quarta-feira, 20 de março de 2019

Bolsonaro despenca. Como o fascista reagirá?

Por Altamiro Borges

Pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira (20) confirma uma acelerada queda de popularidade do presidente Jair Bolsonaro. Em menos de três meses, o “capetão” já perdeu 15 pontos de prestígio na sociedade. A proporção de quem considera a sua gestão ótima ou boa despencou de 49% em janeiro para 34% em março. Esse índice vexatório equivale à taxa do odiado José Sarney em março de 1987, quando já tinham decorridos dois anos de mandato do primeiro presidente civil depois do fim da ditadura militar.

Bolsonaro e Moro visitam CIA e FBI

Capitalização destrói a Previdência Social

Bolsonaro e a morte como política

Por Marcelo Semer, na revista Cult:

Há um ano atrás, quando a vereadora Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes foram cruelmente assassinados, a campanha presidencial já estava a todo vapor. Os pretendentes ao Planalto cuidaram de manifestar solidariedade e indignação com o bárbaro crime. Exceto o então deputado Jair Bolsonaro, que preferiu o silêncio, sob o pretexto de que uma manifestação sua seria “muito polêmica”.

A guerra da mídia contra as milícias

Por Gabriel Rocha Gaspar, no site Jornalistas Livres:

A mídia liberal declarou guerra ao bolsonarismo com a cobertura da prisão dos assassinos da Marielle. E é uma guerra que a mídia dificilmente tem condições de ganhar.

Essa cobertura pode decretar o fim da mídia como conhecemos e pavimentar o caminho de um estado policialesco fascista de verdade. Uma guerra aberta Mídia x Milícias será feia de ver. E talvez a mídia não esteja levando em conta que o império está com as milícias. Não existe mais império liberal. Se a Globo, por exemplo, conta com uma aura de liberalismo vindo ao resgate, vai dar ruim.

Quem se indigna com o terrorismo de direita?

Por Patrícia Soares, na revista CartaCapital:

O massacre na mesquita na Nova Zelândia, na sexta feira, 15, deixou um saldo de 50 mortos e dezenas de feridos. Todos muçulmanos. Um dos atiradores, Brenton Tarrant, de 28 anos, esteve em 2016 nos campos de refugiados da Palestina como agente infiltrado, mercenário a serviço de Israel. Também participou de reuniões de extrema-direita na Europa.

A mídia sempre classifica os muçulmanos, de forma indiscriminada, como terroristas. Agora tem sido obrigada a mostrar que, na verdade, eles são os maiores alvos dos terroristas.

A morte do Brasil na viagem de Bolsonaro

Por Marcelo Zero

O presidente John Kennedy costumava dizer que “a política doméstica pode apenas nos derrotar, mas a política externa pode nos matar”.

De fato, pode.

Kennedy estava se referindo, é claro, à possibilidade de que estratégias erradas em política externa levassem os EUA a uma guerra nuclear.

Mas há outras maneiras de um país se matar, além da guerra.

Uma delas, talvez a mais comum, é perder de vista seus interesses próprios e passar a defender interesses de outro país, ou melhor, de um outro governo.

Mortes em Suzano e o preço do ódio

Por Joan Edesson de Oliveira, no site Vermelho:

Suzano nos incomoda. A morte do outro deve sempre nos incomodar, especialmente quando se trata de jovens, de crianças, cujo ciclo ainda estava longe de se completar. Quando a morte é bárbara como agora, nosso incômodo é maior. Ficamos tentando entender aquilo que parece inexplicável.

Sou educador, trabalho há três décadas com escolas. Perdi muitos alunos ao longo desse período, muitos mais do que eu gostaria. Tive alunos ainda jovens vítimas de câncer, de acidente automobilístico, mortos pela polícia, pelo tráfico.

Imprensa e Bolsonaro: divórcio apressado

Por Laurindo Lalo Leal Filho, na Rede Brasil Atual:

Desta vez o namoro entre parte da mídia e o governo acabou mais cedo. Não completou três meses. Restam alguns encontros fortuitos que só se mantêm por conta da esperança comum de acabar com a Previdência. Só por isso.

Em 1964, o divórcio demorou mais tempo para acontecer. Os meios de comunicação em conjunto, com as raras exceções da Última Hora e de alguns jornais menores, fizeram campanha aberta e cerrada para o golpe. O “Basta” na manchete do Correio da Manhã na véspera da queda do presidente João Goulart e a “Restaurada a democracia” na capa do O Globo no dia seguinte são exemplos emblemáticos da fúria golpista.

