quarta-feira, 28 de março de 2012

Gurgel vai investigar a revista Veja?

Por Altamiro Borges

Após engavetar as denúncias por três anos, finalmente o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, decidiu pedir a abertura de inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar o senador Demóstenes Torres por suas ligações com o mafioso Carlinhos Cachoeira. Poucas horas antes, o falso moralista da direita anunciou a sua renúncia da liderança do DEM no Senado.
“Considerei as denúncias graves o suficiente para que houvesse o pedido de instauração de inquérito”, justificou Gurgel. Segundo o sítio do STF, Demóstenes será investigado pelos crimes de corrupção passiva, prevaricação e advocacia administrativa (quando um servidor defende interesse privado perante a administração pública). O pedido do inquérito tem 56 páginas e 16 apensos.

Liquidado politicamente

A própria mídia, que sempre bajulou o senador demo, já reconhece que ele está liquidado. “Demóstenes optou por renunciar à liderança por não ter mais condições para conduzir votações. O presidente do partido, senador José Agripino (RN), assumiu seu lugar. Abatido, Demóstenes passou o dia trancado em seu gabinete e não circulou pelos corredores do Senado”, relata a Folha.

Durante os últimos dias, o ex-líder do DEM ainda tentou convencer seus pares no Congresso Nacional de que é inocente. O seu esforço foi para evitar que também seja aberto um processo no Conselho de Ética do Senado, o que pode causar a perda do seu mandato. O PSOL já anunciou que encaminhará pedido ao presidente da casa, José Sarney, para o início do processo de cassação.

Assassino de reputação vira alvo

Demóstenes Torres, que sempre posou de paladino da ética e bateu para matar em seus adversários políticos, agora engole o seu próprio veneno. Até o DEM, para evitar maiores desgastes e o risco de extinção, já estuda sua expulsão. Agripino Maia, presidente da legenda, admitiu essa possibilidade ao afirmar que a sigla “não convive com a falta de ética”. É cômico, mas sintomático!

Com a abertura do inquérito no STF, a situação do demo deverá se complicar ainda mais. Como ele justificará o presentinho de casamento dado pelo amigo Carlinhos Cachoeira, o celular antigrampo, habilitado nos EUA, os 298 telefonemas para o mafioso e, principalmente, a denúncia da revista CartaCapital de que ele recebia 30% de todos os negócios ilegais do bicheiro?

A quadrilha e a revista Veja

Outra linha interessante de investigação, que também poderia ser solicitada pelo procurador-geral Roberto Gurgel, seria sobre as relações desta “quadrilha” com a revista Veja. Com base nas escutas da Operação Monte Carlo da PF, o blogueiro Luis Nassif já denunciou que o mafioso Carlinhos Cachoeira deu mais de 200 telefonemas para o editor-chefe da revista, Policarpo Junior.

A revista Veja sempre amplificou os escândalos plantados por Demóstenes Torres, um notório assassino de reputações. Agora, o jornalista Marco Damiani, do sítio Brasil-247, publica entrevista bombástica com o ex-prefeito de Anápolis (GO), Ernani de Paula. Ele garante que “Cachoeira e Demóstenes armaram o esquema do mensalão” e que a Veja foi usada na armação. Vale conferir:

*****

“Cachoeira e Demóstenes armaram o mensalão”


Por Marco Damiani


O mensalão, maior escândalo político dos últimos anos, que pode ser julgado ainda este ano pelo Supremo Tribunal Federal, acaba de receber novas luzes. Elas partem do empresário Ernani de Paula, ex-prefeito de Anápolis, cidade natal do contraventor Carlinhos Cachoeira e base eleitoral do senador Demóstenes Torres (DEM-GO).


“Estou convicto que Cachoeira e Demóstenes fabricaram a primeira denúncia do mensalão”, disse o ex-prefeito em entrevista ao 247. Para quem não se lembra, trata-se da fita em que um funcionário dos Correios, Maurício Marinho, aparece recebendo uma propina de R$ 5 mil dentro da estatal. A fita foi gravada pelo araponga Jairo Martins e divulgada numa reportagem assinada pelo jornalista Policarpo Júnior. Hoje, sabe-se que Jairo, além de fonte habitual da revista Veja, era remunerado por Cachoeira – ambos estão presos pela Operação Monte Carlo. “O Policarpo vivia lá na Vitapan”, disse Ernani de Paula ao 247.


O ingrediente novo na história é a trama que unia três personagens: Cachoeira, Demóstenes e o próprio Ernani. No início do governo Lula, em 2003, o senador Demóstenes era cotado para se tornar Secretário Nacional de Segurança Pública. Teria apenas que mudar de partido, ingressando no PMDB. “Eu era o maior interessado, porque minha ex-mulher se tornaria senadora da República”, diz Ernani de Paula. Cachoeira também era um entusiasta da ideia, porque pretendia nacionalizar o jogo no País – atividade que já explorava livremente em Goiás.


Segundo o ex-prefeito, houve um veto à indicação de Demóstenes. “Acho que partiu do Zé Dirceu”, diz o ex-prefeito. A partir daí, segundo ele, o senador goiano e seu amigo Carlos Cachoeira começaram a articular o troco.


O primeiro disparo foi a fita que derrubou Waldomiro Diniz, ex-assessor de Dirceu, da Casa Civil. A fita também foi gravada por Cachoeira. O segundo, muito mais forte, foi a fita dos Correios, na reportagem de Policarpo Júnior, que desencadeou todo o enredo do Mensalão, em 2005.


Agora, sete anos depois, na operação Monte Carlo, o jornalista de Veja aparece gravado em 200 conversas com o bicheiro Cachoeira, nas quais, supostamente, anteciparia matérias publicadas na revista de maior circulação do País.


Até o presente momento, Veja não se pronunciou sobre as relações de seu redator-chefe com o bicheiro. E, agora, as informações prestadas ao 247 pelo ex-prefeito Ernani de Paula contribuem para completar o quadro a respeito da proximidade entre um bicheiro, um senador e a maior revista do País. Demonstram que o pano de fundo para essa relação frequente era o interesse de Cachoeira e Demóstenes em colocar um governo contra a parede. Veja foi usada ou fez parte da trama?

*****

Leia também:

- Demóstenes Torres: o demo "ético" caiu

- O advogado do demo Demóstenes Torres

- Demóstenes e os escândalos da Veja

- Ligações de Demóstenes com Gilmar Mendes

- Demóstenes será expulso do DEM?

- 30% de Cachoeira para Demóstenes

- Augusto Nunes e o clube dos cafajestes

- Cachoeira e o redator-chefe da Veja

3 comentários:

Alceu disse...

Estou tentando e não tenho sucesso ao baixar o livro "A ditadura da mídia" no Calaméo. Tem outra forma de conseguir a obra?

Miro disse...

Oi, Alceu
Envie, por favor, seu e-mail e repasso o livro em PDF.
abraços

Anônimo disse...

Ola miro, se puder repassar para mim tb, eu agradeço. Email: danilolau@gmail.com