segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Clima de golpe: Só faltam os militares

Por Ricardo Kotscho, no blog Balaio do Kotscho:

Está feia a coisa. Para onde olharmos, só vemos problemas, tanto na política como na economia. Podemos resumir a origem destes nossos desafios do momento a apenas dois: o governo, que acaba de ser reeleito, e a oposição, que não se conforma com a derrota. Após passar três belos dias no Fórum das Letras de Ouro Preto, em Minas Gerais, volto à vida real mais preocupado do que quando saí de São Paulo.

O que aconteceu, apenas uma semana após a reeleição da presidente Dilma Rousseff?

Há um clima pesado de conspiração, tanto no Congresso Nacional como nas ruas. Sabemos que muitos eleitores votaram em Dilma, menos pelas qualidades da presidente e de seu governo, e mais contra Aécio, para evitar a volta dos tucanos de FHC ao poder. Outros tantos votaram em Aécio contra Dilma, para tirar o PT de Lula do poder. Me arrisco até a dizer que estes eleitores foram a maioria. Talvez esteja aí a raiz das más notícias que assolam o país, mesmo depois de encerrada a guerra eleitoral.

Nas ruas, já se pede abertamente o impeachment da presidente e a volta dos militares - ou seja, prega-se o golpe. No Congresso, com a faca nos dentes, parlamentares derrotados nas urnas formam frente suprapartidária para impor derrotas ao governo, comandada estranhamente por um deputado do principal partido da base aliada, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), já em campanha para ser presidente da Câmara.

"Impeachment Já!".

"SOS Forças Armadas".

"Impugnação ou intervenção militar".

"Fora ladrão do PT. Fora Dilma e Lula".

"Vai para Cuba!".

Em faixas, camisetas e gritos, estas foram as palavras de ordem que mobilizaram cerca de duas mil pessoas no "desfile cívico" do último sábado, na avenida Paulista, apenas seis dias depois do segundo turno e na véspera do dia de Finados.

Não é assustador? Marchas contra a corrupção e o comunismo (outras menores foram promovidas em mais 20 cidades brasileiras no mesmo dia) para pedir o impeachment da presidente recém reeleita: o que falta ainda neste roteiro macabro para voltarmos ao clima de pré-64, o golpe cívico-midiático-militar que derrubou João Goulart e afundou o país na sua mais longa e tenebrosa ditadura?

A grande diferença entre o que muitos de nós vivemos há 50 anos, quando a maioria dos manifestantes não havia nascido, e o que está acontecendo agora, é que os militares continuam recolhidos aos seus quarteis, em obsequioso silêncio, dedicados às suas tarefas constitucionais, sem dar ouvidos às vivandeiras udenistas redivivas.

Em compensação, temos agora o inacreditável ministro Gilmar Mendes, indicado por Fernando Henrique Cardoso, uma espécie de líder da oposição no Supremo Tribunal Federal, acenando com os perigos de uma "Corte Bolivariana", expressão que cunhou (sem trocadilho) para atacar o governo do PT, que poderá ter nomeado 10 dos 11 componentes do tribunal até o final do novo mandato, em 2016.

É tudo tão esquisito que, na ausência de Marina Silva, que sumiu, sua fiel escudeira Neca Setubal, pedagoga e uma das donas do Itaú, assumiu o papel de líder da oposição da terceira via: "E ainda falam no Luiz Carlos Trabuco para ministro da Fazenda!", queixou-se ela, ao falar do seu principal concorrente, o presidente do Bradesco.

Como já disse no Jornal da Record News, na quarta-feira passada, a derrota imposta ao governo pela Câmara, ao derrubar a proposta de criação dos conselhos populares, pode ter sido apenas a primeira de um movimento muito maior, que vem ganhando corpo no Congresso Nacional, para isolar o PT, e impedir a presidente de governar.

Este mesmo Eduardo Cunha citado acima, um remanescente da tropa de choque de Fernando Collor e principal desafeto de Dilma no primeiro mandato, já convocou para esta terça-feira uma reunião do seu "blocão", formado, além do PMDB, por parlamentares do PTB, PR, PSC, Solidariedade e de partidos nanicos, que ele ajudou a eleger, para consolidar sua candidatura e acertar os próximos passos com o único objetivo de infernizar a vida do governo neste pouco tempo que resta da atual legislatura.

"Espera só para ver o próximo...", costumava brincar meu amigo Ulysses Guimarães, o "Sr. Diretas", principal líder da oposição à ditadura, quando lhe perguntavam se ele não achava o Congresso daquela época o pior que já tivemos. A profecia pode se repetir agora, ao analisarmos o novo Congresso que assume em fevereiro de 2015, com 28 partidos representados na Câmara, o que torna o país simplesmente ingovernável.

Enquanto isso, Dilma se retirava de cena para tirar alguns dias de folga numa praia da Bahia, o que é muito justo, mas deixa o país em suspense e só serve para alimentar o chamado "terceiro turno", com boatos e ameaças catastrofistas, para alegria das patéticas contrafações de Carlos Lacerda assumidas pelos veteranos da tropa de Blogs & Colunas, e dos jovens aloprados das redes sociais, que não aprenderam nada, na escola nem na vida, sobre o que foi 1964.

"Os brasileiros que viveram o período de 1964 têm o dever de alertar a sociedade para o lugar aonde querem nos levar, e que a triste experiência da ditadura militar não se repita nunca mais", escreve Celso Gualtieri, de Belo Horizonte, Minas Gerais, em carta publicada nesta segunda-feira no "Painel do Leitor" da Folha. Tem toda razão o leitor. É o que penso também.

Dilma Rousseff não pode alegar que foi reeleita há apenas uma semana para retardar indefinidamente o anúncio de nomes e medidas do novo governo, já que está no poder há quase 12 anos (oito como ministra e quatro como presidente da República). Não tem nada que esperar até a nova posse, em 1º de janeiro, para tranquilizar e devolver confiança e esperança ao país que lhe deu a vitória nas urnas.

Será que Dilma não pensou nisso antes, ou seja, no que deveria fazer imediatamente após a apuração dos votos, já que corria o sério risco de ser reeleita?

2 comentários:

sergio m pinto disse...

Mais um jornalista entendido em economia, que acha que viu o galo cantar.

adelino vieira disse...

O Sr. que me desculpem, pelo meu tipo de ver as coisas e sentir.
Eu prefiro rever o golpe de 1964.
O que me assusta é a violência nas ruas, não temos segurança nem dentro de casa e pior nas ruas, no perioodo dos militares andava pelas ruas tranquilas à noite e somente vagabundos iam para cadeia, como era de respeitas estes vagabundos se tornavam poucos que para essa democracia de mentira coloca bandidos como heroi, eu não concordo porquê eu viví. este periodo.