domingo, 3 de fevereiro de 2019

"Guarnição do Mal" da PM e o "Filho 01"

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço:

No dia 4 de novembro de 2003, Flávio Bolsonaro apresentou moção de louvor a um grupo de oito policiais – entre eles o apontado chefe de milícias Adriano Magalhães da Nóbrega – por sua “dedicação, brilhantismo e galhardia”.

23 dias depois, eles foram denunciados por sequestro, tortura e extorsão de três jovens da favela de Parada de Lucas, presos, condenados (e, depois de uma manobra, absolvidos, mesmo com fartura de provas).

O grupo era conhecido pelo emblemático nome de “Guarnição do Mal” no subúrbio de Olaria, no Rio, segundo o jornal O Globo, em reportagem de Igor Mello e Vera Araújo.

Mesmo depois da condenação, foi a vez de Bolsonaro pai homenagear Adriano na Câmara: “brilhante oficial”, disse ele.

De quebra, fica-se sabendo que também o superamigo Fabrício Queiroz recebeu homenagem de Flávio Bolsonaro, quando ainda não era seu assessor.

Para qualquer um que não viva no mundo da lua, as evidências das ligações da família com as milícias estão mais que evidentes, pelo tempo, pela extensão e pela profundidade que exibem.

Os intestinos de Bolsonaro que preocupam não são só os operados no Albert Einstein,

3 comentários:

Unknown disse...

Companheiro Fernando Brito, "louvou"?
A Esquerda tem que ser minuciosa naquilo que fala e escreve. Os tempos são outros... O inimigo é um monstro imane. Não podemos vacilar.

Unknown disse...

Ele quis dizer " louvor".

Blog do Miro disse...

Obrigado. Foi corrigido.
Abraços