A caricatura neoliberal de Bolsonaro

Por André Barrocal, na revista CartaCapital:

Sucesso entre jovens homens brancos endinheirados e escolarizados do Centro-Sul, o perfil médio do brasileiro hoje disposto a votar nele para presidente, Jair Bolsonaro era só mais um deputado até 1999.

Aí começou o segundo governo FHC e ele perdeu a estribeira na Band. Defendeu fuzilar o presidente que “atende o FMI para poder honrar compromissos junto à agiotagem internacional”, o tucano responsável por uma “dívida impagável”, merecedora de “moratória urgentemente”.

A repentina notoriedade logo o levaria ao SBT, e a uma nova explosão: “Barbaridade é privatizar, por exemplo, a Vale do Rio Doce como ele (FHC) fez, é privatizar as telecomunicações, é entregar nossas reservas petrolíferas para o capital externo”.

Moro livrou da cadeia ex-assessor de Richa

Por Vinícius Segalla, no blog Diário do Centro do Mundo:

Em menos de quatro meses, o juiz Sergio Moro tomou três decisões favoráveis ao réu Carlos Felisberto Nasser, ex-assessor da Casa Civil do governador Beto Richa (PSDB-PR) e acusado de ser um dos beneficiários de um esquema de desvio de dinheiro público arrecado junto a praças de pedágio do Estado do Paraná.

A primeira da série de decisões favoráveis ao réu, no âmbito do processo 5016176-39.2018.4.04.7000, foi negar o pedido de prisão de Carlos Nasser, feito em fevereiro deste ano pelos procuradores da Operação Lava Jato. No dia 22 daquele mês, foi cumprido mandato de busca e apreensão na mesa do ex-assessor de Richa, no Palácio Iguaçu.

sábado, 16 de junho de 2018

O terço do Papa e a missa das 'fakes news'

Moro conseguiu: Braskem desnacionalizada!

Por Paulo Henrique Amorim, no blog Conversa Afiada:

O PiG noticia que a Braskem - empresa de petroquímica bem sucedida, resultado da associação da Petrobras com a Odebrecht, será vendida a um grupo holandês, LyondellBasell.

Com isso, o Brasil deixa de ter uma das seis maiores empresas de petroquímica do mundo.

A Braskem ficava abaixo da chinesa Sinopec, da Exxon americana, da Lyondell, da Sabic saudita e da Dow americana.

Um colosso!

Gol do Brasil, no futebol, na educação...

Por Carina Vitral

Chegou a Copa do Mundo e é momento de torcer. O Brasil é conhecido e reconhecido no mundo todo pelo futebol, assim como por outras características da nossa cultura, como o samba, nossa rica comida típica, nossa arte, as belezas naturais e demais elementos que nos identificam enquanto povo.

Por isso, a Copa nos é tão importante. Quando se fala em Pelé, Garrincha, Sócrates, Marta, das seleções de 58, de 70, de 82...estamos falando de Brasil, de cultura brasileira. Estamos falando, principalmente, dos milhares de meninos e meninas que crescem jogando futebol nos seus bairros e que aprendem a amar esse país, por meio do esporte.


A crise brasileira à luz da teoria do caos

Por Leonardo Boff, em seu blog:

Já há muitos anos, cientistas vindos das ciências da vida e do universo começaram a trabalhar com a categoria do caos. Inicialmente também Einstein participava-se da visão de que o universo era estático e regulado por leis determinísticas. Mas sempre escapavam alguns elementos que não se enquadravam neste esquema. Para harmonizar a teoria, Einstein criou o “princípio cosmológico” do qual mais tarde se arrependeria muito porque não explicava nada mas mantinha a teoria standard do universo linear inalterada. Com o advento da nova cosmologia mudou completamente de ideia e começou a entender o mundo em processo ininterrupto de mutação e autocriação.

