domingo, 19 de maio de 2019

Era Bolsonaro já estaria no fim?

Por Eduardo Maretti, na Rede Brasil Atual:

“O governo passa por uma corrosão acelerada da base eleitoral e social, do apoio dos partidos e das forças políticas institucionais, e também do mercado. Sem os partidos e sem o mercado vai ser difícil construir governabilidade.” A opinião é de William Nozaki, professor de ciência política e economia da Fundação Escola de Sociologia e política de São Paulo (FespSP). Esse cenário, que abriu o debate para um possível impeachment do presidente, não é simples, mas não teria sido construído sem a colaboração do próprio governo Jair Bolsonaro.

Greve da educação e a cobertura da Globo

Por Lu Sudré, no jornal Brasil de Fato:

A greve dos setores da educação neste 15 de maio foi a principal notícia da semana na imprensa brasileira. Segundo a Confederação Nacional de Trabalhadores da Educação (CNTE), mais de 1 milhão de pessoas participaram dos protestos, que marcaram a primeira grande paralisação contra o governo Bolsonaro (PSL).

Diferentemente de outras coberturas jornalísticas relacionadas a mobilizações populares, as manifestações contra o corte de 30% no orçamento das universidades e institutos federais foram amplamente divulgadas na mídia comercial.

A Globo News, por exemplo, fez uma cobertura intensa dos atos ao longo do dia, com transmissões ao vivo das manifestações e entrada constantes de repórteres in loco. Frases em cartazes e palavras de ordem contra Bolsonaro também foram registradas.

Bolsonaro sabe muito bem o que faz

Para milicos, ameaça de Bolsonaro é blefe

Por Eduardo Guimarães, no Blog da Cidadania:

O jornal O Estado de São Paulo, o mais conservador do país, publicou, neste sábado, 18 de maio, editorial em que acusa Bolsonaro de, vendo sua popularidade virar pó e temendo um impeachment, pretender dar um golpe de Estado para se manter no poder. Militares já mandam avisar que não mexerão um dedo se pedirem o impeachment de Bolsonaro.

O governo Bolsonaro tem mais militares do que jamais teve a ditadura militar de 1964. São mais de cem, até agora.




Fortalecer as lutas e a frente democrática

Por Luciana Santos, no Blog do Renato:

Nesta última sexta-feira, 17, o presidente Jair Bolsonaro lançou uma cartada perigosa. Pelas redes sociais, fez um chamado aos seus apoiadores para se engajarem numa manifestação cujos alvos são o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF) - instituições indispensáveis ao regime democrático.

O presidente endossa a fantasia de que há um complô das corporações do Estado contra seu governo. Chancela a visão de que é impossível governar nos marcos de um regime democrático. Então, a saída que aponta, ao que parece, é tentar arrastar o país para uma aventura autoritária e para tal busca adeptos.

Afastamento de Bolsonaro desafia a esquerda

Por Bepe Damasco, em seu blog:                                                                       

No momento em que a oposição ao governo Bolsonaro consegue finalmente fazer as ruas falarem, impulsionadas pela vanguarda estudantil, as chamadas condições objetivas de governabilidade do capitão deterioram-se de forma praticamente irreversível.

Em ritmo acelerado, constrói-se um consenso no establishment (barões da mídia, mercado e representantes de porções expressivas das instituições) de que é preciso remover o capitão, pois ele é sinônimo de ingovernabilidade, instabilidade, incapacidade e crise institucional permanente, além de cobrir a nação de vergonha toda vez que abre a boca.

As mentiras de Bolsonaro contra Dilma

Por Dilma Rousseff, em seu site:

O senhor Jair Bolsonaro, imerso em seu mundo de fake news, mostrou mais uma vez seu despreparo para dirigir o País e representá-lo internacionalmente.

Impondo sua presença constrangedora onde não é bem-vindo, e nem sequer é convidado, este senhor que infelizmente dirige o Brasil fez, em Dallas, uma declaração mentirosa e caluniosa sobre minha história política.

Durante a resistência à ditadura - e muito menos no período democrático -, jamais participei de atos armados ou ações que tivessem ou pudessem levar à morte de quem quer que seja. A própria Justiça Militar - as auditorias, o STM e até o STF - em todos os processos que foram movidos contra mim, comprovaram tal fato. Os autos respectivos documentam isso. Ao contrário dos heróis e homenageados pelo senhor Bolsonaro que, durante a ditadura e depois dela, tiveram suas mãos manchadas do nosso sangue – militantes brasileiros e brasileiras – pelas torturas e assassinatos cometidos contra nós.

O manifesto de Bolsonaro em Dallas

Por Luís Nassif, no Jornal GGN:

Era previsível o lance de Jair Bolsonaro, conclamando suas milícias digitais a enfrentar as instituições. Ontem mesmo previmos esse movimento. Aliás, não há nada de mais previsível que Jair Bolsonaro, justamente por sua incapacidade de planejar qualquer movimento.

