sexta-feira, 3 de março de 2017

Carta aberta para Alexandre Garcia

Por Nathalí Macedo, no blog Diário do Centro do Mundo:

Caro Alexandre Garcia:

Escrevo ainda surpresa com o seu tweet a respeito do estupro de Jane Fonda – não que eu espere alguma coisa de você, mas me surpreende a sua coragem para externar uma opinião tão inútil e tão desnecessária justo na geração dos textões.

Imagino de que maneira alguém pode, depois de saber que outro ser humano foi violado quando ainda era uma criança, imediatamente retrucar: “e eu com isso?”
Fico tentada a pensar que não somos nós os responsáveis por tamanha insensibilidade: são os personagens que criamos nas redes sociais. É culpa das relações plásticas, penso, é culpa da efemeridade pós-moderna, da modernidade líquida de Bauman…

Então eu me lembro que homens brancos, bem-sucedidos e que se colocam como donos da verdade – como você – já eram insensíveis muito antes do Twitter.

A internet não cria monstros, só trata de deixá-los confortáveis.

Mas já que você acordou dado a uma pergunta tão sincera, faço o favor de te responder.

No Brasil, uma mulher é estuprada a cada onze minutos, e sabe quem tem a ver com isso?

Exatamente, você.

Aliás, você reúne todos os requisitos para ter muito a ver com machismo, misoginia e cultura do estupro.

Você tem a ver com isso quando reproduz piadas machistas, quando bate no ombro dos seus amigos assediadores, quando sexualiza mulheres que só querem ser reconhecidas por suas habilidades, quando participa tão sordidamente de um golpe machista que destituiu do poder uma mulher democraticamente eleita.

Você tem a ver com isso quando pensa que nós não devemos ter sororidade com uma vítima de estupro norte-americana porque temos os nossos próprios estupros para nos preocuparmos – mas para a infelicidade de homens como você, querido, a sororidade feminina é tão universal quanto a cultura do estupro.

Você tem a ver com isso quando reúne todos os privilégios possíveis em uma sociedade – é homem, branco, rico, e como se não bastasse, milhões te veem na televisão (infelizmente não há muita coisa boa para se ver na TV aberta).

Você tem muito com isso quando faz questão de externar sua insensibilidade não solicitada diante de uma violência que você jamais sofreu, quando se coloca como o exemplo vivo – quase patético, de tão caricato – dos motivos da minha irredutível descrença na empatia masculina para com as mulheres, e você tem a ver com isso quando trabalha para a Rede Globo, a emissora mais misógina e golpista da televisão brasileira.

Espero assistir – e sei que poderei – a sua vergonha e a vergonha daqueles para os quais você trabalha.

Você não se deu conta? O desespero da sua emissora é tamanho que ela tem colocado em seus palcos tudo aquilo que sabemos que ela abomina: feministas, gays, lésbicas, travestis, esquerdistas, maconheiros – tudo pela audiência. Tudo pra evitar a queda.

Arrisco que não conseguirá. A globo cairá, e você cairá junto… mas e eu com isso?

De homens como você, ninguém espera empatia – mas respeito pela dor do outro nunca fez mal a ninguém.

1 comentários:

Carlos Menezes disse...

Muito bem. Porém não se iluda. Esse cara sempre foi um rato.