terça-feira, 13 de setembro de 2016

Temer garfou propina de Belo Monte?

http://ajusticeiradeesquerda.blogspot.com.br/
Por Altamiro Borges

Na segunda-feira passada (5), a Folha revelou que a Polícia Federal encontrou indícios de que o PMDB e quatro senadores do partido receberam propina das empreiteiras que construíram a usina de Belo Monte, no Pará. Segundo o relatório, que já se encontra no Supremo Tribunal Federal (STF), a sigla abocanhou R$ 159,2 milhões das nove empresas responsáveis pelas obras na hidrelétrica para as eleições de 2010, 2012 e 2014. O interessante é que a grave denúncia já sumiu do jornal e não teve maior repercussão no restante da mídia chapa-branca. O curioso também é que a Folha evitou citar o Judas Michel Temer, que era o presidente nacional do PMDB e que hoje ocupa o posto de usurpador no Palácio do Planalto.

Segundo a reportagem, assinada pelo jornalista Mario Cesar Carvalho, o montante de R$ 159,2 milhões “é a soma de doações oficiais de nove empresas que integram o consórcio para o diretório nacional, diretórios estaduais e comitês financeiros do partido. Como comparação, o valor é mais do que o dobro dos R$ 65 milhões que as principais empresas investigadas na Lava Jato (Odebrecht, OAS, Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa, Engevix, Queiroz Galvão e Galvão Engenharia) doaram oficialmente para a campanha presidencial de Dilma Rousseff em 2014. O PMDB é acusado de ter recebido propina em Belo Monte porque o partido indicou o ministro de Minas e Energia (Edison Lobão) e controlava as empresas da área”.

Ainda de acordo com a matéria, “delatores da Lava Jato, como o ex-presidente da Andrade Gutierrez Otávio Marques de Azevedo, contaram em acordos com procuradores que o consórcio que fez a obra teve de pagar suborno de 1% sobre o valor do contrato, de R$ 13,4 bilhões. Segundo essa versão, o suborno seria de R$ 134 milhões. De acordo com outro delator, Flávio Barra, da AG Energia, boa parte da propina foi paga por meio de doações oficiais a partidos. O relatório da PF junta essa versão com informações de outro delator, o ex-senador Delcídio do Amaral, de que senadores peemedebistas comandavam esquemas de desvios de empresas do setor elétrico: Renan Calheiros (AL), presidente do Senado, Jader Barbalho (PA), Romero Jucá (RR) e Valdir Raupp (RO)”.

Procurados pela Folha, os quatro senadores negaram o recebimento de propina. Afirmaram que as doações foram legais e feitas diretamente ao partido. Já a direção nacional da sigla, em nota oficial, declarou que “sempre arrecadou recursos seguindo os parâmetros legais em vigência no país. Doações de empresas eram permitidas e perfeitamente de acordo com as normas da Justiça Eleitoral”. O jornal da famiglia Frias, que apoiou o golpe do impeachment e tem feito de tudo para blindar o covil golpista, infelizmente não pediu esclarecimentos ao ex-presidente nacional do PMDB, o Judas Michel Temer, que certamente sabe os detalhes de todas as doações – legais ou ilegais. A Folha nem sequer citou o seu nome na reportagem. Como ironizam os internautas, não vem ao caso!

*****

Leia também:

1 comentários:

Ralph Panzutti disse...

Adiante estar nas mãos do stf. Lá tem muito golpistas, não todos mas foi lá que se sacramentou o golpe . O Teori que pode explicar melhor. Temos que refundar a republica por um Governo Popular Nacionalista. Fora Temer e os entreguistas. Assembléia Nacional constituinte eclusiva.