terça-feira, 27 de setembro de 2022

Bolsonaro sabota as cisternas no Nordeste

Charge: Jônatas
Por Altamiro Borges

Não é para menos que o “capetão” Jair Bolsonaro é tão detestado no Nordeste – conforme atestam todas as pesquisas eleitorais e a onda crescente e festiva de apoio ao ex-presidente Lula na região. O fascista no poder transformou o seu preconceito contra os nordestinos em ações cruéis de desmonte das políticas públicas implementadas pelos governos Lula e Dilma.

Neste domingo (25), o jornalista Carlos Madeiro postou no site UOL longa reportagem que comprova que “ao longo dos quatro últimos anos, o governo federal reduziu e em 2022 praticamente parou as construções de cisternas, tecnologia fundamental para garantir o acesso à água a famílias que convivem com a seca”.

segunda-feira, 26 de setembro de 2022

TSE proíbe lives no Palácio da Alvorada

Charge: Clayton
Por Altamiro Borges

O neofascista Jair Bolsonaro segue sofrendo derrotas no Tribunal Superior Eleitoral. Agora foi a vez do corregedor-geral do TSE, ministro Benedito Gonçalves, que proibiu o presidente de gravar e transmitir lives de cunho eleitoral dentro do Palácio da Alvorada, sua residência oficial, e do Palácio do Planalto, sede do governo federal.

A decisão vale para discursos destinados a promover sua candidatura e de terceiros, utilizando-se de bens e serviços públicos “a que somente tem acesso em função de seu cargo de presidente da República”. A medida do TSE também veda serviços de tradução de libras custeados com recursos públicos, “sob pena de multa de R$ 20 mil por ato”.

Taurus sofre ação por propaganda de armas

Bolsonarismo pode criar tumulto via PMs

Ciro Gomes trabalha por segundo turno

Voto já está migrando. Ciro afunda no Ceará

Charge: Nei Lima
Por Fernando Brito, em seu blog:

Vai dar 1° turno? Claro que não dá para cravar, porque os 50% estão ainda no photochart e eleição não se ganha de véspera.

Mas que parece, parece.

E vai parecer ainda mais se a pesquisa Ipec de amanhã mantiver ou ampliar a vantagem da rodada anterior, que já estava em 16 pontos.

Se isto ocorrer, será inevitável que o clima vitorioso entre os lulistas e o de derrota entre os bolsonaristas acelere o movimento que, embora ainda não perceptível em pesquisas mas sensível nas ruas se intensifica e produza um arraste de votos.

É que há um sentimento geral de repugnância por uma disputa política que virou um festival de barbaridades e na qual as pessoas passaram a ter medo de serem agredidas por conta de suas preferências políticas.

Como escapar da armadilha do debate da Globo?

Foto: Ricardo Stuckert
Por Bepe Damasco, em seu blog:


Se o debate do SBT, no sábado, foi visto como uma armadilha por alguns quadros políticos do PT e partidos aliados – e, por isso, Lula fez muito bem em não ter ido –, o que dirá o da TV Globo, marcado para a próxima quinta-feira, dia 29.

Sim, porque, em linhas gerais, o formato é o mesmo, inclusive com a presença do falso padre Kelmon, que caiu de paraquedas na eleição aos 47 minutos do segundo tempo, para servir de escada para Bolsonaro.

A propósito, o comando da campanha de Lula agiria muito bem se condicionasse a participação do ex-presidente à exclusão do religioso de araque, pois já basta ter que aturar candidatos inexpressivos e sem voto como Felipe D’Ávila e Soraya.

Ciro Gomes e Bolsonaro cochichando juntos

Bolsonaro montou uma estrutura do mal

Violência não será fator de medo na eleição

Todo evangélico apoia Bolsonaro?

Censura e decretos de armas

domingo, 25 de setembro de 2022

O ex-ministro pastor pediu propina em pneu

Charge: Zepa
Por Altamiro Borges

O jornal Estadão publicou na semana passada mais uma grave denúncia contra o “pastor” Milton Ribeiro, ex-ministro da Educação do “capetão” Jair Bolsonaro. Segundo a reportagem, ele negociou com um empresário da construção civil do Pará contratos para obras públicas federais em escolas em troca de reformas de igrejas dos evangélicos lobistas Gilmar Santos e Arilton Moura. A propina deveria ser em dinheiro vivo e escondida na roda de uma caminhonete que transportaria o valor de Belém até Goiânia (GO), sede da igreja dos religiosos.

Jair Bolsonaro visitou miliciano na prisão

Charge: Bira Dantas
Por Altamiro Borges


Em mais uma denúncia da jornalista Juliana Dal Piva – desta vez em parceira com Elenilce Bottari –, o site UOL revelou nesta sexta-feira (23) que “o presidente Jair Bolsonaro (PL) e seu filho mais velho, o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), fizeram, ao menos, duas visitas ao ex-capitão do Bope Adriano Nóbrega entre 2004 e 2005”.

O famoso criminoso foi apontado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, em 2019, como líder de um grupo de matadores de aluguel chamado de Escritório do Crime. Ele também foi denunciado por integrar uma milícia em Rio das Pedras, na zona oeste do estado. Ele estava foragido da Justiça e foi executado pela PM da Bahia em fevereiro de 2020 em uma sinistra troca de tiros – que gerou suspeitas de queima de arquivo.

