quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Moro tem que sofrer esculachos

Por Paulo Nogueira, no blog Diário do Centro do Mundo:

Cheguei a uma conclusão.

Pelo bem do Brasil, Sérgio Moro tem que sofrer alguns esculachos. Tem que chegar a ele o contraponto da louvação delirante da direita.

Um choque de realidade, digamos assim.

Ficou claro para mim depois de ler um texto repulsivo da Veja que circulou nos círculos de esquerda hoje. O artigo é assinado pelo editor de política da Veja, Rodrigo Rangel.

Rangel acompanhou Moro numa visita aos Estados Unidos, e literalmente lambeu o chão que Moro pisou. Raras vezes o jornalismo brasileiro produziu algo tão imundo.

Tenho uma dúvida: Rangel viajou por conta da Abril ou por conta do contribuinte? Não está claro na reportagem. Meu palpite - palpite, apenas - é que nós bancamos o périplo americano de Rangel.

Moro, como se fosse Brad Pitt, se deu ao trabalho de se disfarçar para não ser reconhecido. É um traço de seu provincianismo galopante. Pareceu imaginar que os americanos fariam filas para tirar selfies com ele, sem entender que é um zé mané na arena internacional.

Rangel tentou extrair de Moro, à base de sabujice incondicional, a promessa de que vai prender Lula.

É um artigo que se supera em baixeza. Rangel arruma um personagem - real ou fictício não sei; a Veja é conhecida por inventar pessoas para reforçar seus pontos - que define Moro como um heroi, talvez do mesmo quilate de Ayrton Senna.

Pobre Senna. Saberemos disso quando Moro for enterrado. Compararemos com a dor colossal que a morte de Senna provocou em todos os brasileiros.

O problema maior é Moro acreditar nestas coisas grotescas.

Se for inteligente, lembrará a trajetória de seu antecessor, Joaquim Barbosa. JB foi idolatrado pelo que há de mais atrasado e imbecil na sociedade brasileira.

Chegou a ser especulado como candidato a presidente por comentaristas tarimbados, como Elio Gaspari. E virou até máscara de Carnaval.

Em sua tolice deslumbrada, JB achou que era mérito seu - e não apenas resultado de que estar falando, ou gritando, tudo aquilo que a plutocracia queria que ele dissesse para esquartejar o PT e preparar o golpe.

Hoje, JB é um pária. De tempos em tempos, posta coisas do Twitter em que essencialmente defende o contrário do que fez quando no STF.

Nenhum jornal, nenhuma revista o ouve. É um pária. Os antigos admiradores debandaram.

Moro só é tratado como Deus por jornalistas como Rangel da Veja porque ele diz o que os donos da Abril querem que ele diga. É manipulado e teleguiado, embora não se dê conta disso.

Num plano geral, ao contrário do que a mídia plutocrata afirma, ele é abominado por milhões e milhões de brasileiros que enxergam nele um símbolo da justiça iníqua, feita por ricos e para os ricos.

É mais que bem vindo um escracho que o devolva à realidade. Nada de agressivo. Bastam palavras como golpista. No mais, é gravar e colocar nas redes sociais.

Talvez ele entenda que está longe de ser uma unanimidade. Daqui a 50 anos, ele será uma nota de rodapé, como Joaquim Barbosa, e Lula terá o devido reconhecimento pelas transformações sociais que trouxe ao país.

Nem máscara de Carnaval Moro terá sido.

4 comentários:

AC disse...

Moro usou "Reportagem do GLOBO como indício de que tríplex pertencia a Lula". Pode um negocio desse?

Unknown disse...

Contem comigo pro, pois esse Moro e um verme pior que o Lacerda! #ForaTemer #MoroGolpista

Anônimo disse...

Anita Novinsky, professora internacionalmente conhecida por suas pesquisas sobre a Inquisição nos séculos XVI a XIX, escreve: “entender o sentido profundo de um processo, o que é verdade e o que é forjado, se a confissão é falsa ou verdadeira, se o réu cometeu o crime ou se foi queimado inocentemente, é muito difícil, em consequência da estrutura inquisitorial corrupta e repressiva” (Inquisição: Prisioneiros do Brasil, Perspectiva, 2009).
A Operação Lava Jato, cinco séculos depois, em muito se iguala e repete a Inquisição. Primeiro pela origem e instrumentação estrangeira, depois pelo medo que infunde, outrora pelas cerimônias públicas e festivas dos autos-de-fé, hoje pelos prêmios e aparições na mídia, e ainda, nas palavras da professora Novinsky, lá “responsável pelo bloqueio do desenvolvimento da uma burguesia portuguesa. O comércio nacional passou a ser exercido por estrangeiros”. Aqui, coloque-se a engenharia nacional, a pesquisa nuclear e a produção de petróleo, sempre com empresas e tecnologia brasileira, e temos a Lava Jato impondo as empresas estrangeiras.
Pode surpreender a ausência de freios tanto aos desmandos do século XVI quanto aos do século XXI. Antes era a toda poderosa Igreja, agora o Departamento de Estado da nação mais rica e fortemente armada do planeta.

Anônimo disse...

O meu xará acima, "falou e disse" !!!
O agente "Eliot" Moro se acha o Zorro, o Defensor dos Pobres e Oprimidos, um enviado de Deus, via Opus Dei, para fazer a Santa Inquisição dos Petralhas malditos, que infernizam o Mundo livre e o seu amado e adorado P$DB.
Para isto ele contou com a "ajudinha" da Lavagem Cerebral feita pelos U$A, via NSA, CIA e FBI ...
IN GOLD WE TRUST !!!
GOLD SAVE AMERICA !!!
DEPENDÊNCIA ao NORTE !!!