Por que o “mercado” flerta com Bolsonaro

Por Gustavo Barbosa, no site Outras Palavras:

“Minha preferência se inclina na direção de uma ditadura liberal, ao invés de um governo democrático que não pratique o liberalismo”. A famosa afirmação de Friedrich Hayek, considerado o pai do neoliberalismo, é a chave para que ninguém minimamente informado seja pego de surpresa com a recente e declarada preferência do mercado pelo pré-candidato Jair Bolsonaro.

Já há algum tempo vem ficando cada vez mais evidente a incompatibilidade entre mercado e democracia - mesmo aquela democracia liberal junto com suas infantilidades republicanas. Embora a retórica de seus apologistas seja repleta de frases de bolso em torno da pretensa defesa das liberdades democráticas, os deslizes sincericidas é que são o verdadeiro parâmetro para que possamos avaliar a verdadeira face encoberta por mantras que, de tão ginasiais, chega a assustar que tanta gente ainda caia em seus sofismas.

Reflexões sobre a greve dos caminhoneiros

Por Umberto Martins, no site Vermelho:

A greve dos caminhoneiros recebeu um apoio crítico das centrais e movimentos sociais, bem como de políticos e partidos de esquerda e do povo em geral. Pesquisa do instituto Datafolha divulgada no dia 30 de maio revelou que, apesar da crise de desabastecimento, 87% da população respaldaram o movimento, que colocou em xeque a política neoliberal do governo Temer para a determinação dos preços internos dos combustíveis e do gás de cozinha e foi decisivo na demissão de Pedro Parente da Presidência da Petrobras.

Moro anulou depoimento sobre Beto Richa

Da revista Fórum:

Nesta semana, pela primeira vez, um juiz da Lava Jato – Sérgio Moro – abriu mão de conduzir um processo que envolve corrupção e pagamentos de propina. Trata-se da da ação penal relativa à 48ª fase da operação, que investiga o pagamento de propina pelo Grupo Triunfo, acionista da concessionária Econorte, a diretores do Departamento de Estradas e Rodagem do Paraná e a Carlos Nasser, ex-assessor da Casa Civil do governo de Beto Richa (PSDB).

Ao redirecionar o processo à 23ª Vara Federal de Curitiba, Moro argumentou que o caso não está relacionado à Petrobras e que estava “sobrecarregado”.

Os dilemas da classe média em crise

Por Pedro Simon Camarão, no site da Fundação Perseu Abramo:

As viagens com a utilização dos aplicativos de transporte particular costumam render conversas interessantes. Hoje, não foi diferente. Entrei no carro e vi pelo GPS que o percurso iria durar cerca de meia hora. A motorista, loira, 45 anos, tem uma expressão indignada, insatisfeita. Aqui, vou chamá-la de Maria para preservar sua identidade. Depois de alguns minutos em silêncio perguntei há quanto tempo trabalhava com transporte por aplicativos. Ela respondeu que está nessa há 10 meses, que era “mais tempo do que eu imaginei que fosse ficar, mas é uma necessidade. Não tem jeito”. Falei o que tinha ouvido de outro motorista, “a empresa te atrai pra trabalhar como se você fosse ser parceiro dela, mas, na verdade, ela trata como se você fosse funcionário”. Maria concordou. Disse que a jornada é extenuante, muito cansativa: “hoje eu estou trabalhando com uma dor horrível na coluna”. Atenta ao trânsito caótico da capital paulista ela disse que o trabalho não dá dinheiro. “O que você leva de multa e o que já bateram no meu carro, meu deus do céu. É muito desgastante”. E repetiu com uma cara de lamento e cansaço: “é muito desgastante.” Eu mencionei a política de preços da Petrobras e ela completou, “o preço da gasolina está demais. Desde que eu comecei, só aumentou”.

E quem checa as agências de checagem?

Por Leonardo Fernandes, no jornal Brasil de Fato:

Desde os escândalos envolvendo o uso de robôs propagadores de notícias falsas em redes sociais durante a campanha presidencial estadunidense em 2016, as chamadas fake news se tornaram tema de debate frequente na política e na comunicação.