Aliás, o mesmo ocorre com seu guru Olavo de Carvalho. Ambos se assemelham a boxeadores que lutam de cabeça baixa distribuindo murros a granel. Como deu certo até agora, devido a imbecilização coletiva do país, continuaram acreditando no seu toque de Midas-reverso – que transforma em merda tudo o que tocam – até toparem pela frente com o muro da realidade.

Bolsonaro é pior do que Jânio Quadros

Por Ricardo Kotscho, em seu blog:

No dia 29 de dezembro de 2018, três dias antes da posse de Bolsonaro, escrevi uma coluna na página 2 da Folha com este título:

“Vem aí outro Jânio Quadros?”.

Diante do desastre ferroviário do governo Bolsonaro, como diria Mino Carta, em menos de cinco meses já tem muita gente comparando estes dois presidentes, mas isso é injusto.

Jânio também tinha jeito de maluco, mas era professor, um homem culto.

Antes ser de eleito presidente, foi prefeito e governador de São Paulo e, em seu governo, contou com ministros muito competentes e respeitados.

Carla Zambelli e sua turma de monarquistas

Por João Filho, no site The Intercept-Brasil:

Em 1993, Jô Soares entrevistou Bertrand Maria José Pio Januário Miguel Gabriel Rafael Gonzaga de Orléans e Bragança, mais conhecido como “Dom” Bertrand, o príncipe imperial brasileiro que lidera um movimento que pretende reinstaurar a monarquia no país. O trineto de Dom Pedro II passou a entrevista enfileirando uma série de deturpações históricas: o Brasil não foi explorado por Portugal - “absolutamente não” -, monarquias africanas não são monarquias, não existe racismo no Brasil e a escravidão aqui foi muito menor do que em outros países. O príncipe também apelou para o fantasma do comunismo para justificar a ligação da família real com a Tradição, Família e Propriedade, a TFP, e o golpe de 1964. Bertrand também lançou mão de um delírio que hoje está na moda: “Não há nenhuma diferença essencial entre nazismo e comunismo”.

sábado, 18 de maio de 2019

Bolsonaro assume opção pelo golpe de Estado

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

Sempre que se imagina o fim precoce do governo Jair Bolsonaro, convém recordar as opções legais para isso acontecer.

Para a renúncia, é preciso aguardar pela concordância do principal interessado.

Para a apresentação e aprovação de um pedido de impeachment, é preciso contar com uma maioria parlamentar de dois terços, sem falar na indispensável concordância do Judiciário.

Essas condições mostram que a queda de Bolsonaro, mesmo que seja vista como uma necessidade para interromper um processo selvagem de auto-destruição do país, está longe de ser uma opção simples e fácil.

Envolve reações e contra-reações, num processo que mobiliza forças e interesses de envergadura, internos e externos.

Joice Hasselmann nocauteia Carla Zambelli

Por Joaquim de Carvalho, no Diário do Centro do Mundo:

A Globo sabe que colocar duas mulheres brigando em novela levanta a audiência. Em “Deus Salve o Rei”, a troca de tapas e puxões de cabelo entre as personagens de Bruna Marquezine e Marina Ruy Barbosa foi o pico de audiência do folhetim. Mas, na briga entre as deputadas do PSL Joice Hasselmann e Carla Zambelli, não é essa característica de gênero que tem despertado a atenção na rede social, embora a divergência entre elas pareça estar próxima de uma luta corporal na lama.

Bolsonaro pode buscar saída à Jânio Quadros

Do blog Viomundo:

"Ou seja, quem deveria nos governar compartilhou um textão do Facebook escrito por um candidato a vereador pelo partido Novo que afirma que o Brasil é ingovernável e recomenda a venda dos ativos do país (“SELL”). E tem gente que ainda acha que ele é patriota”. Laura Carvalho, economista, no twitter.

O jornalista e historiador Rodrigo Vianna testou hipóteses hoje em sua conta no twitter.

O teste de hipóteses é uma teoria do jornalismo desenvolvida pelo hoje chefão da TV Globo, Ali Kamel.

Surgiu diante da repercussão, nos blogs de esquerda, da desinformação plantada pela grande imprensa quando um avião da TAM se acidentou em São Paulo, no aeroporto de Congonhas.

Servil aos EUA e desrespeitoso com o Brasil

Editorial do site Vermelho:

Foi-se o tempo em que o Brasil, na pessoa de seu presidente da República, era homenageado no mundo - trazendo grande orgulho para os brasileiros, numa época em que o Brasil, ciente e zeloso de sua soberania e independência, desempenhava papel ativo na diplomacia mundial. O tempo em que, num encontro do G20 (que reúne os países mais ricos e influentes do planeta), realizada em Londres (Inglaterra) o então presidente dos EUA, Barack Obama, chamou Lula de "o cara" - ele disse, literalmente: "I love this guy". Isso ocorreu há exatos dez anos, em abril de 2009.

