quarta-feira, 20 de junho de 2018

Rádios comunitárias querem mais potência

Por Carlos Pompe, no site da Contee:

A Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal realizou nesta terça-feira, 19, audiência pública para debater 'A atual situação das rádios comunitárias no Brasil e as medidas necessárias para o fortalecimento do setor'. Renata Mielli, coordenadora-geral do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC, da qual a Contee faz parte) afirmou que o espectro das rádios é público, estatal e privado “e a União deveria ser guardiã da participação pública”.

Censura prévia do TSE é ridículo mundial

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

Acabo de participar, na Câmara de Deputados, de uma audiência sobre fake news, uma iniciativa bastante oportuna do deputado Hildo Rocha (MDB-MA).

A palavra oportuna se justifica por uma razão óbvia.

Num momento no qual o ministro Luiz Fux, do TSE, anuncia o projeto de criar um conselho para monitorar a divulgação de notícias pela internet, identificar notícias falsas e exigir que sejam retiradas de sites, portais e blogues, o debate real é outro.

Envolve a defesa do artigo 5/IX da Constituição brasileira, onde se diz que "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença."

As crianças encarceradas nos EUA

Por Amanda Holpuch, no site Outras Palavras:

Um mês antes de Donald Trump promulgar uma política que permite a seu governo tirar milhares de crianças migrantes de seus pais, o presidente disse duas vezes a multidões, em seus comícios, que membros de gangues de imigrantes não eram pessoas. “Eles são animais”, afirmou em maio. No último fim de semana, surgiram vídeos e fotos dos centros de detenção, semelhantes a gaiolas, onde crianças, separadas de seus pais, estão abrigadas.

STF impõe nova derrota à Lava-Jato de Moro

Por Ricardo Kotscho, em seu blog:

A República de Curitiba comandada por Sergio Moro, que reinava absoluta sem dar satisfações a ninguém, fazendo as suas próprias leis, foi novamente derrotada pelo Supremo Tribunal Federal, como já havia acontecido na semana passada com a proibição das conduções coercitivas.

Quatro anos após o início da Lava Jato, que não deixou pedra sobre pedra no sistema político e na economia nacional, o STF impôs novo revés aos métodos nada republicanos adotados pela força-tarefa do juiz de primeira instância de Curitiba.

A "cessão onerosa" da Petrobras

Por Haroldo Lima, no Blog do Renato:

A Câmara Federal vê-se às voltas com uma votação crucial, a que autoriza à Petrobras transferir a “terceiros” áreas altamente prolíferas que ela recebeu da União em condições excepcionalmente vantajosas simplesmente por ser uma estatal brasileira.

Sobre o assunto quero dar um testemunho, especialmente para meus ex-colegas parlamentares, com os quais, em épocas passadas, convivi por vinte anos.

Após 4 anos de ataques, Gleisi é absolvida

Do blog Socialista Morena:

Desde que se tornou presidenta do PT, a senadora Gleisi Hoffmann virou alvo do tiroteio midiático-policial da operação Lava-Jato. A situação piorou quando Gleisi ganhou protagonismo ao assumir a defesa de Lula e marcar presença quase diária no acampamento próximo à Superintendência da PF em Curitiba, onde o ex-presidente está preso. Seu estranhamente célere julgamento pelo STF (Supremo Tribunal Federal) parecia fechar o cerco em torno da senadora. Mas nesta terça-feira Gleisi e seu marido, o ex-ministro do Planejamento Paulo Bernardo, foram absolvidos das acusações de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e de caixa 2 eleitoral.

A pressa incomum dos privatistas

Por Tereza Cruvinel, no Jornal do Brasil:

Um governo em final de mandato – noves fora o déficit de legitimidade e a impopularidade – e uma Câmara que em breve submeterá aos eleitores a recondução de seus integrantes, deviam ter o bom senso de não tentar aprovar agora, no apagar das luzes, de afogadilho e sem debate, um projeto como o que permite à Petrobras vender até 70% de suas reservas onerosas do pré-sal.

A empresa tem exclusividade sobre elas e está proibida de transferi-las.

