terça-feira, 9 de julho de 2013

Na Globo, Jô e Cantanhêde excitados

http://www.ajusticeiradeesquerda.blogspot.com.br/
Por Eduardo Guimarães, no Blog da Cidadania:

A madrugada de segunda para terça-feira foi uma farra para a oposição ao governo Dilma Rousseff. A concessão pública de TV entregue à família Marinho se transformou em palanque para ataques à presidente da República, ao ex-presidente Lula e ao partido de ambos.

Em clima de festa, o apresentador global Jô Soares e sua entrevistada principal da noite, a colunista da Folha de São Paulo Eliane Cantanhêde, demonstravam uma excitação incontida com o cenário político desfavorável ao governo federal.
Quem tiver interesse em ver com os próprios olhos e ouvir com os próprios ouvidos o uso de uma concessão pública com fins político-partidários, pode clicar aqui. Ou, então, pode ler este relato.

Em um dos momentos mais bizarros, a dupla “acusou” Lula de ser o “culpado” por trazer para o Brasil a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016 e por Dilma Rousseff e Fernando Haddad terem sido eleitos.

Além de terem passado 41 minutos e 30 segundos falando exclusivamente mal de Lula, Dilma e PT, o apresentador e sua convidada também agiram como porta-vozes do que chamaram de “o movimento”, referindo-se à onda de protestos que eclodiu pelo país no mês de junho.

A dupla atribuiu esse movimento a uma revolta contra o “petismo”, que “ninguém aguenta mais”.

E não faltaram, claro, os elogios à “beleza” de um “movimento” que teve como subproduto 15 mortes, centenas de feridos, prejuízos bilionários ao patrimônio privado e público, desmoralização da imagem do país diante do mundo e problemas econômicos que ainda serão conhecidos.

Na maior parte do tempo, Jô e Cantanhêde referiam-se a Lula, Dilma e PT como “eles”, enquanto se dirigiam a uma plateia selecionada com o óbvio intuito de vibrar com os ataques, batendo palmas, assoviando e gargalhando.

Não houve o menor traço de jornalismo, no programa. O tom de voz afetado da dupla, as ironias, o foco exclusivo em políticos petistas, ignorava que governos estaduais e municipais ocupados por partidos de oposição ao governo federal também foram alvos de protestos.

Jô e Cantanhêde vibraram especialmente com as agressões que militantes do PT sofreram por todo país ao tentarem participar dos protestos. Contudo, não falaram em agressões. Disseram, apenas, que o PT tentou “infiltrar” membros e os “infiltrados” foram convidados a se retirar.

A isso, seguiu-se uma longa demonização de partidos políticos, apresentados como ilegítimos em manifestações populares, apesar de serem a mais legítima expressão da vontade popular.

Em determinado momento, Cantanhêde opinou que “os políticos” correm o risco de ser “tirados de lá”, ou seja, de serem depostos “pelas ruas”. Como os alvos dos ataques foram todos petistas, a impressão que ficou é a de que o risco vale só para eles.

Não poderia faltar, também, pouco caso ao povo. Sobre o plebiscito pela reforma política, Cantanhêde disse que “a Maria” – referindo-se claramente a uma empregada doméstica – não teria condições de entender a consulta ao povo por “não ter estudado para isso”.

O uso escancarado de grandes redes de televisão com fins político-partidários, a fim de atacar um grupo político específico, explica a situação política do governo Dilma e do partido do governo, o PT.

O ódio da classe social que mandou seus filhos à rua em junho nasceu do uso reiterado das televisões com finalidade de destruir aquele grupo político e seus expoentes, com a ajuda inestimável do imobilismo das autoridades diante do que é nitidamente ilegal, pois televisão não pode ser usada com esse fim fora do horário eleitoral do TSE.

Nenhum programa semestral de partido político adversário do governo federal foi mais agressivo a ele e ao seu partido do que têm sido programas como esse do Jô Soares. Esse uso ilegal de concessão pública, esse abuso de poder econômico desequilibra a disputa política.

No mínimo, o Partido dos Trabalhadores e o governo Dilma Rousseff deveriam representar contra a Globo na Justiça Eleitoral. Caberia, inclusive, uma declaração forte da presidente. Acontecerá? Nunca.

Eis por que vai ficando cada vez mais difícil a reeleição da presidente da República. Ela e seu partido se renderam. Continuam acreditando que após o fatídico mês de junho podem continuar impassíveis diante de ilegalidades como essa sem serem atingidos.

O grande erro do PT e de Dilma tem sido o de acreditarem que podem vencer um jogo de cartas marcadas. O outro jogador está cheio de ases na manga e o jogador prejudicado não reclama.

