quinta-feira, 27 de junho de 2013

Movimentos marcam ato na TV Globo

Por Gisele Brito, na Rede Brasil Atual:

Movimentos que defendem a democratização dos meios de comunicação realizaram na noite de ontem (26) uma plenária no vão livre do Masp, na Avenida Paulista, em São Paulo, para traçar uma estratégia de atuação. A ideia é aproveitar o ambiente de efervescência política para pautar o assunto. Concretamente cerca de 100 participantes decidiram realizar uma manifestação diante da sede da Rede Globo na cidade, na próxima quarta-feira (3).

A insatisfação popular em relação à mídia foi marcante nas recentes manifestações populares em São Paulo. Jornalistas de vários veículos de comunicação, em especial da Globo, foram hostilizados durante os protestos. No caso mais grave, um carro da rede Record, adaptado para ser usado como estúdio, foi incendiado.

Na plenária de ontem, o professor de gestão de políticas públicas da Universidade de São Paulo, Pablo Ortellado, avaliou que os jornais Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo, a revista Veja e a própria Globo, por meio de editoriais, incentivaram o uso da violência para reprimir os manifestantes. Mas em seguida passaram a colaborar para dispersar a pauta de reivindicações que originaram a onda de protestos, ao incentivar a adoção de bandeiras exteriores à proposta do MPL – até então restrita à revogação do aumento das tarifas de ônibus, trens e metrô de R$ 3 para R$ 3,20.

Os movimentos sociais, no entanto, ainda buscam uma agenda de pautas concretas para atender a diversas demandas, que incluem a democratização das concessões públicas de rádio e TV, liberdade de expressão e acesso irrestrito à internet.

“Devíamos beber da experiência do MPL (Movimento Passe Livre) aqui em São Paulo, que além de ter uma meta geral, o passe livre, conseguiu mover a conjuntura claramente R$ 0,20 para a esquerda”, exemplificou Pedro Ekman, coordenador do Coletivo Intervozes. “A gente tem que achar os 20 centavos da comunicação. Achar uma pauta concreta que obrigue o governo federal a tomar uma decisão à esquerda e não mais uma decisão de conciliação com o poder midiático que sempre moveu o poder nesse país”, defendeu.

"A questão é urgente. Todos os avanços democráticos estão sendo brecadas pelo poder da mídia, que tem feito todos os esforços para impedir as reformas progressistas e para impor uma agenda conservadora, de retrocesso e perda de direitos", afirmou Igor Felipe, da coordenação de comunicação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

A avaliação é que apesar de outras conquistas sociais, não houve avanços na questão da democratização da mídia. "Nós temos dez anos de um processo que resolveu não enfrentar essa pauta. Nós temos um ministro que é advogado das empresas de comunicação do ponto de vista do enfrentamento do debate público", disse Ekman, referindo-se a Paulo Bernardo, da Comunicação.

Bernardo é criticado por ter, entre outras coisas, se posicionado contra mecanismos de controle social da mídia. "Eu não tenho dúvida que tudo isso passa pela saída dele. Fora, Paulo Bernardo!", enfatizou Sérgio Amadeu, professor da Universidade Federal do ABC e coordenador do programa Praças Digitais da prefeitura de São Paulo.

Amadeu acusa o ministro de estar "fazendo o jogo das operadoras que querem controlar a Internet" e trabalhar para impedir a aprovação do atual texto do Marco Civil do setor. "Temos uma tarefa. Lutar sim, para junto dessa linha da reforma política colocar a democratização", afirmou.

A secretária de Comunicação da CUT, Rosane Bertotti, coordenadora geral do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação, enfatizou a importância da campanha de coleta de assinaturas para a proposta de iniciativa popular de uma nova lei geral de comunicação.

O projeto trata da regulamentação da radiodifusão e pretende garantir mais pluralidade nos conteúdos, transparência nos processos de concessão e evitar os monopólios. "Vamos levá-lo para as ruas e recolher 1,6 milhão de assinaturas. Esse projeto não vem de quem tem de fazer – o governo brasileiro e o Congresso –, mas virá da mão do povo", disse.

4 comentários:

Francisco niteroi disse...

Altamiro

Acho que estamos fazendo politica pré-redes sociais. As manifestacoes deram certo pois alem da midia, foram usadas as redes. Vc viu o caso do Change Brazil? É ligado a um empresario socio da Abril. Usaram a rede e um discurso pronto.
Mais que manifestacao em frente da globo, temos que ocupar a rede dizendo coisas como:
- a globo fala do sarney, collor, etc, mas é socia deles.
- a globo foi contra o 13o. Salario ( mandei a capa do jornal pra amigos e fez sucesso)
- A globo so contrata atraves de PJ e com isso nao paga à Previdencia
- a globo deve à Receita
- nos EUA quem tem RADIO nao pode ter TV na mesma regiao ( um amigo que ouvia o termo "regulacao da midia" e pensava em Chavez concordou comigo quando abandonei o termo regulacao e falei em oligopolio).
A globo fala dos politicos mas nao fala das concessoes de radio e tv pra politicos.

Ou seja, todos os assuntos acima mando pra amigos e sinto um retorno maior do que manifestacoes em frente da Globo onde só irá os já convencidos.

Vamos pras redes sociais, é a nova ÁGORA.

Anônimo disse...

Quando a concessão pública de rádio e TV que operam informação, direito da cidadania, se provada a manipulação, omissão intencional, calúnia... não há mais razão para a concessão.

Unknown disse...

A esquerda está burocrática demais nesse assunto, De nada mais adianta redigir e noticiar sobre o que acontece com as comunicações neste país. A importância das comunicações em geral para a manutenção da ignorância da população em relação a temas realmente relevantes para a sociedade é vital para a direita. //////// O que se tem que fazer é começar uma grande mobilização dos segmentos de esquerda, em caráter emergencial. //////// Cem pessoas diante da sede da Globo chega a tangenciar o ridículo. //////// As administrações já deram o tom de liberação da manifestação democrática e pacífica ( ou "passifica" por que é a pé ). //////// A Presidenta já deu o tom: quer ver o povo dentro do processo. //////// O que a esquerda está esperando ? //////// Os integralistas e os linearistas tomarem a dianteira ? //////// menos textos e mais ação. //////// Afinal, enquanto nós escrevemos, a direita age !! O meu nome é Sergio Govea. sergiogovea@yahoo.com.br

Anônimo disse...

Chegou a hora de combater essa organização criminosa.