quinta-feira, 22 de agosto de 2019

Sobre política, distração e destruição

Por Silvio Almeida 

O atual governo tem 3 núcleos:

1. O ideológico-diversionista. Serve apenas para manter o moral da “tropa” em alta, dando representatividade e acomodação psicológica a quem realmente acredita que o Brasil é socialista, que existe ideologia de gênero ou que a terra é plana. Serve também para causar indignação e tristeza nos “progressistas” e, assim, desviar a atenção das questões centrais manejadas pelos núcleos 2 e, especialmente, pelo 3.

EBC: privatizar ou presentear?

Por Tereza Cruvinel

A lista das empresas que o ministro Paulo Guedes quer privatizar ainda este ano é uma salada mista e mal misturada, que não resiste a um escrutínio severo sobre as razões do governo para se livrar de tais ativos e transferi-los ao setor privado.

Algumas delas não desenvolvem atividade econômica propriamente dita, o que as torna desprovidas de interesse para os investidores.

É o caso da Engea e da ABGF, que depois comentarei.

Outras, se vendidas, deixarão o Estado desarmado em áreas cruciais, como informatização e tecnologia digital. É o caso da Dataprev e do Serpro. Mas quero falar mais é da EBC - Empresa Brasil de Comunicação, que só pode ter sido colocada ali para ser presenteada a alguém.

Como deter Bolsonaro?

O "bloqueio total" de Trump à Venezuela

A boca incendiária de Bolsonaro acusa ONGs

Por Fernando Brito, em seu blog:



Nos velhos humorísticos, Ofélia, a mulher de Fernandinho, “só abria a boca quando tinha certeza”, o que não a impedia de falar bobagens a três por quatro.

O sr. Jair Bolsonaro fala bobagens em escala planetária mas, ao contrário de Ofélia, protege sua irresponsabilidade dizendo que “não pode provar nada”.

Hoje, para arranjar culpados pela escalada de queimadas que está devastando o país, saiu-se com a história de que isso poderia ser uma “vingança das ONGs” que perderam repasses federais para seus projetos.

Crise capitalista mundial e tendências

Por Nilson Araújo de Souza, no site da Fundação Maurício Grabois:

Quando falamos em crise hoje, o que vem à memória, de imediato, é a grande recessão de 2007-2009 que, como sabemos, foi deflagrada nos Estados Unidos pela implosão da bolha hipoteco-imobiliária alavancada pelos chamados títulos subprime, pelos títulos podres, títulos tóxicos.

E que títulos eram esses? Eram hipotecas ruins. Os bancos refinanciaram os imóveis das famílias, garantindo-se com a emissão de hipotecas, mas as famílias não tinham salário suficiente para cobrir este refinanciamento, bancar a cobertura da hipoteca depois. Daí que eram chamadas de subprime essas hipotecas impagáveis. E por que, apesar disso, os bancos refinanciavam os imóveis? Por duas razões: 1) porque podiam emitir derivativos com base nessas hipotecas e vender para terceiros; 2) porque, se o cliente não pagava a hipoteca, tomavam os imóveis dados em garantia. Foi a implosão dessa bolha hipoteco-imobiliária que deflagrou a crise.

O que está em jogo no acordo Mercosul-UE

Privatização e o diálogo de Machado de Assis

Editorial do site Vermelho:

Não se pode falar em desenvolvimento e soberania nacional sem desprivatizar o Estado, distinguindo claramente o público do privado e demarcando bem o espectro de ação de ambos. A isso se dá o nome de projeto de nação, algo que a Constituição de 1988 estabeleceu com certa nitidez. Esse conceito se formou com os êxitos dos ciclos que impulsionaram o país, dotando-o de um nível médio de desenvolvimento industrial e tecnológico, sobretudo o deflagrado pela Revolução liderada por Getúlio Vargas em 1930.

Bolsonaro já fala em reeleição

"Dia do Fogo" e a destruição ambiental

Mídia erra ao comparar Lula e Bolsonaro

Brasil está virando um grande México

Bolsonaro sabe quem coloca fogo na floresta

quarta-feira, 21 de agosto de 2019

Globo mente para igualar Lula e Bolsonaro

Portugal, o novo alvo da extrema-direita

Manifestação organizada pela Frente Unitária Antifascista contra
a conferência neonazi em Lisboa,10 de agosto de 2019
Por Boaventura de Sousa Santos, no site Outras Palavras:

Vários acontecimentos recentes têm revelado sinais cada vez mais perturbadores de que o internacionalismo de extrema-direita está transformando Portugal num alvo estratégico. Entre eles, saliento a tentativa recente de alguns intelectuais de jogar a cartada do ódio racial para testar as divisões da direita e da esquerda e assim influenciar a agenda política; a reunião internacional de partidos de extrema-direita em Lisboa e a simultânea greve do recém-criado Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas.

Sociedade e jornalismo se movimentam

Por Laurindo Lalo Leal, na Rede Brasil Atual:

De um lado da Avenida Paulista, próximas às grades do Parque Trianon, duas fileiras de soldados do batalhão de choque da Policia Militar, com seus indefectíveis escudos e cassetetes intimidavam, como sempre, os que ali passavam. Do outro lado, junto ao Masp um caminhão de som ampliava as vozes dos que discursavam contra o atual governo e suas barbaridades. No meio, com as pistas da avenida fechada para veículos, entre os manifestantes destacava-se um grupo de cerca de 10 pessoas portando crachás da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Eram integrantes da Comissão de Direitos Humanos da Seccional de São Paulo da Ordem dos Advogados do Brasil.

