sábado, 6 de setembro de 2014

Aécio, Marina e a delação premiada

Por Antônio de Souza, no blog Viomundo:

Tudo indica que a delação premiada de Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras, é uma operação casada que envolve setores da Polícia Federal, que vazaram as informações, os tucanos e a velha mídia.

Para entender o está acontecendo neste momento é preciso voltar um pouco no tempo.

Com o intuito de detonar a reeleição de Dilma Rousseff, a candidata do PT à Presidência da República, a mídia insuflou exaustivamente a candidatura de Marina Silva, do PSB.

Só que o movimento midiático pró-Marina acabou sendo um tiro no pé da própria mídia. É que fragilizou demais o seu candidato preferencial, Aécio Neves, e o próprio PSDB. Está trazendo danos sérios às campanhas tucanas não apenas em Minas Gerais - lá Aécio está em terceiro lugar - mas também no Brasil. As bancadas do PSDB nas assembleias estaduais e na Câmara dos Deputados correm o risco de minguar muito, transformando a sigla num partido nanico.

Associa-se a isso o fato de Marina apresentar baixa possibilidade de sustentabilidade política e se negar a fazer acordos políticos.

O movimento da mídia está transparente no discurso de Aécio, que fala em PT 1 e PT 2, que seria a candidatura Marina.

A denúncia da Operação Lava Jato atinge o governo, fato, aliás, já sabido. Mas a novidade é que o pai da “nova política” aparece citado: Eduardo Campos.

As relações de Campos com Paulo Roberto Costa são antigas.

Tanto que o ex-diretor da Petrobras pediu e a Justiça autorizou que Campos prestasse depoimento no processo da Operação Lava Jato como sua testemunha de defesa.

Isso é importante porque ajuda a jogar luz na história do avião de Campos.

Reportagem da Folha de S. Paulo dessa sexta-feira mostra que empresas que pagaram o avião do falecido governador de Pernambuco tiveram relação com o esquema do doleiro Alberto Youssef.

Diante dessas revelações, fica no ar que Aécio já sabe que poderá surgir o pedido de cassação da candidatura de Marina a qualquer momento antes das eleições.

Além disso, soma-se a preocupação do governador Geraldo Alckmin, candidato do PSDB à reeleição, de evitar um segundo turno, especialmente devido ao crescimento natural das candidaturas de Alexandre Padilha (PT) e Paulo Skaf (PMDB).

Alckmin e a grande imprensa perceberam que o discurso do “vamos mudar tudo” pode ter impacto nas campanhas estaduais e fazer com que o PSDB paulista e o mineiro também sejam varridos nesse movimento.

Esse conjunto de fatores ajuda a compreender por que o tradicional denuncismo da mídia há 15 dias, uma semana antes da eleição, foi antecipado. Até porque sem fato novo a candidatura de Aécio definhava a olhos vistos. Havia o recado de que se esse cenário não mudasse 15 dias antes da eleição a candidatura tucana poderia virar pó.

Pior ainda para a direita que com a força de Dilma e do PT ainda preservada, conseguindo eleger bancadas de peso, associada ao possível enfraquecimento tucano, levaria Marina a negociar com o PT para ter governabilidade

Aparentemente, a mídia, ao constatar o tiro que desferir no seu próprio pé, começa a tentar fazer o caminho de volta.

Dessa maneira, o alvo agora também é Marina. Teremos um final de campanha arrepiante.

PS: Curiosamente, a mídia não publicou até o momento a relação completa dos parlamentares delatados talvez para preservar alguns aliados seus.

Lembro aqui as relações entre Luiz Argolo, do partido Solidariedade, que aparecia em negociações com o ex-delegado e deputado federal Fernando Francischini, também do Solidariedade (ex-PSDB). Franchiscini, além de ser um dos canais de vazamento da Operação Lava Jato da Polícia Federal, é citado nela. Argolo, por sua vez, é acusado de ser sócio do doleiro Alberto Yousseff. Ou seja, Francischini, o acusador-mor, pode estar envolvido em todo este esquema.

1 comentários:

Anônimo disse...

A Veja e sua fábrica da delação premiada
51- Campanha de Dilma critica a Globo e monopólio do debate público
http://www.jornalggn.com.br/noticia/campanha-de-dilma-critica-a-globo-e-diz-nao-ao-monopolio-do-debate-publico

50- Os cuidados com as jogadas da Veja
http://www.jornalggn.com.br/noticia/os-cuidados-com-as-jogadas-da-revista-veja

49- Não existia combate à corrupção antes do governo Lula
http://www.jornalggn.com.br/blog/iv-avatar/nao-existia-o-combate-a-corrupcao-antes-do-governo-lula

48- Paulo Roberto Costa e os primeiros passos da delação premiada
http://www.jornalggn.com.br/noticia/paulo-roberto-costa-e-os-primeiros-passos-da-delacao-premiada

47- A hipocrisia das denúncias políticas e a blindagem dos grandes grupos
http://jornalggn.com.br/noticia/a-hipocrisia-das-denuncias-politicas-e-a-blindagem-dos-grandes-grupos

46- Quem é André Lara Rezende, assessor da economia de Marina Silva
http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI1550781-EI6579,00.html

45- As ligações de Paulo Roberto Costa
http://jornalggn.com.br/blog/antonio-ateu/as-ligacoes-de-paulo-roberto-da-costa

44- Doleiro da Veja abre “caixa de pandora” de José Serra
http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/2010/03/doleiro-da-veja-abre-caixa-de-pandora.html

43- Veja e sua fábrica de delação premiada
http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/2010/03/mpf-desmente-revista-veja-tesoureiro-do.html

42- A Veja e seus delatores de plantão
http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/2010/03/doleiro-da-veja-esta-no-mensalao-do-dem.html

41- Francisccini, deputado e delegado da PF, tucano, manda na PF do Paraná. Sabe-se que pelo menos 90 politicos de todos os partidos constam de uma lista do delator, de forma que é muito estranho que sejam apontados apenas uns 50 deles,…muito estranha esta lista que tem muitos senadores e poucos deputados federais,,cadê os outros…cadê o nome do próprio Francisccini? Sabia mais sobre essa picaretagem do conluio opsição – pig
http://jornalggn.com.br/noticia/francisquini-escondeu-um-dos-suspeitos-da-lava-jato

40- Delação premiada em véspera de eleição parece desespero da oposição que, como sabemos, tem a PF como um dos seus braços
http://tijolaco.com.br/blog/?p=20855