quinta-feira, 6 de março de 2014

O Globo prega arrocho dos salários

Por Altamiro Borges

Em pleno Carnaval, nesta terça-feira (4), o jornal O Globo publicou um editorial que mereceria a dura repulsa do sindicalismo brasileiro. Sem meias palavras, o diário patronal prega abertamente a volta política de arrocho praticada durante o triste reinado de FHC. Com o título “Desindexação urgente”, ele critica o acordo firmado entre o ex-presidente Lula e as centrais sindicais de valorização do salário mínimo e afirma, na maior caradura, que esta política pode resultar na explosão da inflação no país. E o velho fantasma inflacionário usado para atacar o rendimento dos trabalhadores, garantir os lucros exorbitantes dos empresários, facilitar o rentismo dos especuladores financeiros e – de quebra – ajudar o discurso oposicionista contra o governo Dilma Rousseff.

Segundo o jornal, a atual política de valorização do salário mínimo – que garante a reposição da inflação, mais ganho real equivalente à variação do PIB de dois anos antes – foi “fixada por decreto presidencial” e “é passível de injunções políticas”. Duas mentiras descaradas. Esta política foi fruto de um acordo com as centrais sindicais, que representam muito mais a sociedade do que a bilionária famiglia Marinho, e tem regras bem definidas, sem qualquer risco de “injunções políticas”. Com base nestas mentiras, O Globo até reconhece que a atual política “assegurou ganhos expressivos tanto para trabalhadores como para a grande maioria de aposentados e pensionistas da previdência social” e “tem impacto ainda sobre os salários que estão ligeiramente acima do piso”.

Mesmo assim, o jornal afirma que ela prejudica o Brasil. “Se por um lado tal regra de fato deu previsibilidade à política de valorização do mínimo, por outro instituiu um mecanismo de indexação que ignora a conjuntura. A variação do PIB de dois anos antes pode não ser compatível com a situação da economia no momento em que o ajuste é repassado ao salário mínimo”. Para o jornalão patronal, a atual política de valorização do salário mínimo “ignora as condições da economia”, “não tem relação com a produtividade do trabalho” e “tira competitividade das cadeias produtivas (pela elevação dos custos)”. Neste sentido, blefa O Globo, “em vez de se conseguir que haja um avanço da massa salarial, asfixia-se a galinha dos ovos de ouro”. O cinismo do diário é descomunal!

Com base nele, o jornal decreta: “Tal regra tem data para terminar: 2015. A indexação automática, e inflexível, não pode se perpetuar. Pela importância do salário mínimo no conjunto da economia brasileira, essa indexação se transformou em fonte de pressão sobre a inflação”. O Globo nada diz sobre o impacto positivo da política de valorização do salário mínimo, que aqueceu o mercado interno e evitou que a crise capitalista mundial fosse ainda mais destrutiva no Brasil. Nada fala sobre os milhões de brasileiros que finalmente tiveram acesso ao consumo nem sobre os milhões de empregos criados como resultado desta política. Se dependesse da famiglia Marinho, o Brasil não teria leis trabalhistas e nem assalariados – e voltaria à época da escravidão pura e simples!

*****

Leia também:

- Salário mínimo, uma conquista

- O debate político sobre a inflação

- A força de trabalho no Brasil

- O crescimento dez anos depois 

4 comentários:

Anônimo disse...

Gostaria de dar um recado ao Aecim das Neves:

Você ainda pegar um esgotamento pelo trabalho eleitoral que a Famiglia está fazendo para ver se consegue alguma coisa na eleições presidenciais. Então continue lendo os discursos do vovô porque você é tão atual qto a gaze que envolvem as múmias (nada relacionado a você). Acho que assim você tá pinta que vai vencer as eleições no 1º turno.

Anônimo disse...

Miro

Para apos 2015, sugiro que a dilma crie novas faixas do Imposto de Renda para os maiores rendimentos, atrelando esse ganho na arrecadacao pro aumento do salario minimo nas normas atuais.
Combateria assim o discurso do globo que fala em financas publicas, redistribuiria renda e faria com que o congresso ficasse numa sinuca de bico se nao aprovasse. E tb seria uma aula de politizacao, envolvendo os mais pobres na discussao de impostos.

Djijo disse...

Acho que a coisa é mais velhaca do que parece. Os golpistas que querem retornar ao poder receberão ajuda dos corruptores mediante altas compensações, e uma delas, é a maximização dos lucros. Assim, os golpistas, receberão ajuda mas terão que quebrar algumas estruturas garantidas para os trabalhadores não questionarem nos tribunais. Isso daqui corre o risco de virar um México, lindo o bonito, para os tranqueiras oligopolizadas que que gostam de trabalho escravos.

Raimundo Nonato Gomes Teixeira Teixeira disse...

A família Marinho já não se contenta mais, só com os laridos de seus cães de guardas, que, diariamente infestam os meios de comunicações, com ofensas ao governo eleito democraticamente pelo voto popular. Agora são os próprios chefões quem rugem contra os trabalhadores, pregando a volta do desemprego, e obviamente miséria para os trabalhadores.