Quem é essa OAB?

Por Cezar Britto, no site Congresso em Foco:

O presidente da República, Jair Bolsonaro, lançou ao público a pergunta título deste artigo, acrescentando mais uma: Qual a intenção da OAB? No seu estilo autoritário e descompromissado com a verdade, carregou nas indagações o pacote de maldades que tem caracterizado o seu mandato, desta vez em perigoso flerte com o crime de responsabilidade. É que, querendo intimidar o atual presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a própria Casa da Advocacia, o governante de plantão confessou saber do cometimento de graves crimes contra a humanidade - tortura, assassinato e desaparecimento forçado de Fernando Santa Cruz, pai do mandatário da OAB - sem adotar qualquer medida para apuração dos delitos e permitir que uma família possa enterrar com dignidade o ente querido.

Mídia tenta comparar bolsonarismo e esquerda

Por Bepe Damasco, em seu blog:

Certas avaliações ouvidas e lidas no oligopólio da mídia sobre o período de trevas que vivemos no Brasil, embora aparentemente críticas ao autoritarismo crescente e à disseminação do ódio, são marcadas por um vício de origem: a mentira. Pôr no mesmo saco o fascismo e a esquerda acaba sendo uma envergonhada maneira de apoiar o que há de pior e mais nefasto na política. Senão vejamos:

1- O clima de Fla-Flu, com a sociedade polarizada e radicalizada de parte a parte, está matando a democracia e corroendo a convivência entre as pessoas.


"Capitão motosserra" e os focos de incêndio

Por Ricardo Kotscho, em seu blog:

Vamos parar com essa conversa mole de que os incêndios na floresta são provocados por bitucas de cigarro jogados na beira da estrada, por algum descuido ou acidente.

Nada disso: trata-se apenas do cumprimento de mais uma promessa de campanha do “Capitão Motosserra” (assim ele se autodenominou), transformada em projeto de governo, como escreveu hoje Gregorio Duvivier em sua coluna na Folha (“Queimar era um prazer”).

Resultado: já foram contabilizados 72.843 focos de incêndio nos oito meses de governo Bolsonaro.

O Brasil está pegando fogo, com a Amazônia queimando para transformar a maior floresta do mundo em pasto do agronegócio bolsonariano.

Aliados ativos contra o desemprego

Por João Guilherme Vargas Netto

Alguém que lê os jornais preocupado com a situação dos trabalhadores é bombardeado todo dia com as notícias mais aterradoras.

Nas televisões aparecem costumeiramente as multidões que enfrentam filas quilométricas em busca de escassos empregos.

Os comentaristas e colunistas nos veículos nem parecem se preocupar com isso. A mídia grande está anestesiada com o drama social do desemprego e quando o registra trata-o como o novo normal.

E, no entanto, este é o verdadeiro grande problema conjuntural e a permanência do desemprego alto vai desorganizando ainda mais a vida em sociedade: aumento da miséria, aumento da desigualdade, aumento da criminalidade, aumento das doenças e do desespero, decadência do movimento sindical.

Traição em Itaipu requer impeachment

Por Leonardo Wexell Severo

“Quando se tem um presidente da República que pode ser extorquido por outro presidente para seus negócios pessoais, como você se sentiria? O que dizer diante do seu presidente flagrado numa atitude de entrega e servilismo? Que sensação teria diante de tamanha manifestação de antipatriotismo, como demonstrou Mario Abdo Benítez?”, questionou a senadora paraguaia Esperanza Martínez, em entrevista exclusiva a Leonardo Wexell Severo, da Hora do Povo. Líder da bancada da Frente Guazú no Senado, a ex-ministra da Saúde do governo de Fernando Lugo defendeu o impeachment de Marito e a mobilização em defesa da represa de Itaipu como patrimônio público, denunciou o objetivo de privatização da Eletrobrás e da Administração Nacional de Eletricidade (ANDE) e assinalou que “por trás de duas figuras como Bolsonaro e Mario Abdo estamos falando de grupos econômicos muito poderosos, de capitais transnacionais, dos quais provavelmente sejam simplesmente a fachada”. Para Esperanza, é fundamental a solidariedade para se contrapor a “estas cúpulas econômicas mafiosas transnacionais que vêm se apoderar das nossas riquezas”.

O apagão ambiental de Bolsonaro

Por Gilberto Maringoni

A noite precoce desta segunda-feira jogou a questão ambiental - algo propagado como exotismo neohippie - na cara de todos, como uma bofetada.

O Brasil viveu neste 19 de agosto seu apagão ambiental. É uma tragédia ainda mais dramática que o apagão energético de 11 de março de 1999, quando 18 estados ficaram no escuro.

A grande São Paulo conheceu a escuridão a partir do meio de uma tarde cinzenta e chuvosa.

Fumaças de incêndios florestais do Norte e do Centro-oeste cobriram um pedaço do Sudeste com a fuligem de um país em combustão.

Não comemore Witzel, trabalhe!

Por Jandira Feghali

O Rio viveu ontem mais uma tragédia destas que envergonham e entristecem qualquer brasileiro. Um rapaz de 20 anos com transtornos psiquiátricos sequestra um ônibus com 37 trabalhadores que madrugam na Região Metropolitana. O fim de Willian Augusto, amplamente noticiado, não é novidade a esta altura. Ouvi especialistas em segurança pública sobre esta tragédia para chegar a uma opinião bem embasada.

