quarta-feira, 10 de maio de 2017

Criticado por aliados, Moro tenta sobreviver

Curitiba, 10/5/17. Foto: Mídia Ninja
Por Kiko Nogueira, no blog Diário do Centro do Mundo:

Embora Sergio Moro tente, cinicamente, banalizar o depoimento de Lula, ele é um divisor de águas para a democracia brasileira.

De imediato, há um componente absurdo e autoritário no processo, mas emblemático do momento que vivemos: o juiz aparece como contendor, não no papel que deveria ter num estado de direito.

Acusado em cinco processos distintos de receber propina e outras vantagens indevidas de construtoras, Lula chega para um encontro com o principal agente de seu massacre diuturno, um soldado aplicado das mesmas forças que deram o golpe.

Nunca foi um julgamento técnico.

O debate foi politizado e em Curitiba estão em disputa dois projetos distintos para um país profunda e talvez irremediavelmente dividido.

O Judiciário se tornou um partido e Moro é seu líder. Dias antes do interrogatório, uma colega dada a compartilhar posts do MBL e de sites de ultradireita mandou proibir manifestações.

Na terça, dia 9, um juiz que teve pedido de afastamento por parcialidade na Operação Zelotes mandou fechar o Instituto Lula, num despacho patético e recheado de erros de português.

Sergio Moro terá seu grande dia para mostrar serviço para seus patrocinadores. Especialmente a Globo, que o sustenta realmente - como sustentou, antes deles, o hoje esquecido Joaquim Barbosa, o “menino pobre” que ia “salvar o Brasil”, na formulação idiota da Veja.

Vai ser sua chance de tentar reverter um quadro de cansaço com sua cruzada moralista, inclusive nas hostes aliadas.

Gilmar Mendes, preocupado com seus amigos tucanos, chamou os presos da Lava Jato de “reféns” e vem denunciando o apetite insaciável dos procuradores para aparecer.

Janot tentou dar o troco pedido o impedimento de Gilmar do caso Eike pelo fato da mulher de GM advogar para o empresário.

Acabou desmoralizado com a notícia de que sua filha advoga para a OAS e chamado publicamente de “sicofanta” e “irresponsável” pelo sócio de Guiomar Mendes.

(Ah, se a imprensa fizesse o dever de casa e não fosse monomaníaca com o PT…).

O Estadão de hoje traz um editorial dizendo que “não é tarefa da Lava Jato denunciar as instituições ou promover um movimento de repúdio aos poderes constituídos”.

Continua: “É perniciosa a tentativa de transformar a Lava Jato na grande panaceia nacional. Além de não tirar o País da crise, esse modo de conduzi-la, como se tudo estivesse podre – como se os poderes constituídos já não tivessem legitimidade para construir soluções –, inviabiliza a saída da crise”.

Para que seu show continue, Moro necessita de sua audiência - parte dela açulada no Facebook, com esmero, por sua mulher Rosângela numa página das mais ridículas da história.

Lula levou sua torcida ao Paraná porque é o que ele tem para combater um esquema francamente desfavorável num jogo cujo árbitro quer sua eliminação.

Sequestrado pela fantasia de vingador mascarado que ele passou a achar que era verdadeira, Moro dependerá de seu desempenho para dar uma sobrevida ao monstro que inventou com a ajuda dos de sempre.

Isso inclui, eventualmente, declarar a prisão de Lula. Jogar o país no caos é um detalhe a mais num esquema que já nos deixou à deriva.

1 comentários:

Marcio Maciel Andrade disse...

O Mainard tá muito puto