Taurus sofre ação por propaganda de armas

Charge: Josi
Por Altamiro Borges


Na semana passada, o coletivo de advogados Rede Liberdade ajuizou uma ação civil pública em nome da Comissão Arns, Idec e Intervozes, com o apoio técnico do Instituto Sou da Paz e do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania, questionando uma campanha publicitária da Taurus, maior fabricante brasileira de armas de fogo. Nas comemorações do 7 de Setembro, a empresa aliada do “capetão” Jair Bolsonaro patrocinou anúncios de “condições especiais” para a compra de fuzis, carabinas e munições.

Como aponta a ação, a publicidade de armas é vedada pelo Estatuto do Desarmamento, em vigor desde 2003, mas a empresa faz propaganda institucional de todos os seus produtos em seu site e redes sociais, além de ter realizado uma campanha de descontos promocionais de armas no período de 2 a 12 de setembro deste ano.

Contra a barbárie, ABI reafirma apoio a Lula

Quadra da Portela, Rio de Janeiro, 25/9/22. Foto: Ricardo Stuckert
Do site da Associação Brasileira de Imprensa (ABI):


É tempo de decisão.

Entre a civilização e a barbárie.

Entre a solidariedade e o ódio.

Entre a luz e a escuridão.

Está em jogo o futuro de nosso país.

Coerente com sua longa história de lutas em defesa da liberdade de imprensa, da liberdade de expressão, dos direitos humanos, da soberania nacional, da justiça social e do Estado Democrático de Direito, a Associação Brasileira de Imprensa (ABI) reafirma seu apoio à eleição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Rio de Janeiro, 24 de setembro de 2022

Octávio Costa, presidente da ABI

Regina Pimenta, vice-presidente da ABI

A disputa pelo voto evangélico

Do site do Centro de Estudos de Mídia Barão de Itararé:

Na reta final da campanha para as eleições de 2022, considerada por muitos um plebiscito entre civilização e barbárie, um tema fervilhante está em pauta: a disputa pelo voto evangélico. Decisiva em 2018, na eleição que alçou o fascista Jair Bolsonaro ao poder vitaminado por uma impiedosa máquina de mentiras e desinformação fortemente calcada em temas como costumes e religião, a escolha eleitoral de milhões de brasileiros pode não estar selada como antes.

Reduzir a jornada para gerar empregos

Charge: Reprodução do Sindicato dos Bancários/BA
Por Rene Vicente, no site da CTB:


A jornada de trabalho de 4 dias é uma experiência promissora que vem sendo promovida por governos e empresas com espírito inovador em vários países do mundo, inclusive no Brasil. Uma nova concepção de produtividade, mais humana e moderna, orienta as iniciativas.

Os Emirados Árabes foram pioneiros na adoção da nova jornada, reduzindo o tempo de trabalho a 36 horas semanais, mas outros países estão seguindo caminhos semelhantes, como a Bélgica, Escócia, Nova Zelândia, Japão, Reino Unido, País de Gales, Suécia e Islândia.

A permanência de Ciro na disputa é vital

Charge: Pxeira
Por César Locatelli, no jornal GGN:


Estamos todos capturados pelo fantasma da reeleição de Bolsonaro. Na verdade nem todos. Excetuam-se aqueles de ideias de extrema-direita e, entre alguns outros grupos, aqueles que acreditam que não só não havia corrupção antes dos governos petistas, mas como não há após o golpe que tirou Dilma da presidência.

Há, também, um outro grupo que não se comoveu com a imitação que o presidente fez de uma pessoa, infectada por coronavírus, em asfixia. O jornal Financial Times traz, em off, uma opinião que se refere a esse agrupamento. Trata-se de um executivo do mercado de private equity, setor do mercado financeiro que envolve transações de participações em empresas.

Bolsonaro culpa o povo pela pobreza

Charge: Gilmar
Por Iram Alfaia, no site Vermelho:


Gaspard Estrada, na coluna que escreve no The New York Times, classificou certa vez o desgoverno de Bolsonaro de “distopia aparentemente sem fim”. Na ocasião, o cientista político, que avaliou as ações do presidente de extrema direita diante da pandemia, estava coberto de razão, pois as atrocidades continuaram.

Somente o atual mandatário, matreiramente, quer negar uma situação visível. Numa entrevista no mês passado, afirmou que ninguém passa fome no país: “Alguém já viu alguém pedindo um pão na porta, ali, no caixa da padaria? Você não vê, pô”.

Ao ser questionado nesta quarta-feira (21), na série “Diálogo com Candidatos à Presidência do Brasil”, da Rede Vida, sobre a condição de o país ter voltado ao mapa da fome, Bolsonaro disse não ser verdade que 33 milhões de brasileiros passam fome. “Não é esse número todo”, esquivou-se.

Bolsonaro e os gabinetes do crime

Charge: Laerte
Por Cristina Serra, em seu blog:


Em 30 anos de carreira parlamentar, Bolsonaro marcou seus mandatos pela mediocridade e pela capacidade fenomenal de multiplicar o patrimônio da família. No livro “O negócio do Jair” (editora Zahar), a jornalista Juliana Dal Piva identifica o DNA e a extensão tentacular do esquema que transformou os gabinetes de Jair e de seus três filhos mais velhos em escritórios do crime.

Desde 2018, já se sabe do esquema das rachadinhas de Flávio Bolsonaro, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. Mas com uma investigação obstinada e meticulosa, Dal Piva coloca Jair Bolsonaro na cena do crime, mostrando que os quatro gabinetes do clã, em três casas legislativas, eram uma coisa só e sob o comando do atual presidente.