Deputada da Espanha detona Bolsonaro

Por Antonio Barbosa Filho, de Berlim

Maria Dantas é brasileira, radicada há 25 anos em Barcelona, e como jurista atua nos movimentos sociais da Catalunha, o que a levou a ser eleita no começo deste ano para o Congresso da Espanha, em Madri (cargo equivalente ao deputado federal, no Brasil). Além de sua atuação na região catalã, ela sempre lutou junto aos movimentos de brasileiros contra o golpe de 2016 e contra o Fascismo no Brasil, com destaque para a bandeira "Lula Livre".

Durante o recente encontro da Fibra - Frente Internacional de Brasileiros contra o Golpe -, em Berlim, ela concedeu esta entrevista exclusiva:


Itaipu: a perda de outro Pré-Sal

Por Marcelo Zero

O recente escândalo da tentativa de corrupção embutida na Ata negociada entre Brasil e Paraguai sobre a energia contratada em Itaipu está sendo solenemente ignorado em nosso país.

No Paraguai, o escândalo provocou a queda do ministro das Relações Exteriores, entre outras autoridades, e até a ameaça de juicio político (impeachment) do presidente Mario Abdo.

Já foi instalada CPI para investigar o caso. Não se fala de outra coisa.

Aqui, órgãos de controle e a grande imprensa fazem cara de paisagem, mesmo constatando-se que as denúncias tiveram como base mensagens trocadas por altas autoridades paraguaias, inclusive o vice-presidente Velásquez.

terça-feira, 20 de agosto de 2019

Marxismo cultural é idiotia fascista

Por Tarso Genro, no site Sul-21:

“A liberdade tem leis; e se essas leis não são externamente impostas, só podem ser auto-impostas. Este é o conceito possível de liberdade; ele designa a liberdade como `autonomia´, ou a propriedade dos seres racionais de legislarem para si próprios”(…). Para Kant, o mais coerente teórico do liberalismo político, há justiça na sociedade “quando nela cada um tem a liberdade de fazer o que quiser, contanto que não interfira na liberdade dos demais”. (R.Castro de Almeida, Os Clássicos da Política, Ed. Ática).

A máxima de Kant é a base teórica do funcionamento do Estado de Direito: obediência à lei “autoimposta” pela consciência de quem vive na comunidade, com a premissa de que a liberdade de uns não pode ofender ou interferir na liberdade dos outros. Estes conceitos, que a partir do iluminismo passam a ser filtrados -reorganizados e recompostos- nos sistema legais modernos, vão se apresentando na história com linhagens mais (ou menos) conservadoras, mais ou “menos sociais”. Eles não foram fundados pelo marxismo nem pelo socialismo, mas iluminaram o desenvolvimento democrático-parlamentar do capitalismo e, mais tarde, conflituaram com uma certa visão mais dogmática do marxismo, que depreciava da democracia política como elemento constitutivo para uma nova e boa sociedade.

Michelle, Bolsonaro e a metáfora do crime

Por Jeferson Miola, em seu blog:                               

A reportagem da revista Veja com revelações espantosas sobre o histórico criminal da família da primeira-dama Michelle Bolsonaro é uma metáfora perfeita do crime no poder. É a imagem de um país destroçado e comandado pela cultura e pela lógica do crime e dos esquemas milicianos.

Não bastasse a coleção de casos escabrosos que seguem sem a devida apuração – sumiço do Queiroz, laranjal do PSL, Adélio Bispo, tráfico internacional de cocaína em avião presidencial, traficante de armas e assassino da Marielle vizinho de condomínio do Bolsonaro – o país é ainda aturdido com informações sobre os antecedentes criminais da família da primeira-dama.

Conhecendo-se os vínculos do Bolsonaro com o Escritório do Crime, com o submundo das milícias e com o porão do sistema, é impossível imaginar uma união matrimonial dele com alguém com atributos familiares diferentes dos da Michelle.

"Reforma" de Bolsonaro aumenta a pobreza

Lula preso e a democracia ferida

Por Dilma Rousseff, em seu site:

Um poema do pastor Martin Niemöller, que inspirou Bertolt Brecht e Eduardo Alves da Costa, tornou-se símbolo da crítica à indiferença diante do nazismo. Nos momentos históricos em que valores estão em jogo, a indiferença torna-se dramática e leva ao caos. Valeu para a Alemanha dos anos 1930, vale hoje.

“Quando os nazistas levaram os comunistas, eu calei-me,
porque, afinal, eu não era comunista.
Quando eles prenderam os sociais-democratas, eu calei-me,
porque, afinal, eu não era social-democrata.
Quando eles levaram os sindicalistas, eu não protestei,
porque, afinal, eu não era sindicalista.
Quando levaram os judeus, eu não protestei,
porque, afinal, eu não era judeu.
Quando eles me levaram, não havia mais quem protestasse.”



Bolsonaro ameaça ser a praga do agronegócio

Por Fernando Brito, em seu blog:

Os agroboys bolsonaristas que se cuidem.

Nélson de Sá, na Folha de hoje, mostra os estragos dos coices ambientais de Jair Bolsonaro.

Dois dos principais veículos de comunicação alemães, o Der Spiegel e Die Zeit fazem uma verdadeira conclamação por sanções comerciais contra o Brasil, por conta do desmatamento da Amazônia.

