quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Um Observatório para debater o Judiciário

Ilustração: Joana Brasileiro
Do site Jornalistas Livres:

Quem somos

O Observatório do Judiciário é uma editoria dos Jornalistas Livres que busca estimular o debate sobre o sistema de justiça brasileiro.
Para alcançar esse objetivo buscamos ouvir e amplificar as vozes de atores sociais que queiram se manifestar, através de matérias jornalísticas, no sentido de contribuir para a construção de um efetivo Estado democrático de direito para todas as brasileiras e todos os brasileiros.

Entendemos que a construção de uma sociedade justa passa, necessariamente, por colocar o foco das atenções da nossa sociedade no sistema de justiça e trazer seus métodos e seus resultados a uma ampla discussão.
Buscamos releituras interdisciplinares de ações do sistema e usamos os meios ao nosso alcance para que sejam conhecidos e avaliados pela sociedade brasileira.

Como funcionamos

Formamos um grupo de editores que avalia todo o material submetido à publicação. Uma vez decidida a publicação, o material recebe um selo do Observatório e fica à disposição para publicação voluntária dos meios de comunicação alinhados.

Como participar ou submeter artigos para publicação

Para enviar matérias e para aderir ao grupo que organizamos no aplicativo Telegram basta enviar um e-mail com seus dados pessoais, dados de seu movimento social ou de seu meio de comunicação, quando aplicável, para observatoriodojudiciario2018@gmail.com.

Nossa expectativa

Esperamos que essa editoria se transforme em movimento social em futuro próximo.

2 comentários:

Roberto Machado Cassucci Cassucci disse...

Maravilhosa iniciativa, rogo para que alcancem estrondoso Sucesso, e que "o PRODUTO" deste Observatório, tragam as Mudanças Necessárias e Exigíveis ao nosso combalido Sistema Judicial, Deixando Explicitamente CLARO, que, o Verdadeiro e Definitivo SUPREMO (acima de Todos e de Tudo), já Existe...
E o seu Nome é P O V O ! ! !

josé geraldo disse...

http://estadodedireito.com.br/porteiro-ou-guardiao-o-supremo-tribunal-federal-em-face-aos-direitos-humanos/