Capitalização ou taxação da riqueza?

Por Jeferson Miola, em seu blog:             

O ataque destrutivo do governo Bolsonaro aos direitos previdenciários não tem como objetivo ajustar o sistema de aposentadorias e pensões às mudanças demográficas, tecnológicas e laborais que ocorreram nas últimas décadas no Brasil.

Paulo Guedes, o especulador assentado no Ministério da Economia, deixou claro que o objetivo primordial da PEC 6/2019 é substituir o sistema vigente, de repartição simples, baseado na solidariedade intergeracional e sustentado por toda sociedade por meio de impostos, taxas e contribuições, pelo regime de capitalização individual [artigo 201 da PEC], que no médio prazo pode desviar os R$ 350 bilhões anuais das contribuições de empregadores e trabalhadores para a especulação financeira.

Bolsonaro nos EUA: Acabou o Brasil?

Por Ricardo Kotscho, em seu blog:

“Estamos anestesiados com tanta bizarrice e tolerando o intolerável, o absurdo” (Eduardo Moreira, economista).

Uma onda de vergonha e indignação tomou conta das redes sociais desde o início da visita da trupe de Jair Bolsonaro aos Estados Unidos.

São tantas as ofensas grosseiras e agressões ao povo brasileiro, à nossa história como país independente, que as pessoas já não sabem mais nem o que dizer. Nem eu.

A impressão que dá é de vivermos o fim dos tempos e nada mais nos resta a fazer. Acabou o brasil?

Brasil ficou menor e mais pobre após visita

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

A permanente troca de sorrisos entre Jair Bolonaro e Donald Trump, no final de uma visita de dois dias do presidente brasileiro a Washington, está destinada a se tornar o símbolo de um dos grandes retrocessos da diplomacia brasileira.

"Alguém tinha de ceder," disse Bolsonaro quando deixava a Casa Branca. Ao assumir a retórica da auto-generosidade, típica de quem tenta exibir ares de superioridade para acobertar negociações desvantajosas para os interesses do país que deveria representar, Bolsonaro resumiu a sentido da visita.

Zuckerberg está tentando te enganar – de novo

Por Sam Biddle, no site The Intercept-Brasil:

Se você procurar bem, vai encontrar no site da Saudi Aramco – a maior produtora de petróleo do mundo – uma discreta página intitulada “Enfrentando o desafio do clima”. Ali, a gigante dos combustíveis fósseis afirma: “Nossas contribuições para o desafio do clima são uma expressão concreta de nosso ethos, balizada pelas políticas da companhia, e de uma conduta empresarial que enfrenta o desafio do clima.” Palavras vazias, é claro – assim como o anúncio feito por Mark Zuckerberg na quarta-feira (6) sobre sua nova “visão das redes sociais com foco na privacidade”. Não nos deixemos enganar por nenhum dos dois.

terça-feira, 19 de março de 2019

A submissão explícita de Bolsonaro aos EUA

Jogo de empurra com vítimas de Brumadinho

Trump vai atacar a Venezuela de Alcântara

Nos EUA, Bolsonaro lambe botas

No site da Fundação Perseu Abramo:

Em pouco mais de 48 horas de visita a Washington, Bolsonaro envergonhou os brasileiros, rifou o país, contrariou a Carta Magna brasileira, assinou acordos já rejeitados pelo Congresso e feriu a soberania nacional.

Jair Bolsonaro desembarcou na tarde de domingo, 17 de março, em Washington, e participou de um jantar na residência do embaixador brasileiro, Sérgio Amaral, com autoridades americanas, com o ex-estrategista da campanha de Trump, Steve Bannon, e o escritor Olavo de Carvalho. Na manhã de segunda feira, realizou uma suspeitíssima visita à CIA, fora da agenda.

Petismo e antipetismo no Brasil atual

Por Marcos Coimbra, no site Carta Maior:

Há pouco menos que vinte anos, Duda Mendonça, o mais importante profissional de comunicação eleitoral brasileiro, propôs uma formulação simples para a discussão das identidades políticas no País: “No Brasil, em cada três pessoas, uma é petista, a segunda é antipetista e a terceira é neutra, não sendo nem uma coisa, nem outra”.