“É hora de sanções contra o Brasil”, diz a revista, enquanto o jornal sugere que “é preciso apertar onde dói”, ou seja, nos negócios com a Alemanha.

Michelle Bolsonaro e a esquerda namastê

Por Leandro Fortes, na revista Fórum:

Como a esquerda namastê já está se coçando para despejar chuvas de compaixão e sororidade sobre os ombros sofridos de Michelle Bolsonaro, vale lembrar que essa senhora, antes de tudo, é casada com um doente que apoia a tortura, o assassinato como política de segurança pública e é, declaradamente, misógino e racista.

Michelle inaugurou-se como primeira-dama fazendo aquela pantomima em libras, na porta do Palácio do Planalto, coisa linda de Deus, não tivesse sido o prenúncio da extinção, pelo marido, da secretaria que cuidada da educação de deficientes auditivos, no Ministério da Educação.

Salvini e a “nova” ultradireita europeia

Por Matteo Pucciarelli, no jornal Le Monde Diplomatique-Brasil:

A Itália tem um novo homem forte. Na opinião de muita gente, até um novo salvador. Em Roma, o verdadeiro chefe do governo não é o presidente do Conselho, Giuseppe Conte, nem o vencedor das últimas eleições gerais, o líder do Movimento Cinco Estrelas (M5S), Luigi Di Maio. O verdadeiro chefe do governo é o ministro do Interior, Matteo Salvini. É como se, de um dia para o outro, um obscuro vereador de Milão, militante de longa data da formação separatista Liga Norte, tivesse se tornado a personalidade mais poderosa do país. Em suas mãos, um partido que parecia uma relíquia transformou-se no principal agente da política italiana e talvez europeia.

"Ô Moro, que time é teu?"

Por Fábio Palácio, no site da Fundação Maurício Grabois:

“Vai fazer um troca-troca?”. A piada infame com que, durante uma de suas lives, o presidente Jair Bolsonaro constrangeu seu próprio ministro da Justiça, Sérgio Moro, é mais reveladora do que pode parecer. Ela diz muito do atual momento de nossa estropiada vida política.

Não se trata apenas de constatar que estacionamos sob a égide do mau gosto, do preconceito e da falta de urbanidade. Embora tudo isso seja verdadeiro, há muito mais a ser dito. Outros sentidos, menos visíveis, jazem sob a insólita provocação lançada por Bolsonaro contra um dos homens fortes de seu governo.

Acostumamo-nos a classificar o atual presidente como outsider, termo utilizado na arena eleitoral para designar candidatos não oriundos da política partidária, ou que tentam se viabilizar por fora dela. Esquecemos que, apesar dessa narrativa bem difundida, Bolsonaro é um político tradicional, com passagem de quase trinta anos pelo Parlamento, período no qual desenvolveu - sem qualquer nesga de brilhantismo, é verdade - sete mandatos de deputado federal, após ter sido também vereador no Rio de Janeiro.

Escândalo de Itaipu ronda os Bolsonaro

Por Thais Reis Oliveira, na revista CartaCapital:

Em 12 de março, quando Mario Abdo Benítez veio ao Brasil a convite de Jair Bolsonaro, ninguém poderia imaginar que aquela reunião seria a centelha de uma crise que hoje incendeia o Paraguai e pode custar o cargo do presidente direitista antes mesmo de ele completar um ano no poder. Os dois encontraram-se em Brasília. Primeiro a sós e, em seguida, cercados por representantes diplomáticos dos respectivos países. Um dos temas na mesa era justamente a revisão de termos do tratado da Usina Hidrelétrica de Itaipu. À época, segundo a declaração conjunta divulgada pelo Itamaraty no dia seguinte à reunião, os presidente concordaram em manter o “espírito de entendimento construtivo” que marcara até ali a relação entre os dois países. O tempo mostrou, porém, não ter sido bem assim.

Niterói: quem comemora a morte?

Governador do Rio comemora a morte do sequestrador
Imagem capturada do youtube
Por Jordana Pereira, no site da Fundação Perseu Abramo:

O homem armado – que até agora não foi identificado – sequestrou um ônibus com 37 pessoas na ponte Rio-Niterói, na manhã do dia 20 de agosto. O caso mobilizou a polícia, agentes públicos do governo do Rio de Janeiro, o governador Wilson Witzel e grande parte da imprensa.

Depois de 3h30 de sequestro, o homem foi morto por tiros disparados por um atirador de elite da PM. O criminoso estava armado com uma pistola falsa, uma faca, um taser (eletrochoque) e também ameaçou atear fogo no veículo com um galão de gasolina.

Os escravagistas do século XXI

Por Marcelo Barros, no jornal Brasil de Fato:

No DNA de todos os caminhos espirituais está a vocação humana para a liberdade. Para se acolher o Espírito Divino no mais profundo de nossas vidas, todos temos de procurar permanentemente sermos livres. Mesmo com imensas contradições e ambiguidades, todas as religiões têm em sua natureza a missão de colaborar para que se organize uma sociedade de pessoas libertadas. Infelizmente, nem sempre as religiões foram fieis a essa orientação. No passado e mesmo nos dias atuais, muitas têm sido coniventes com situações de opressão, injustiças e violência.