Bolsonaro corta verba para tratar do câncer

Charge: Ivan Cabral
Do jornal Brasil de Fato:

O governo do presidente Jair Bolsonaro (PL), candidato à reeleição, cortou quase metade da verba destinada ao tratamento do câncer no país para garantir dinheiro para o orçamento secreto.

A verba para o tratamento da doença passará de R$ 175 milhões para R$ 97 milhões em 2023. O câncer é a segunda doença que mais mata no Brasil, depois de problemas cardiovasculares.

Segundo revelou o jornal O Estado de S. Paulo, o corte pode ter impacto direto, por exemplo, na compra de equipamentos e materiais ou na construção, ampliação ou reforma de estruturas existentes.

O orçamento impactado é repassado pelo Ministério da Saúde a estados e municípios, além e entidades sem fim lucrativos que atuam no atendimento a pessoas com câncer. O dinheiro é usado para aquisição de aparelhos como tomógrafos, de raio-X, desfibriladores e equipamentos como macas ou cadeiras de rodas, por exemplo.

Bolsonaro em desagregação

Charge: Mindu
Por Fernando Brito, em seu blog:

Os sinais de desagregação de Jair Bolsonaro tornaram-se mais que evidentes nos últimos dias. Nada dá certo e nada dará.

André Mendonça, seu ministro “terrivelmente evangélico” no Supremo sequer “segurou” por um dia a batata quente da censura sobre o “imovelgate” da família, Eduardo Bolsonaro cobra a ausência do pai nos “santinhos” dos aliados e até Edir Macedo, da Universal deixa em branco nas “colas” que distribui a seus fiéis o espaço do voto presidencial.

Do lado oposto, proliferam-se as adesões a Lula.

Estivéssemos em tempos normais, seriam apenas movimentos naturais numa candidatura que está se dissolvendo diante da possibilidade de sequer passar ao segundo turno e os de “enchente” ao lado do favorito. Mas os tempos não são normais.

“Reestruturação produtiva” e desemprego

Reprodução da internet
Por João Guilherme Vargas Netto

As crônicas da escravidão registram que em um mesmo eito de café de uma das fazendas do senador Vergueiro trabalhavam pessoas com, ao menos, cinco tipos diferentes de relação de trabalho: escravo, ex-escravo, camarada, colono e assalariado. A heterogeneidade da força de trabalho é uma constante do capitalismo em todas as suas épocas.

Mas o que acontece hoje no mundo (exceto na China) é esta desorganização histórica elevada ao cubo, com o multiplicador do desemprego maciço e da informalidade crescente.

A multinacional Mercedes Benz em sua fábrica de São Bernardo pretende agravar essa situação demitindo 3.600 metalúrgicos, 1.300 dos quais temporários e terceirizando quase toda a sua cadeia produtiva.

sábado, 24 de setembro de 2022

Bolsonaro quer anular multas ambientais

Brizolistas repudiam Ciro Gomes

Conheça a verdade sobre Bolsonaro

O impacto internacional da eleição no Brasil

Eles poderiam estar vivos

Lideranças do PDT desistem de Ciro Gomes

A relação do bolsonarismo com a mídia

A história de luta do abolicionista Luiz Gama

Como vivem os demitidos pela Lava-Jato

Qual o futuro político de Ciro Gomes?

sexta-feira, 23 de setembro de 2022

A eleição não está ganha


Nossa associação foi criada em um momento em que as mais elementares características de uma democracia estavam em risco no Brasil. Temos hoje, a nove dias das eleições, muitas indicações que voltaremos a ter um democrata na presidência. Não é, no entanto, hora de cantar vitória por duas razões fundamentais: os inimigos da democracia estão fortemente mobilizados, as forças neofascistas ainda estão no poder e não vão aceitar a possível derrota facilmente, e, ainda mais importante, a fome e o desemprego torturam milhões de nossas irmãs e nosso irmãos.

Lula e a democratização da comunicação


Ocorreu na terça-feira (20), em São Paulo, a reunião do Movimento Democrático da Comunicação com a coordenação do programa da campanha Vamos Juntos pelo Brasil, encabeçada pela candidatura de Lula à presidência da República. "Tema estratégico e transversal", conforme destacado por Renata Mielli, as entidades puderam expressar seus anseios sobre políticas para o setor da comunicação.

De acordo com a coordenadora do Barão de Itararé, os documentos entregues à campanha sintetizam as principais articulações com propostas para o tema. "Também reivindicamos participação nos espaços de transição do próximo governo, caso eleito, que tratarão da comunicação", destaca Mielli. "Toda e qualquer proposta específica passa pela escuta da sociedade", complementa. Foi defendida, por exemplo, a realização da 2º Conferência Nacional de Comunicação (Confecom) - a primeira edição foi realizada em 2009, possibilitando amplo debate entre sociedade civil, governo e empresas privadas sobre as mudanças necessárias no setor e aprovando centenas de propostas neste sentido.

Onda pró-Lula abala pilares de Ciro e Tebet

Charge: Duke
Por Jeferson Miola, em seu blog:


A 10 dias da eleição, o empuxe da onda pró-Lula ganhou um impulso impressionante e abalou os pilares das candidaturas Ciro Gomes e Simone Tebet. E, em consequência, aumentou significativamente a possibilidade de vitória do Lula no primeiro turno.

