quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Alckmin e a batalha de São Paulo

Por Altamiro Borges

As últimas pesquisas, inclusive as do Datafraude e do Globope, confirmam que Dilma Rousseff caminha para vencer a eleição presidencial já no primeiro turno. Um dos obstáculos que pode, mais uma vez, adiar este resultado é São Paulo. Neste estado, que concentra 22,3% do eleitorado brasileiro, diminuiu a diferença entre os dois principais concorrentes, mas José Serra ainda tem folgada vantagem. Em certo sentido, a batalha presidencial será definida em São Paulo.

Reduto do eleitorado conservador

Maior centro industrial e financeiro do país, com volumosa “classe média”, o estado é dominado pelo PSDB há quase 16 anos e tornou-se o principal reduto do eleitorado conservador. Apesar da chamada “locomotiva” ter emperrado nas últimas décadas, com índices pífios de crescimento e explosão da miséria social, a hegemonia tucana ainda é inconteste e pode garantir a vitória, já no primeiro turno, para Geraldo Alckmin, expressão mais tosca do conservadorismo político.

Para evitar mais uma gestão desastrosa da direita em São Paulo e reforçar a campanha de Dilma Rousseff no estado será preciso desmascarar Geraldo Alckmin, que já foi apelidado de “picolé de chuchu”. A mídia demotucano, que adora desfigurar o passado de seus adversários, não cumprirá este papel investigativo. Com este objetivo, apresento uma breve história do candidato tucano ao governo da principal unidade da federação, que comprova seu conservadorismo e autoritarismo.

Breve história de um direitista

Natural de Pindamonhangaba, no interior paulista, Geraldo Alckmin sempre conviveu com políticos reacionários, alguns deles envolvidos na conspiração que resultou no golpe militar de 1964, e com simpatizantes do Opus Dei, seita religiosa que cresceu sob as bênçãos do ditador espanhol Augusto Franco. Seu pai militou na União Democrática Nacional (UDN), principal partido golpista deste período; um tio foi prefeito de Guaratinguetá pelo mesmo grupo; outro foi professor do Mackenzie, que na época havia sido convertido num dos centros da direita fascista.

Alckmin ingressou na política em 1972, convidado pelo antigo MDB para disputar uma vaga de vereador. Na ocasião, diante do convite formulado por seu colega do curso de medicina, José Bettoni, ele respondeu: “Mas meu pai é da UDN”, talvez temeroso dos seus laços familiares com a ditadura. Até hoje, Alckmin se gaba de ter sido um dos vereadores mais jovens do país, com 19 anos, e de ter tido uma votação histórica neste pleito – 1.147 votos (cerca de 10% do total).

Um bajulador da ditadura militar

Mas, segundo o depoimento de Paulo de Andrade, presidente do MDB local nesta época, outros fatores interferiram na sua eleição. O tio de Alckmin, José Geraldo Rodrigues, tinha acabado de ser nomeado ministro do Supremo Tribunal Federal pela ditadura. “Ele transferiu prestígio para o sobrinho”, diz Rodrigues. A outra razão era histórica. Geraldo é sobrinho-neto do folclórico político mineiro José Maria Alckmin, que foi o vice-presidente civil do general golpista Castelo Branco. “Ter um Alckmin no MDB era um trunfo [para o regime militar]’, diz Andrade”.

Tanto que o jovem vereador se tornou um bajulador da ditadura. Caio Junqueira, em um artigo no jornal Valor (03/04/06), desenterrou uma carta em que ele faz elogios ao general Garrastazu Médici. Segundo o jornalista, Alckmin sempre se manteve “afastado de qualquer movimento de resistência ao regime militar... O tom afável do documento encaminhado a Médici, sob cujo governo o Brasil viveu o período de maior repressão, revela a postura de não enfrentamento da ditadura, fato corroborado por relatos de colegas de faculdade e políticos que com ele atuaram”.

Seguidor da seita Opus Dei

Em 1976, Alckmin foi eleito prefeito da sua cidade natal por uma diferença de apenas 67 votos e logo de cara nomeou seu pai como chefe de gabinete, sendo acusado de nepotismo. Ainda como prefeito, tomou outra iniciativa definidora do seu perfil, que na época não despertou suspeitas: no cinqüentenário do Opus Dei, em 1978, ele batizou uma rua da cidade com o nome de Josemaría Escrivá de Balaguer, o fundador desta seita fascista.

Na seqüência, ele foi eleito deputado estadual (1982) e federal (1986). Na Constituinte, em 1998, teve uma ação apagada e recebeu nota sete do Diap; em 1991, tornou-se presidente da seção paulista do PSDB ao derrotar o grupo histórico do partido, encabeçado por Sérgio Motta. Em 1994, Mário Covas o escolheu como vice na eleição para o governo estadual. Já famoso por sua truculência, coube-lhe presidir o Conselho Diretor do Programa Estadual de Desestatização.

