quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Dilma irá ao antro midiático da SIP?

Por Altamiro Borges

De 12 a 16 de outubro, a Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) realizará a sua 68ª Assembleia-Geral em São Paulo. O evento, que retorna ao Brasil após 11 anos, reunirá os principais barões da mídia do continente. Segundo a programação, 65 palestrantes tratarão de temas como novas mídias, sustentabilidade financeira e “liberdade de imprensa”. Entre os convidados brasileiros, o ex-presidente FHC, a ex-ministra Marina Silva e, pasmem, a presidenta Dilma Rousseff – a mesma que é atacada pela mídia diariamente.

Além das palestras, o convescote da máfia midiática prestará homenagens a conhecidos reacionários da região e aprovará as mesmas resoluções das assembleias anteriores. O advogado Cesar Ricaurte, da ONG Fundamedios, do Equador, receberá o “Grande Prêmio da Liberdade de Imprensa da SIP”. Ele é hoje um dos principais inimigos do presidente Rafael Correa e a sua “organização não governamental” é financiada pela Usaid, a agência estadunidense famosa por interferir nos assuntos internos de vários países da América Latina.

Cultura conservadora dos barões da mídia

Como já apontou Luciano Martins Costa, em artigo no Observatório da Imprensa, a 68ª Assembleia da SIP não acrescentará nada de novo ao debate sobre os desafios da mídia. “Deverão estar presentes os dirigentes de todos os principais veículos de comunicação e boa parte dos consultores que nos últimos vinte anos vêm conduzindo os negócios do jornalismo em direção ao passado... São muitos os desafios, mas o maior deles parece ser da própria cultura conservadora das empresas de comunicação”.

O principal debate deverá ser sobre o chamado “modelo sustentável do jornalismo”. “Afora a apropriação da palavra ‘sustentável’, a rigor nada mudou nas propostas de reflexão sobre o futuro da imprensa desde o primeiro debate setorial sobre o advento da internet, realizado em 1995. O maior entrave para a busca de um modelo sustentável de negócio parece estar no próprio sistema de organização das empresas, cuja direção é excessivamente centralizada e verticalizada”, fustiga Luciano Martins Costa.

Dilma vai reforçar o palanque dos golpistas?

Em síntese, como afirma o autor, a assembleia da SIP não serve para nada. “Quem viu o primeiro, viu todos”. Na prática, o convescote apenas confirmará a decadência do modelo de negócio dos barões da mídia, decorrente dos avanços tecnológicos e da própria crise de credibilidade de uma imprensa monopolizada e manipuladora. Como nas anteriores, a máfia midiática aproveitará o evento para fazer política – confirmando sua conversão em principal partido da direita. Daí a pergunta: o que Dilma vai fazer neste palanque da oposição golpista?

6 comentários:

Wagner Ortiz disse...

Seria interessantíssimo se ela, durante sua palestra, anunciasse a Ley de Medios brasileira. Aí, sim, valeria a pena a presença dela na SIP.

VERA disse...

Se for, nos será decepcionante e provará que é masoquista!!!

RLocatelli Digital disse...

Quando é que o PT vai descobrir que a luta de classes existe? É o fim da picada o comparecimento de Dilma na reunião da máfia midiática.

Nestor Calazans disse...

O que Dilma vai fazer neste palanque de oposição golpista? Ela vai anunciar um "7 de dezembro" aqui no Brasil e deixar umas famílias do mundo da comunicação apavoradas.

lazaro aparecido rufino Rufino disse...

Propor barganhas...

Anônimo disse...

Quero que ela vá, como presidenta do País e dê uma surra verbal naquela corja. A Dilma não se abate e nem se curva, se for ela sairá muito por cima do lixo midiático.