Ciro, com sua campanha bolsonarizada, afastou brizolistas, trabalhistas e ex-pedetistas históricos. E vem perdendo apoio orgânico de dirigentes e militantes pedetistas, além de ex-apoiadores influentes, como Tico Santa Cruz e Caetano Veloso.

Mesmo que não atenda ao apelo de políticos e intelectuais estrangeiros para desistir da sua candidatura com o objetivo de viabilizar o enterro eleitoral do Bolsonaro no primeiro turno, na prática Ciro está “sendo desistido” pelos estamentos partidários. Com isso, corre o risco de derretimento eleitoral, devendo amargar um desempenho lastimável nas urnas, da estatura da campanha suja que realiza.

Ato em Defesa do Jornalismo e da Democracia

Do site do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo:

Diante da escalada de ameaças, agressões, ataques físicos e virtuais e tentativas de censura e intimidação contra as e os jornalistas, especialmente durante o período eleitoral, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP) convida a categoria para o Ato em Defesa do Jornalismo e da Democracia na próxima terça-feira (27), às 19h, no Auditório 239 – Prof. Paulo Barros de Carvalho, da PUC de São Paulo (Rua Ministro Godoi, 969, Perdizes, no Edifício Reitor Bandeira de Mello).

Lula 2023 será um upgrade do Lula de 2008

Foto: Ricardo Stuckert
Por Luis Nassif, no Jornal GGN:


O mercado é um bicho instável, que raramente se move por raciocínio.

Ontem, houve evento com Lula e vários ex-presidenciáveis, com a participação de Henrique Meirelles – que foi candidato a presidente com 1,2% dos votos, perdendo até para João Amoedo e Cabo Daciollo.

Imediatamente o mercado acreditou que Meirelles deu o mesmo significado da Carta aos Brasileiros, supondo que terá cargo relevante no governo Lula.

Porta-vozes do mercado correram para anunciar que a suposta entrada de Meirelles permitiu a Lula furar a bolha e coisa e tal.

Pura especulação, sem base nenhuma na realidade. Se for para o governo, Meirelles terá um cargo honorífico, talvez responsável pelo Conselhão – o encontro que reúne lideranças empresariais, sindicais e movimentos.

O mundo pede Lula

Por Vivaldo Barbosa, no site Viomundo:


O povo brasileiro se recuperou, se recompôs e está escrevendo um dos momentos mais bonitos da nossa história. Reassumiu sua condição cívica e patriótica, retomou seu veio ético.

Diante das tensões que pairam sobre todos e das ameaças que lançam, dos últimos dias para cá muitos estão pensando e procurando decidir isto já, o quanto antes, para retomar a paz e a tranquilidade.

E há outras razões.

O mundo está vivendo situação de guerra, delicada e perigosa,

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) surge como aliança militar a querer tudo controlar, em estreita ligação com os interesses do Império.

Em vez de aliança para produção de alimentos contra a fome, em defesa da saúde da humanidade, moradia, trabalho, quer aliança para a produzir armamentos, guerra.

O desafio de 2 de outubro

Ipatinga-MG, 23/9/22. Foto: Ricardo Stuckert
Por Roberto Amaral, em seu blog:


Jamais será exaustivo insistir sobre a real disputa que nos aguarda o próximo 2 de outubro, aquela que será, sem dúvida, a mais importante eleição republicana, pois estaremos optando entre civilização e barbárie, entre desenvolvimento e atraso, entre passado e futuro, entre democracia (essa que temos como referência) e o projeto protofascista em curso. E esta decisão, qualquer que seja, delineará as décadas vindouras. O quadro, assim posto, repele a neutralidade: a busca insólita por uma terceira via inexistente é a tentativa de disfarce de uma aliança envergonhada.
 

Com saúde não se brinca

A fantástica fábrica de golpes

Bolsonaro vira uma figura repulsiva no mundo

Vice de Bolsonaro é um perigo ignorado

O risco de um confronto mundial

quinta-feira, 22 de setembro de 2022

Judias e Judeus pela Democracia apoiam Lula

Judias e Judeus pela Democracia
Por Altamiro Borges


O coletivo “Judias e Judeus pela Democracia” lançou nesta semana um manifesto em apoio à candidatura de Lula. A importante iniciativa reforça o movimento em curso pelo voto útil e pela vitória da democracia contra o fascismo já no primeiro turno das eleições presidenciais, em 2 de outubro.

Segundo a colunista Mônica Bergamo, “o documento já tem mais de mil assinaturas. Entre os signatários estão os professores da USP André Singer e Raquel Rolnik, a escritora Tatiana Salem Levy, o diretor artístico Arthur Nestrovski, o advogado Fábio Tofic Simantob, a historiadora Lilia Moritz Schwarcz, o editor Luiz Schwarcz, o vereador Daniel Annenberg (PSB) e o ex-deputado Floriano Pesaro. Ainda endossam a carta o médico Daniel Klotzel, a antropóloga Betty Mindlin, o advogado e diretor da Open Society Foundations para a América Latina e Caribe, Pedro Abramovay, e o idealizador do Fórum Social Mundial, Oded Grajew”.

Bolsonarista agride pesquisador do Datafolha

Campanha cria onda para vencer no 1º turno

Lula deve perdoar Bolsonaro, diz Temer

Comunicação e a "era da cultura"

As faces de um país em disputa

Bolsonaro: a vergonha brasileira na ONU

Bolsonaro faz comício até em funeral

Bolsonarista agride pesquisador do Datafolha

Charge: Genildo
Por Altamiro Borges

Estimulados pelo fascista que ocupa a presidência da República, os fanáticos bolsonaristas estão cada dia mais agressivos e aloprados. Nesta terça-feira (20), um pesquisador do Datafolha foi agredido com chutes e socos por um seguidor do “capetão” em Ariranha, no interior de São Paulo, a 378 km da capital.