O esquema criminoso de Flávio Bolsonaro

Por Jeferson Miola, em seu blog:

O MP e o judiciário do RJ fizeram aquilo que a Lava Jato, coordenada por Deltan Dallagnol, deliberadamente deixou de fazer: investigar com isenção e profissionalismo o esquema de corrupção, desvio de dinheiro público, lavagem de dinheiro, enriquecimento ilícito e organização criminosa do Flávio Bolsonaro na política.

É preciso recordar que Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz figuravam no relatório do COAF que identificou movimentações financeiras atípicas de deputados estaduais, assessores parlamentares e agentes públicos do Rio de Janeiro.

Sob o império do grosseiro e do obsceno

Por Leonardo Boff, em seu blog:

Se há algo a lamentar profundamente hoje em dia nas redes sociais de nosso país é o império da grosseria e da obscenidade.

Essa metáfora já foi usada por outros: parece que as portas e as janelas do inferno se abriram de par em par. Daí saíram os demônios das ofensas pessoais, das injúrias, dos fake news, das mentiras, das calúnias e de toda sorte de palavras de baixíssimo calão. Nem precisaria Freud ter chamado a atenção ao fato de que há pessoas com fixação anal, usando palavras escatológicas e metáforas ligadas a perversões sexuais, pois as encontramos frequentemente nos twitters, nos facebooks, nos youtubes e em outros canais.

A solidão furiosa do ex-capitão

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

Nunca antes na história deste país um presidente da República, com menos de cinco meses de governo, chegou a um estado de isolamento tão grande quanto o que está se desenhando para Jair Bolsonaro.

Um presidente da República, em geral, quanto mais esbraveja mais sinaliza a sua fraqueza. E Bolsonaro enfraquece tanto quanto engrossa o caldo.

Olavo de Carvalho, espertamente, anuncia que vai afastar-se da política, o MBL de Kataguiri diz que não tem nada com isso e, nos últimos dias, creio que só o coitado do turista japonês foi o único “não-bolsominion” a tirar selfie com Jair.

Bolsonaro entra em estado terminal no 15M

Por Renato Rovai, em seu blog:

Depois da CPI que levou ao impeachment de Fernando Collor o jornalismo político cunhou como tese implacável a frase: você não sabe como uma CPI começa, mas sabe como termina. Como se todas levassem um governo à breca. FHC fugiu das CPIs como o diabo da cruz. Lula as enfrentou e terminou seu segundo governo com 87% de ótimo e bom.

Digo isso para registrar que toda regra tem exceção, mas a lógica diz que um governo não se sustenta muito tempo quando entra em fogo cruzado. Mesmo que ainda não esteja vivendo uma CPI.

O retorno dos militares ao meio ambiente

Por Caio de Freitas Paes, no jornal Le Monde Diplomatique-Brasil:

Passados cinco meses desde o início do seu mandato, Jair Bolsonaro está mais à vontade para atentar contra o meio ambiente brasileiro. No dia 29 de abril, durante um grande encontro do agronegócio em Ribeirão Preto, ele admitiu que uma das principais metas de seu governo é “fazer a limpa” nas duas principais autarquias ambientais do país: o Ibama e o ICMBio, subordinadas ao Ministério do Meio Ambiente, sob comando de Ricardo Salles.

Em outra declaração ainda mais perigosa, Bolsonaro se comprometeu com a criação de uma lei que pode isentar fazendeiros que atirem em “invasores”. São discursos inflamáveis em um país que já brinca com fogo, dada a elevada pressão sobre movimentos sociais e povos tradicionais – como indígenas e quilombolas.

Michelle Bolsonaro volta à linha de tiro

Por André Barrocal, na revista CartaCapital:

Jair Bolsonaro tem adoração pela esposa 27 anos mais jovem. Fez questão que a primeira-dama estivesse a seu lado ao tentar receber na marra, na quinta-feira, 16, no Texas, um prêmio de “homem do ano” que lhe foi dado por certa entidade americana. Quando o nome de Michelle apareceu, em dezembro, como receptora de 24 mil reais depositados em sua conta pelo ex-PM Fabrício Queiroz, amigo do clã Bolsonaro, o ex-capitão perdeu o chão. Saiu do sério, ficou muito preocupado, segundo contou à época, em uma conversa a portas fechadas, um advogado que era do time de defensores do atual presidente. Imagine-se o transtorno de Bolsonaro agora que o Ministério Público (MP) do Estado do Rio faz uma devassa financeira na família Queiroz, em um caso que tem tudo para transformar em inferno a vida do primogênito do presidente, Flávio, senador pelo Rio.