sábado, 21 de março de 2015

A moral dos golpistas do Clube Militar

Por Altamiro Borges

Os saudosos da ditadura do Clube Militar, também apelidados de “milicos de pijama”, lançaram nesta semana uma campanha pela “moralidade nacional” e contra a corrupção. Eles garantem que o objetivo do movimento não é o de exigir a volta dos generais ao poder, mas apenas o de se opor aos rumos do governo Dilma Rousseff. “O momento é diferente do que era em 1964. Naquele momento, a sociedade e a imprensa pediram a participação dos militares”, explicou o general da reserva Gilberto Pimentel, presidente da instituição. Nas eleições de outubro passado, o Clube Militar se dividiu entre o apoio à “verde” Marina Silva e ao cambaleante Aécio Neves. No segundo turno, ele expressou seu total apoio ao tucano!

Agora, excitados com as manifestações do último domingo (15), que pediram a volta da ditadura e exibiram símbolos nazistas e integralistas, os “milicos de pijama” prometem intensificar os debates na sociedade. Segundo a Folha tucana, em matéria publicada nesta sexta-feira (20), o ato de lançamento da “campanha da moralidade” foi aberto pelo empresário James Akel. “Ele criticou o governo e chamou a presidente Dilma e o ministro da Defesa, Jaques Wagner, de ‘guerrilheiros’. ‘O que a gente tiver que fazer pela moralidade deve ser feito. Impeachment não é golpe’, disse”. Já o jornal O Globo, o mesmo que apoiou o golpe militar de 1964 e construiu seu império durante a ditadura, saudou a iniciativa:

“Descontente com o governo da presidente Dilma Rousseff, o Clube Militar lançou nesta quinta-feira uma campanha pela moralidade pública e vai passar a divulgar semanalmente textos redigidos por colaboradores. Na abertura do evento, o presidente do Clube Militar, general Gilberto Rodrigo Pimentel, disse que os militares nunca se enganaram com relação aos petistas. ‘Nunca nos enganamos. Sabíamos que o petismo, ao ser instalado no país, causaria danos a ele’, afirmou, após ter chamado o golpe de 1964 de revolução democrática... Após o ato, que contou com a presença do ex-candidato Levy Fidelix, o presidente do Clube Militar disse que eles não defendem a intervenção militar ou o impeachment”.

Que moral têm os generais golpistas para falarem em “campanha da moralidade”? Durante os longos e sombrios 20 anos de ditadura, o Brasil afundou na corrupção – que foi encoberta pela censura à imprensa, a castração do Congresso Nacional, a intervenção nos sindicatos e a tortura e assassinato de milhares de democratas. Parte da própria mídia privada, que apoiou o golpe, foi perseguida e muitos jornalistas foram presos e mortos. Agora os “milicos de pijama”, saudosos da ditadura, voltam a se animar, impulsionados pelos malucos que saem às ruas rosnando pelo retorno dos generais ao poder! Que baita retrocesso civilizatório!

*****

Leia também:






3 comentários:

sergio m pinto disse...

Saudades dos bons tempos. Deles, é claro.

Ralph de Souza Filho de Souza Filho disse...

Caríssimo Altamiro, guardo, como bom arquivista e, impressa em mimeógrafo, estávamos em 1971, no paleolítico da TV, sob Médici, a cópia do original da lista afixada pelos Federais, nas paredes daquela Redação Monástica da Von Martius. Federais, óbvio, pepostos do SNI, a operarem a ação, tipo Paranhos Fleury, queima de arquivo como Malhães. A Lista, contendo 45 temas e assuntos, alguns de escândalos polpudos e gigantescos, outros de temas acerca de personagens, a quem o Ministro da Justiça?!, pinçado na USP, Alfredo Buzaid, teria de obrigatoriamente ocultar em sigilo total. Aí, entrávamos, como Repórteres, com nossa verve desabrida e audaciosa, e talento, malemolência e cinismo, da mistura Pelé e Garrincha, que, como se sabe, menos o Brucutu do Felipão, que, jogando juntos, envergando a Sagrada Camisa dos Canarinhos do Brasil, de, José Geraldo de Almeida, jamais foram derrotados...Esses pulhas de pijama, agora na reserva da CBD, comer, beber e dormir, remunerados com nossa suada grana, que fechem a matraca, pois, fosse eu o Jacques Wagner, atual Ministro em Chefe das Forças Armadas, o puniria, enviando-o à uma temporada em algo semelhante à Penitenciária da Ilha do Diabo, retratada no filme , Papillon, com Dustin Hoffman, e, onde por vêzes sua dieta, como a do personagem encarnado pelo excepcional ator de " A Primeira Noite de um Homem ", de 1969, a contracenar com John Voight, pai de Angelina Joli e de " Tootsie ", Direção soberba de Sydney Pollack, com o mesmo Hooffman, Jessica Lange e Bill Murray..Ah, a dieta, em questão, se baseava nas Baratas...

jose manoel garcia disse...

Sergio m. Pinto vai procuralos se eres fã fos gorilas não venha vomitar aqui pois sabes bem o que pensam o editor e seus seguidores como todo borra bosta gostas do verde oliva mas de listras ou seja pijama coloca o teu e vai para a rua protestar como diz o DC você é um PIB.se não sabes procura pela tradução nos ditos blogs sujos que somos vai procurar tua turma.