Em outubro passado, nas vésperas da eleição que Bolsonaro venceria, uma pesquisa do instituto Vox Populi perguntou aos entrevistados como se sentiam em relação ao PT. Uma proporção de 10% respondeu que “detestava o PT” e outros 19% disseram que “não gostavam do PT, mas não chegavam a odiá-lo”. Do outro lado, 8% afirmaram que “eram petistas” e 21% que “gostavam do PT, mas não se sentiam petistas”. Entre os restantes, 38% disseram que “não gostavam, nem desgostavam do PT” e 2% não responderam. As primeiras cinco opções de resposta foram lidas aos entrevistados.

A perseguição judicial na universidade

Do site Brasil Debate:

Em nota pública, a recém-formada Associação Brasileira de Economistas pela Democracia (ABED) repudia a criminalização do uso das fundações universitárias e a infundada condenação do ex-reitor da UFRJ, professor Carlos Levi.

Nota pública

A Associação Brasileira de Economistas pela Democracia (ABED) vem a público externar sua indignação quanto à condenação em primeira instância, no dia 28 de fevereiro de 2019, do ex-reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) professor Carlos Antônio Levi da Conceição à pena de quatro anos e oito meses de prisão por suposto crime de peculato. A justiça considerou criminosa a autorização dada pelo professor, quando no exercício do mandato de reitor, do pagamento de taxa de administração de 5% – de um montante total de aproximadamente R$ 40 milhões doados pelo Banco do Brasil à universidade entre 2007 e 2010 – à Fundação José Bonifácio (FUJB).



Mourão não é saída

Por Roberto Amaral, em seu blog:

Em novo improviso (complementar ao tuíte escatológico), o capitão-presidente, falando no Rio de Janeiro a uma plateia de fardados, saiu-se com esta: “(….) E isso, democracia e liberdade, só existem (sic) quando a sua respectiva força armada assim o quer” (O Estado de SP, 8/3/19).

Nada a estranhar, tratando-se o orador de quem é.

Estranhável e lamentável é que tenha recebido o apoio do general Hamilton Mourão (tido como agente moderador, ou “adulto”, na trupe palaciana, e sucessor presuntivo do capitão) e a bênção do general Augusto Heleno, de quem até aqui era justo esperar mais comedimento e menos afoiteza.

STF paga o preço da cumplicidade com Moro

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

É patético ver Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal, enquanto legiões de “mínions” sacodem faixas desmoralizantes para o Judiciário, dizer que “não é a ação de heróis que resolve os problemas do Estado, mas as instituições”.

Tudo o que está acontecendo em nosso país deriva justamente do fato de a mídia e a omissão do Judiciário terem permitido que se construísse um “herói”, o justiceiro Sérgio Moro, acima das leis e das instituições, com o objetivo planejado, executado e finalmente concluído de afastar Lula do processo eleitoral que, de outra forma, venceria.

Nova Zelândia na contramão de Bolsonaro

Arte: Ruby Jones
Do blog Socialista Morena:

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, anunciou nesta segunda-feira que o governo vai propor uma reforma tornando mais rígidas as leis sobre posse de armas no país. Segundo ela, a iniciativa tem apoio dos três partidos da coalizão governista: Partido Trabalhista da Nova Zelândia, Primeiro Partido da Nova Zelândia e Partido Verde.

A proposta ocorre após o ataque a duas mesquitas em Christchurch, no qual 50 pessoas morreram e outras 50 ficaram feridas. O governo prepara um memorial nacional em homenagem às vítimas. “Dez dias após esse terrível ato de terrorismo, já teremos anunciado reformas que vão tornar nossa comunidade mais segura”, disse a primeira-ministra.

A "reforma" da Previdência de Bolsonaro

Por Manoel Dias 

O recém-empossado governo de Jair Bolsonaro apresenta à sociedade brasileira a sua “reforma da Previdência” seguindo os ditames da ideologia da escola de Chicago, onde o ultraliberalismo é fator determinante no pensamento.

Outra característica singular da reforma é que a mesma demonstra o descortinar das intenções não pronunciadas até o momento: a tomada da aposentadoria do povo brasileiro e a entrega ao sistema financeiro, isto é, aos bancos, que exigem altos lucros nesta reforma perversa.

segunda-feira, 18 de março de 2019

Brasil nada ganha com subordinação aos EUA

Por Gilberto Maringoni, no site Observatório de Política Externa Brasileira:

Diplomata aposentado, o Conselheiro Aires viveu seus últimos anos no Rio de Janeiro da virada do século XIX. Era um membro da elite ilustrada e personagem de dois livros de Machado de Assis, Esau e Jacó (1904) e Memorial de Aires (1908). São as últimas obras do autor e representam seu auge estético e literário. Machado se tornara um mestre da narrativa direta e hábil construtor de figuras humanas.