Mas para Renata Mielli, coordenadora do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) e secretária-geral do Centro de Estudos da Mídia Barão de Itararé, a veiculação de notícias com erros de apuração ou até mesmo com informações imprecisas ou manipuladas sempre ocorreram.

Aécio Neves fala em “ética” e vira piada

Do blog Viomundo:

“Que tiro no pé foi esse?”, brincou o deputado federal Ivan Valente (Psol-RJ), no twitter.

Foi uma resposta ao vídeo em que o senador Aécio Neves declara apoio à candidatura de Geraldo Alckmin e fala em “ética” e “responsabilidade”.

“A campanha espera agora os apoios de Paulo Preto, Temer e Azeredo”, escreveu o deputado do Psol na mesma mensagem.

Esquenta guerra entre Temer e Minas Gerais

Do Jornal GGN:

Prossegue o cerco político do MDB nacional, de Michel Temer, com o aecismo mineiro, em cima de Minas Gerais, governada pelo petista Fernando Pimentel.

Nesta quinta-feira, dia 14 de junho, políticos ligados a Temer e ao PSDB, conseguiram uma liminar no Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais, TCE/MG, para impedir que o governo mineiro possa contratar um empréstimo de R$ 3 bilhões, que seriam suficientes para dar normalidade ao fluxo de caixa do estado.

sexta-feira, 15 de junho de 2018

Desistência de Alckmin é apenas “futrica”?

Por Altamiro Borges

Em entrevista ao Jornal do Brasil nesta semana, o “picolé de chuchu” Geraldo Alckmin negou os boatos sobre a possível desistência da sua candidatura a presidente da República pelo combalido PSDB. Alvo do fogo amigo dentro do próprio ninho tucano, com críticas ao seu péssimo desempenho nas pesquisas, ele garantiu que seguirá em frente com sua campanha e fustigou os agourentos. “Não houve nenhuma especulação nesse sentido. Tem é muita fake news. É impressionante como, às vezes, a imprensa, e isso é um fenômeno mundial, em vez de cobrir com profundidade os temas de interesse do país, dá espaço para essas especulações. Há muita futrica da Corte. Pretendo ser candidato até o dia da eleição”, jurou o ex-devoto da seita Opus Dei.

O contrato milionário da afiliada da Globo

Por Rafael Duarte, no site Saiba Mais:

O Ministério Público Estadual abriu inquérito civil contra o Governo do Estado do RN em razão de indícios de irregularidades na contratação, sem licitação, da InterTV Cabugi, afiliada da Rede Globo no Rio Grande do Norte, para divulgação de campanha publicitária nos meses de maio, junho, novembro e dezembro.

O contrato foi publicado em 15 de maio de 2018, no Diário Oficial do Estado, por inexigibilidade de licitação, e custará ao Estado R$ 1,2 milhão.

O futebol não pertence à CBF

Por Marcelo Zero

É 1980. A equipe de uma TV brasileira está em Teerã para cobrir a crise causada pela tomada da embaixada dos EUA por parte dos guardas revolucionários iranianos. Voltando ao Brasil, já perto do aeroporto, os brasileiros resolvem fazer umas imagens externas. Sem perceber, filmam umas instalações militares. Em minutos, são presos por guardas revolucionários, kalashnikovs em punho.

Os guardas não falam nada de inglês, francês ou espanhol. Muito menos português. Os brazucas não falam nada de farsi. Não há comunicação possível. Os brasileiros tentam desesperadamente explicar aos guardas que não são espiões da CIA. Em vão. A tensão cresce. Eles já se imaginam jogados em alguma masmorra quando alguém tem um estalo e exclama: Pelé!