Lava-Jato ignorou mutreta de Paulo Guedes

Da Rede Brasil Atual:

Durante a pré-campanha presidencial de Jair Bolsonaro, a Operação Lava Jato descobriu que uma empresa do atual ministro da Economia, Paulo Guedes, havia realizado pagamento a um escritório de fachada, suspeito de lavar dinheiro para um esquema de distribuição de propinas a agentes públicos no governo do Paraná. Entretanto, quando o Ministério Público Federal (MPF) apresentou a denúncia sobre o caso, em abril, não incluiu Guedes ou outros representantes da empresa.

500 dias de injustiça contra Lula

segunda-feira, 19 de agosto de 2019

A mídia e os 500 dias da prisão de Lula

Nunca houve um idiota tão completo no poder

Por Leandro Fortes, no blog Viomundo:

O fato é que não há como ignorar Bolsonaro.

Obviamente, não por conta de ele ser presidente ou emanar alguma autoridade: nunca, na história desse País, tivemos um idiota tão completo no poder.

A questão é mais sensorial do que, digamos, realista.

Na trapaça mais recente, Bozo estampou aquela carona avermelhada nas telas de toda parte para dizer que, no governo, o PT colocou 10 mil médicos cubanos, no Brasil, para montar células de guerrilha, deduz-se, comunista.

Ele está cercado, sempre, de uma entourage que dá risadinhas e gritinhos histéricos, um séquito de imbecis motivados.

A reação à Lei de Abuso de Autoridade

Por João Filho, no site The Intercept-Brasil:

A lei de abuso de autoridade em vigor no Brasil foi promulgada em 1965, um ano após o golpe militar. Mas o projeto de lei foi escrito 11 anos antes, durante o governo do presidente eleito Juscelino Kubitschek. O mundo respirava os ares da fundação da ONU e da Declaração Universal dos Direitos Humanos, criados na década anterior. O autor da lei foi o deputado udenista Bilac Pinto, que na década seguinte apoiaria o golpe e se tornaria juiz do Supremo Tribunal Federal durante o regime militar. Apesar das credenciais reacionárias do autor, a lei era boa e visava conter a violência policial, principalmente no interior do país. Com a chegada dos militares, virou apenas um quadro na parede.

"Papai, por que estão todos contra nós"?

Por Ricardo Kotscho, em seu blog:

Brasília tem um anão falastrão que se esconde debaixo das mesas dos palácios para ouvir as conversas das excelências e depois sai contando tudo, desde o tempo em que trabalhei no Palácio do Planalto.

Fazia tempo que não o encontrava, e ele foi logo perguntando:

- E aí, chefia? Tá sabendo do almoço de domingo da família no Alvorada?

- Não, há muito tempo não vou a Brasília. O que houve?

- Rapaz, o negócio foi pesado, quase se pegaram a tapa. Não fosse a primeira dama aquilo ia acabar na delegacia…

Eduardo Bolsonaro e o seu hambúrguer

Por Marcelo Zero

A indicação do filho do presidente da república, Eduardo Bolsonaro, a embaixador em Washington, o posto diplomático no exterior mais importante da nossa diplomacia, constitui-se em escândalo inédito em toda história do Brasil e nos iguala a ditaduras medievais, como a Arábia Saudita, nas quais os cargos públicos são propriedade privada das famílias no poder.

Embora o absurdo de nomear o próprio filho para cargo tão relevante seja óbvio num país que tem corpo diplomático tão profissional e preparado, elencamos aqui algumas razões pelas quais o filho do presidente não pode ser embaixador. 


A contribuição de Maria da Conceição Tavares

Por Fernando Nogueira da Costa, no site Brasil Debate:

Ao (re)fazer uma leitura da influência das ideias econômicas e sociais latino-americanas na formação teórica de Conceição Tavares, percebemos sua inserção diferenciada no debate público brasileiro. Não foram poucas as contribuições teóricas do estruturalismo ao pensamento de Conceição Tavares. Começando pelo método histórico-estrutural de análise, passando pelo desafio do desenvolvimento econômico na periferia, atingiu:

1.o repúdio à visão de automatismos do mercado para se percorrer a via do desenvolvimento,

2.a ideia de estilo distinto de desenvolvimento em economia periférica, e

3.o papel das empresas transnacionais na dinâmica do sistema capitalista mundial.

A história apertou o passo

Por Joaquim Ernesto Palhares, no site Carta Maior:

A história apertou o passo em nosso país nos últimos dias.

As contradições que a impulsionam estão longe de serem resolvidas e as forças democráticas e progressistas não estão suficientemente fortes para direcionar o seu curso.

Mas o tabuleiro político se mexeu.

E o fez de forma a ampliar os espaços da luta pela construção de uma verdadeira democracia social no Brasil.

A derrota fragorosa de Maurício Macri nas primárias argentinas soou o alarme também no Brasil.

O repúdio maciço do eleitor do país vizinho a uma receita antissocial e antinacional de Estado precificou o governo Bolsonaro aqui.

O que falta para a justiça punir Dallagnol?

Guedes resolveu interferir na Argentina

Quando o capitalismo naufragou

O crime organizado poderá controlar o país

domingo, 18 de agosto de 2019

Exército corta recrutas. Brasil paralisado!