As lembranças de Aires em Esaú e Jacó remontam a década de 1870, ponto alto do Império. Ao longo do livro, ele conta cheio de mistérios a história de uma encantadora sevilhana que conhecera quando secretário na legação diplomática em Caracas. Em suas andanças preguiçosas pelo centro do Rio, na velhice, Aires desfia tempos idos:

Os sete pecados capitais da Lava-Jato

Por Paulo Pimenta, na revista CartaCapital:

A fome insaciável de poder, metáfora para a GULA no campo da política, foi o que fez ruir o castelo de areia da República de Curitiba. Ao tentarem se apropriar, para fins evidentemente políticos, de R$ 2,5 bilhões da Petrobras, empresa pública de caráter estratégico para a economia e a soberania do Brasil, os agentes públicos da operação Lava Jato cruzaram de vez a linha que os impedia de quebrar não apenas leis, mas também padrões morais.

Fake news sobre o golpe da Previdência

Por Eduardo Marques, no blog Viomundo:

Como sempre acontece de tempos em tempos, a reforma da Previdência Social aparece como elemento fundamental para a retomada do crescimento econômico do Brasil. Estamos vivendo novamente este momento.

Esta discussão ocorre porque os governos apresentam a Previdência Social como um sistema deficitário, ou seja, as fontes de receitas existentes não conseguiriam pagar as aposentadorias, pensões e benefícios vigentes.

Sendo deficitária, a Previdência Social demandaria recursos adicionais do Orçamento Público Geral da União, recursos estes que poderiam ser destinados para outras ações importantes, sobretudo nos investimentos em infra-estrutura.

Bannon se junta a Olavo para fritar Mourão

Por Kiko Nogueira, no blog Diário do Centro do Mundo:

A BBC Brasil deu matéria sobre o jantar em torno de Olavo de Carvalho nos EUA.

Sim, eu escrevi direito. O centro do convescote era o Ermitão da Virgínia e não o presidente do Brasil.

Chegamos a um ponto em que o vice está sendo fritado em praça pública por agentes estrangeiros.

Olavo tem como porta-voz Steve Bannon, estrategista-chefe afastado do governo Trump e atual articulador de uma onda de líderes populistas de direita pelo mundo chamada Movimento.

EUA: império pontilhado, global e invisível

Por Tanner Howard, no site Vermelho:

O desenho dos Estados Unidos é uma forma familiar. É uma imagem conhecida em todo o mundo, para o bem e para o mal; a expansão para o oeste definiu formalmente o continente americano com a incorporação do Arizona e do Novo México em 1912.

Mas como o historiador Daniel Immerwahr argumenta em seu livro "Como ocultar um império", esse mapa familiar mais esconde que revela. Naturalmente, esse mapa omite seus dois estados mais recentes, Alasca e Havaí, localizados a centenas de quilômetros do continente. Mas também exclui colônias duradouras, como Porto Rico e Guam, e as inúmeras bases militares, territórios não incorporados e terras anteriormente ocupadas que os EUA outrora reivindicaram.

A jornada pela liberdade de Lula

É imperativo deter a barbárie das milícias

Por Jeferson Miola, em seu blog:

No final dos anos 1990, governos estaduais progressistas como do Olívio Dutra, do PT no Rio Grande do Sul, e do Garotinho do PDT, no Rio, testaram inventos humanistas para implementar uma perspectiva democrática de segurança pública.

No Rio, Luis Eduardo Soares estava à frente desse esforço, e no RS, José Paulo Bisol.
Ambos testavam políticas públicas revolucionárias, que, todavia, esbarraram no mesmo obstáculo: a banda podre das polícias e suas conexões com a política e o sistema econômico.

As milícias fazem parte daquilo que Luis Eduardo Soares chama da “economia política” do crime.

Lava-Jato completa cinco anos de abusos

Por Leonardo Fernandes, no jornal Brasil de Fato:

A julgar pelos nomes de suas fases, a operação Lava Jato poderia ser confundida com uma obra de teatro em 57 atos. A última dialoga com as críticas aos abusos e arbitrariedades dos últimos cinco anos: “Sem Limites (57ª)”. Outros nomes remetem à origem italiana da estratégia aplicada: “Buona Fortuna” (49ª fase). Finalmente, alguns remetem a táticas de tortura e execução, como “Asfixia” (40ª fase), “Abate” (44ª fase) e “Juízo Final”(7ª fase).

