terça-feira, 4 de outubro de 2016

A periferia abandona o PT

Por Cynara Menezes, no blog Socialista Morena:

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, perdeu em todos os distritos eleitorais da capital, inclusive nos redutos tradicionais do seu partido, o PT. Haddad perdeu em Parelheiros e Grajaú (zona Sul) para Marta, perdeu no Itaim Paulista (zona Leste) para Celso Russomanno e perdeu para o eleito João Doria Jr. em Guaianases, Cidade Tiradentes e Capão Redondo (zona Sul). O prefeito teve seu melhor desempenho em Pinheiros, bairro de classe média alta da zona Oeste.

É óbvio que o massacre midiático e a investida judicial contra o partido teriam seus efeitos nas urnas, mas tem um fator que precisa ser alvo de atenção especial por parte da esquerda. A eleição paulistana comprova o que venho falando há algum tempo: o PT se distanciou da classe trabalhadora. O partido criado pelo metalúrgico Lula nasceu em berço sindical, mas não soube cultivar o vínculo com os representantes dos trabalhadores a não ser pelo peleguismo –é emblemático que este ano tenha sido derrotado nas cidades do ABC, à exceção de Santo André, onde Carlos Grana disputará o segundo turno.

Como se não bastasse o distanciamento de trabalhadores e sindicatos, o PT deixou de investir na formação de militantes durante os anos em que esteve no governo federal, optando por fortalecer a nomenklatura. O resultado desta abdicação à conscientização política das massas foi que a nova classe média ou “nova classe trabalhadora”, como diz Marilena Chaui, acabou cooptada pela direita, com a providencial ajuda da velha mídia que a representa.

O abandono do PT pela classe que lhe dá nome é a notícia mais preocupante desta derrota e afeta a esquerda como um todo. É também um fenômeno internacional. Ocorre nos Estados Unidos com Donald Trump, que conquistou a classe trabalhadora branca com seu populismo. E no Reino Unido, onde os pobres votaram em sua maioria pela saída do país da União Europeia, na ilusão de que isso trará seus empregos de volta. Por que as promessas de uma vida melhor sob uma ótica de esquerda deixaram de atrair os trabalhadores?

Eu acho que nos elitizamos. Viramos os representantes de gente consciente e estes não são, nem de longe, a maioria do eleitorado. Os pobres, que encontravam nas promessas da esquerda, sobretudo do PT, um alento para suas vidas sofridas, agora parecem seduzidos pela ilusão de ascensão social rápida e de consumismo vendida pela direita. A derrota dos petistas no Nordeste indica que políticas de redistribuição de renda como o Bolsa Família tampouco se convertem automaticamente em votos como antes. Das sete cidades onde Lula esteve na região fazendo campanha, só Crato e Iguatu, no Ceará, elegeram prefeitos do PT –além de Recife, onde João Paulo foi ao segundo turno.

Como voltar a seduzir os trabalhadores para a ideia de um mundo com mais justiça social, principal razão de existir da esquerda? O que nos reaproximará das classes menos favorecidas? São as questões que temos de nos fazer daqui para a frente, toda a esquerda, não só o PT. O PSOL, por exemplo, está indo ao segundo turno no Rio e tem um desafio imediato: disputar com o bispo Marcelo Crivella a narrativa junto aos mais humildes, que todos estes anos o PT deixou à mercê das igrejas evangélicas. É imprescindível atingir estas pessoas sem menosprezar sua fé, mesmo que não seja a nossa. No longo prazo, o PSOL tem que ampliar sua base social para crescer.

Ao mesmo tempo que a política de alianças do PT se mostra ultrapassada, é fato que a esquerda como um todo deve se redesenhar olhando para a sociedade que temos, empunhar bandeiras mais próximas à realidade e não ao que sonhamos (e isso inclui o PSOL e outro partido que também cresceu, o PCdoB). Nada de abrir mão da defesa intransigente de reivindicações que nos colocam na modernidade, como a defesa dos direitos LGBTs, da descriminalização do aborto e da maconha. Mas precisamos ouvir os anseios dos menos favorecidos para que possamos lhes oferecer novas respostas de acordo com o que a esquerda acredita.

Também é preciso virar a página dos dogmas que ainda nos ligam a experiências fracassadas como a da União Soviética e que fazem alguns esquerdistas se sentirem donos do socialismo ao ponto do esnobismo. Sinto isso na pele: há algumas semanas, fui alvo do ataque de esquerdistas que defendem que não posso me denominar “socialista” simplesmente por rejeitar a luta armada. E os trabalhadores, como podem se sentir próximos de gente que acha que é preciso seguir certas regras, defender certas ideias e ler certas obras para ser de esquerda? Este elitismo causa repulsa, não atração.

Se não nos concentrarmos nas demandas da classe trabalhadora, corremos o risco de virar uma ideologia que se comunica apenas consigo mesma e com uma elite mais politizada. Uma ideologia nanica.

3 comentários:

Anônimo disse...

QUEM NÃO SE COMUNICA, SE TRUMBICA !!!

Carlos Menezes disse...

A direita conseguiu vender peixe podre. Dane-se quem comprou. Vão pagar o preço da burrice

Anônimo disse...

"BRASIL INTEIRO ABANDONA O PT"!