domingo, 23 de março de 2014

Fátima Bernardes e o cachê da Globo

http://pigimprensagolpista.blogspot.com.br/
Por Altamiro Borges

É difícil saber os segredos das celebridades midiáticas – incluindo os jornalistas. Eles são tratados como “deuses” e até falam como se fossem “deuses”. Muitos se metem na política, geralmente com opiniões de direita, e são apresentados como pessoas acima do bem e do mal. Raramente, eles são desnudados. Neste domingo (23), em sua coluna na Folha, a jornalista Mônica Bergamo revelou um pouco como atua e o que pensa Fátima Bernardes, a famosa apresentadora global. No texto intitulado “Fátima no espelho”, alguns dados curiosos. Por exemplo: estima-se que seu cachê é de R$ 5 milhões. Ela nega! Ela também acha “injusta” a crítica dos protestos populares contra a TV Globo. Vale conferir alguns trechos:

*****

Você tem 30 anos de carreira como jornalista e agora começou a fazer publicidade. Como foi essa decisão?

Quando eu saí do jornalismo, vivi uma mudança muito grande. Era quase uma mudança de emprego. E precisava dar um tempo para mim. Recebi muita proposta, de tudo o que você pode imaginar. Planos de saúde, operadora de telefonia. Sabia que um dia ia fazer. É uma outra forma de rendimento, é uma outra grana que entra. Eu tenho três filhos. Houve convites: "Fátima, a gente tem uma campanha de cigarro, de supermercado". E eu olhava. Poderia ser, assim, a 20ª campanha. Mas não a primeira. Esta [da empresa alimentícia Seara] tinha uma identificação comigo. Eu surpreendi quando saí do "Jornal Nacional". E a campanha tem toda essa conotação. O Washington [Olivetto, publicitário responsável pelos anúncios da Seara] nem precisou usar todo o seu enorme poder de convencimento.

Mesmo no programa, você segue sendo jornalista. Não tem medo de que isso arranhe a sua credibilidade?

Eu refleti. Eu acho que não. Eu estou há tanto tempo fazendo o que eu faço... As pessoas acreditam em mim porque eu venho de uma carreira muito séria. O fato de eu dançar no programa, ou de fazer publicidade, não vai tirar a seriedade do que eu faço. Então eu acho que isso vai entrar tranquilamente, como quando entrou o primeiro merchandising no programa.

Você pode aparecer na televisão e levar as pessoas a comprarem mais frango. É um poder muito grande.

Quem já fez o "Jornal Nacional" sabe o tamanho desse poder também. Você leva algo muito mais importante do que frango, que é a informação. A gente já lida com essa faca no pescoço diariamente, a cada fechamento, sabendo que qualquer erro tem o tamanho de um canhão para matar uma borboletinha, uma formiga. Hoje é diferente. Eu não estou obrigando ninguém a comprar nada, eu estou falando de algo que existe no mercado e estou sugerindo uma experiência.

Há estimativas de que seu cachê chegou a R$ 5 milhões.

Tá muito exagerado. As pessoas falam barbaridades. Eu não vou falar para ninguém de cachê. Não tem nenhum sentido. Assim como nunca falei de salário. É uma questão tão pessoal! Eu tento segurar o máximo possível um pouco da minha vida. Acho até que eu consigo.

(...)

Qual é a sua expectativa em relação à Copa? O que está achando dos protestos?

Eu adoraria que não fosse assim, que a gente não precisasse dividir a atenção nesse momento. Mas eu acho que, por ser um momento de muita visibilidade, ele vai ser usado por quem quer se manifestar. Eu compreendo isso. É quase uma lei de mercado, né? Os holofotes estarão aqui, as pessoas vão querer aproveitar, eu acho lícito. A gente vai ter, de novo, dois Brasis: um dentro dos estádios, com festa, e o do outro lado, nas ruas, tentando aproveitar o momento para falar de suas necessidades. Eu estive em Atlanta [em 1996]. Houve manifestação contrária à Olimpíada. Nem toda a cidade estava fechada com o evento. Tudo bem. Mas você não pode colocar em risco as pessoas que estarão aqui, brasileiras ou de outros países.

(...)

Como você vê as hostilidades à TV Globo nos protestos?

Dessa vez [nos protestos de junho de 2013], eu não senti algo só contra a Globo. Foi algo mais preocupante, contra a imprensa de uma maneira geral. É muito difícil você lidar com liberdade, não é? A liberdade de imprensa é para registrar os dois lados. Há uma dificuldade, como se você tivesse que tomar partido.

Mas a imprensa não está acima das críticas.