Segundo relato do site UOL, “o pesquisador entrevistava uma pessoa, quando Rafael Bianchini se aproximou e, aos gritos, passou a exigir que também fosse ouvido. ‘Só pega Lula’ e ‘vagabundo’ foram termos gritados pelo bolsonarista no meio da rua”. Ele foi atingido pelas costas e o tablet usado para a entrevista foi jogado ao chão.

Bolsonaro quer anular multas ambientais

Evolução/Mundano (Artivista)
Por Altamiro Borges

Não é para menos que Jair Bolsonaro arrecada mais grana para sua campanha da reeleição entre os barões do agronegócios – também já apelidados de agrotrogloditas. Seu governo é funcional para esse setor econômico, fazendo “passar a boiada” da devastação ambiental, do trabalho escravo e de outros crimes na zona rural.

O site UOL revelou nesta terça-feira (20) que o governo estuda perdoar dívidas bilionárias dos ruralistas. “Um despacho do presidente do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), Eduardo Bim, deve anular multas ambientais que podem chegar a R$ 16,2 bilhões. A estimativa é do próprio instituto, que calculou o valor em resposta a uma LAI (Lei de Acesso à Informação)”.

Gadaiada bolsonarista em desespero total!

quarta-feira, 21 de setembro de 2022

Centrais sindicais pregam voto útil em Lula

Lula cresce e campanha 'vira voto' ganha ruas

Pesquisas indicam tendência de alta de Lula

MPF arquiva inquérito das 'pedaladas fiscais'

Charge: Latuff
Do site de Dilma Rousseff:

Seis anos depois de o Senado ter aprovado o impeachment de Dilma Rousseff por crime de responsabilidade baseado nas chamadas “pedaladas fiscais”, o Ministério Público Federal promoveu o arquivamento do inquérito civil movido contra o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega que investigava supostas irregularidades nas operações de crédito entre o Tesouro e o Banco do Brasil que teriam sido cometidas em 2015.

“A verdade veio à tona”, disse Dilma Rousseff. “Demorou, mas a Justiça está sendo feita”. A ex-presidente também era investigada pela Procuradoria da República no Distrito Federal no inquérito civil que buscava identificar os responsáveis pelas “pedaladas fiscais”, considerada pelos investigadores como um ato de improbidade administrativa.

Datafolha pode anunciar o fim do jogo

Charge: Nando Motta
Por Moisés Mendes, em seu blog:


O Ipec desta segunda-feira veio com a possibilidade de vitória de Lula no primeiro turno, com 52% dos votos válidos. Mas ainda é uma vantagem envolta na nebulosa da margem de erro.

Dois pontos podem significar muito, se expressarem uma tendência e virarem algo maior mais adiante, como podem significar apenas dúvida, se mantidos até a semana da eleição.

O Ipec é respeitado, com profissionais que eram do Ibope, mas ainda há quem dependa da reafirmação de tendências pelo Datafolha.

E quinta-feira tem Datafolha, que há muito tempo mostra Lula sem força suficiente para vencer na primeira rodada em 2 de outubro.

Nós, sobreviventes do ódio

Charge: Genin
Por Cristina Serra, em seu blog:


Não vamos esquecer das 685 mil covas abertas como feridas na terra, nem da vida que se esvaiu pela falta de oxigênio que o seu governo não providenciou (e você ainda zombou), nem da dor dos que tiveram que ser amarrados por falta de anestésico nos hospitais.

Estão gravadas suas palavras ásperas como pedras: “e daí?”, “gripezinha”, “não sou coveiro”, “país de maricas”. Lembraremos sempre que você tentou manipular o suicídio de um voluntário de testes com a vacina, sabotou as máscaras e o isolamento social, mandou cancelar a compra da Coronavac, riu de tudo isso.

Será preciso lembrar do desespero na fila do osso e da carcaça e de quem revira o lixo para comer, enquanto seus generais compram filé, picanha, bacalhau, salmão, camarão, Viagra e próteses penianas.

Meus votos a presidente

Por Frei Betto, em seu site:


Fiz 18 anos em 1962. A eleição presidencial tinha sido no ano anterior. Jânio Quadros venceu o marechal Lott e Ademar de Barros. Torci por Jânio, embora meus pais tenham preferido o marechal, pois minha genealogia paterna é repleta de militares, com destaque para dois generais.

Veio o golpe militar de 1964 e as eleições diretas foram canceladas. O Congresso Nacional, manipulado pela ditadura, elegeu cinco presidentes, todos militares, todos ditadores: Castelo Branco (1964); Costa e Silva (1966); Garrastazu Médici (1969); Ernesto Geisel (1974); e João Batista Figueiredo (1978). Acusado de subversão, estive preso por 15 dias sob o governo Castelo Branco e por quatro anos sob Médici. E meus direitos políticos foram cassados por dez anos.

Cineasta Padilha diz que Moro é burro!

