segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Significados da vitória do demo Kassab

Por Altamiro Borges

Na primeira entrevista após o final da apuração do segundo turno na capital paulista, o demo Gilberto Kassab nem parecia o prefeito eleito. Rasgou elogios ao tucano José Serra, que roubou totalmente a cena na coletiva. “Nesses quatro anos tive uma grande perda, que foi a morte de minha mãe, e tive um grande amigo que ganhei na vida e um grande líder, que é José Serra, que levarei para o resto da minha carreira. Dedico a ele essa vitória”, choramingou o novo prefeito, confirmando a tese de que é e será um “laranja” do governador paulista e presidenciável tucano.


Tucano pavimenta o terreno

A folgada vitória de Gilberto Kassab, com 60% dos votos válidos, tem inúmeros significados. O mais preocupante é que ela representa forte impulso à candidatura de José Serra para a sucessão presidencial de 2010. Numa tática arriscada, o grão-tucano traiu Geraldo Alckmin, candidato do seu próprio partido, e apostou no prefeito do demo, mais confiável e funcional às suas ambições políticas. Apesar das rusgas criadas no PSDB – alguns dirigentes propõem punir os “dissidentes” –, Serra venceu a parada. Desta forma, ele garantiu a preservação da aliança com os oligarcas do DEM. De quebra, ainda conseguiu atrair o PMDB paulista, que terá papel decisivo na sucessão.

Serra parte para a nova batalha sucessória bem reforçado. Além de governar o principal estado da federação, garantiu sua marionete na capital e ainda venceu em um terço das cidades de São Paulo, mantendo a hegemonia tucana no estado. Ele também conta com o entusiástico apoio da mídia, que nada noticia sem consultá-lo previamente. Os recentes episódios de ocultamento da guerra das polícias e do seqüestro de Eloá confirmam que ela está totalmente comprometida com o projeto de José Serra. Isto para não falar no apoio do grosso da elite empresarial de São Paulo.

DEM escapa da extinção

Outro significado importante da vitória de Gilberto Kassab é que ela ressuscita o DEM, o ex-PFL dos apoiadores da ditadura militar. Este partido, que representa a oligarquia mais reacionária do país, vinha num processo de definhamento. No ano 2000, elegeu 1.028 prefeitos; em 2004, já sob impacto da experiência progressista do governo Lula, elegeu 790 prefeitos; e nas eleições deste ano, baixou para 496. Muitos analistas já previam o seu sepultamento. Mas graças ao apoio do “traíra” José Serra, os demos ganharam uma sobrevida, mesmo que como apêndice do tucano.

O novo prefeito de São Paulo, apesar de jovem e de se travestir do moderno, é a expressão cabal da política conservadora do DEM. Ele ingressou na política pelas mãos do empresário Guilherme Afif Domingues, um colaborador da ditadura, ex-secretário no governo de Paulo Maluf. Kassab integrou o comando de campanha de Afif na eleição presidencial de 1989. Em 1993, foi eleito vereador na capital paulista. Também exerceu o mandato de deputado estadual (1995-1998) e deputado federal (1999-2005) pelo PFL. No executivo, foi o principal secretário de Celso Pitta, cria de Maluf, que arruinou a capital paulista. É um quadro orgânico deste partido conservador.

Eleitorado conservador

Vice de José Serra em 2004, assumiu a prefeitura em março de 2006, quando o tucano renunciou para disputar o governo estadual. No cargo, ele adotou a postura de total subserviência ao tucano, o que gerou críticas na cúpula do seu partido. Na campanha deste ano, com um eficiente trabalho de marketing, apresentou-se como “bom gerente” e personificou o voto anti-esquerda em São Paulo, desferindo ataques ao PT. A sua vitória confirma a trajetória conservadora do eleitorado paulista, que projetou figuras como Maluf, Pitta e agora elege Kassab, “laranja” de Serra.

4 comentários:

Jurandir Paulo disse...

Altamiro, total clareza de análise, como sempre. Gostaria muito que voltasse ao tema do papel das classes médias nas duas maiores capitais. Vimos estas cidades partidas, expondo nítidos antagonismos, com as duas eleições passando por esta divisão nítida. Kassab, apoiado pelo desdém às políticas públicas para sua periferia, Gabeira, criando um neolacerdismo.

Hudson Luiz Vilas Boas disse...

Se dependesse de São Paulo ainda estariamos vivendo sob a política do café com leite!!!

Soldadonofront disse...

Isto é que um plano de poder tucano...prefeitura de SP...governo de SP...presidência do Brasil(?)

Espero que nunca.

!!@v@nte Miro!!

YOHAM disse...

Acredito que o grande problema é a postura de nossos meios de comunicação. A esquerda política irá continuar sendo vítima quando não colocar como estratégico a conquista de meios que possibilitem contrapor a hegemonia da direita nesses instrumentos de dominação ideológica. Por mais sérios e virtuosos que alguém possa ser, não resiste ao bonbardeio midiático que gira em torno de seus interesses econômicos e políticos. Uma análise mais profunda veremos que o governo Lula simplesmente abdicou de implementar reformas profundas que possibilitassem alternância no poder, frente há muitas décadas de controle da direita neste país. Ideal seria é garantir a possibilidade da sociedade civil organizada ter acesso a esses meios de comunicação. Não apenas numa eventual tv pública, mas garantir a classe trabalhadora seu instrumento de comunicação de massa.