Centralizador e a “turma de Pinda”

As privatizações das lucrativas estatais foram feitas sem qualquer transparência ou diálogo com a sociedade, gerando muitas suspeitas de negócios ilícitos. Nas eleições para a prefeitura da capital paulista, em 2000, obteve 17,2% dos votos, ficando em terceiro lugar. Com a morte de Covas, em março de 2001, assumiu o governo e mudou toda a sua equipe, causando desconforto até em setores do PSDB. Em 2002, ele foi reeleito governador no segundo turno, com 58,6% dos votos.

Numa prova de sua vocação autoritária, um de seus primeiros atos no governo foi nomear, para o estratégico comando do Departamento de Inteligência da Polícia Civil, o delegado Aparecido Laerte Calandra – também conhecido pela alcunha de “capitão Ubirajara”, que ficou famoso como um dos mais bárbaros torturadores dos tempos da ditadura. Com a mesma determinação, o governador não vacilou em excluir os históricos do PSDB do Palácio dos Bandeirantes, cercando-se apenas de pessoas de sua estrita confiança e lealdade – a chamada “turma de Pinda”.

Criminalização dos movimentos sociais

Como governador de São Paulo, Alckmin nunca escondeu sua postura autoritária. Ele se gabava das ações “enérgicas” de criminalização dos movimentos sociais e de satanização dos grevistas. Não é para menos que declarou apoio à prisão dos líderes do MST no Pontal do Paranapanema; aplaudiu a violenta desocupação de assentados no pátio vazio da Volks no ABC paulista; elogiou a prisão do dirigente da Central dos Movimentos Populares (CMP), Gegê; e nunca fez nada para investigar e punir as milícias privadas dos latifundiários no interior do estado.

Durante seu governo, o sindicalismo não teve vez e nem voz. Ele se recusou a negociar acordos coletivos, perseguiu grevistas e fez pouco caso dos sindicalistas. Que o digam os docentes das universidades, que realizaram um das mais longas greves da história e sequer foram recebidos; ou os professores das escolas técnicas, que pararam por mais de dois meses, não foram ouvidos e ainda foram retalhados com 12 mil demissões.

A linguagem da violência

Os avanços democráticos no país não tiveram ressonância no estado. Alckmin sabotou os fóruns de participação da sociedade criados no governo Lula, como o Conselho das Cidades. Avesso ao diálogo, a única linguagem do ex-governador foi a da repressão dura e crua. Isto explica a sua política de segurança pública, marcada pelo total desrespeito aos direitos humanos e que transformou o estado num grande presídio – em 2006, eram 124 mil detentos para 95 mil vagas.

Segundo relatório oficial, o ex-governante demitiu 1.751 funcionários da Febem, deixando 6.500 menores em condições subumanas, sofrendo maus-tratos. Nos seus quatro anos de governo, 23 adolescentes foram assassinados nestas escolas do crime, o que rendeu a Alckmin a condenação formal da Corte Internacional da OEA.

A submissão dos poderes

Contando com forte blindagem da mídia, Alckmin conseguiu submeter quase que totalmente o Poder Judiciário, infestando-o de tucanos, e garantiu uma maioria servil no Poder Legislativo. Através de um artifício legal do período da ditadura militar, ele abortou 69 pedidos de CPIs (Comissões Parlamentares de Inquérito) na Assembléia Legislativa – destas, 37 tinham sido solicitadas para investigar irregularidades, fraudes e casos de corrupção da sua administração.

Como sintetiza o sociólogo Rodrigo Carvalho, no livrete “O retrocesso de São Paulo no governo tucano”, Geraldo Alckmin marcou sua gestão pela forma autoritária como lidou com a sociedade organizada e pelo rígido controle que exerceu sobre os poderes instituídos e a mídia. “Alckmin trata os movimentos sociais como organizações criminosas, não tem capacidade de dialogar e identificar as demandas da sociedade... Além disso, ele utilizou sua força política para impedir qualquer ação de controle e questionamento das ações do governo”.

.

13 comentários:

Raphael disse...

Olá Miro,

Excelente seu texto. Tenho certeza que devemos focar mais na eleição estadual, uma vez que no plano federal estamos mais tranquilos e a necessidade de tirar os tucanos do Palácio dos Bandeirantes é iminente!

Raphael de Lucca

Anônimo disse...

E os paulistas irão votar nesse pulha,

Joao disse...

