quinta-feira, 26 de junho de 2014

Merval escreve o epitáfio de Barbosa

Por Miguel do Rosário, no blog O Cafezinho:

Exatamente como eu pensei.

Pode-se até discordar que a decisão do STF de negar prisão domiciliar à Genoíno tenha sido um “acordo político”, como eu acho que foi, mas que teve este significado, isso está claro.

Prendeu-se Genoíno para se soltar Dirceu. Os ministros entenderam que não tinham força ainda para enfrentar as duas arbitrariedades ao mesmo tempo.

Barroso lembrou que Genoíno terá cumprido um sexto da pena até final de agosto, e que poderá passar do regime semi-aberto para o aberto. E voltar para casa.

O caso Genoíno é o mais emblemático, neste momento, para Joaquim Barbosa, por causa do entrevero que aconteceu entre ele e o advogado do réu, Luiz Fernando Pacheco.

Permitir a prisão domiciliar para Genoíno constituiria uma derrota insuportável para o presidente do STF. O plenário entendeu que ainda não é hora de impor uma humilhação tão absoluta a um ministro com uma popularidade mórbida como Joaquim Barbosa.

Barbosa inspira psicopatas, e não estou exagerando. Ontem, no twitter, pude comprovar isso. Fotografei e mostro os prints abaixo. Um sujeito que elogiou Barbosa e xingou Lewandowski, em seguida sugeriu que eu merecia ser morto por um “sniper”, um atirador de elite.

É curioso a inversão de valores desse povo. Eles elogiam Barbosa por ser um juiz, em tese, implacável contra o crime, mas pregam o pior dos crimes, o crime capital numa democracia, que é o assassinato por razões políticas. O termo “justiceiro” usado como epíteto elogioso pelos barbosianos em relação a seu ídolo, é o exemplo disso. Justiceiro é aquele que faz justiça com as próprias mãos, sem ligar para a lei.





Além disso, Barbosa foi astuto em relação à Genoíno. Ele mandou o mesmo grupo de médicos antipetistas (como já pesquisamos) fazer repetidos exames em Genoíno, e produzir laudos favoráveis à sede de vingança do ministro. Quando os jornais falam que vários laudos de médicos oficiais dizem que Genoíno não tem cardiopatia grave, eles omitem que são os mesmos médicos, escolhidos a dedo por Barbosa, falando sempre a mesma coisa. E omitem, criminosamente, que a saúde de Genoíno efetivamente está piorando na prisão, conforme previsto por seu médico e temido por sua família.

Hoje, todos os jornalões amanheceram com manchetes enormes sobre a soltura de Dirceu. O sensacionalismo e a pressão midiática em cima do caso ainda persiste. Aliás, agora mais que nunca, por causa da agenda eleitoral. A mídia corporativa, notoriamente tucana, entende que o caso gera dano político de imagem ao PT e procura requentar ao máximo tudo relacionado à Ação Penal 470.

Nenhuma crítica consistente aos erros da ação é publicado, ou se é publicado, não é discutido ou levado à sério.

O Globo de hoje, por exemplo, reforça a blindagem de Joaquim Barbosa. Merval Pereira dedica sua coluna inteira a dizer que a decisão do STF não trouxe “desmoralização” ao presidente do STF.

Trouxe sim, Merval. O próprio fato de você se sentir obrigado a falar isso é a prova.

Barroso, naquele jeito dele de gentleman britânico, desmonta todos os argumentos esdrúxulos de Barbosa para impedir que Dirceu trabalhasse fora do presídio.

Diz Merval que o plenário do STF não considerou “nenhuma das decisões de Joaquim Barbosa questionável por ilegal ou despropositada”.

Considerou sim. Tanto que Barroso fez questão de enfrentar ponto por ponto as alegações absurdas de Barbosa: que preso não pode trabalhar em empresa privada; que não pode trabalhar em escritório de advocacia; que o advogado seria “amigo de Dirceu”; que tem de esperar cumprir um sexto da pena.

Todos esses pontos foram ridicularizados em plenário. Ao cabo, até mesmo Celso de Mello parecia arrependido de ter dado o único voto em favor de Barbosa, provavelmente também num jogo político para que o ministro não perdesse de zero. Mello disse concordar com todos os pontos levantados por Barroso.

Ao final de sua coluna, Merval diz que: “ficou evidenciado que Barbosa não abusou de seu poder nem tomou decisões sem o apoio da lei”.

