terça-feira, 26 de agosto de 2014

Com Marina, "não política" ganha rosto

Por Rodrigo Vianna, no blog Escrevinhador:

Depois de junho, há sempre um… agosto. Sim, é como se este agosto de 2014 fosse a continuação inexata e algo surpreendente daquele junho de 2013 – que levou milhares às ruas.

O nome de Marina Silva não foi gritado nas ruas em junho de 2013. Não. Aquele foi um movimento inorgânico, um sintoma de que a grande mudança social operada no Brasil dos anos Lula havia gerado contradições quase insanáveis. E que o petismo estava mal preparado para lidar com elas.

Os manifestantes berravam contra a política em 2013 : “fora os partidos”, gritavam muitos jovens de junho. Ninguém me contou, eu vi nas ruas. Aquela foi uma miscelânea: justas reivindicações progressistas, lado a lado com o grito fascista de gangues - que surravam qualquer um de camisa vermelha pelas ruas. Isso foi junho de 2013. Eu vi. Ninguém me contou.

Dilma fez a leitura correta de junho. Foi à TV e propôs a Reforma Política – reconhecendo a esclerose de um sistema político dominado pelo peemedebismo que gera asco entre jovens e velhos, entre conservadores e esquerdistas. A única forma de derrotar a “não política” é com mais política…

Mas o PMDB e o tucanato, o conservadorismo bacharelesco e seus aliados midiáticos, juntos, barraram Dilma. A Reforma foi enterrada, a presidenta capitulou, não enfrentou o debate. Achou que seria possível adiar tudo para um segundo mandato.

O mais irônico é que, apesar do governo mediano, que não empolga, tudo parecia seguir o roteiro traçado pelos marqueteiros e estrategistas de Dilma. No início de agosto de 2014, dentro da campanha tucana, começava-se a acreditar que Aécio não teria mesmo força pra deslanchar: ficava claro que o PSDB e mesmo Eduardo não conseguiriam empunhar a bandeira da “mudança”.

Dilma preparava-se para ganhar um segundo mandato, percorrendo uma passagem estreita, sobrevivendo ao mal-estar de junho e a seus erros. A Copa não fora o desastre previsto. A Economia tinha problemas, mas com os tucanos poderia ser até pior – reconheciam muitos. A avaliação popular do governo começava a melhorar.

Exatamente aí veio o 13 de agosto. No avião em que estavam Eduardo e seus assessores, naquela manhã terrível em Santos, estava também uma conjuntura política que não se vai refazer. Aécio e sua tentativa de “tucanismo renovado” caíram no avião, com Eduardo. A estratégia dilmista de ganhar sem disputa, quase sem política, também se esfacelou com o avião.

A velha UDN vai embarcar no voo solo de Marina? Leia mais aqui.

O IBOPE mostra Dilma com 34%, Marina com 29% e Aécio com 19%. Números forçados? Na margem de erro? Quem sabe… Mas o fato é que Marina Silva emerge de agosto como a favorita para vencer. Aécio se esborracha, e Dilma embica para baixo. Não está escrito nas estrelas que Marina vencerá. Mas ela é favorita. Não se deve brigar com os fatos.

Há – sim – certo temor (nas elites e nos setores orgânicos de trabalhadores) diante de uma candidata que mistura um discurso de defesa ambiental com um moralismo tosco e perigoso. Há a desconfiança diante de uma candidata que tem a cara de junho, ou seja: pode ser tudo e nada ao mesmo tempo. Só que o cansaço com 20 anos de PSDB e PT parece ser maior ainda.

Desde que soube que o avião tinha caído, uma intuição me fez afirmar aos amigos mais próximos: a eleição caiu no colo da Marina. Ela só perde se errar muito. Ela só perde se o PT, Dilma e Lula fizerem (muita) politica em vez de terceirizarem a eleição para João Santana. O marqueteiro faz belos programas. É um craque. Mas isso não ganha eleição.

Ok, o IBOPE pode ter forçado a mão. Dilma pode ter dois pontos a mais, Marina e Aécio dois a menos. Ainda assim, o quadro não mudaria tanto.

Contradições do marinismo devem ser expostas ao país. Ainda assim, mesmo que a ex-ministra fique com algo em torno de 25% e Dilma se consolide com 37% ou 38% no primeiro turno, ainda assim, Marina será favorita no turno final.

“O espírito do tempo favorece Marina”, escreveu um sábio leitor no twitter (@xandebueno).

Depois de todo junho, há um agosto. Mas o messianismo de Marina (ah, a mão de Deus) não precisa confundir os brasileiros. Nem fazê-los crer que o destino quis assim. Não. Depois de agosto, há setembro e outubro para que o Brasil decida se – pela terceira vez na história (depois de Jânio e Collor) - vai apostar numa liderança política que finge não fazer política.

Junho (2013) foi política em estado bruto, gente fazendo política nas ruas, mas berrando contra a política. Agosto (2014) parece ser a continuação desse engano. Há tempo de desfazer o engano? Pouco tempo.

Só a Política de outubro, na boca da urna, pode desfazer os enganos de junho e agosto. Só a Política pode evitar um mergulho que seria não rumo ao desconhecido, mas rumo a uma história que conhecemos tão bem.

2014, seu outro nome é 1960? Veremos em breve.

2 comentários:

fabio libertario disse...

CONCLUSÕES PRECIPITADAS BEM AO GOSTO E DE ACORDO ÀS EXPECTATIVAS DA BANCA QUE BANCA MARINA. PASSADA A COMOÇÃO E EM FACE DO DEBATE POLÍTICO O CASTELO DE AREIA MARINISTA PODERÁ ESTAR DESMANCHADO. JÁ ESSA AVALIAÇÃO É ABSOLUTAMENTE CAPITULACIONISTA E SE PRETENDE ASSÉPTICA, NEUTRA, ETC. ESQUECE DE TOMAR POSIÇÃO OU ME PARECE, JÁ TOMOU. NÃO FICOU A DEVER NADA A QUALQUER ANALISTA DA VEJA OU FOLHA. SAINDO DO ARTIGO EN SI,É DE CAUSAR ESTRANHEZA TODA ESSA CONFORMAÇÃO A UM SCRIPT QUE SE PÔS EM CENA, A PARTIR DE UMA CONVENIÊNTE FATALIDADE,

José Carlos Lima disse...

A pauta é o mensalão do PSB que pode ter matado Eduardo Campos. Até uma peixaria fantasma está envolvida no caso.

http://lexometro.blogspot.com.br/2014/04/coletanea-mensalao.html