A sessão entrou pela noite com a oposição obstruindo a proposta.

Antipetistas de velas na mão

Por Marcos Coimbra, na revista CartaCapital:

A semana começou mal para os adversários de Lula e do PT. Foram dormir esperançosos no sábado, como as crianças que acham que vão ganhar presentes de Papai Noel na manhã do Natal. Que decepção! Receberam péssimas notícias no dia seguinte, com os números do último Datafolha.

Os antipetistas relacionam-se de maneira curiosa com o Datafolha, a empresa de pesquisas da Folha de S.Paulo. Talvez por saber que o jornal compartilha as suas preferências, sempre imaginam que os resultados de novos levantamentos do instituto serão “bons”, isto é, iguais ao que pensam. Às vezes, no entanto, se desapontam.

STF inocenta Gleisi Hoffmann


Em sessão da Segunda Turma que atravessou toda a tarde desta terça-feira (19) e entrou noite adentro, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal, por maioria, absolveu a senadora Gleisi Hoffmann (PT-SP) da acusação de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e caixa 2. Por 3 votos a 2, o colegiado absolveu Gleisi de todas as acusações. De corrupção, Gleisi foi inocentada por unanimidade.

O relator Edson Fachin e o decano Celso de Mello votaram pela desclassificação do crime de corrupção passiva para falsidade ideológica eleitoral (caixa 2). Ou seja, Mello e Fachin absolveram Gleisi de corrupção e lavagem de dinheiro, mas condenaram por caixa 2.

Intelectuais convocam Festival Lula Livre

Do blog Nocaute:

Pedir a imediata libertação de Luís Inácio Lula da Silva não significa apenas um gesto de solidariedade ao mais popular presidente deste nosso país.

Significa também um gesto de solidariedade a todos nós, brasileiros e brasileiras. Um gesto de exigência para que se respeite a Justiça, pilar básico de qualquer sistema minimamente democrático.

O caso de Luís Inácio Lula da Sila tem um simbolismo único na história recente do nosso país.

A sinuca de bico de 2018

Por Ricardo Gebrim, no jornal Brasil de Fato:

A imagem da sinuca de bico expressa os momentos que aparentam não ter saída. Como analogia usamos a situação em que a bola branca toca ou se aproxima do canto da mesa, impedindo que o jogador atinja outra bola.

É esta situação que define o nosso desafio diante das eleições de 2018. A oportunidade para impor uma derrota ao golpe. Porém, não estamos diante de um simples golpe, nem mesmo da reprodução do mesmo modelo implantado em 1964.

Querem instalar um modelo político de longo curso, imune à novas tentativas de enfrentamento institucional, como as que se deram com o ciclo de governos progressistas em nosso continente.

Censura do Facebook é denunciada na Câmara

Por Julinho Bittencourt, na revista Fórum:

O editor da Fórum, Renato Rovai, foi convidado a participar, na manhã desta terça-feira (19), de debate na Comissão Geral, no plenário da Câmara dos Deputados, sobre notícias falsas ou fake news. Na ocasião, Rovai lembrou o caso do terço do Papa trazido por Juan Grabois ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, onde a Fórum, o Brasil 247 e o DCM foram acusados de fake news pela Agência Lupa.

Os fios do complô contra a Nicarágua

Por Francisco Arias Fernández, no blog Resistência:

Em 2016 ou talvez antes, voltaram a ser escutadas, desde Miami, ameaças de guerra contra a Nicarágua, quando as ruas das cidades dessa nação eram exemplo regional de segurança, paz e prosperidade, onde um povo muito laborioso e pacífico mostrava orgulhoso os avanços socioeconômicos dos últimos anos de governo sandinista, que tinha conseguido a concórdia nacional depois dos piores experimentos bélicos dos Estados Unidos na América Central.

terça-feira, 19 de junho de 2018

Temer torra reservas para conter dólar

Do site Vermelho:

O economista Márcio Pochmann tem usado o twitter para apontar os retrocessos provocados pelo projeto neoliberal em curso. Nesta segunda (18), ele denunciou que o governo de Michel Temer está torrando as reservas brasileiras para segurar a cotação do dólar.