Por Altamiro Borges

Em matéria assinada pela jornalista Tânia Monteiro, o site UOL informou nesse sábado (17) que o Exército – um dos principais sustentáculos do laranjal de Jair Bolsonaro – teve parte de seus recursos cortados e deve dispensar “pelo menos 25 mil dos 80 mil recrutas no início de outubro, antecipando a primeira baixa, que estava prevista para dezembro. Caso não haja descongelamento de verbas, ele ainda prevê reduzir operações militares e cortar expediente dos que ficarem”. Uma tragédia para os generais que bancaram o “capetão”!

‘Famosos’ se arrependem do apoio a Bolsonaro

Por Altamiro Borges

A edição da revista Veja desta semana traz uma curiosa reportagem sobre “as celebridades arrependidas pelo apoio a Bolsonaro”. Assinada pela repórter Mariana Zylberkan, a matéria lista alguns “famosos” da mídia que já desembarcaram do jet-ski tresloucado do “capetão” – entre eles, o “humorista” Danilo Gentili, o “roqueiro” Lobão e o músico Fagner. “Desiludidos”, eles passaram a fazer críticas ao presidente e viraram alvo da fúria dos bolsominions. Após ajudarem a chocar o ovo da serpente fascista – a exemplo da asquerosa Veja –, eles agora temem por suas vidas.

Bolsonaro, Doria e Witzel: brucutus no poder

Por Fernando Brito, em seu blog:

O Globo publica hoje uma “coletânea” dos desaforos, agressões e xingamentos presidenciais. É obra alentada, mas não importa o grau da baixaria, nada mais surpreende no ex-capitão, exceto o fato de temo-lo na Presidência da República.

Grosseiro, primário, preconceituoso, simplista, incompetente, autoritário, nepotista, desumano, insensível, sabujo, seriam necessárias páginas para listar defeitos e deformações da figura presidencial. O fato é que estas “qualidades” sempre foram as dele e, portanto, seu poder não se construiu sozinho.

O entorpecimento do Brasil

Por Sérgio Amadeu, na revista Fórum:

Entorpecimento.

Essa é a palavra correta para descrever a sociedade brasileira diante da tragédia que vive.


A cada dia, o grupo neoliberal, comandado por um investidor sujo que queria ser reconhecido como um economista, o tal Paulo Guedes, desfere um ataque ao patrimônio público brasileiro. Os banqueiros aplaudem, a família Marinho comemora e lamenta a deselegância do atual governo, mas reconhece sua eficiência em desmontar o Estado.

Hoje, li em diversos sites que o CNPq irá cortar 84 mil bolsas. Os Bolsominions comemoram. Escrevem: acabou a mamata para os vagabundos.

Milícias de Bolsonaro ameaçam instituições

Por Marcos Coimbra, na revista CartaCapital:

O ex-capitão Bolsonaro não é um político normal. Não por ser “espontâneo” e “franco”, como alguns afirmam, comparando-o ao estereótipo do político tradicional e enxergando uma qualidade em sua anormalidade.

Normais, ao longo de sua vida e na Presidência, foram José Sarney, Fernando Collor, Itamar Franco, Fernando Henrique, Lula, Dilma e até Michel Temer, cada um à sua maneira e apesar de suas diferenças. Podemos não admirar nenhum deles e ter forte rejeição a vários, mas os sete foram normais e fizeram a carreira com base em princípios democráticos.

Bolsonaro é o "maestro do ódio"


“Num instante em que a nossa história está sendo escrita com palavras, gestos e atos sobre a supremacia da violência, é mais do que urgente que abramos a Constituição Federal e lermos quais são os direitos humanos individuais e sociais que estão sendo violados de maneira orquestrada, sob a batuta do maestro do ódio, que tudo faz para desgovernar”, afirmou – sem citar o nome do presidente da República – o advogado e ex-secretário José Carlos Dias, presidente da Comissão Arns de Direitos Humanos, logo na abertura da chamada Mesa Nacional de Diálogo contra a Violência. O evento, realizado hoje (15) na sede da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), em Brasília, reuniu diversas entidades para discutir como enfrentar o momento político adverso, representado pelo governo de Jair Bolsonaro. “Sinto que a sociedade se estrutura em defesa da democracia“, disse Dias. O vice-presidente da Ordem, Luiz Viana, foi o anfitrião do encontro.

O ditador, sua “obra” e o senhor Guedes

Por José Luís Fiori, no site Outras Palavras:

Bem antes das urnas eletrônicas, o Brasil viu um rinoceronte
conquistar 100 mil votos e um chimpanzé chegar aos 400 mil.
Nasceu assim, em 1959, o voto de protesto,
que colocou o rinoceronte Cacareco como vereador de São Paulo.
Anos depois, em 1988, o Macaco Tião
ficou em terceiro na disputa pela prefeitura do Rio de Janeiro
Último Segundo, IG São Paulo, 21/09/2014


É comum entre os economistas neoliberais elogiar o Chile e considerá-lo um modelo econômico que deve ser imitado. Mais do que isto, no Brasil do capitão Bolsonaro, é costume elogiar a ditadura do general Augusto Pinochet (1973-1990), que concedeu um poder quase absoluto a um grupo de jovens economistas – liderados pelo superministro Sergio de Castro – para aplicar, ainda na década de 70, o primeiro grande “choque neoliberal” do mundo. Este transformou o Chile num verdadeiro “laboratório de experimentação” e numa espécie de “modelo de exportação” e propaganda das políticas e reformas liberais defendidas pela “Escola de Chicago”, que era o templo mundial do ultraliberalismo econômico naquela época. No entanto, a verdadeira história dessa “experiência econômica” chilena costuma ser falsificada, para induzir uma comparação que é inteiramente espúria, e um engodo que é inteiramente ideológico. Senão vejamos, ainda que de forma extremamente sintética, alguns dados importantes dessa história, começando por algumas informações mais elementares, porém indispensáveis para quem se proponha a fazer comparações entre economias e entre países.