Lula e os líderes mundiais. Que diferença?

Por Ricardo Kotscho, em seu blog:

Durante dois anos, em 2003 e 2004, tive a oportunidade de viajar com Lula para 26 países, como secretário de Imprensa do ex-presidente.

Lula manteve encontros com os principais líderes mundiais da época e, com todos eles, falou de igual para igual, de forma altiva, serena e respeitosa, como se espera do presidente de um país soberano como o Brasil.

“Eles não são melhores nem piores do que eu. Não tenho medo de nenhum deles. Cada um tem que defender os interesses do seu país e é conversando que a gente se entende”, disse-me Lula, num intervalo da sua primeira viagem ao exterior, em janeiro de 2003.

Datena e o ódio bolsonarista na TV

Por João Filho, no site The Intercept-Brasil:

Logo depois de saber que seu filho havia matado oito pessoas e se suicidado, Tatiana foi perseguida na rua por um repórter do Brasil Urgente. Bastante incomodada, ela escondeu o rosto e tentou escapar das perguntas. A dor que ela estava sentindo parecia irrelevante para o jornalista. Ele continuou a perseguição pela calçada com uma abordagem inacreditável:

“Você se sente culpada de alguma forma?”

“Você quer ajuda, Tatiana? Vamos conversar um pouquinho”.

“Ele é uma criança ainda pra você?”
“Isso poderia ser evitado de que forma?”
“É importante você falar para defender a honra da sua família”.


Lava-Jato pagou para ver e quebrou a cara

Por Paulo Moreira Leite, em seu blog:

O fiasco das manifestações convocadas neste domingo para servir de escudo aos abusos contra o Estado Democrático de Direito mostra um sinal de mudança na situação política do país.

Principal instrumento para a construção de um regime de exceção, a Lava Jato pagou para ver - e perdeu a aposta.

O objetivo óbvio de manifestações convocadas em tom de megalomania mas que só foram capazes de reunir dezenas de gatos pingados era realizar uma demonstração de força favorável a operação, devastada por um escândalo de R$ 2,5 bilhões em torno de uma fundação criada à margem da legislação brasileira, para cumprir tarefas que a Constituição reserva a autoridades eleitas pelo voto popular.

domingo, 17 de março de 2019

Lula livre é sinônimo de Brasil livre

Por Tiago Pereira, na Rede Brasil Atual:

A bandeira pela liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva unificou a esquerda brasileira. Em assembleia realizada ao longo deste sábado (16), em São Paulo, trabalhadores, representantes de partidos políticos e movimentos sociais definiram que lutar por Lula Livre hoje é lutar por um Brasil livre das arbitrariedades cometidas pela Justiça, que se aliou a forças do capitalismo financeiro internacional.

Desmonte do Estado no governo Bolsonaro

Por Antônio Augusto de Queiroz, na revista Teoria e Debate:

Que o governo Bolsonaro estaria a serviço do capital, até pela equipe e a agenda liberal assumidas, e que utilizaria os poderes e o orçamento do Estado contra seus supostos “inimigos”, todos sabiam. Porém ninguém imaginava que haveria tanta insensatez e tamanha perseguição aos direitos e às instituições de defesa dos assalariados e dos beneficiários da seguridade social.

O governo Bolsonaro não tem decoro

O amadorismo olavista na Petrobras

Por Tadeu Porto, no blog Cafezinho:

Uma coisa que (não) me surpreende nesse começo do governo Bolsonaro é o amadorismo claro de figuras chave da república.

Tá certo, muita gente considera cortinas de fumaça para a agenda neoliberal fluir nas sombras com tranquilidade (tipo aquela fumaça do Lost), mas a coisa tá tão feia, e pegando tão mal mesmo entre os conservadores, que começo imaginar que o governo inexperiente está de fato perdido.

Agenda conservadora ameaça a democracia?

Por Diogo Cunha, no site Carta Maior:

Não é de hoje que se fala em “crise da democracia” ou em “crise de representatividade”. Consequência da natureza indeterminada e inacabada da democracia, o desencanto que ela desperta assim como as expectativas com seu aperfeiçoamento sempre andaram de mãos dadas. A democracia carrega consigo um “paradoxo de origem”, responsável pelas tensões que a estruturam, a saber, que a sua definição como “poder do povo” é irrealizável. Parece, entretanto, que vivemos uma época em que o desencanto vem prevalecendo, dando lugar a ideia de que a morte da democracia, inclusive nos países ditos centrais, é uma possibilidade real.