“Não fosse a herança benigna dos governos do PT, o Brasil estaria como a Argentina. Até agora a equipe econômica do "sonho do mercado financeiro" já usou 7% das reservas externas. Somente na semana passada, o dólar valorizou-se em 5%, apesar do BC ter gasto R$75 bilhões”, escreveu, em mais uma manhã em que o dólar abriu em alta.

Moro se recusa a investigar governo tucano

Por Matheus Tancredo Toledo, no site da Fundação Perseu Abramo:

O juiz de primeira instância Sergio Moro, responsável por julgar os casos da “força-tarefa” da Operação Lava Jato em Curitiba, abriu mão de julgar denúncias envolvendo tucanos do estado do Paraná. Alegando “dificuldades para processamento em tempo razoável” devido aos casos envolvendo a Petrobras e a empreiteira Odebrecht, Moro não julgará o ex-assessor da Casa-Civil do governo Beto Richa (PSDB).

Trump separa crianças dos pais nos EUA

Ilustração: Daniel Murphy/Cartoon Movement
Por Bruno Falci e Maíra Santafé, no site Jornalistas Livres:

Desde que a administração Trump anunciou o combate total à imigração, quase duas mil crianças latino-americanas foram separadas dos seus pais e enjauladas em uma espécie de campo de concentração. Durante dias foram proibidas as visitas de jornalistas. Mantiveram essas crianças em completo isolamento, sujeitas a abusos de autoridades fronteiriças.

A luta contra a privatização das refinarias

Do site da FUP:

A Federação Única dos Petroleiros ajuizou ação no Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro, nesta segunda-feira (18), questionando a privatização das refinarias Landulpho Alves (RLAM), Abreu e Lima (RNEST), Alberto Pasqualini (REFAP) e Presidente Getúlio Vargas (REPAR), já anunciada pela Petrobrás, em abril deste ano, como “oportunidades de desinvestimento referentes à alienação de sua participação em refino e logística”, nomeando os pacotes de entrega como cluster Nordeste e cluster Sul, que juntos representam quase 40% de toda a capacidade de refino do Brasil. Destes, a empresa pretende vender 60% de sua participação acionária em cada uma.

O escárnio processual atinge Gleisi Hoffmann

Por Gisele Cittadino e Carol Proner, no site Carta Maior:

O Brasil do futuro vai lamentar profundamente a forma com que travou o “combate à corrupção sistêmica”, uma perda de oportunidade histórica de fazer as coisas dentro dos marcos legais e aprofundar o processo democrático. Para além dos espetáculos midiáticos, da tutela judicial da democracia e da clara perseguição a uns e proteção a outros, o futuro econômico e empresarial do país foi transformado em terra arrasada pela Lava Jato, segundo pesquisas que demonstram o impacto direto da operação na retração do PIB em 2,5% e nos três milhões de desempregados no setor industrial e da construção civil.

O jogo político das 'fake news'

Por Luis Nassif, no Jornal GGN:

A história da fake news que dobrou o Facebook para que instituísse a censura política em suas páginas. E as ligações desse episódio com as eleições brasileiras de 2018, capítulo importante e até agora não revelado das disputas políticas globais.

O fenômeno das agências de checagem é um capítulo a mais na disputa que se trava hoje, em torno da globalização versus projetos nacionais.

Peça 1 – a desorganização do mercado de opinião

Havia um modelo de mídia instalado, com os grupos tradicionais disciplinando o mercado de opinião, sistematizando uma opinião pública já incluída e invisibilizando vozes dissonantes.

Novo “dia de cão” no mercado financeiro?

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

O dólar começa o pregão com alta de 1%, mesmo com a promessa do BC de colocar, só esta manhã, perto de US$ 3 bilhões em operações compromissadas em moeda americana e em swaps cambiais.

A Bolsa, com sinal inverso, perde quase 1%, pressionada pelas perdas superiores a 3% da Petrobras e de quase 4% da Vale, onde a queda do preço do minério de ferro, provocada pela ameaça de Trump de taxar as exportações de aço chineses caíram como uma bomba.