Na ONU, Bolsonaro dá vexame e ataca Lula

A ida de Bolsonaro ao velório da rainha

Lula avança e pode vencer já no 1º turno

Lideranças do PDT anunciam apoio a Lula

Centrais sindicais pregam voto útil em Lula

Charge: Geuvar
Por Altamiro Borges

A Agência Sindical informa que “a pregação pelo voto útil, a fim de resolver a eleição já no primeiro turno, chega ao movimento sindical. Força Sindical, UGT, Nova Central, CSB e Pública divulgam nota na qual apelam diretamente aos eleitores de Ciro Gomes. A preocupação é derrotar Jair Bolsonaro, e os dirigentes entendem que o melhor seria Lula vencer já no dia 2 de outubro”.

terça-feira, 20 de setembro de 2022

A reta final da eleição das nossas vidas

Voto útil causa surto golpista em Bolsonaro

Charge: Fredy Varela
Por Helena Chagas, no site Brasil-247:


Jair Bolsonaro foi fazer campanha no funeral da Rainha da Inglaterra e amanhã vai tentar ganhar votos na abertura das Nações Unidas, mas nada parece adiantar. Tudo continua dando errado para ele, e só sobrou o discurso golpista, em novo surto.

As notícias que vão daqui para o pretenso monarca brasileiro e seu arremedo de família real são péssimas: a pesquisa BTG/FSB, até então com viés favorável, trouxe nesta manhã crescimento de 3 pontos para o ex-presidente Lula, mantendo o presidente estagnado: 44% x 35%. Tudo indica que a campanha de voto útil do petista esteja dando resultados, já que Ciro Gomes e Simone Tebet, depois de ligeira ascensão de 2 pontos cada um, voltaram aos patamares antigos.

Como sugerimos aqui semana passada, é possível que o rolê internacional de Bolsonaro esteja marcando mesmo os funerais de sua candidatura.

O ódio contra os pobres justifica tudo

Charge: Lute
Por Jair de Souza


O dia 2 de outubro está se aproximando. Está chegando a hora em que os brasileiros teremos de tomar a decisão mais significativa em toda nossa história republicana. Nesse dia, vamos votar e determinar qual vai ser o destino de nosso país, o nosso próprio e o das gerações futuras.

Em condições de normalidade, não haveria nenhuma dúvida de que a esmagadora maioria de nossa gente daria seu voto para extirpar para sempre do comando da nação o governante que mais desgraças nos trouxe ao longo de nossa existência como país soberano.

Desde o fatídico golpe contra Dilma Rousseff em 2016, a maioria do povo brasileiro vem passando por sofrimentos e penúrias nunca antes vivenciados. E o que tinha se tornado terrível com a usurpação da presidência por Michel Temer ficou ainda pior a partir da posse do miliciano Jair Bolsonaro.

Ódio de Ciro leva pedetistas a apoiarem Lula

Charge: Céllus
Por Jeferson Miola, em seu blog:

A campanha de Ciro Gomes, movida a ódio a Lula e ao PT e propagadora da mesma retórica virulenta do Bolsonaro, tem provocado divisões e dissidências no PDT e levado pedetistas a fazerem campanha para eleger Lula no primeiro turno.

É notório o mal-estar de pedetistas, ex-pedetistas, brizolistas e trabalhistas com a campanha bolsonarizada de Ciro, que se posiciona como uma vertente da extrema-direita bolsonarista.

Nas últimas semanas cresceu significativamente o incômodo da militância pedetista com o rumo da campanha do Ciro. Em razão disso, inúmeros militantes de base e ativistas sociais vinculados ao PDT abandonaram Ciro e passaram a defender o voto em Lula.

Recentemente, companheiros e aliados históricos de Leonel Brizola – como Siqueira Castro e José Augusto Ribeiro – conclamaram brizolistas e trabalhistas a votarem em Lula.

Na Europa, extrema-direita segue crescendo

Charge: Mahnaz Yazdani
Por Flávio Aguiar, no site Fórum-21:


Era uma vez uma perfeita social-democracia, um paraíso dos direitos humanos, tolerante e aberto para os estrangeiros, com uma monarquia constitucional, tendo um rei de espírito republicano, enfim, um país democraticamente estável e socialmente progressista. Além disto, mantinha uma saudável neutralidade em meio à Guerra Fria que opunha, sob a forma de duas potências nucleares, o que era por vezes descrito como a disputa entre um capitalismo predador e um comunismo autoritário…

Fortalecer as rádios e TVs comunitárias

#SouEvangelico e acredito na democracia

Manutenção e legitimação da ordem

Do pequeno negócio ao APP

Jefferson, Cunha e Magno Malta estão no alvo

segunda-feira, 19 de setembro de 2022

A reta final da eleição das nossas vidas

Charge: Zepa
Por Altamiro Borges


A campanha eleitoral deste ano entra na sua reta final com fortes emoções e muita adrenalina. Daqui a duas semanas a sociedade brasileira definirá seu futuro entre a civilização e a barbárie, entre a democracia e o fascismo, entre a esperança e o medo. Esta será a eleição das nossas vidas.

Todas as pesquisas eleitorais apontam folgada vantagem do ex-presidente Lula, que tem sua liderança consolidada há 15 meses. Algumas sondagens inclusive não descartam a vitória já no primeiro turno - como a do Ipec divulgada nesta segunda-feira (19) que mostra o petista com 52% dos votos válidos. Basta uma pequena migração de votos de Ciro Gomes, por exemplo, para a fatura ser resolvida já em 2 de outubro.

