terça-feira, 12 de abril de 2016

Imprensa brasileira esqueceu o que é o fato

Por Miguel do Rosário, no blog O Cafezinho:

O dia hoje iniciou-se com um episódio engraçado. O jornalista Gleen Greewald, que não tem escondido sua perplexidade com o nível de militância pró-golpe dos repórteres da Globo, menciona um tweet de Jorge Pontual, correspondente da Globo em Nova York, no qual Pontual demonstra a mais crassa ignorância sobre as leis brasileiras.


Ignorância não é crime. Mas partindo de um jornalista influente, correspondente em Nova York da maior rede de TV do Brasil, e num momento tão delicado da vida nacional, é um tropeço imperdoável.

Quer dizer, seria até perdoável, se o autor - em vista da enxurrada de críticas que recebeu - pedisse desculpas por sua ignorância.



Não. Pontual bloqueou todo mundo, inclusive Glenn Greenwald, revelando o que está por trás do golpe: violência, censura e recusa ao debate.

Envergonhado da besteira que tinha dito, Pontual apagou o tweet. Para alguns, ensaiou uma justificativa esfarrapada... Disse que se referia ao direito anglo-saxão...

Ora, em pleno processo de impeachment no Brasil, um jornalista mandar uma dessas? Se era assim, porque bloqueou Glenn Greenwald, eu, etc? Nós nunca o xingamos.



Vendo o TL de Jorge Pontual, vemos que ele é um fanático pelo Dalton Dallagnol, o procurador estrelinha da Lava Jato que frequenta igrejas pregando ajuda divina para o fim da corrupção no Brasil (ajuda ao fim da sonegação da Globo, ele não pede, não sei porque).

Deixemos Pontual para lá. Ele é golpista porque se não fosse não continuava na Globo. Os raríssimos não-golpistas do jornalismo global nunca duraram muito.

A situação deve estar muito tensa entre os profissionais da emissora. Todo mundo quer dar algum tipo de demonstração golpista, como forma de segurar o emprego.

A manhã terminou com outra jabuticaba brasileira. Catia Seabra, repórter de política da Folha, entrevista Henrique Fontana, deputado petista, perguntando se ele confirmava história sobre desfiliação em massa de parlamentares petistas. Fontana negou peremptoriamente. Não adiantou. A Folha tinha uma pauta pronta e os fatos eram apenas um detalhe sem importância. A matéria foi publicada.



Todos os procurados pela reportagem negaram o teor da matéria. Mas isso não vem ao caso. O que importa era produzir alguma coisa que impactasse negativamente o PT, ou seja, alguma coisa que contribuisse para o golpe.

O jornalismo brasileiro perdeu qualquer compromisso com os fatos.

O jornalismo brasileiro vive uma profunda crise epistemológica. Esqueceu o que é verdade e o que é mentira.

O que é verdade, para o jornalismo brasileiro, é apenas o que interessa ao golpe. Ponto final.

Conversa entre Catia Seabra e Henrique Fontana:



2 comentários:

Nádia Ramos disse...

Bem, seguindo a lógica de Jorge Pontual, caso a presidência seja do PSDB, e o parlamento for todos de esquerda, então temos o direito de arrancar a presidência da república do PSDB, pois, não está de acordo com o parlamento.É assim? Então lembraremos disso no futuro.

cris moreno disse...

O que você acha da eleição no Peru? O que você acha que está acontecendo na Argentina? E o que você acha do candidato favorito republicano nos EUA? Agora olha para o nosso país. Você vê diferença? Esse é o valor de nosso parlamento. É triste, não é mesmo? Mas, o mercado está feliz, com certeza. E a mídia? Bem... faz tempo que a mídia deixou de existir. O que temos são instrumentos do mercado. Apenas isso. O século não é dos imbecis, mas do mercado. Estamos todos perdendo para o mercado. Até a alma! Bjs.