"A besta do fascismo saiu do controle"

Por Yvana Fechine, de Paris, no site Marco Zero:

Em uma palestra realizada em Paris, no último sábado (16), o ex-deputado do PSOL, Jean Wyllys, que renunciou ao mandado e saiu do Brasil por sofrer ameaças de morte, argumentou que tão importante quanto perguntar “Quem mandou matar Marielle?” é questionar por que só agora a imprensa brasileira está colocando em evidência as relações da família Bolsonaro com as milícias do Rio envolvidas com os executores do assassinato da vereadora carioca. Empenhado em denunciar na Europa os ataques à democracia brasileira, Wyllys responde à própria questão com uma hipótese: “A besta do fascismo saiu do controle!”, afirmou o ex-deputado, referindo-se ao presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Crônica do avesso do mesmo lugar

Por Cezar Britto, no site Congresso em Foco:

Luis Fernando Veríssimo nos ensinou que “a principal matéria-prima para a crônica são as relações humanas. O modo como as pessoas se amam, se enganam, se aproximam ou se afastam num ambiente social definido. Ou qualquer outra coisa”. Seguindo a lógica do genial escritor gaúcho, escrever crônica seria uma tarefa extremamente fácil, mesmo porque as relações entre as pessoas são exercidas no modo automático, assim como é o pulsar do coração na manutenção da vida corpórea. Ama-se, engana-se, aproxima-se, afasta-se ou se faz alguma coisa a todo instante, queria-se ou não.

Lava-Jato age como milícia

Por Wadih Damous

Antes de mais nada é preciso dizer, como bem fez outro dia o jurista Marcelo Semer, que a operação lava jato é apenas um nome fantasia.

Procuradores, delegados e magistrados que a compõem ou a compuseram são servidores públicos e como tal sujeitos aos deveres e responsabilidades inerentes ao exercício da função pública.

Isso pode parecer básico em um primeiro momento, mas não é a conduta seguida pelos integrantes de dita operação desde o seu início.

Esses servidores agem como se estivessem em um órgão paralelo do Estado, sem regras, sem leis, sem observância de códigos de ética profissional à semelhança de agrupamentos milicianos que acusam, julgam e punem terceiros investidos de uma jurisdição extralegal e, portanto, superior e em confronto à estrutura administrativa do Estado.

O golpe do século contra a Petrobras

Por Luis Nassif, no Jornal GGN:

A Procuradora Geral da República tem defeitos e virtudes. Os defeitos, dizem, são de temperamento; as virtudes são de caráter. É fechada, centralizadora, discretíssima e tem pouca visão de estratégias políticas. Por outro lado, é técnica, correta, ciosa do interesse público e, especialmente, do papel institucional do Ministério Público.

Em nome dessa defesa do MP, varreu para baixo do tapete os erros gigantescos cometidos pelo antecessor Rodrigo Janot e pela Lava Jato. E deixou para o último instante o questionamento da excrescência da fundação de direito privado financiada pela Petrobras, em cima de um acordo com autoridades norte-americanas. Só a questionou quando começaram a brotar críticas na imprensa, em uma demonstração da falta de timming sobre o momento de demonstrar sua coragem.

Marielle e nossa brutalidade política

Por Rôney Rodrigues, no site Outras Palavras:

Foram treze disparos efetuados a partir do Chevrolet Cobalt, em uma execução que reacenderia o debate sobre assassinatos por motivações políticas no Brasil. Era o dia 14 de março de 2018 e Marielle Franco, vereadora do PSOL, recebeu três tiros na cabeça e um no pescoço - Anderson, o motorista, levou três nas costas - em um crime que chocou o Brasil.

As investigações sobre o caso foram tumultuadas e, após pressão popular que cobrava resultados mais efetivos, a Polícia Federal entrou no jogo para apurar se organizações criminosas estavam obstruindo as apurações sobre o assassinato da vereadora.

O paquiderme do Banco Central

Por Paulo Nogueira Batista Jr., na revista CartaCapital:

Quero dar mais alguns tecos num dos meus alvos prediletos – o rotineiro e paquidérmico presidente do Banco Central do governo Temer, Ilan Goldfajn. Há um “gancho”, como dizem os jornalistas, talvez o último: ele acaba de deixar o cargo. A sua gestão, que ora termina, vem sendo celebrada em prosa e verso pelo mercado e pela mídia tradicional. Como sempre, quem presta serviços à turma da bufunfa é tratado a pão de ló. São os mitos que se cultivam e que ajudam a perpetuar o subdesenvolvimento.