Templos e crime podem liderar o Brasil

Por Eleonora de Lucena e Rodolfo Lucena, no site Tutaméia:

“As principais instituições que possivelmente estarão comandando o Brasil de amanhã, se não houver reversão do ponto de vista das instituições tradicionais, são o crime organizado e as igrejas neopentecostais. Porque são as duas instituições que têm melhor clareza para que mundo estamos cada vez mais avançando”.

A análise é do economista Marcio Pochmann, presidente da Fundação Perseu Abramo, do PT, em entrevista ao Tutaméia. Para ele, esses dois grupos operam como instituições, preparam quadros para serem advogados, prestarem concurso público para carreiras de Estado, se tornarem candidatos às eleições. “Eles vão contaminando as instituições, vão entrando nas instituições, fazem parte do jogo”, diz.

As candidaturas patéticas da direita

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

No início de 2016, ano do golpe parlamentar-judicial que atirou o Brasil no imponderável, seria louco quem dissesse que chegaríamos às eleições presidenciais de 2018 com a direita reduzida a candidaturas patéticas.

No infeliz ano novo que começava, as pesquisas indicavam – pode parecer incrível a você, hoje – Aécio Neves como o líder das intenções de voto, com 27% no Datafolha. Fosse Alckmin o candidato tucano, ainda teria um patamar do qual partir, com seus então 14%.

Copa sem torcida e país sem democracia

Por Laurindo Lalo Leal Filho, na Revista do Brasil:

O torcedor de futebol em tempos não muito distantes tinha outra diversão além de comemorar as vitórias do seu clube. Esperava com alguma ansiedade a convocação das seleções brasileiras para saber quantos jogadores de cada time haviam sido convocados. Depois, claro, comemorava a presença dos seus ídolos na seleção, ou não.

Isso acontecia em São Paulo e no Rio, uma vez que os jogadores convocados vinham apenas de clubes desses estados. Em 1958, na primeira conquista de um mundial pelo Brasil, eram 12 cariocas e 10 paulistas. Do Rio, o Flamengo cedia quatro atletas, Vasco e Botafogo três cada um, Fluminense e Bangu, um cada um. De São Paulo, o Santos e o São Paulo lideravam com três jogadores cada um, seguidos do Corinthians com dois e do Palmeiras e Portuguesa de Desportos com um.

Maioria do STF impõe derrota à Lava Jato

Da revista CartaCapital:

Por 6 votos a 5, o Supremo Tribunal Federal decidiu, nesta quinta-feira 14, proibir as conduções coercitivas para interrogatórios de investigados. O instrumento, que já foi utilizado pela Lava Jato contra o ex-presidente Lula, estava suspenso desde dezembro em razão de uma liminar de Gilmar Mendes.

Além do ministro, votaram contra as conduções Rosa Weber, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio Mello e o decano Celso de Mello. Foram favoráveis às conduções os ministros Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux e Cármen Lúcia.

Um sopro de ordem no STF

Por Tereza Cruvinel, no Jornal do Brasil:

A proibição das conduções coercitivas, consideradas inconstitucionais por maioria de seis ministros do STF, é a maior derrota já sofrida pelo juiz Sérgio Moro e a Operação Lava Jato. Desprovido do instrumento que popularizou ao utilizá-lo mais de 200 vezes nos últimos quatro anos, o comando de Curitiba não poderá mais expor à execração figuras públicas nem arrastar investigados para depoimentos na ausência de seus advogados.

Uma grande vitória no STF, enfim!

Por Miguel do Rosário, no blog Cafezinho:

O campo democrático conseguiu, enfim, uma grande vitória.

Ainda vai demorar um pouco para cair a ficha em todo mundo, mas logo ficará claro que foi talvez a maior vitória desde 2013.

Não importa se é uma vitória “popular”, “midiática”, ou quantos por cento tem de apoio ou rejeição no Datafolha.

É uma causa justa e democrática, e uma vitória da liberdade.

Condução coercitiva e a morte do Cancellier

Por Kiko Nogueira, no blog Diário do Centro do Mundo:

A Lava Jato transformou a condução coercitiva numa marca registrada de seu espírito punitivista, espetaculoso e seletivo.

