quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Selic: A primeira cedência de Dilma?

http://www.marciobaraldi.com.br/
Por Altamiro Borges

Num lance que surpreendeu o próprio “deus-mercado”, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu nesta quarta-feira (29) elevar a taxa básica de juros de 11% para 11,25%. A medida ortodoxa, que emperra o crescimento da economia e estimula a especulação financeira, foi tomada três dias após a vitória de Dilma Rousseff no segundo turno. A elevação da Selic visaria, segundo a mídia rentista, acalmar o “inquieto mercado”, que promoveu intenso terrorismo econômico nos últimos meses com o objetivo de interferir na sucessão presidencial. Dos oito integrantes do “seleto” Copom, cinco votaram pelo aumento dos juros – inclusive o presidente do BC, Alexandre Tombini.

Segundo o colunista Valdo Cruz, que não economiza veneno contra o governo em seus artigos na Folha, “durante a sua campanha, a presidente buscou associar seu adversário Aécio Neves (PSDB) a uma política de juros altos contra a inflação. Em um discurso, ela disse que o PSDB ‘sempre plantou dificuldades para colher juros’. O aperto monetário três dias após a reeleição é uma tentativa de reconquistar a credibilidade da política de combate à inflação. Nessa linha, a equipe econômica deve anunciar na próxima semana um pacote fiscal, com redução de gastos e aumento de receitas, para reverter a piora das contas públicas, hoje no vermelho”. Não é para menos que os agiotas, antes baqueados com os resultados do segundo turno, já estão novamente em festa.

Para Luiz Carlos Mendonça de Barros, ex-ministro de FHC e sócio da consultoria Quest, o Banco Central elevou a Selic para reatar os laços com o setor privado. “Dilma foi eleita por causa do desemprego baixo. Mas, se o crescimento não voltar, ele vai aumentar. E, para botar a economia para crescer, é preciso buscar uma política econômica que o setor privado considere necessária para investir. Dilma está dizendo ganhei com um discurso e vou governar com outro”, festeja o representante do capital financeiro. No mesmo rumo, Maurício Molan, economista-chefe do Santander, elogiou a decisão do Copom. “Há um esforço para gerar um choque favorável de expectativas”.

Desde abril, o Copom não elevava a Selic, temendo seus efeitos destrutivos na economia, com a queda na geração de emprego e a retração do consumo. A surpreendente decisão desta quarta-feira evidencia que as eleições acabaram, mas que os rentistas continuam com forte poder de pressão sobre as tais “autoridades econômicas”. Os banqueiros perderam nas urnas, mas não desistiram do embate político. Na maior caradura, até o presidente do Itaú – que fez campanha aberta para Marina Silva e, no segundo, para o cambaleante tucano – já disse que “será um parceiro de Dilma”, mas apresentou sua lista de exigências. Os rentistas não elegeram a presidenta e agora querem impor o ministro da Fazenda.

A decisão do Copom confirma que sem a pressão permanente e unitária das ruas, dos movimentos sociais, o novo governo poderá virar refém do poderoso “deus-mercado”, cedendo às suas exigências. A festa da vitória acabou; agora é intensificar a pressão!

*****

Leia também:






3 comentários:

Anônimo disse...

Miro, penso que o Banco Central tentou "adoçar" o mercado que na segunda-feira estava totalmente "irracional". Lembremos que a equipe da Dilma ainda é a mesma, e o novo Congresso só assume em fevereiro/15. Até lá muitos boatos e informações de "fontes seguras" surgirão. A nossa mídia é patética e sem nenhuma credibilidade, perdeu mais uma eleição, apesar da tentativa de golpe.

José Carlos Vieira filho disse...

Depois que o Fraga elogiou rasgadamente o Tombini....., sei não.

blog do mauro disse...

Eu votei na Dilma tanto na eleição anterior como nesta por crer que suas propostas são o melhor para o país. Na gestão passada entre as suas promessas fiquei decepcionado com a de que ao final de seu governo o juros selic na seriam mais que dois pontos percentuais que a inflação. Não cumpriu sedendo a pressão do mercado. Agora como primeiro ato do Banco Central eleva novamente o juros isto é um absurdo. Sendo que a inflação está precionada pela alta dos alimentos que não é influenciada por taxa de juros e sim no momento pela ação climática aja paciência para nos brasileiros.