Lava-Jato violava sigilo fiscal ilegalmente

Do jornal Brasil de Fato:

Reportagem publicada pela Folha de S. Paulo, em parceria com o site The Intercept Brasil, neste domingo (18) revela novos trechos de conversas de Telegram dos procuradores da Lava Jato, desta vez numa empreitada obsessiva por incriminar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva obtendo ilegalmente dados sigilosos da Receita Federal.

Sem autorização da Justiça o coordenador da força-tarefa, Deltan Dallagnol, e outros procuradores quebravam informalmente o sigilo fiscal de cidadãos de modo simples. Por meio do Telegram, acionavam o informante Roberto Leonel, então a cargo da área de inteligência da Receita Federal em Curitiba.

Brasil em risco após a eleição de Bolsonaro

Por Matheus Tancredo Toledo, na revista Teoria e Debate:

Qual país saiu das urnas após as eleições de 2018? Qual Brasil restará após o governo do presidente Jair Bolsonaro, que demonstra apreço cada vez maior pelo autoritarismo, por valores excludentes e por um país sem diversidade cultural, étnica, política, religiosa e social? O livro Democracia em Risco – 22 Ensaios sobre o Brasil Hoje, idealizado às vésperas do segundo turno das eleições presidenciais de 2018, traz como desafio responder essas perguntas, por meio de 22 artigos escritos por intelectuais, escritores e escritoras, pensadores e pensadoras da sociedade e da política brasileira.

Fake news: as armas do inimigo

Por Aldo Jofré Osório, no site Vermelho:

Se eu perguntar com o que você relaciona as fake news, seguramente em algum momento sua cabeça fará a ligação com a ultradireita, seja por Donald Trump, Jair Bolsonaro, Vox, J. J. Rendón, Durán Barba, etc. Pois bem, se isto é assim, diante do cenário atual em que nos encontramos, é porque funcionam! Então, por que existem setores político que tem resistência em trabalhar com elas? Para responder esta pregunta, vou contar uma história.

Monstrengo financeiro continua engordando

Foto: Cezar Xavier
Por Cezar Xavier, no site da Fundação Maurício Grabois:

 colóquio realizado pela Fundação Maurício Grabois, na sede do PCdoB, em São Paulo, no dia 23 de julho, terça-feira, perguntou: A grande crise de 2008 foi superada? Os economistas e estudiosos que debateram o tema foram Nilson Araújo, Renildo Souza, Lécio Morais e A. Sérgio Barroso.

Em seu comentário às palestras de Nilson e Renildo, Barroso, médico, doutorando em doutor em Desenvolvimento Econômico (Unicamp), também membro do Comitê Central do PCdoB, fez uma defesa no estudo de Marx da lei tendencial da queda da taxa de lucros, de O Capital. Diante de questionamentos filológicos, a partir de manuscritos originais, ele achou importante ressaltar o papel brilhante de Engels na organização das ideias de Marx para esta polêmica questão, que é considerado por muitos, fundamental para a compreensão das crises cíclicas do capitalismo. 

A fortuna do “office boy do desmatamento”

Por Altamiro Borges

Na semana retrasada, Ricardo Salles, o sinistro do Meio Ambiente, deixou uma audiência pública na Câmara Federal escoltado por policiais após violento bate-boca com deputados. Ele foi acusado por Nilto Tatto (PT-SP) de ser um “office boy” do desmatamento. Irritado, o ministro metido a valentão – que fundou a exótica seita Endireita Brasil – pediu respeito, antes de deixar o recinto. “Não admito que o senhor me trate desse jeito. Eu não sou office boy de coisa nenhuma”. Ele também fez questão de defender os barões do agronegócio, negando qualquer interesse particular nessa atitude militante.

sábado, 17 de agosto de 2019

Grana e poder tensionam PSL de Bolsonaro

Por Altamiro Borges

A expulsão do deputado-pornô Alexandre Frota azedou o clima no PSL – também já apelidado de “Partido Só de Laranjas”. A abrupta decisão confirmou que a sigla de aluguel é controlada pelo “capetão” Jair Bolsonaro e por seus filhotes e milicianos. Quem discordar ou fizer qualquer crítica será fuzilado sem dó nem piedade. Como desabafou o deputado federal Júnior Bozzella (PSL-SP), a punição foi assustadora. “O sistema é bruto. Para aqueles que não estão acostumados, ou a pessoa surta ou aguenta calada. E o Frota surtou. É uma pena, é um amigo. Acho que a grande maioria da bancada do partido não gostou da decisão”.

Bolsonaro causa balbúrdia na Polícia Federal

Por Altamiro Borges

O jornalista Guilherme Amado, da revista Época, foi um dos primeiros a alertar para o clima de balbúrdia que cresce no laranjal do “capetão” – e não nas universidades, como alardeia o “sinistro” babaca da Educação. Ele postou na noite de sexta-feira (16): “A crise vivida entre Jair Bolsonaro e a cúpula da Polícia Federal é inédita na história recente do país. A direção da Polícia Federal ameaçou fazer uma renúncia coletiva caso Bolsonaro insistisse em interferir na nomeação do superintendente no Rio de Janeiro... Diante do recuo presidencial, o clima acalmou”. Mas não se sabe até quando.

