quinta-feira, 6 de julho de 2017

Fora Temer, e leva o Rodrigo Maia junto!

Por Altamiro Borges

A situação do usurpador Michel Temer está ficando insustentável. A prisão do comparsa Geddel Vieira Lima, a temida delação do presidiário Eduardo Cunha e a denúncia apresentada pelo procurador-geral Rodrigo Janot, entre outros petardos, reforçam a hipótese de que o chefe da quadrilha que assaltou o poder está com os seus dias contados. Com o navio afundando, os ratos já pulam fora. Segundo o presidente nacional do PSDB, senador Tasso Jereissati, é crescente o movimento pelo “desembarque” da sigla. “A posição do partido é cada vez mais clara. Não dá para controlar, as coisas vão acontecendo". Neste cenário, as forças golpistas aceleram a manobra para, via eleições indiretas, garantir a continuidade do projeto golpista. O nome em alta para suceder Michel Temer é o do demo Rodrigo Maia, o jagunço dos empresários que preside a Câmara Federal.

Uma notinha publicada na Folha nesta quinta-feira (6) evidencia que o Judas está isolado e caminha para o cadafalso. “Com o distanciamento do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e os sinais cada vez mais fortes de que a maioria do PSDB quer deixar o governo, Michel Temer aposta todas as fichas de sua sobrevivência na aliança com partidos do centrão. As mensagens mais fortes de apoio vieram de siglas como o PTB, o PP e o Solidariedade. No PR, Valdemar Costa Neto, condenado no mensalão, firmou compromisso de, se necessário, fechar questão no partido contra a aceitação da denúncia. Expoentes da ala tucana que trabalha para desembarcar do governo começaram a fazer gestos a Rodrigo Maia. Disseram a aliados do democrata que apoiariam o presidente da Câmara numa eleição indireta, caso Michel Temer caia”.

Neste jogo mafioso de apunhaladas, onde o traidor é traído, ainda há dúvidas sobre a capacidade do demo de enfrentar a grave turbulência no país. Segundo a mesma notinha da Folha, “parte da cúpula do PSDB ainda diz que Maia não tem condições de segurar o rojão que será tocar o Planalto em meio a uma crise tão aguda”. Para evitar o agravamento da tensão política, com consequências imprevisíveis na sociedade, os golpistas passam a fazer o discurso da conciliação nacional para salvar o Brasil. Uma típica conversa mole para enganar os mais ingênuos e pragmáticos. Na prática, os oportunistas pregam descartar Michel Temer para manter o mesmo projeto ultraliberal que levou a quadrilha ao poder. O objetivo da manobra, afirmam na maior caradura, é jogar fora o bagaço do Judas para preservar as contrarreformas trabalhista e previdenciária e outras maldades.

Nesta quinta-feira (6), o coronel tucano Tasso Jereissati explicitou esta estratégia. Para ele, o demo “tem condições” de conduzir a transição até as eleições de 2018. “Se vier a afastar o Temer, Rodrigo Maia é presidente por seis meses. Aí ele tem condições, até pelo cargo que exerce como presidente da Câmara Federal, de juntar os partidos ao redor de um nível mínimo de estabilidade do país”. Neste período, os golpes na Previdência e na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) seriam aprovados e a equipe econômica – inclusive com a manutenção do czar Henrique Meirelles – daria sequência ao plano de desmonte do Brasil. Seria a concretização do “golpe dentro do golpe”, via eleições indiretas.

Diante desta conspiração das elites – que mais uma vez é protagonizada pela mídia monopolista, em especial pela Rede Globo –, as forças progressistas da sociedade precisam erguer a voz e ir às ruas. Não basta mais exigir o “Fora Temer”. É necessário lançar ainda com mais força a bandeira das eleições diretas-já, ampliando o leque das alianças na luta pelo restabelecimento da democracia no país. O Congresso Nacional – ou, como afirmou um jornalista português, a “assembleia dos bandidos” – não tem legitimidade ou moral para impor o nome do corrupto Rodrigo Maia, o capacho dos empresários. A palavra de ordem diante desta manobra espúria é “Fora Temer, e leva o Maia junto”.

*****

Leia também:

Rodrigo Maia, o traidor do traidor

Após Geddel, cadeia para Padilha e Moreira?

Para Temer, Geddel é desastre na hora errada

Temer e a covardia da mentira

Moro é o candidato preferido da direita

Congresso ignora os sentimentos populares

Base "aliada" cobrará mais caro de Temer

Merval, Rodrigo Maia e os sinais da traição

Anatomia do golpe: as pegadas dos EUA

Moro encalacrado diante de Lula

Globo já descarta o “companheiro” Meirelles

1 comentários:

José Carlos Lima disse...

O Brasil nas maos do PFL sucedâneo do PDS e ARENA: é isso o que significa Rodrigo Maia entroninado pelos donos do golpe.

Ja que o filme A Lei é Para Todos Menos Para Tucanos ja foi produzido, os dobos do golpe enterraram a Lava Jato quando a PF bateu lhes à porta...so falta o grand finale sonhado pela Globo, a prisao de Lula Voz do Brasil Voz do Povo. Ė o que ocorrerá com demais lideres de esquerda no Cone Sul onde, nas palavras do jurista Zafaronni, estudioso do lawfare, ocorre a Operaçao Condor Judicial.

Sem grana a PF fica em casa como nos velhos tempis de FHC e com salarios sendo corroidos e sem reposicao...e no que deu a Senzala achar que tinha livre acesso a Casa Grande: foram feitos de capitães do mato sem saber.

Esse pais mal sai de um golpe ja cai noutro....nem dá tempo de cuidar dos cadaveres insepultos do ultimo golpe, ja vem outro....e parte da populaçao faz papel de capităo do mato quando levam ao poder figuras como Doria qual esses carregaram o pato da FIESP que financiou os golpes de 64 e 2016...os 300 anos de regime escravista e seculos de colonialismo, herança contra a qual pairam sobre nossas cabeças como herança maldita a ser superada e essa superaçao não se darå pela politica de conciliaçao de classes, pois a classe dominante, corrupta, avessa ă democracia e golpista, já provou que nāo quer este caminho, aliás, quando a situaçao torna se insuportavel faz de conta que quer a conciliaçao para, logo depois, dar o golpe. Perus denuncia e mostra o que é um golpe, sendo prova viva de um tempo que periga voltar: por isso Perus corre risco de virar pó...