domingo, 12 de fevereiro de 2017

Fascistas do MBL tumultuam Câmara de SP

Por Altamiro Borges

O vereador Fernando Holiday, um dos líderes das marchas golpistas do “Fora Dilma” e chefete do sinistro Movimento Brasil Livre (MBL), tem desempenhando um papel asqueroso na Câmara Municipal de São Paulo – para qual foi eleito pelo “ético” DEM. Além das posições políticas reacionárias – ele já anunciou que apresentará projeto pelo fim das cotas raciais nas faculdades, entre outras barbaridades –, o demo infantil também tem se mostrado um provocador barato. Na semana passada, dois dos seus assessores invadiram reuniões organizadas pelo PT para agredir verbalmente os seus participantes.

A denúncia foi feita nesta sexta-feira (10) pela vereadora petista Juliana Cardoso, conhecida por sua combatividade. Na primeira provocação, os fascistas mirins invadiram um encontro do seu mandato com o senador Lindbergh Farias (PT-RJ). “A intenção final foi escrachar o senador. Por isso, levamos o companheiro em grupo até o seu carro para que ele pudesse sair em segurança”, relata a parlamentar. Na segunda, os dois fanáticos invadiram uma reunião fechada na sala da liderança do PT na Câmara Municipal. Os asseclas de Fernando Holiday estavam munidos de celulares e câmeras fotográficas e tentaram constranger os participantes.

Denunciado pelos atos abusivos, que poderiam até resultar na abertura de um processo por quebra de decoro, o vereador do DEM afirmou que os seus capachos, integrantes do MBL, só ingressaram no local para “entrevistar” o senador. Não dá para tolerar estas atitudes intolerantes dos fascistoides deste grupelho sinistro, que podem transformar a Câmara Municipal em um campo de ódio e violência. Confira abaixo a nota da vereadora Juliana Cardoso e o texto de repúdio da executiva municipal do PT:

*****

Hoje, dia 10 de fevereiro, enquanto fazíamos uma reunião com o Senador Lindbergh Farias, assessores do vereador Fernando Holiday invadiram a sala, munidos de celulares e câmeras para gravar uma reunião particular do meu mandato com a presença do Senador, fazendo provocações chulas e agredindo verbalmente nossos assessores.

A intenção final era escrachar o Senador Lindbergh, por isso o levamos em grupo até o seu carro para que ele pudesse sair em segurança.

Não satisfeitos, os mesmos assessores de Holiday, horas depois, ligaram para a GCM da Câmara Municipal chamando-os para o 6º andar avisando que lá haveria uma "ocorrência". Então, eles foram até o 6º andar e invadiram por três vezes uma reunião particular do mandato que estava ocorrendo na sala da Liderança do PT a portas fechadas, eles abriram a porta e começaram a gravar a reunião e agredir verbalmente nossos assessores com provocações.

Estes dois assessores, Arthur Moledo do Val e Weslley Viera, já invadiram no ano passado o gabinete do ex-vereador Jamil Murad em ação muito similar, segundo a GCM da Câmara Municipal.

Estamos extremamente indignados com esta situação que foi obviamente premeditada.

Lembramos que este episódio não atinge só o meu mandato, trata-se de uma atitude premeditada de coação, constrangimento e agressão física. Trata-se de desrespeito claro à democracia e ao regimento da casa. Se não há resposta das instituições para uma ação clara de profunda agressão, não teremos qualquer liberdade para fazer oposição, o que é inerente ao regime democrático. Ou não estamos mais em um regime democrático?

Pedimos a todos que puderem que nos apoiem neste momento de ataque ao nosso direito de ocupar e resistir neste espaço que nos foi dado por 34.949 mil eleitores.

*****

Nota da executiva municipal do PT

A Executiva Municipal do PT SP se solidariza com o mandato da vereadora Juliana Cardoso, que foi alvo ontem de uma ação violenta por parte de assessores do Vereador do DEM e líder do MBL, Fernando Holiday, durante atividade do PT na Câmara Municipal.

No momento que vivemos um golpe contínuo a classe trabalhadora em nosso país e o estado de exceção se amplia com a perseguição aos movimentos sociais, sindical e a todos e todas que lutam por democracia, manutenção dos direitos sociais duramente conquistados, a invasão de uma reunião do partido ontem, que não é isolada, mostra a escalada da intolerância em nosso país, devendo ser veemente repudiada por toda sociedade, pois não contribui para o estado democrático de direito e o respeito a divergência de opiniões numa casa legislativa.

O ataque a vereadora Juliana Cardoso é um ataque ao Partido dos Trabalhadores, que não baixará a cabeça para aqueles que não sabem viver numa democracia.

Perde a Câmara de vereadores como um todo pois desvirtua seu papel de legislar e fiscalizar em prol de toda população de São Paulo.

Todo apoio à vereadora Juliana Cardoso

São Paulo, 11 de fevereiro de 2017.

1 comentários:

Dilma Coelho disse...

É desagradável, para dizer o mínimo, essas propagandas sobre esses calhordas,essas criaturas como o do mbl, do margarina et caterva. Para mim é evidente que eles foram eleitos por urnas fraudadas.
Nenhum partido, político, site ou blog de esquerda fazem qualquer coisa para mudar isso. “Criar um comprovante de voto, emitido na hora e puxado pelo eleitor”.
Depois passam o tempo “reclamando” do infeliz candidato "vitorioso".
Precisamos mudar essa situação. Na próxima eleição será pior, os ratos estão soltos.
Grupo hacker diz que urnas eletrônicas do Brasil são propositalmente ...
folhapolitica.jusbrasil.com.br/.../grupo-hacker-diz-que-urnas-eletronicas-do-brasil-sao...
A fraude das eleições Brasileiras e o sistema propositalmente falho das Urnas Eletrônicas. O momento brasileiro é de alerta e nos lembra da proximidade das ...