Bolsonaro nos EUA e a diplomacia em transe

Por Marcelo Zero

Bolsonaro parte para Washington com a diplomacia brasileira em transe político, administrativo e místico. Principalmente místico.

Entenda-se. O vibrante chanceler pré-iluminista é um ser espiritual. É desapegado de valores materiais. Afirmou recentemente que o Brasil não pode renunciar a sua alma e a seus valores para vender soja e minérios.

Supomos que o chanceler tenha experimento tal epifania após contemplar, em êxtase místico, o exemplo supremo do novo messias do Ocidente, o santo Trump.

Um ano do Fórum Alternativo Mundial da Água

Por Edson Aparecido da Silva e Arlindo Rodrigues

Em março de 2018, ocorreu o Fórum Alternativo Mundial da Água (FAMA) em Brasília, esse fórum foi um encontro de diversas experiências coletivas de vivência com a Água. Foi espaço de trocas de sucessos e adversidades na luta em defesa da água como direito e não como mercadoria. Seu objetivo foi enriquecer as práticas de seus participantes, estreitar as relações entre os diversos movimentos e, ao mesmo tempo, ser contraponto ao Fórum Mundial da Água (FMA). 

sábado, 16 de março de 2019

Carta de Lula ao Encontro Lula-Livre

Encontro Nacional Lula Livre hoje em São Paulo
Foto: Ricardo Stuckert
Do site Lula:

“Meus amigos e minhas amigas,

Quero, em primeiro lugar, agradecer a solidariedade e o carinho que tenho recebido do povo brasileiro e de lideranças de outros países, neste quase um ano em que me encontro preso injustamente. Agradeço especialmente aos companheiros da vigília em Curitiba, que me confortam todos os dias, aos companheiros que constituem os comitês Lula Livre dentro e fora do Brasil, aos advogados, juristas, intelectuais e cidadãos democratas que se manifestam pela minha libertação.

Dallagnol advoga pelos interesses dos EUA

Por Jeferson Miola, em seu blog:       

Ao tentar explicar o inexplicável e inconstitucional acordo bilionário firmado pela Lava Jato com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, Deltan Dallagnol assumiu que advoga interesses dos EUA e atua contra os interesses nacionais.

Em vídeo [ver aqui, minuto 3:10”], o coordenador da Lava Jato explicita porque, na visão dele, os R$ 2,5 bilhões de multas da Petrobrás não deveriam ser carreados para os cofres da União: porque “nesse caso, os Estados Unidos poderiam entender que não é adequado que o dinheiro fique no Brasil”.

Impeachment: Bolsonaro compra votos!

Por Eduardo Guimarães, no Blog da Cidadania:

Até agora, os possíveis motivos que Jair Bolsonaro deu para um processo de impeachment no Congresso resumiam-se a quebra de decoro ou lavagem de dinheiro. Agora, porém, surge um possível e FORTE motivo para impeachment. Trata-se do mensalão de Bolsonaro, da compra de votos no Congresso, motivo para IMPEACHMENT

Mensalão é o nome dado a suposta prática de corrupção política mediante compra de votos de parlamentares no Congresso Nacional do Brasil, que teria ocorrido entre 2005 e 2006, durante o primeiro governo Lula, mas nunca ficaram provados.

Pátria armada, Brasil

Por João Paulo Cunha, no jornal Brasil de Fato:

Qual a principal agenda brasileira? A reforma da Previdência? O combate à corrupção? A retomada da economia e o combate ao desemprego? A melhoria da educação pública? A garantia de saúde de qualidade à população? Nada disso. São as armas. Não há nada mais importante no Brasil que revólveres, pistolas, fuzis e submetralhadoras.

Os fatos falam por si. O principal gesto da campanha do atual presidente foi a imitação da posse de uma arma, feita com os dedos, dirigida contra os opositores, ou mesmo a simulação de uma rajada de metralhadora contra a multidão, em nome do extermínio da “petralhada”. Tratada como uma brincadeira ou deboche, a atitude não precisa de metáfora: identifica o diferente como inimigo; o debate como guerra; o extermínio físico no lugar do argumento.