É completamente válido [protestar contra a imprensa], usando de respeito e deixando o outro trabalhar. A gente não está ali para se divertir. É legítimo? Tudo bem. Mas eu sei da seriedade do que é feito ali. Eu tenho certeza da idoneidade dos meus colegas e do caráter de todos eles. É claro que eu acho injusto. Às vezes, numa manifestação, num conflito, você tem certo receio. A rua não é um lugar fácil de trabalhar. É para bravos. Para corajosos.

*****

Curiosas as opiniões de Fátima Bernardes! Ela relativiza o papel da publicidade. “Eu não estou obrigando ninguém a comprar nada, estou falando de algo que existe no mercado e estou sugerindo uma experiência”. Acha que não há conflito entre o ofício de jornalista e a prática matreira do merchandising. Recusa-se a falar sobre seu cachê, mesmo trabalhando numa emissora privada que explora uma concessão pública e que recebe milionárias verbas oficiais de publicidade. E ainda afirma “eu não senti algo só contra a Globo” nos protestos do ano passado. Nas ruas, uma das principais palavras-de-ordem foi “Fora Rede Globo, o povo não é bobo”. Ocorreram manifestações nos portões da emissora em vários estados, como em São Paulo e no Rio de Janeiro. Mas ela garante que “eu não senti algo só contra a Globo”.

Curiosas as celebridades midiáticas. A mesma Mônica Bergamo, em outro texto publicado no início de março, deu dados impressionantes sobre os artistas que lotam os camarotes do Carnaval. Há quem pense que eles são foliões, amantes da cultura popular, e que participam da festança de maneira espontânea. Puro engano! Segundo a matéria, intitulada “Cachê nas alturas”, eles recebem fortunas das empresas para “sorrir por duas horas e sumir sem disfarçar, muitas vezes, o enfado”. As lucrativas cervejarias, por exemplo, usaram e abusaram desta estratégia comercial no sambódromo do Rio de Janeiro neste ano.

“O negócio funciona da seguinte forma: eles são contratados para ficar algumas horas no camarim, dar entrevistas e posar para fotos. Em geral, não falam nada de muito importante, já que chegam treinados à avenida para conceder entrevistas água com açúcar. Ainda assim, eles ganham grande espaço na imprensa, que nem precisa batalhar muito - o acesso às celebridades contratadas é super facilitado. Faz parte do business. Às vezes, a coisa sai um pouco do script. Romário, por exemplo, confessou à coluna: apesar de contratado pela cervejaria Devassa, ele detesta cerveja. Diz que não bebe um só gole. ‘Prefiro espumante’”, relata a jornalista.

Segundo revela, “a especulação sobre os cachês corre solta entre profissionais envolvidos com a organização dos camarotes. Fernanda Lima, por exemplo, exigiria R$ 2,5 milhões para fazer presença por quatro horas com o marido, Rodrigo Hilbert, posar para fotos, atender aos repórteres e ficar integralmente à disposição... Sabrina Sato cobraria cerca de R$ 500 mil só para surgir e sorrir - o pacote com a Brahma teria saído por mais, já que incluía dezenas de ações de marketing pelo Brasil. Grazi Massafera, contratada pela Devassa, teria cobrado um pouco menos”.

*****

Leia também:

- Globo prega arrocho dos salários

- TV Globo defende lucro dos bancos

- Globo: audiência cai, lucro aumenta

- Entenda a ditadura da Globo

- Receita cobra R$ 713 milhões da Globo

- As piores audiências da TV Globo

- Boni: acordo Globo/Time-Life foi ilegal

5 comentários:

Anônimo disse...

Ficar interiamente a disposição? como assim?

Ralph de Souza Filho de Souza Filho disse...

Prezado Altamiro, os autênticos jornalistas hoje,estão confinados, alojados, na internet. Porém, veja bem, quando falo de autênticos, me refiro à uma categoria, cujo comprometimento manifesto, vê o dinheiro apenas e tão somente como uma ferramenta de sobrevivência , com dignidades e bem estar preservados. Não é a acumulação primitiva do capital, e, venhamos com pessoas, celebridades,cuja formação intelectual beira o medíocre, para não falar do patético.
Há que garimpar na WEB - INTERNET.

Regina disse...

Tanto ler como escrever sobre essa figurinha é pura perda de tempo.

Alberto disse...

VAIS CONTINUAR ME CENSURANDO??? Não era isto que tanto criticavam na época dos Militares???

henrique de oliveira disse...

Hoje essa dona vende frangos , antes tentava vender golpes e mentiras.