Para onde se olha, não há entendimento do país que emergiu do último mês de junho. O Brasil está à deriva, sem liderança política. E esse vácuo vai sendo ocupado por empresas de comunicação como a Globo. O Brasil está voltando ao passado.

Enquanto o barco afunda, a orquestra continua tocando. Alheia ao naufrágio iminente.

9 comentários:

Unknown disse...

Como sempre, Eduardo Guimarães é preciso em suas análises. É, de fato, estarrecedor o papel de partido oposicionista desempenhado pelas organizações globo, que tentam barrar todas as conquistas dos últimos anos no país.É preciso que o governo federal acorde para essa realidade, antes que práticas fascistas e golpistas se tornem exitosas.

Anônimo disse...

A próxima eleição será diferente de todas anteriores: O PIG já decidiu e está mostrando isso....o objetivo do PIG é ganhar ou ganhar, não importa os meios. O resultado previsível é que o PIG vai ganhar a próxima eleição.

Edmilson Botequio

Verônica disse...

Assisti a péssima entrevista e a Catanhede conseguiu piorar ainda mais no conceito terrível que tinha dela pelas colunas e Globo News. O que os dois fizeram ontem é doentio e só pode ser recalque de muito tesão pelo Lula e José Dirceu, outro alvo das "beatas".

No entanto, penso que se está submestimando demais o povo nessa matéria assim como a presidenta Dilma que está reagindo e muito a esses ataques.

Aguardemos.

Jbmartins-Contra o Golpe disse...

Ao amigos que gosta de esclarecimento o que se passa na AL assista ao video https://www.youtube.com/watch?v=RXvYgew168o

Unknown disse...

A reforma possível

Dilma Rousseff tinha algumas alternativas para responder às manifestações populares. Todas variavam de acordo com o posicionamento que o governo federal assumiria em relação aos protestos.
O sonho da imprensa oposicionista era (continua sendo) a presidenta vestir a carapuça de alvo dos ataques, defendendo-se deles e depois os confrontando até centralizá-los contra si. Habilmente, porém, Dilma preferiu adotar as demandas genéricas das ruas: assimilou sua natureza reformista e seu anseio por melhores formas de representação.
A idéia da reforma política não apenas coaduna com as expectativas professadas pelos descontentes, mas acima de tudo evidencia seus próprios limites no Estado democrático de Direito. Apenas o imediatismo golpista acredita em soluções abruptas, verticais e impositivas para um dilema dessa envergadura.
Qualquer pessoa com entendimento básico dos Poderes republicanos sabe que as difusas transformações estruturais pleiteadas, inclusive a própria maneira de adotá-las, cabem ao Congresso Nacional. Nada mais justo do que Dilma lhe entregar a incumbência de atender aos desejos dos eleitores. E nada mais coerente, da parte dos indignados, que focar suas reivindicações onde elas podem ser atendidas.
Sem uma Assembléia exclusiva, a única possibilidade de mudança real no regramento da atividade política viria de um plebiscito que provocasse ou norteasse os legisladores. Um eventual referendo posterior serviria apenas para endossar as alterações tímidas e paliativas que os parlamentares julgassem convenientes. Não haveria reforma alguma.
É tolice fabricar frustrações por causa dos prazos e das vigências da consulta popular. Mesmo que ela incida sobre as eleições de 2016, representará uma conquista histórica para a agenda progressista, eternamente ignorada pelo Congresso. E o tempo maior de discussão pública solidificaria sua legitimidade.
Enxergar na dilatação do prazo uma derrota do governo federal equivale a chamá-lo de oportunista na hipótese de aplicação instantânea. Ambos são discursos prontos da mídia corporativa para abafar o inevitável ganho político do governo federal com a materialização da proposta.

http://guilhermescalzilli.blogspot.com.br/2010/02/por-uma-assembleia-reformista.html

Anônimo disse...

Esse calar da Dilma é que me incomoda. lembra na campanha ? apanhava, era atacada e ficava calada.

Anônimo disse...

Eu não assisto esse lixo de emissora.

Paula Torres disse...

E eu que achava que Jo Soares era um cara inteligente... Que desilusão.

Anônimo disse...

Reage, Dilma! De quem vc é refém? Do PMDB? da globo? Por que vc sustenta a globo com verbas públicas? Por que vc não faz nada? O que vc quer de nós para defende-la? Por que vc vai deixar que eles voltem ao poder? Não sei mais o que pensar. Se eles voltarem ao poder, teremos que deixar o país? Onde vamos viver? Quando nos devolverão nosso país de volta? E em que estado? Vc foi uma guerreira a vida toda. Seu passado é de nobreza. Hj vc se acovarda por que? Pfv, responda a nação sua paralisia. Diga em que podemos te ajudar.... e que Deus teabençoe...