quarta-feira, 29 de novembro de 2017

'Liga da Justiça' é uma ameaça à democracia

Por Jeferson Miola

Na segunda quinzena deste mês de novembro, estreou no Brasil o filme norte-americano Liga da Justiça, que lidera a venda de ingressos. Em menos de 15 dias, arrecadou mais de R$ 80 milhões.

A sinopse oficial do filme explora a épica do heroísmo:

“Impulsionado pela restauração de sua fé na humanidade e inspirado pelo ato altruísta do Superman, Bruce Wayne [Batman] convoca sua nova aliada Diana Prince [Mulher-Maravilha] para o combate contra um inimigo ainda maior, recém-despertado. Juntos, Batman e Mulher-Maravilha buscam e recrutam com agilidade um time de meta-humanos, mas mesmo com a formação da liga de heróis sem precedentes - Batman, Mulher-Maraviha, Aquaman, Cyborg e The Flash –, poderá ser tarde demais para salvar o planeta de um catastrófico ataque”.
Como uma metáfora perfeita do heroísmo ficcional do filme, os procuradores que integram a força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, Rio de Janeiro e São Paulo promoveram um encontro no Rio de Janeiro na segunda-feira, 27/11, e fundaram a sua própria Liga da Justiça; espécie de cruzada heróica e salvacionista que planeja interferir na eleição de 2018 para “salvar o país da ameaça da corrupção”.

Ao final do encontro, divulgaram o que pode ser considerado o documento fundacional da Liga da Justiça – a Carta do Rio de Janeiro – e fizeram declarações no mínimo temerárias, que seriam impensáveis se o Brasil não estivesse sob controle de golpistas e na vigência do regime de exceção.

Deltan Dallagnol, o procurador cada vez mais assemelhado a um pregador religioso fanático, foi o porta-voz da Liga na coletiva à imprensa. Com a grandiloqüência de sempre, asseverou que “2018 é a batalha final da Lava Jato, porque vai determinar o futuro da luta da corrupção”.

Deltan vaticina que “As eleições de 2018 determinarão o futuro da luta contra a corrupção do nosso país. Deputados federais e senadores que determinarão se existirão ou não retrocessos na luta contra a corrupção e se existirão reformas e avanços que possam nos trazer um país mais justo com índices efetivamente menores de corrupção e de impunidade”.

Na visão dele, “É crucial que em 2018 cada eleitor escolha cuidadosamente, dentre os diversos setores de nossa sociedade, apenas deputados e senadores com passado limpo”.

Para os integrantes da Liga da Justiça, “O futuro da Lava Jato será sombrio, se não elegermos um outro Congresso” [sic].

Este pensamento revela a índole antidemocrática e autoritária dos procuradores, e constitui clara ameaça à democracia e ao Estado de Direito. Jamais uma autoridade judicial investida em funções públicas poderia se pronunciar sobre assuntos da política; menos ainda com tal tom ameaçador.

Este ativismo inconseqüente é nova tentativa dos justiceiros da Lava Jato recuperarem simpatia pública no momento em que a Operação perdeu a credibilidade e aquele glamour inicial, devido aos arbítrios e atropelos perpetrados.

Seria importante esclarecer, ainda, se as despesas – passagens aéreas, diárias e convescote – deste encontro privado de justiceiros foram custeadas pelo orçamento público do MPF. Seria um abuso e uma ilegalidade, porém em nada diferente do abuso e da ilegalidade destes que se auto-proclamam vestais da moralidade e do combate à corrupção e que, corrompidos pelo fetiche do dinheiro, recebem salários nababescos, acima do limite fixado pela Constituição.

É urgente apor-se freios e barreiras a estes pseudo-heróis, que operam suas fantasias e seus arbítrios à margem da Constituição e do Estado de Direito. Parodiando o filme: é necessário agir antes que seja tarde demais a possibilidade de se salvar o Brasil do “catastrófico ataque” destes justiceiros cínicos, que instrumentalizam o combate à corrupção para a estratégia de construção de um poder corporativo.

2 comentários:

Dilma Coelho disse...

Será que em nenhum momento esse grupo sinta algum constrangimento? Será que acreditam que destruir o próprio país, as leis do país, desrespeitar os direitos humanos, vai lhes trazer vantagens. Será que acreditam que tudo seja eterno? Esse dallagnol, golpista, ainda tem a coragem de usar o nome de Deus, em vão. Paupérrimo, em todos os sentidos, especula com o Minha casa Minha vida, sem moral nenhuma, monta uma quadrilha e ainda dá o nome de "Liga da Justiça". É muito cínico ou muito doente. Essa turma está precisando de psiquiatras, De que são feitas essa criaturas? Que DNA eles carregam? Será que têm noção do que seja realmente as palavras; moral, decência, dignidade, equilíbrio, respeito, vergonha, saúde mental?
Não sentem remorsos, por terem causado as mortes de D. Marisa e do Reitor Luiz Carlos Cancellier de Olivo? Que mal o nosso querido LULA lhes fez? Conhecem o sentido da palavra "Suficiente"? Querem fazer igual ao amigo ladrão, usurpador Nosferatu que, mesmo com o pé na cova, continua roubando, dando golpes, vendendo o nosso país. Deixar para quem, exatamente?
Grupelho, acordem, vocês não são infinitos, só o Universo e a estupidez humana. O fim de vocês está próximo.
Se não gostam do Brasil, vão embora, enquanto podem.

Ximena Sanchez disse...

O interessante sobre esse filme, é que embora use elementos clássicos do filme, ele sai completamente e rompe com os padrões de Hollywood. O trabalho de Zack Snyder sempre me deixa satisfeita.
Os liga da justiça personagens são incríveis e meu favorito é Henry Cavill, como Superman. Tem uma visão muito particular na hora de dirigir seus filmes. A história é boa e bastante divertida. Eu recomendo 100%.