Palanque de Bolsonaro insulta Reino Unido

Não existe bolsonarismo moderado

A eleição mais importante da nossa vida

Bolsonaro anima funeral da rainha em Londres

Os pobres, as pesquisas e o voto em outubro

Em Londres, Bolsonaro hostiliza repórter

Os cinco anos da morte de Cancellier

Assistência social sofre cortes no Orçamento

Charge: Ulisses
Por Altamiro Borges


Uma longa reportagem da sucursal brasileira da britânica BBC, intitulada “‘Ela morreu após 10 horas na fila por benefício’: assistência social tem menor orçamento em uma década”, demonstra com números e depoimentos que o “capetão” Jair Bolsonaro não tem qualquer empatia com as camadas mais sofridas da sociedade.

Assinada pela repórter Thais Carrança, ela comprova que “o orçamento federal para manutenção de serviços como Cras, Creas e abrigos para crianças e mulheres diminuiu de cerca de R$ 3 bilhões em 2014, para R$ 1 bi nos últimos dois anos. Em 2023, valor poderá ser de apenas R$ 48 milhões, o menor em mais de uma década”.

domingo, 18 de setembro de 2022

Jefferson, Cunha e Magno Malta estão no alvo

Charge: Duke
Por Altamiro Borges

Três bolsonaristas raivosos seguem na berlinda. Na semana passada, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, fixou multa diária de R$ 10 mil e o reestabelecimento da prisão preventiva de Roberto Jefferson, dono do PTB, caso ele continue descumprindo as medidas cautelares da Justiça.

Em janeiro passado, o ministro do STF – que atualmente também preside o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) – aprovou a prisão domiciliar do patético “Bob” Jefferson, que é acusado de atacar as instituições democráticas e proferir discursos de ódio. Entre outras medidas, ele foi proibido de conceder entrevistas.

Mas, no início deste mês, o provocador voltou a desacatar as determinações do Judiciário e deu entrevista à emissora bolsonarista Jovem Pan News – também apelidada de Jovem Klan. Segundo Alexandre de Moraes, o criminoso reincidente também teria replicado informações falsas contra o Supremo.

YouTube privilegia fake news de Bolsonaro

Lula e a intervenção de militares na política

Curitiba, 17/9/22. Foto: Ricardo Stuckert
Por Paulo Moreira Leite. no site Brasil-247:

Vale a pena recuperar as palavras de Lula no comício de Curitiba, sábado. Ele falou com clareza e sem nenhuma ambiguidade sobre um ponto fundamental da política brasileira - a pretensão de setores das Forças Armadas em tutelar a democracia brasileira, atitude que explica o esforço de interferir até na apuração dos votos da eleição presidencial.

- Não queremos as Forças Armadas se metendo nas eleições do nosso país, nem querendo controlar urna, disse Lula.

- Nós já lidamos com as Forças Armadas e as tratamos com muito respeito. E é preciso que alguns lá tratem a sociedade civil com respeito, porque nós sabemos de nós e não precisamos ser tutelados.

A referência de Lula aos governos do PT é instrutiva. Produto de uma das grandes lutas de massa do século XX - a campanha pelas diretas-já - a democratização do país após 20 anos de ditadura militar permitiu que o povo brasileiro recuperasse o direito de escolher o presidente da República em urna, com base numa Constituição que assegurou o mais amplo grau de liberdades públicas de nossa história, inclusive para a formação de partidos de trabalhadores e a construção de centrais sindicais, organizações vetadas pela legislações anteriores.

Duas semanas contra a barbárie

Charge: Jorge o Mau
Por Fernando Brito, em seu blog:


Há pouco a comentar sobre qualidades, defeitos ou planos dos candidatos, numa eleição onde 80% dos votos estão consolidados.

Não é com isso que se definirá a única coisa que há por ser definida: se haverá ou não um segundo turno eleitoral.

Isso depende, agora, apenas da convicção de vitória que os dois principais candidatos vão conseguir dar às suas candidaturas.

A de Bolsonaro, podem reparar, assume no próprio candidato o discurso da “vitória em primeiro turno”, sem qualquer base nos fatos.

Corresponde, apenas, às desesperadas necessidades de manter aguerrido o núcleo de sua campanha.

A de Lula, ao contrário, de sinais inequívocos de força nos bem sucedidos comícios nas capitais da Região Sul, a que seria, segundo as pesquisas, a mais avessa à candidatura da oposição.

Isso precisa ser multiplicado nas capitais e nas regiões metropolitanas, para abafar a ofensiva bolsonarista que, sem nenhuma dúvida, virá nos dias finais.

Agro pagará caro pelo apoio a Bolsonaro

Charge: Ribs
Por Marcelo Zero, no site Viomundo:

A recente e rigorosa decisão do Parlamento Europeu de proibir importações de produtos provenientes de áreas desmatadas ou degradadas é, em boa parte, fruto da desastrada política antiambiental do governo Bolsonaro.

Com efeito, mesmo antes de chegar ao poder, Bolsonaro deixou muito claro que se opunha à proteção ambiental e ao respeito aos direitos de nossos povos originários. Fez campanha defendendo os interesses mais retrógrados do agronegócio e recebeu forte apoio do setor.

Chegando ao Planalto, Bolsonaro e seu famigerado ministro antiambientalista, Ricardo Salles, “abriram a porteira para a boiada passar”, metafórica e literalmente.

Com efeito, em poucos meses, o governo Bolsonaro:

O combate ao assédio eleitoral dos patrões

Charge: Gomez
Do site da CTB:

Dirigentes das centrais sindicais vão desenvolver uma ação conjunta com o Ministério Público do Trabalho (MPT) para ampliar o combate a práticas ilegais dos patrões contra os trabalhadores nos locais de trabalho, como assédio eleitoral. Outro objetivo comum é intensificar o enfrentamento ao trabalho infantil e ao análogo ao escravo.

