quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Alguns bastidores da entrevista com Lula

Reproduzo artigo de Renato Rovai, publicado em seu blog no sítio da Revista Fórum:

Ao final da entrevista o presidente, com as câmeras e microfones já desligados, disse que queria se comprometer a já agendar uma próxima entrevista com aquele grupo para logo depois que deixasse a presidência. “Porque eu quero tratar com vocês do mensalão, quero falar longamente dessa história e mostrar a quantidade de equívocos que ela tem. Porque o Zé Dirceu pode ter todos os defeitos do mundo, mas…”

Quando o presidente ia completar a frase um dos fotógrafos pediu para que ele se ajeitasse para a foto e o pensamento ficou sem conclusão. Ficou claro que o presidente considera esse caso mal resolvido e que vai entrar em campo assim que sua residência oficial passar a ser em São Bernardo do Campo.

Em muitos momentos da entrevista Lula demonstrou que considera que o comportamento da imprensa brasileira foi mais do que parcial, foi irresponsável. Isso ficou evidente quando disse que a cobertura do acidente da TAM foi o momento mais triste do seu período presidencial. Lembrou que à época alguns jornais e revistas escreveram editoriais falando que o governo carregava nas costas 200 cadáveres.

Ele também introduziu na entrevista, sem que a blogosfera perguntasse, a questão da política internacional. E falou dos bastidores de sua ação na negociação com o Irã. Ao trazer uma negociação desse porte para a pauta da entrevista, o presidente pode ter sinalizado que o palco internacional faz parte do seu projeto futuro.

Lula não fala nada sem pensar e gratuitamente. Quando se está frente a frente com ele isso se torna ainda mais evidente. Lula é hoje um político preparadíssimo. E falou, por exemplo, que o PT do Acre errou e que por isso Dilma perdeu feio lá para mandar um recado aos irmãos Viana, que controlam o partido no estado.

Aliás, depois da entrevista ele fez questão de chamar o blogueiro Altino Machado de lado e voltou a tocar no assunto. Disse que vai ao Acre ainda no primeiro semestre de 2011. E que quer conversar com Altino quando for lá.

Ele também falou que vai tratar do caso Paulo Lacerda quando sair da presidência. Tudo indica que a sua melhor entrevista ainda está por vir. Será aquela em que ele vai poder falar de tudo sem o ritual do cargo.

Esse encontro com Lula ainda merecerá outros posts deste blogueiro, mas aproveito para contar um pouco dos bastidores que o antecederam. Em agosto, solicitei em nome da comissão do 1º Encontro da Blogosfera Progressista essa coletiva com o presidente. A resposta veio rápida. O presidente aceitava, bastava construir uma agenda.

Entre a organização do encontro se estabeleceu um debate sobre se seria conveniente ou não que ele ocorresse antes das eleições. De comum acordo com a assessoria da presidência definiu-se que seria jornalisticamente mais interessante que acontecesse agora. Para que se evitasse o inevitável, que se tentasse descaracterizar o encontro com acusações do tipo “ação de campanha”.

Uma das preocupações que também surgiu desde o início foi a de que os blogueiros que participassem representassem a diversidade do país. Isso foi conseguido. Entre os 10 que estiveram com Lula hoje, havia gente de sete estados brasileiros e de todas as regiões. Também havia diversidade de gênero na lista inicial. Eram quatro as mulheres que participariam: Helena, do Blog Amigos do Presidente Lula; Ivana Bentes, da UFRJ; Conceição Lemes, do Viomundo; e Maria Frô, do blog da Maria Frô.

Por motivos diferentes elas não puderem vir a Brasília. Maria Frô conseguiu participar pela twitcam. Ivana Bentes, que também ia entrar por esse sistema, não conseguiu por problemas técnicos.

Ao fim, quem imaginava que seria um encontro chapa-branca se surpreendeu. Quantas vezes na história deste país o presidente da República foi perguntado, por exemplo, sobre por que não se avançou na democratização das comunicações? Quantas vezes lhe perguntaram por que recuou no PNH3? Quantas vezes ele teve de se explicar sobre a saída de Paulo Lacerda da PF? Quantas vezes ele foi cobrado sobre o governo não ter se empenhando para a aprovação das 40h semanais? Quantas vezes Lula falou sobre o Acre e suas idiossincrasias políticas? Quantas vezes discutiu o capital estrangeiro na mídia? Quantas vezes falou sobre AI 5 digital? Quantas vezes tratou da educação para o povo negro? Quantas vezes abordou a cobertura da Globo no episódio da bolinha de papel?

Pode-se gostar ou não desta entrevista, mas uma coisa não se pode negar. Ela entra para a história da cobertura política brasileira.

.

4 comentários:

L-A. Pandini disse...

Amigos, estou postando o comentário abaixo em todos os blogues particiantes da entrevista.

"Cloaca na capa d'O Globo!!!!! Isso mostra que a velha mídia está vendo a água chegar nas narinas, mas faz questão de manter a pose e dizer "não estou nem aí, não é comigo".

A "cobertura" do jornal da Roberto Marinho Company foi uma das coisas mais idiotamente hilárias que já vi no porcalismo brasileiro. Tão debiloide que ninguém teve coragem de assinar a "matéria" nem a pequena coluna publicada sob a rubrica "opinião" que a acompanha.

Parabéns a todos os blogueiros que estiveram lá. Vocês nos representaram muitíssimo bem.

Abraços! (Luiz Alberto Pandini - www.pandinigp.blogspot.com)"

Vera Pereira disse...

Parabéns pela iniciativa e pela entrevista. Já assisti 2 vezes e estou copiando fotos.

leleka disse...

Com certeza.E depois que o Lula virar ex presidente...teremos aí aulas de aprendizado.Tomara q/ele se mantenha sempre atuante c/a globosfera.Só teremos a ganhar c/isso.

Anônimo disse...

Eita! Que felicidade e emoção ao assistir o vídeo. Parabéns a todos e os “sujos” não poderiam estar melhor representados. Quanto à mulheres? Elas não têm pressa, embora estejam atuantes fortemente.
Imagine o que será depois que o presidente desencarnar e tornar-se um blogueiro “sujo”?
Imagine quantas entrevistas serão dadas pela presidente Dilma aos blogueiros “sujos”?
Este grupo formado pelos corajosos blogueiros progressistas transformou a forma não só de apresentar os fatos, portanto, a mídia, bem como a forma de se fazer política. Pouco não é?!?!?!?!?!?!?!?!?
Tenho orgulho de todos os artífices desse processo.