terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Pelo golpe, jornalões descartam Cunha!

Por Altamiro Borges

Há ainda quem discorde da tese de que a mídia hegemônica funciona como um partido político. Na verdade, o principal partido da direita na atualidade. A situação do correntista suíço Eduardo Cunha, que ainda preside a Câmara Federal, serve perfeitamente para convencer os mais reticentes. Num primeiro momento, toda a imprensa privada apoiou o achacador. O objetivo maior era desgastar e – se possível – derrubar a presidenta Dilma. De forma articulada, a mídia seletiva simplesmente omitiu o seu passado mais sujo do que pau de galinheiro. Agora, quando não dá mais para esconder as suas sujeiras –, ela simplesmente decide descartá-lo como bagaço. Os editoriais do Estadão, Globo e Folha deste final de semana confirmam que a mídia – apesar da concorrência no mercado – age como uma direção central nos seus intentos políticos.

Na sexta-feira (11), o jornal Estadão – da famiglia Mesquita, que redigiu o primeiro projeto de poder dos militares golpistas em 1964 – publicou o editorial “O circo de Cunha”. Após criticar o lobista e sua “tropa de choque”, o diário exige: “O mínimo que se espera de seus pares é que afastem Cunha da presidência da Câmara, para que o processo possa ter seu curso normal e que se restabeleça um pouco de decência num conselho que tem a palavra 'ética' em seu nome".

Como num acerto da máfia, no dia seguinte (sábado), o jornal O Globo – da famiglia Marinho, que construiu o seu império graças às benesses da ditadura militar – publicou o editorial intitulado “Venceu o prazo de validade de Eduardo Cunha”. Após garantir tantos holofotes ao presidente da Câmara Federal – que antes de ser eleito foi pedir as bênçãos aos filhos de Roberto Marinho –, O Globo faz um apelo patético a sua criatura. “Ele deveria renunciar ao cargo, para se dedicar à sua defesa, sem atrapalhar os trabalhos da Casa. Seu tempo acabou”.

Um dia depois, no domingo (13), a Folha – da famiglia Frias, que apoiou o setor linha dura da ditadura militar e até cedeu os seus veículos para o transporte de presos políticos – enterra Eduardo Cunha. No editorial intitulado “Já chega”, publicado em sua capa, o diário paulista afirma que o achacador “está com os dias contatos" e explicita os motivos. “Valendo-se de métodos inadmissíveis a alguém posicionado na linha de sucessão da Presidência da República, o peemedebista submeteu a questão do impeachment de Dilma a um achaque em benefício próprio... É imperativo abreviar essa farsa, para que o processo do impeachment, seja qual for seu desenlace, transcorra com a necessária limpidez".

Ou seja: para a Folha – assim como para o Estadão e para O Globo – Eduardo Cunha atualmente é um estorvo. Ele prejudica a cruzada golpista pela derrubada da presidenta eleita por 54 milhões de brasileiros. Pesquisas qualitativas confirmam que o atual presidente da Câmara Federal agora atrapalha o plano dos golpistas. Esse seria um dos principais motivos do fiasco das marchas pelo impeachment deste domingo. Nem o “midiota” mais tacanho acredita nos propósitos destes oportunistas. Como diz o editorial de O Globo, o tempo acabou para estes embusteiros que desrespeitam as urnas e a democracia no Brasil. Eduardo Cunha virou bagaço... Eles agora precisam de outros personagens!

*****

Leia também:


2 comentários:

Hamilton D'Amato disse...

EM EDITORIAL, SERES MARINHOS EXIGEM SUA AUTO-CONDENAÇÃO
Em editorial que surpreendeu a todos, os seres marinhos que habitam as profundezas inescrutáveis do mar exigiram que, paralelo ao julgamento do impeachment da búlgara usurpadora, também eles sejam julgados na mesma ação como litisconsortes
necessários. Assim agiram os seres marinhos ao condenarem com todas as letras as pedaladas da búlgara em 2014: "é balela que a búlgara só pode ser processada por atos cometidos no mandato". Para os seres marinhos, "pode-se entender que o segundo mandato é uma continuação do primeiro, parte de um mesmo governo de oito anos. Existe, portanto, base técnica para
o pedido de impeachment".
Dizendo-se justos, imparciais e rigorosos consigo mesmos, os seres marinhos justificaram assim sua auto-condenação:
"Por uma questão de isonomia, nos declaramos também continuadores da grande obra do nosso pai. Nosso império é atemporal.
Nosso sucesso de hoje deve-se à soma do golpe de ontem com o golpe que estamos urdindo para amanhã". E finalizaram: "Este é um país de todos. Pau que dá em Chico dá em Francisco também.Pau que dá em lulas dá também em seres marinhos que habitam as inescrutáveis profundezas do mar".
(Hamilton D'Amato)

RLocatelli Digital disse...

O problema dos golpistas é que Cunha se recusa a ser descartado. Isso, no fim, é bom para Dilma, pois o tal impeachment fica irremediavelmente manchado pela sombra de Cunha.