Agradeço o post

Grande Altamiro Borges

São Paulo precisa se renovar, o Mercadante quase não tem espaço, e o PIG não para de encher a bola dêste político demotucano da pior espécie, sujeito que tem inumeros cpi´s abafadas, de Daslu a privatizações esbúrias. Esta Opus Dei organização bilionária que muito ele contribui é a prova de que religião nada têm haver com Deus e Jesus Cristo, e que só têm ganância pelo poder da forma mais anti cristã que possa existir com tôda a complacência do vaticano.Também outra organização dentro da organização anti-bíblicos que é o catolicismo.
Que Deus queira livrar a cidade São Paulo, de mais tempo nas mãos dêstes seres do mal. E possamos enfim ter um governador para ser lembrado pelas causas urgentes resolvidas da população ou seja humanidade : Mercadante nêles.

André disse...

Qual a ideia? Votar no maravilhoso Mercadante? Aquele da saída irredutível, irrevogável, irremediável? O que foi conivente com os mensaleiros?

Ok, colocado o problema. Sugira a solução.

Anônimo disse...

Miro, exelente seu blog.
Mas, seria muito prudente que você colocasse os links para justificarem suas afirmações.
Cai em seu blog por acaso, mas estou acostumado com argumentos como os deste blog:
http://www.idelberavelar.com/
abraços

Anônimo disse...

Caro Anônimo
O que consta desse post do Miro é do conhecimento geral. Já foi amplamente divulgado, foi objeto de processos ou de verificação concreta da população de SP.
O que o Miro fez nesse post foi realizar um excelente trabalho de compilação com análise, cumprindo de forma correta e competente a verdadeira função do jornalismo.
Querer pautar o Miro pelo Idelber não tem nada a ver. Ambos são excelentes, cada um com o seu cada um.
Um abraço
Maria Lucia

Anônimo disse...

Altamiro, parabéns.
Como paraibano, fica difícil conhecer um pouco sobre a vida de uns figurões do sul/sudeste que tentam alçar voos altos como por exemplo tornar-se Presidente do Brasil. E, assim, através dos neo jornalistas(blogueiros)a gente fica sabendo de muita, mas muita coisa mesmo, pois eu tinha uma imagem totalmente diferente desse seboso Alckmim.

Anônimo disse...

Caro Miro,
Nao sei se voce sera democratico para postar meu comentario, porem digo-lhe que muita coisa que voce coloca tem suas razoes ate que pode depois de provadas incontestaveis, mas falo em nome de um movimento social LGBT ligado a Parada Gay, Alckmin sancionou em 2001 a Lei 10948 de Renato Simoes do PT que criminaliza a Homofobia no Estado que e o marco contra a violencia, e criou a Decradi Delegacia contra crimes raciais e de intolerancia, entao, seu voce puder colocar minha voz, de que esse cara que voce fala tanto fez para o nosso movimento o que ninguem nem antes ou depois dele, um abraco Wagner Pires meu email e wagnerpiressilva@hotmail.com

Anônimo disse...

FALTAM CONVERSAS DIRETAS COM O POVO!
(Proposta de ações diárias na Praça da Sé)

Seria muito bom se os candidatos debatessem na rua. A campanha do jeito que é conduzida afasta cada dia mais o povo da política. O debate político tornou-se uma guerra de propaganda e candidato tornou-se uma coisa (quase uma marca de sabão em pó) que aparece só eletronicamente. Tivemos a loucura do debate na internet, para meia dúzia de loucos que tem paciência de ficar na frente de um quadrado luminoso.

Temos poucos eventos em que haja o contato direto do candidato com o povo. Assim sendo, a minha sugestão é que o(s) candidato(s) todo(s) dia(s), no caso de São Paulo, passem algumas horas na Praça da Sé, fazendo campanha com seus militantes. Tenho certeza de que conseguiríamos aumentar a consciência e a participação do povão, especialmente aqueles que vão chacoalhar num vagão superlotado do Metrô ou da CPTM.

A idéia vem de momentos da campanha do Mercadante na sexta-feira (20.8.2010). Um grupo de jovens, com bandeiras do PT e Mercadante, quase que sentiam envergonhados de desfraldarem suas bandeiras, não porque não queiram, mas porque não tiveram a oportunidade de ouvir sobre o programa de governo do Mercadante.

Assim a proposta, dentro do que ouvi do Gilmar Mauro (MST), cuja proposta já costurada com outros parceiros, é resumidamente criar a FRENTE ANTIALCKMIN.

A nossa chamada principal e na qual deveriam participar outros partidos que se opõem ao PSDB e a continuação de dezesseis anos de governo, deve ser bradar permanentemente: CHEGA DE PSDB, NÃO AO ALCKMIN!

Vamos a luta...

Marcio

tiagopereira disse...

Belíssimo texto. Repondo a verdade, como manda a cartilha do jornalismo.
Precisamos dar conta da militância e vencê-lo nas urnas!

Jorge Luis disse...