Segundo informações do presidente nacional da CTB, Adilson Araújo, esse compromisso é resultado da reunião realizada quinta-feira (15), entre as centrais sindicais e o procurador-geral do Ministério Público do Trabalho (MPT), José de Lima Ramos Pereira. Além de Araújo, participaram os presidentes da CUT, Sergio Nobre, da Força Sindical, Miguel Torres e da UGT, Ricardo Patah. O encontro foi em Brasília.

Cirista raiz, Tico Santa Cruz vota em Lula

https://twitter.com/Ticostacruz
Por Henrique Rodrigues, na revista Fórum:

O músico Tico Santa Cruz, vocalista da banda Detonautas Roque Clube, cirista raiz e um dos mais emblemáticos e conhecidos eleitores fiéis do candidato do PDT à Presidência da República, anunciou no Twitter seu apoio já no primeiro turno ao ex-presidente Lula (PT), dando início no meio artístico à campanha pelo voto útil contra Jair Bolsonaro (PL).

“Sou Ciro, mas vou de Lula no 1o turno. E mantenho meu respeito máximo a Ciro Gomes e terá em mim um aliado para o PND até que a gente consiga chegar na presidência na próxima oportunidade...

Trabalharemos mais 4 anos SIM. Ciro Gomes 2026 é logo ali e vamos nos esforçar pra que ele tenha sua chance. Agora precisamos dar fim a esse regime de ódio e sofrimento. Resolver no 1o turno. O Voto útil no Lula é o caminho pra encerrar esse ciclo de tragédias... 

Brasil perde 800 bibliotecas em cinco anos

Charge: Laerte
Da Rede Brasil Atual:


O Brasil perdeu quase 800 bibliotecas públicas entre 2015 e 2020, segundo o Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas (SNBP). Mas de acordo com especialistas do setor o número pode ser ainda maior. A falta de informação está relacionada com a extinção do Ministério da Cultura (MinC), pelo presidente Jair Bolsonaro, e o descontrole do Estado.

A professora Cibele Araújo, do curso de Biblioteconomia da Escola de Comunicação e Artes (ECA) da USP, afirma que os dados reforçam as denúncias de descaso dos últimos governos com a cultura e a educação. “As bibliotecas públicas em muitos municípios são um elo fundamental da cultura, para a formação do indivíduo, para o desenvolvimento da sua cidadania”, afirma.

Bolsonaristas fazem alusão à Ku Klux Klan

Charge: Kayser
Por André Cintra, no site Vermelho:


Apoiadores da campanha do presidente Jair Bolsonaro (PL) à reeleição fazem propaganda com teor racista em Blumenau (SC). Um outdoor fixado nesta sexta-feira (16), na Rua João Pessoa, faz alusão à organização terrorista Ku Klux Klan, que defende a superioridade da raça branca.

Na imagem, o trocadilho “Sou da cuscuz clan” aparece ao lado da representação de duas espigas de milho com as máscaras da Klan. O material evoca também um dos slogans mais usados pelas hordas bolsonaristas: “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos!”.

Vamos recuperar a economia brasileira

sábado, 17 de setembro de 2022

A greve nacional pelo piso da enfermagem

Diversidades culturais no Brasil atual

Ex de Bolsonaro deu em cima de Carluxo?

Vale tudo para reeleger Bolsonaro

A Ucrânia está ganhando a guerra?

A inserção do Brasil no mundo

Polarização e o voto evangélico

Atual governo declarou guerra à cultura

Datafolha, voto útil e o que vem por aí...

"Hino" ao Inominável

sexta-feira, 16 de setembro de 2022

Os 45% de Lula viraram uma fortaleza

Charge: Pxeira
Por Bepe Damasco, em seu blog:

Mais uma pesquisa, a do Datafolha, revela estabilidade na disputa pela presidência da República. Lula 45%, Bolsonaro 33%, Ciro 8% e Simone Tebet 5%. Faltando pouco mais de duas semanas para a eleição, chama atenção a fidelidade do eleitorado de Lula.

Ah, mas Bolsonaro também se situa em um patamar praticamente fixo faz tempo, dirão muitos, e com razão. Só que a firmeza com que Lula se mantém na dianteira, sem oscilações, é o elemento decisivo dessa eleição.

Os 45% (um pouco mais ou um pouco menos) obtidos nos levantamentos representam em torno de 48% dos votos válidos, ou seja, às portas de vencer no primeiro turno.

A adesão na reta final, que é quando este tipo de movimento costuma encorpar, de uma parte do eleitorado de Ciro e da banda mais antibolsonarista dos que pretendem votar em Tebet, bastaria para resolver a parada já em 2 de outubro.

Bolsonaro à beira do precipício

Charge: Bacellar
Por Fernando Brito, em seu blog:

A pesquisa Datafolha, divulgada agora à noite, é menos importante pelo fato de ter se ampliado em um ponto a vantagem de Lula sobre Jair Bolsonaro do que pelo que ela coloca como o clima da reta final da campanha: o ex-presidente chega à reta final impávido em seu índice de intenção de votos e o atual, de língua de fora, sem conseguir avançar para um patamar competitivo: está 12 pontos à frente (45% a 33%) e, principalmente, assiste à incapacidade de reação do candidato da direita.