terça-feira, 18 de outubro de 2016

Os "marajás brasileiros" do Judiciário

Por André Barrocal, na revista CartaCapital:

Os juízes brasileiros vivem em um paraíso. No ano passado, embolsaram 46,1 mil reais mensais de remuneração, em média. Em um país em que a renda per capita mensal foi de 1,1 mil reais em 2015, segundo informações do IBGE, é como se cada magistrado valesse 41 cidadãos.

Os vencimentos dos 17 mil togados foram conhecidos nesta segunda-feira, 17, em uma radiografia anual do Judiciário divulgada pelo Conselho Nacional de Justiça, órgão existente para fiscalizar tribunais. Os servidores à disposição dos juízes também ganharam bem: salário médio de 11,8 mil mensais em 2015.

Os contracheques no Judiciário nacional fazem dele o mais caro do planeta. No ano passado, o poder consumiu 79,2 bilhões de reais dos cofres públicos, o equivalente a 1,3% das riquezas geradas no período (PIB). Mais do que em 2014 - apesar de 2015 ter sido um ano de forte recessão econômica -, quando mordera 68,4 bilhões de reais, ou 1,2% do PIB.

Ao lado dos procuradores de Justiça, os juízes e seus funcionários representam “os verdadeiros marajás” brasileiros, na opinião do sociólogo Jessé Souza, ex-presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e professor de ciência política da Universidade Federal Fluminense.

O rendimento médio dos magistrados extrapola o valor que, pela legislação, deveria ser o limite máximo pago no serviço público: 33,7 mil mensais, salário de um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).

Uma lei enviada pelo governo em setembro do ano passado ao Congresso a disciplinar o teto salarial dos servidores está parada na Câmara, por falta de interesse do Judiciário e dos deputados, muitos dos quais são investigados pela Justiça.

Se ajuda a brecar a votação do teto salarial, o Judiciário, ao menos na figura de representantes ilustres, saiu em defesa do teto de gastos que o governo Michel Temer quer aprovar para os próximos vintes anos, congelamento que afetará as verbas da saúde, educação e assistência social.

Na sexta-feira 14, a presidente do STF, ministra Carmen Lúcia, recebeu em seu gabinete o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, autor intelectual da chamada PEC 241, e mostrou simpatia pela proposta. Dias antes, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Gilmar Mendes, também do STF, mandara ao Congresso um comunicado de apoio ao congelamento.

2 comentários:

Anônimo disse...

Lembrar não ofende. Juizes brazileiros tonaram-se marajás na destão Lula/Palocci que lhes concedeu aumentos estratosféricos, criando uma nova classe: burguesia instituciomal. Agora é lei feita por Lula/Palocci.

Anônimo disse...

Miro, por que você não entrevista a Maria Lúcia Fattorelli da Auditoria Cidadã de Dívida Pública Brasileira ?
O site é: www.auditoriacidada.org.br
Somando a mixaria paga, em 2015, para esta duvidosa Dívida Pública (R$ 962 Bilhões) com a Sonegação estimada (R$ 600 Bilhões), dá "só" R$ 1.532 Bilhões (R$ 1,532 Trilhões) ...
Em 2015, o Governo gastou:
1) com a Saúde = R$ 94 Bilhões
2) com a Educação = R$ 87 Bilhões
3) com a Previdência Social = R$ 515 Bilhões
Sobra dinheiro, o que falta, é vergonha na cara !!!