Veja o que está por trás do apoio da mídia ao PSDB,Vejam porque criticam tanto Mercadante,Dilma e Lula:
http://geraldoalckminpsdb.blogspot.com/2010/09/psdb-de-geraldo-e-serra-compra-imprensa.html

Só para Revista Veja Foram cerca de R$1.200.000,00(Mais de 1 Milhão e duzentos mil reiais )de publicidade para mostar coisas que não fizeram
Votem Mercadante Governador e Dilma presidente para acabar com a robalheira.

Anônimo disse...

Não é possível que São Paulo eleja esse Alckmin retrógado de novo. Esse cara é muito cínico e é um tremendo demagogo: mente, distorce e inventa como ninguém. Hoje mesmo em seu programa eleitoral, este mesmo que marginalizou a educação pública, estava dizendo que a educação melhorou muito no estado e que está indo muito bem. Mostrou pais e professores ( comprados, não é possível!) elogiando a escola e a educação pública dos tucanos. Dando a impressão de que ela é ótima. Entre outras mentiras, teve até a audácia de tentar desmoralizar a proposta do Mercadante de acabar com a aprovação automática, dizendo que vai mantê-la e que esta, só trouxe e traz mais benefícios do que malefícios. Que Mercadante quer acabar com algo que é bom. Não apresentou sequer NENHUMA proposta de melhoria. Só criticou Mercadante. Para Alckmin a educação está perfeita, indo muito bem e sua qualidade é indiscutível. Por isso, nada precisa ser mudado.

Sei muito bem como anda a educação pública em São Paulo e não é nada daquilo que ele apresentou hoje no horário político. Posso afirmar categoricamente que a situação em que ela se encontra é caótica, falida, triste, sofrível e de péssima qualidade.Com certeza uns dos piores sistemas de ensino público não só do Brasil mais como do mundo.

Os paulistas que votam no Alckmin acreditam na imagem de certinho, sério, educado e competente que o PiG tenta passar dele. E como a mídia costuma esconder e abafar todos os podres e defeitos do seu governo e não o critica em nada, além de não o expô-lo, o PSDB-DEMO diz: ele não aparece muito "porque estava trabalhando" hahahahaha... Que argumento mais tosco! Muitos tolos paulistas acreditam em argumentos deste tipo e como a força do PiG é muito forte em São Paulo é isso que acontece: 16 anos de má e muito fraca administração mais parte da população acreditando que tudo; metrô, transporte, saúde, educação, etc.. está progredindo e que São Paulo cresce como nunca. Sendo a verdade a estagnação e/ou a piora. É preciso abrir os olhos dos paulistas. Muitos ainda estão alienados pelo PiG.

João Lucas disse...

Não é possível que São Paulo eleja esse Alckmin retrógado de novo. Esse cara é muito cínico e é um tremendo demagogo: mente, distorce e inventa como ninguém. Hoje mesmo em seu programa eleitoral, este mesmo que marginalizou a educação pública, estava dizendo que a educação melhorou muito no estado e que está indo muito bem. Mostrou pais e professores ( comprados, não é possível!) elogiando a escola e a educação pública dos tucanos. Dando a impressão de que ela é ótima. Entre outras mentiras, teve até a audácia de tentar desmoralizar a proposta do Mercadante de acabar com a aprovação automática, dizendo que vai mantê-la e que esta, só trouxe e traz mais benefícios do que malefícios. Que Mercadante quer acabar com algo que é bom. Não apresentou sequer NENHUMA proposta de melhoria. Só criticou Mercadante. Para Alckmin a educação está perfeita, indo muito bem e sua qualidade é indiscutível. Por isso, nada precisa ser mudado.

Sei muito bem como anda a educação pública em São Paulo e não é nada daquilo que ele apresentou hoje no horário político. Posso afirmar categoricamente que a situação em que ela se encontra é caótica, falida, triste, sofrível e de péssima qualidade.Com certeza uns dos piores sistemas de ensino público não só do Brasil mais como do mundo.

Os paulistas que votam no Alckmin acreditam na imagem de certinho, sério, educado e competente que o PiG tenta passar dele. E como a mídia costumava esconder e abafar todos os podres e defeitos do seu governo e não o critica em nada, além de não o expô-lo, o PSDB-DEMO usa a batida máxima: ele não aparece muito "porque estava trabalhando" hahahahaha... Que argumento mais tosco! Muitos tolos paulistas acreditam em argumentos deste tipo e como a força do PiG é muito forte em São Paulo é isso que acontece: 16 anos de má e muito fraca administração, mais parte da população acreditando que tudo; metrô, transporte, saúde, educação, etc.. está progredindo e que São Paulo cresce como nunca. Sendo a verdade a estagnação e/ou a piora. É preciso abrir os olhos dos paulistas. Muitos ainda estão alienados pelo PiG.