Lava-Jato quer mesmo todo o poder

Evitemos Columbine enquanto há tempo

Por Valéria Cristina Wilke, no blog Viomundo:

Columbine é certamente um dos paradigmáticos eventos violentos que marcaram a recente cultura norte-americana, uma vez que o massacre teve um planejamento cuidadoso durante meses, do qual fizeram parte a aquisição de armas e a de material para a produção de bombas caseiras e de propano; e os atiradores tornaram-se uma marca a ser copiada.

Em 1999, dois estudantes transformaram a Columbine High Scholl, no Colorado, num palco de horrores e mataram doze colegas e um professor, além de ferirem outras pessoas, antes de se suicidarem. Filmes eternizaram a tragédia, dentre eles os premiados Tiros em Columbine, o documentário de Michael Moore/Michael Donovan, e Elephant, de Gus Van Sant.

Previdência, consumo das famílias e equidade

Por Adalberto Cardoso, no site da Fundação Maurício Grabois:

Quando Paulo Guedes diz que precisa economizar R$ 1 trilhão em dez anos, o valor mágico é apresentado como simples operação contábil. Nem ele nem ninguém até aqui mencionou o fato de que, o que é apresentado como “economia” para o governo, na verdade representará um enxugamento brutal de recursos hoje disponíveis para o consumo das famílias.

A reforma da Previdência proposta pelo governo trata como privilégio a aposentadoria ou pensão dos que a conquistaram com o suor de seu trabalho – para a maioria dos brasileiros pesado, árduo, muitas vezes incapacitante. Só assim se compreende a divulgação da reforma com acento apenas em seu aspecto contábil, ou seu impacto no déficit público: economizar R$ 1 trilhão em dez anos. 

Previdência e o falso discurso da mídia

Da Rede Brasil Atual:

Em sua participação no Jornal Brasil Atual, da Rádio Brasil Atual nesta sexta-feira (15), o diretor técnico do Dieese Clemente Ganz Lúcio analisou o comportamento da mídia tradicional em relação à proposta de “reforma” da Previdência defendida pelo governo Bolsonaro.

“Há uma grande convergência, a maior parte dos veículos de comunicação, da grande mídia especialmente, tem feito uma cobertura favorável à reforma da Previdência. Não necessariamente favorável em todos os aspectos, mas há uma compreensão dos analistas econômicos, predominantemente financiados pelo setor financeiro, que apoiam a ideia de uma necessidade urgente de uma reforma”, explica o diretor técnico do Dieese.

Julgamento do STF derrota Lava-Jato

Por Vilma Bokany, no site da Fundação Perseu Abramo:

O Supremo Tribunal Federal (STF) derrotou a Operação Lava Jato. Em julgamento realizado na quinta-feira, 14 de março, decidiu por seis votos contra cinco que os crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, em casos relacionados a caixa dois de campanha eleitoral, serão julgados pela Justiça Eleitoral e não pela Federal.

O Código Eleitoral é explícito no que diz respeito à competência dos juízes eleitorais para julgarem crimes eleitorais. O dinheiro obtido por meio de caixa dois em campanha eleitoral é crime eleitoral, previsto no artigo 35 da Lei Eleitoral, e também os crimes comuns, como corrupção, quando atrelados a ele.

sexta-feira, 15 de março de 2019

Mídia é alvo do próprio monstro que pariu

O clã Bolsonaro e os exterminadores

Por Eric Nepomuceno, no site Carta Maior:

A maré de más notícias para o clã presidencial cresceu: na véspera do aniversário de um ano do assassinato da vereadora Marielle Franco e seu motorista, Anderson Gomes, foram detidos ontem (12/3), no Rio de Janeiro, os acusados Ronnie Lessa, sargento reformado da Polícia Militar fluminense, e Élcio Vieira de Queiroz, expulso da mesma corporação em 2016. Ambos integram uma “milícia”, como são conhecidos os grupos de extermínio paramilitares no Brasil, muitos deles formados policiais ativos, ex-policiais e bombeiros.

Miséria moral bolsonarista e as tragédias

Por Bepe Damasco, em seu blog:                                                                                     

Num país em que tragédias e escândalos se sucedem, uns ofuscando os outros, cabe às pessoas com senso de humanidade lutar para que não caiam no esquecimento, sobretudo por respeito à memória das vítimas e solidariedade aos seus familiares e amigos, mas também para evitar que se repitam.

É de domínio público que o governo Bolsonaro despreza a vida, cultua a violência, dissemina ódio e glorifica as armas. De costas para a promoção do bem-estar, da paz e do entendimento, os sociopatas que ocupam o governo da República são a expressão empoderada do que há de mais sombrio na alma humana.