Por isso a decisão do STF de proibir essa prática nefasta e inconstitucional é uma derrota para a República de Curitiba.

O placar foi 6 a 5 e os times foram os de sempre. Venceu a bancada de Gilmar Mendes.

Exército compra caviar, camarões e bebidas

Por Ricardo Kotscho, em seu blog:

Acabei de ler no UOL, em matéria de Leandro Prazeres, às 11h47:

“Em meio a restrições orçamentárias do governo federal, o Comando Militar do Leste, vinculado ao Comando do Exército, realiza uma licitação estimada inicialmente em R$ 6,5 milhões para a compra de mantimentos que incluem uma lista de produtos refinados e bebidas alcoólicas.

Entre os produtos licitados estão duas toneladas de camarão, 109 potes de caviar e milhares de garrafas de bebidas alcoólicas, como vinhos nacionais e importados, uísque, cachaça e espumante. Questionado pela reportagem, o Exército disse que esses artigos serão destinados ao abastecimento dos restaurantes e bares de dois hotéis da corporação no Rio e serão vendidos aos hóspedes”.

Um fascismo renovado percorre a Europa

Por Eduardo Febbro, no site Outras Palavras:

O ex-primeiro-ministro esloveno Janez está a um passo de se somar como uma peça a mais da fortaleza populista e xenófoba que, com um êxito imparável, foi se construindo na Europa desde que, em meados dos anos 80 do século XX, a extrema-direita da Frente Nacional francesa começou a acumular êxitos eleitorais. Naqueles anos, seus militantes se reuniam com a cabeça raspada, exibiam sem rodeios as suásticas e entoavam hinos públicos em homenagem ao nazismo. Os de agora andam com gravata, desfizeram as cenografias provocativas e centraram sua ascensão ao poder em torno da rejeição à Europa e de um racismo fervoroso.

Pacto sem Lula não tem democracia

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

Quando se sabe que nem o confinamento em Curitiba impede Lula de ser um personagem permanente na conversa dos brasileiros - agora ele vai publicar comentários sobre a Copa no programa de José Trajano - sua exclusão de qualquer debate político nunca é um fato menor nem simples coincidência. Envolve uma opção política e, através do tratamento a uma pessoa, revela um projeto de país.

Guerra comercial e a subserviência de Temer

Editorial do site Vermelho:

Há uma guerra comercial a se desenhar no mundo, que poderá opor os principais protagonistas das relações internacionais – Estados Unidos e China.

O confronto começou com as medidas protecionistas de Donald Trump, que alteram em profundidade as relações comerciais que dominaram nas últimas décadas e ameaçam destruir os fundamentos da globalização neoliberal que surgiu justamente para atender aos interesses imperialistas dos Estados Unidos.

quinta-feira, 14 de junho de 2018

90 anos do nascimento de Che Guevara

Globo mandou 196 pessoas para a Rússia

Censura: A verdade sobre o terço do Papa

Por Renato Rovai, em seu blog:

A polêmica que se instalou a partir da busca pela “verdade” no episódio do terço entregue a Lula na prisão de Curitiba pelo advogado Juan Grabois, um dos assessores do Papa Francisco, atesta a nossa tragédia como país do ponto de vista do respeito aos princípios básicos que norteiam uma sociedade democrática.

O que está em jogo não é se o Papa gosta do Lula e enviou uma pessoa que goza de sua intimidade (o que o Google imagem pode demonstrar aos incrédulos que não confiarem na entrevista que este blogueiro fez com Pablo Gentili, da CLACSO. Para isso basta colocar na busca Juan Grabois + Papa Francisco) para conversar com ele.

