sexta-feira, 1 de julho de 2011

Privatização e greve nos planos de saúde

Florisval Meinão, vice-presidente da APM
Por Altamiro Borges

Em assembleia realizada ontem à noite, médicos que atendem os planos de saúde em São Paulo decidiram paralisar as suas atividades. Cerca de 58 mil profissionais são explorados pelas empresas privadas do setor no estado. A paralisação atingirá dez convênios, que reúnem 3 milhões de usuários – no total, são 327 operadoras de planos de saúde em São Paulo, que “atendem” 18,4 milhões de usuários.



A greve, por tempo indeterminado, afetará uma especialidade médica por vez. Ao todo, são 53 especialidades, “o que pode fazer com que a paralisação dure um ano inteiro por meio desse rodízio”, informa o UOL. O objetivo, segundo Florisval Meinão, vice-presidente da Associação Paulista de Medicina, é pressionar os planos a negociarem reajuste dos honorários pagos aos médicos.

O péssimo atendimento “privado”

O grau de exploração dos planos privados de saúde é absurdo. Entre 2003 e 2009, as operadoras concederam reajustes salariais de 44%, em média, índice bem abaixo da inflação acumulada no período. Em abril passado, os médicos já realizaram uma greve nacional por melhores salários. Eles recebem, em média, R$ 30 por consulta. Reivindicam receber R$ 80,00.

Além do arrocho salarial e do ritmo desumano de trabalho, os planos privados de saúde são alvos de crescentes denúncias sobre o péssimo atendimento aos “clientes” – encarados como pura mercadoria. A demora no agendamento das consultas, as filas nos consultórios e o atendimento às pressas, tipo linha de produção fordista, têm irritado cada vez mais o trabalhador que paga os caríssimos planos de saúde. Muitos inclusive têm retornado aos hospitais públicos.

Fortalecimento do SUS

A paralisação dos médicos evidencia a gravidade do setor no Brasil. Nas últimas décadas, ele foi duramente atingido pelo processo mercantilista de privatização. Atualmente, o setor privado é dono de 69% dos hospitais. Segundo reportagem de Cida de Oliveira, da Rede Brasil Atual, “a maior parte da infraestrutura da saúde no país está nas mãos da iniciativa privada. Dos cerca de 6,3 mil hospitais, 69% são particulares e destinam apenas 38% de seus leitos para o Sistema Único de Saúde (SUS)”.

Célia Maria de Almeida, pesquisadora e coordenadora do Programa de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica em Saúde da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (ENSP/Fundação Oswaldo Cruz), avalia que o setor vive uma encruzilhada. Por um lado, o SUS representou uma conquista da sociedade, com o aumento da cobertura e a descentralização da gestão. Por outro, a crescente privatização do setor coloca em risco estes avanços.

“Houve um aumento expressivo do setor privado, estimulado pelos governos por meio de incentivos fiscais e de financiamento. Entre os obstáculos que temos pela frente está o de aumentar o financiamento federal da saúde, elevando assim investimentos em infraestrutura”, observa. Para ela, a questão central é fortalecer o SUS. O poder público deve rever a sua política de subsidiar o setor privado, ao mesmo tempo em que investe pouco no setor público.

3 comentários:

Ana Cruzzeli disse...

Altamiro,
Desculpe-me mas a culpa é do trabalhador.
Aqui em Brasilia minha categora vai me apredejar em praça publica quando eu pedir na camara legislativa para que exclua projeto sobre seguro de saude aos trabalhadores da educação publica. Caso a camara não concorde eu já tenho um plano b, exclusão judicial. Ganho essa com os pés nas costas, contudo vou ter que ouvir companheiro me xingar de todo tipo de nome sujo.
Parece que eu sou um desajustada, não sou, sou a mais fiel sindicalizada, contudo não vou trabalhar para o inimigo mesmo quando toda a categoria assim procede.
Não briguei toda a minha vida profissional contra as seguradoras para perder agora. Infelizmente o grande inimigo do trabalhador é ele e sua visão miope.
Fiz um debate na minha escola, mostrei todos os dados dos hospitais publicos e a unica argumentação dos miopes são as reporcagens do DF/ TV-Globo. Até a minha mãe defende esse absurdo. Como ele tem 75 anos e morre de medo de não ser atendida em situação de urgencia ve nessa reportação alimento ao medo. Já disse a ela que quando, precisar vai sim ficar desassistida pela sua seguradora.

Essa briga é feia espero que a CUT/DF brigue junto. São quase 20 de lavagen cerebral e desarticulação do sistema pelas seguradoras.Temos como reverter isso, a rapidez da reestruração dependerá da rapidez em que o trabalhador entender a força que tem. E fazer greve não é uma delas, dizer não as seguradoras e propor saidas objetivas, detalhadamente pensadas, esse é o caminho.

Junior disse...

Olá Miro, tem duas matérias em meu Blog,sofre Blogueiros ameaçados, um do E.Santo e outro do Paraná.
Vamos mobilizar junto ao Twitter e nos Blogs, a força da Blogosfera, contra esses pilantras que ameaçam covardemente companheiros nossos...
Conte comigo, com meu Blog e no Twitter: JrPentecoste
Vamos divulgar...

http://juniorpentecoste.blogspot.com/2011/07/parana-rumo-idade-media-mais-um.html

http://juniorpentecoste.blogspot.com/2011/07/blogueiro-marcado-para-morrer-pede.html
Abraço Blog do Junior Pentecoste
www.juniorpentecoste.blogspot.com

Equipe Técnica Pela Saúde disse...

Célia, a CUT/DF não vai lutar pelo SUS. Dá uma olhada no CUT/DF online.
http://www.cutdf.org.br/novo/cut_default.aspx?cmx=1057