Ora, quando se precisa fazer uma defesa tão chapa-branca assim de um ministro do STF, em geral é porque ele abusou do poder e tomou decisões sem apoio da lei.

O colunista encerra o texto tentando apoiar-se, mais uma vez, na lógica do linchamento, ao dizer que “certamente há pensamento majoritário na sociedade, já detectado por pesquisas: o mensalão petista só levou poderosos para a cadeia e os manteve lá pelo estilo centralizador e autoritário de Barbosa, amplamente aprovado pela população, a ponto de uma parcela representativa querê-lo como candidato à presidência”.

É uma linda ode ao autoritarismo e um escárnio à função democrática e iluminista de uma corte suprema, cujos ministros justamente não passam pelo crivo do sufrágio universal para que tenham liberdade de tomar decisões contra-majoritárias.

Juiz não tem de agradar “ao povo”, e isso está bem claro na doutrina democrática de todos os países ocidentais: a razão é não amarrar os direitos humanos de um réu ou de uma causa às ondas de ódio que varrem a opinião pública. Quem tem de agradar ao povo é o parlamento e o executivo. Nossa mídia parece pensar ao contrário: quer um executivo adotando medidas “impopulares”, e um supremo condenando com base em “pensamento majoritário, já detectado em pesquisas”.

Elogiar um presidente do STF porque tem caráter “centralizador e autoritário” e toma decisões com base em “pesquisas”, e ainda sugerir, elogiosamente (!), que estas decisões teriam chancela eleitoral, me parece a pior crítica a um juiz, que deveria se pautar unicamente pelos autos, pela Constituição e, sobretudo, pelos direitos humanos.

Merval é tão absurdamente tolo que, em seu esforço patético para defender Barbosa, acabou escrevendo seu epitáfio.

6 comentários:

Brasil esperança disse...

na verdade a opiniao publica brasileira foi durante todo o mensalao e ate hoje mal informada,pois se ela tivesse as informaçoes que todos os blogs de esquerda como juristas jornalistas e grandes personalidade deram sobre o caso o povo em si nao est´pa e nao estaria contra os reus. com certeza uma pequena parte da populaçao que pode está nutrindo algum tipo de odio insuflado por uma midia canalha e tao corrupta quanto os partidos de oposiçao teria outro sentimento como todos aqueles que procuraram se esclarecer a respeito do assunto.

Brasil esperança disse...

como eu disse e venho alertando e Barbosa pode ate tentar bloquear Dirceu outra vez. vamos esperar ate o final do mês quando ele esta definitivamente fora do STF. Isso é uma cobra criada e frustrada pois JB nao é bem aceito nos meios intelectuais, e juridicos do mundo ele pode ate ir, mais sempre será o que é

Anônimo disse...

Barbosa já vai tarde... se possível para o inferno ou outro lugar ainda mais distante e, por favor, leve o Merval junto.

Ignez disse...

Agradeço a você, Miguel, por ter escrito de forma tão transparente o sentido dos fatos. Realmente o povo está sendo tocado feito gado pela mídia elitista e golpista, sem se aperceber. Ainda bem que o cotidiano de outra parte do povo tem melhorado tanto que as "pegadinhas" da mídia tupiniquim não colam. Com relação aos psicopatas que ameaçam, seria o caso da PF investigá-los. Isto sim, é descaradamente um crime.

Cláudio disse...

... "Com o tempo, uma imprensa [mídia] cínica, mercenária, demagógica e corruta formará um público tão vil como ela mesma" *** * Joseph Pulitzer. ... ... "Se você não for cuidadoso(a), os jornais [mídias] farão você odiar as pessoas que estão sendo oprimidas, e amar as pessoas que estão oprimindo" *** * Malcolm X. ... ... ... Ley de Medios Já ! ! ! . . . ... ... ... ...

Corina Melo disse...

A força da manipulação dos fatos pelo PIG (Partido da Imprensa Golpista) é impressionante, mas ver jovens com posições conservadoras como essa é assustador.
Como que uma geração criada com a liberdade de expressão da internet se mostra tão obtusa, repetindo as asneiras programadas da mídia. Precisamos fortalecer a inclusão digital no país, precisamos aprender a desenvolver critérios para avaliar as informações. Isso está também vinculado à educação desde o início. Sob pena de facilitarmos a formação de futuros ditadores ou neonazistas pela mídia ou como "inflitrados" nas manifestações legítimas de rua.