Europa debate retrocessos no Brasil

Por Antonio Barbosa Filho, direto de Berlim (Alemanha)

No painel que abriu os trabalhos do II Encontro da Fibra - Frente Internacional de Brasileiros contra o Golpe -, a brasileira que elegeu-se pela região da Catalunha para o Congresso dos Deputados da Espanha, Maria Dantas, afirmou que para lutar contra o fascismo é preciso lutar igualmente contra o racismo e o machismo.

"O Fascismo se alimenta do racismo, no Brasil e em qualquer parte do mundo, inclusive na Espanha. O VOX, partido espanhol que não apenas defende a ditadura de Franco como se diz uma nova Cavalaria Templária medieval, elegeu apenas três vereadores na Catalunha, numa cidade onde 82% dos eleitores são imigrantes negros. Ou seja: os fascistas aproveitam-se dos mais excluídos para implantar seu discurso de ódio e fazer com que as pessoas votem contra si próprias. Isso ocorreu no Brasil, mas é prática geral da extrema-direita", afirmou a deputada.
 

Meta de Bolsonaro é implantar a tirania

Nunca mais eu vou dormir!

Dallagnol arrombou as portas da república

O que está acontecendo na Amazônia?

Aproxima-se a hora da verdade de Bolsonaro

A derrota dos neoliberais na Argentina

Entrevista completa de Lula na TVE Bahia

Crise na Polícia Federal. E agora, Moro?

Aécio Neves será expulso do PSDB por Doria

Por Altamiro Borges

A jornalista Andréia Sadi, que conhece bem a famiglia tucana, informou nessa sexta-feira (16) no site G1, do Grupo Globo, que o PSDB deverá abrir um processo de expulsão contra o deputado mineiro Aécio Neves, ex-presidente da sigla e um dos responsáveis pelo recente estupro da democracia brasileira – que resultou no golpe do impeachment de Dilma Rousseff, na chegada ao poder da quadrilha de Michel Temer e na ascensão do fascismo no país, com a vitória eleitoral do miliciano Jair Messias Bolsonaro em outubro do ano passado.

sexta-feira, 16 de agosto de 2019

Bolsonaro atira no jatinho de Luciano Huck

Por Altamiro Borges

O vaidoso e rancoroso Jair Bolsonaro está em guerra. E não é apenas contra os comunistas, a “esquerdalha” e a “petralhada”. Ele agora dispara até contra seus fanáticos seguidores do passado – como o deputado-pornô Alexandre Frota, recém-expulso do PSL – ou aliados com potencial de concorrentes, como o governador João Doria (PSDB-SP). O “capetão”, que afirma dormir com uma arma debaixo do travesseiro, enxerga inimigos por todos os cantos. Nessa semana, ele decidiu abater o apresentador global Luciano Huck.

“Bolsonaro é um idiota ingrato”, detona Frota

Por Altamiro Borges

Expulso do PSL por ordem direta de Jair Bolsonaro, o deputado-pornô Alexandre Frota está magoado com o seu ex-mito. Logo após ser defenestrado, ele postou um vídeo na internet criticando o cinismo e a ingratidão do presidente. Pouco antes, o “capetão” disse em entrevista à imprensa que desconhecia o parlamentar. Com seu risinho cínico, debochou: “Quem é Alexandre Frota? Sei nem quem é esse”.

Argentina indica esgotamento da 'lawfare'

Por Bepe Damasco, em seu blog: 

Vítima de uma perseguição política, judicial e midiática que lembra à sofrida por Lula, Cristina Kirchner, ex-presidente da Argentina, certamente estaria presa caso não fosse senadora da República e desfrutasse de imunidades parlamentares.

Não faltou empenho para atingir esse objetivo por parte do Moro de lá, o juiz Claudio Bonado, que chegou a pedir mais de uma vez a prisão de Cristina, apelando inclusive ao Senado do país vizinho para que suspendesse as prerrogativas da senadora, o que não aconteceu devido à sólida maioria kirchnerista na Casa.

A desconstituição do projeto nacional

Por Roberto Amaral, em seu blog:

No plano político, o avanço do autoritarismo; no econômico, a desconstituição do projeto de desenvolvimento nacional com autonomia. Como pano de fundo a crise institucional, o conflito, agora não mais surdo, entre os Poderes, prenunciando uma temida instabilidade do regime, em cuja direção forcejam aquelas forças, inclusive militares, ainda hoje inconformadas com a redemocratização de 1988 e o pacto político que a viabilizou.

Bolsonaro: crise de governabilidade à vista

Por Antônio Augusto de Queiroz, na revista Teoria e Debate:

Qualquer governante, para converter seu programa de governo em políticas públicas em benefício da população, precisa de três condições: capacidade financeira (recursos), capacidade institucional e instrumental (eficiência da máquina pública, mecanismos de regulação e controle) e capacidade operacional (interação com a sociedade, com a política, inclusive com outros poderes, e com o mercado).

O governo Bolsonaro – com sua visão de mundo fundamentalista, seu estilo reativo, confrontador e voluntarista, combinado com o conteúdo polêmico das políticas que adota – tende a falhar, em maior ou menor escala, em cada uma dessas dimensões, senão vejamos.