sexta-feira, 12 de maio de 2017

Fachin e Santana: golpe segue mesmo roteiro

Por Miguel do Rosário, no blog Cafezinho:

A cada dia que passa, a morte de Teori Zavaschi nos parece mais oportuna para os golpistas, pois o comportamento de seu “herdeiro”, Luiz Edson Fachin, revela-se cada vez mais afinado com a agenda criminosa do partido midiático-judicial que assumiu o poder político no país.

No dia seguinte à surra épica que Lula aplicou em seus algozes, não apenas através de seu depoimento, mas sobretudo pela capacidade incrível de mobilização de seus apoiadores, o partido judicial levanta o sigilo dos depoimentos de João Santana e sua esposa.

O casal Santana faz parte do rol de torturados pela nova Inquisição: eles só encontraram jeito de fugir às bastilhas perpétuas anuindo em participar do jogo sujo dos procuradores, ou seja, legitimando as teses pré-escritas da acusação, que podem ser todas resumidas em duas frases: delenda PT e longa vida ao golpe.

A defesa de Dilma está chocada. Após ter implorado, em vão, pelo acesso à íntegra das delações de João Santana e esposa, para que pudesse formular uma defesa no TSE com base em documentos de conhecimento apenas de seus acusadores, a justiça só os libera agora, passado o prazo estipulado pelo TSE para entrega da defesa.

Os vazamentos seletivos das delações do casal Santana, naturalmente, nunca pararam.

O ministro Fachin derruba, só agora, o sigilo das “delações” de João Santana e esposa. Como de praxe, os documentos são entregues, em primeiro lugar, à Globo, e só depois liberados publicamente para a defesa da presidenta Dilma.

Isso é bem coerente com o momento atual vivido pela justiça brasileira, convertida num puxadinho jurídico da família Marinho.

O roteiro é previsível. Qualquer vitória política do campo popular é abafada no dia seguinte por algum tipo de ação espetacular da Lava Jato. E não apenas da Lava Jato. O comportamento de Curitiba contaminou todo o sistema judiciário, transformando-o numa grande Lava Jato, vide o caso do juiz que mandou fechar o Instituto Lula com base num “pedido” do Ministério Público que era apenas uma fantasia criminosa que ele mesmo inventou.

Em 2016, quando a população ia às ruas para lutar contra o golpe, a Lava Jato desencadeava operações espetaculares exatamente no dia seguinte, de modo a abafar, na mídia, qualquer repercussão que as grandes manifestações contra o impeachment pudessem provocar na opinião pública.

A Lava Jato e ações similares transformaram-se num grotesco teatro, voltado a desviar a atenção dos problemas econômicos, cada dia mais terríveis, e das reformas antissociais que essa organização criminosa que a imprensa agora chama de governo quer aprovar a toque de caixa, sem debate público, sem exposição ao contraditório, sem discussão com a sociedade civil organizada, no congresso nacional.

2 comentários:

Ralph Panzutti disse...

Quero saber o que fazer com esses funcionários públicos quando tivermos um governo popular. Só isso. Se tivéssemos feito uma comissão de verdade mesmo, esses funcionários públicos não existiriam. Agora temos que fazer . Não é ´possível que esses funcionários públicos, notoriamente golpistas, fiquem impunes, pois a probabilidade de dar certo o golpe é incerto, como é incerto o caminho da democracia. Pois se não tivermos um governo popular , vem a barbárie. Neste caso todos os gatos são pardos. Que esses funcionários públicos que se cuidem.

Ralph Panzutti disse...

Miriam Leitão é uma vendida, pequena.