A corrupção na ditadura militar

Por Ana Carolina Caldas, no jornal Brasil de Fato:

Recentemente a greve dos caminhoneiros trouxe à tona novamente um fato que já vinha acontecendo em protestos de rua, como a dos que se manifestaram contra o fim da corrupção, segurando cartazes e faixas pedindo a volta da intervenção militar. Isso acontece ao mesmo tempo que documentos de arquivos da ditadura militar são revelados com dados estarrecedores, inclusive sobre corrupção, enquanto o Brasil esteve sob este regime.

As provas contra o demo Agripino Maia

Por Rafael Duarte, no site Saiba Mais:

O voto de desempate do ministro Marco Aurélio de Mello no julgamento da 2ª Turma do STF que aceitou denúncia contra o senador José Agripino Maia (DEM), tornando o parlamentar do Rio Grande do Norte réu pela segunda vez, levou em consideração um rastreamento, obtido a partir da quebra do sigilo fiscal de Agripino Maia, que identificou 12 depósitos online em espécie, realizados de forma fracionada, com origem não declarada, no valor total de R$ 105,5 mil, todos efetuados em duas contas bancárias pessoais do senador potiguar.

A fragilidade do pensamento neoliberal

Por Luis Nassif, no Jornal GGN:

Um dos grandes problemas do chamado pensamento neoliberal brasileiro é a absoluta incapacidade de elaborar um projeto de país. Desde os anos 80, essa linha de pensamento abandonou qualquer veleidade de pensar a economia real brasileira, com suas especificidades, características, buscando soluções objetivas para problemas reais ou desenhando um projeto mínimo de futuro.

O conflito economia real x financeira existe desde o Império. Mas, em outros tempos, havia os demiurgos, os pensadores liberais que juntavam conhecimento econômico, busca de soluções para os problemas institucionais, e vocação de homens públicos, como Octávio Gouvêa de Bulhões, Casemiro Ribeiro, Ernâne Galveas.

Michel Temer e os frangos canibais

Por Pedro Breier, no blog Cafezinho:

Estamos na véspera do início da Copa do Mundo, a temperatura do noticiário político encontra-se entre morna e fria.

Parece o momento ideal para analisarmos uma declaração do sr. Michel Temer, nosso querido e estimado presidente da República, no auge da crise gerada pela greve dos caminhoneiros:

Os frangos estão morrendo. Eu nem sabia que eles podiam canibalizar-se. Eles estão se canibalizando.

Golpe de Estado e as políticas de guerra

Por Nicolas Gael

O economista José Álvaro de Lima Cardoso tem peregrinado de de cidade em cidade, com o apoio de sindicatos e movimentos sociais, para fazer lançamentos de seu livro “Golpe de Estado e imposição da política de guerra no Brasil”. O livro reúne uma coletânea de artigos publicados no período de 2013 a fevereiro de 2018 e apresenta, em sua narrativa, a construção e consolidação do golpe de estado em curso no país, especialmente dos pontos de vistas econômico e político. “Além de ser referência no aspecto da formação, o livro é uma síntese do processo golpista”, afirma José Álvaro Cardoso, que é também supervisor técnico do Dieese/SC (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos)

Copa do Mundo: “Pessimistas, uni-vos!”

Por Luciana Santos

Daqui a pouco, ao meio dia desta quinta, 14/06, acontecerá a cerimônia de abertura da Copa 2018. É de surpreender, no entanto, que o “país do futebol” esteja mergulhado em tamanha apatia. Às vésperas desse evento, que junto com o Carnaval e o São João, é um dos períodos de maior festa e celebração da inata alegria dos brasileiros nos vemos imersos numa epidemia de desânimo.

Ao contrário de anos anteriores, não se vê massivamente nas ruas o tradicional verde e amarelo, ancorado em bandeirinhas, pinturas, fitilhos. Pior, não se vê no rosto da nossa gente o sorriso esperançoso, a ansiedade da torcida, a fé na conquista de mais um campeonato.

