quarta-feira, 17 de março de 2010

Lula em Israel e os sionistas da mídia

A política externa do governo brasileiro, bem mais altiva e soberana, é um dos principais alvos da fúria oposicionista da mídia colonizada. Na sua visita ao Oriente Médio, o presidente Lula foi novamente motivo das críticas de alguns colunistas de aluguel – talvez influenciados por lobistas sionistas. A sua recusa em visitar o túmulo de Théodor Herzl, fundador do sionismo e inspirador das ações terroristas de Israel, foi tratada como “uma gafe”, um “erro diplomático imperdoável”.

Noblat omite e estimula a cizânia

O blogueiro oficial da Globo, Ricardo Noblat, foi um dos primeiros a alardear que “Lula provoca incidente diplomático em Israel”. A sua fonte foi o ministério das Relações de Israel, dirigido por um direitista convicto, que condenou o “desrespeito o protocolo do país”. Para instigar a cizânia, ele ainda noticiou que “Lula pretende depositar flores no túmulo de Yasser Arafat”, mas deixou de informar que também homenagearia as vítimas do holocausto. Diante das críticas que recebeu em seu blog, o irritadiço Noblat ainda desqualificou os seus leitores, tratando-os de “levianos”.

A “informação” de Noblat e de outros veículos foi totalmente tendenciosa. O governo brasileiro não cometeu “gafes” em Israel, apenas rejeitou uma manobra da diplomacia sionista, que incluiu a visita à tumba de Théodor Herzl sem prévia consulta. A mídia colonizada preferiu mentir. Nem sequer informou que vários chefes de Estado, inclusive o francês Nicolas Sarkozy, também já se recusaram a visitar o túmulo do “pai do sionismo”. A mídia evitou até criticar o gesto grosseiro de Avigdor Lieberman, ministro das Relações Exteriores, que boicotou a comitiva brasileira.

A “dupla moral” da mídia colonizada

No afã de combater a política externa brasileira, principalmente num ano eleitoral, a mídia venal preferiu ouvir raivosos sionistas, defensores do “holocausto palestino”. Ela deu pouco destaque ao contundente discurso de Lula, feito em pleno parlamento israelense, o Knesset, em defesa da criação do Estado Palestino, “independente, soberano, coeso e economicamente viável... Temos urgência em ver israelenses e palestinos vivendo em harmonia. Recusamos o mito de que estão fadados ao conflito, de que seus filhos estão condenados à irracionalidade da guerra”.

O atual bombardeio revela toda a hipocrisia da mídia colonizada. Ela prega “direitos humanos” em Cuba, mas silencia diante dos crimes dos EUA e do seu satélite no Oriente Médio. Segundo o jornalista Breno Altman, do sítio Opera Mundi, a imprensa padece de “dupla moral” ao satanizar Cuba e ao não informar que Israel “é um dos países com maior número de presos políticos no mundo, cerca de onze mil detentos, incluindo crianças, a maioria sem julgamento... Mais de 800 mil palestinos foram aprisionados desde 1948. As detenções atingiram também autoridades palestinas: 39 deputados e nove ministros foram seqüestrados desde junho de 2006”.

O lobby sionista nas redações

Breno lembra que “naquele país a tortura foi legitimada por uma decisão da Corte Suprema, que autorizou a utilização de ‘táticas dolorosas de interrogatório de presos sob custódia do governo’” e que Israel desrespeitou todas as decisões da ONU sobre partilhas dos territórios. “Mais de 750 mil palestinos foram expulsos de seu país desde então. Israel demoliu número superior a 20 mil casas de cidadãos não-judeus apenas entre 1967 e 2009. Construiu, a partir de 2004, um muro com 700 quilômetros de extensão, que isolou 160 mil famílias palestinas, colocando as mãos em 85% dos recursos hídricos das áreas que compõem a atual Autoridade Palestina”.

Diante destes fatos inquestionáveis, nada justifica as “gafes” de alguns colunistas. É sabido que os lobbies sionistas freqüentam assiduamente as redações de vários veículos, mas os jornalistas deveriam ter mais de dignidade e ética profissional no trato deste delicado tema. Daí a justificada indignação de Breno Altman contra a “dupla moral” dos meios de comunicação e dos políticos conservadores. “Nada se ouve tampouco de alguns personagens presumidamente progressistas, sempre tão céleres quando se trata de apontar o dedo acusador contra a revolução cubana”.

.

6 comentários:

Cristiana Castro disse...

Impecável, com sempre. Parabéns. O mico ia ser colocar flores na tumba do maluco.

carlos disse...

salve, altamiro,

o desespero da grande imprensa é tão grande que eles adulteram a história, pinçando fatos que alinhavem o discuro.
no entanto, a blogosfera está atenta. seu post demonstra isso.

parabéns.

René Amaral disse...

Não é à tôa que nas redações das organizações GROBO haja tantos Sardenbergs, Starenbergs, Waldvogels, Kamels, e outros mais trocentos sobrenomes pra lá de alienígenas. Não sou xenófobo, sei que o Brasil é cheio desses sobrenomes, mas é quase impossível achar um Silva, ou um Souza! Beltrões e Leitões, um eventual Grillo, até se encontra mas a predominância nórdica é notável! Dá até pra entender por que são contra as cotas…

Augusto disse...

Os cães ladram...

Humberto Carvalho Jr. disse...

Olá, Miro!

Gostaria de aproveitar o tema para sugerir o documentário Ocupação 101. É um vídeo sobre a criação de Israel e suas tristes consequências. O filme mostra opiniões ignoradas pela "grande" mídia mundial, como as do linguista Noam Chomsky.

Abraços!

marcelohfb disse...

APROVEITANDO O GANCHO, DO COLEGA HUMBERTO, GOSTARIA TAMBÉM DE DEIXAR O LINK PRA UMA BELO DOCUMENTÁRIO(LEGENDADO, REEL BAD ARABS. QUE MOSTRA O QUANTO HOLLYWOOD, DOMINADA POR JUDEUS SIONISTAS, BRUTALIZAM A IMAGEM DO POVO ÁRABE EM ESPECIAL O DO SOFRIDO POVO PALESTINO. VALE A PENA ASSISTIR.
http://arabesc.multiply.com/video/item/267