Às ruas contra o fascismo

Por Joaquim Ernesto Palhares, no site Carta Maior:

Um vídeo absolutamente dantesco está circulando nas redes sociais. Um menino, dez anos no máximo, pobre e negro, é impedido de comer em um shopping de Salvador, Bahia. Um cliente que havia se oferecido a pagar a refeição da criança é hostilizado pelo segurança que afirma: “aqui ele não come”, chegando ao ponto de agredir o garoto, segurando-o pelos braços. Outros seguranças foram chamados e somente após muita humilhação, o menino conseguiu seu prato de comida. Confiram o vídeo aqui.

Moro e seus X-9. “Eles são meus”

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

Daniela Lima e Ricardo Balthazar, na Folha de hoje, publicam a escandalosa informação de que, por meio de um despacho mantido em sigilo, Sérgio Moro proíbe que órgãos públicos utilizem provas colhidas nos processos da Lava Jato para impor sanções e pedir indenização ao Estado pelos atos de corrupção e pelos sobre preços cobrados pelas empreiteiras cujos dirigentes tenham firmado acordo de delação premiada.

Agências de checagem, 'fake news' e censura

Ilustração: Sergio Olivier
Da Rede Brasil Atual:

O episódio sobre o terço abençoado pelo papa Francisco entregue a Lula na segunda-feira (11) levou a esfera jornalística a questionar o alcance do poder das agências de checagem (fact checking). Após o PT e a assessoria de imprensa do ex-presidente informarem que o presente teria vindo do próprio sumo pontífice, agências de checagem, como a Lupa e a Aos Fatos, cravaram o status de fake news para portais que noticiaram o fato.

O Brasil não quebrou

Por Paulo Nogueira Batista Jr., na revista CartaCapital:

O governo Temer caminha para um fim melancólico. O golpismo desmoraliza-se cada dia mais. Posso arriscar, leitor, algumas previsões eleitorais? É uma temeridade, bem sei. Em política, vale com força especial a advertência de Keynes: “The expected never happens; it is the unexpected always” (O esperado nunca acontece; é o inesperado sempre).

Em todo caso, mantidas as regras do jogo (ressalva crucial), diria que o cenário hoje sugere o seguinte. Nenhum candidato remotamente associado a Temer e ao golpe de 2016 tem chances de vencer a eleição presidencial de outubro.

Os protegidos de Sergio Moro

Por Tereza Cruvinel, em seu blog:

O apelido “república de Curitiba” nunca foi tão adequado à Lava Jato como nesta última demonstração da onipotência do juiz Sérgio Moro, revelada pela Folha de S. Paulo. Em um despacho de abril, que só teve o sigilo levantado ontem, ele proibiu organismos federais de controle, como CGU, TCU, AGU e Receita Federal, de usarem as provas obtidas pela Lava Jato, em acordos de delação premiada, para impor sanções administrativas aos criminosos delatores.

quarta-feira, 13 de junho de 2018

A carta do assessor do Papa enviada a Lula

Do site PT na Câmara:

O argentino Juan Grabois, consultor do Papa Francisco para assuntos de Justiça e Paz, foi impedido de visitar o ex-presidente Lula na última segunda-feira (11). Grabois, que é amigo do Papa Francisco, trouxe um rosário abençoado pelo Sumo Pontífice, para ser entregue a Lula. Além de Grabois ser proibido de entregar o presente em mãos a Lula, a chamada ‘grande mídia’ brasileira distorceu os fatos, ao publicar que ‘o Papa não teria enviado o rosário a Lula’. 

A lambança da Lupa sobre o Papa Francisco

Por Joaquim de Carvalho, no blog Diário do Centro do Mundo:

O episódio em que a agência de checagem Lupa tenta corrigir notícia divulgada sobre uma tentativa de entrega de um rosário a Lula levanta duas discussões:

Quem checa o checador?
A que (ou a quem) servem essas agências?

Como se recorda, na segunda-feira o advogado Juan Grabois, professor universitário na Argentina e ativista social, foi à Superintendência da PF em Curitiba para tentar visitar Lula.