quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Reforçar a solidariedade à paz na Venezuela

Do site da CTB:

O Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé sediou nesta terça (20) uma nova reunião do Comitê Brasileiro pela Paz na Venezuela, com representantes de entidades do movimento social, partidos e veículos da mídia alternativa.

O objetivo do grupo fundado no ano passado (leia abaixo o manifesto) é debater ações de solidariedade e apoio à Venezuela que vem sofrendo repetidos ataques da mídia burguesa e amaças de invasão militar pelo governo norte-americano.

A CTB integra o comitê e estava representada pelo dirigente nacional Rogério Nunes e o secretário de relações internacionais, Nivaldo Santana. Entre os palestrantes, figuraram Paola Estrada, da articulação de movimentos sociais na Aliança Bolivariana das Américas (Alba), Mônica Valente, da Fundação Perseu Abramo, e Renata Mielle, coordenadora do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) e secretária geral do Barão.

O comitê decidiu organizar e lançar no mês que vem uma campanha de solidariedade e promover uma ação de comunicação para desfazer falsas informações divulgadas na mídia sobre o país, que acusam o presidente Nicolas Maduro de ser um ditador e difundem que venezuelanos estão "fugindo" para o Brasil pelo estado de Roraima.

"Queremos e defendemos a paz em nosso continente e denunciamos as ameaças norte-americanas de invadir militarmente o país", diz Nunes, que defendeu a importância de acionar representantes de entidades e partidos políticos em Roraima para articular ações que ajudem a informar a população e desfazer as mentiras veiculadas nas redes.

"É preciso desmistificar a ideia de que há uma ditadura na Venezuela. A mídia tenta esvaziar o processo eleitoral. Temos de mostrar que o país realiza eleições e que fará uma agora em abril", diz o dirigente.

O Comitê é formado por 28 entidades, partidos políticos, organizações sociais e pela mídia alternativa: seção brasileira dos movimentos sociais da ALBA, Brasil de Fato, Brasil Justo para todos e para Lula, Caros Amigos, Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Central Única dos Trabalhadores (CUT), Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz), Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, Conselho Mundial da Paz (CMP), Consulta Popular, Democracia no Ar, Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), Fundação Perseu Abramo, Instituto Astrojildo Pereira, Intersindical – Central da Classe Trabalhadora, Jornalistas Livres, Levante Popular da Juventude, Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), Opera Mundi, Partido Comunista do Brasil (PCdoB), Partido dos Trabalhadores (PT), Resistência, Sindicato dos Arquitetos, Sindicato dos Bancários de Santos, União Brasileira de Mulheres (UBM), União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES), União da Juventude Socialista (UJS) e a União Nacional dos Estudantes (UNE).

*****

Manifesto pela paz na Venezuela

O povo venezuelano, livre e soberano, retomou em suas mãos o poder originário, elegendo massivamente representantes para a Assembleia Nacional Constituinte.

Mais de oito milhões compareceram às urnas, apesar do boicote e da sabotagem de grupos antidemocráticos, em um processo acompanhado por personalidades jurídicas e políticas internacionais que atestaram lisura e transparência.

Todas as cidades, classes e setores estão presentes, com seus delegados, na máxima instituição da democracia venezuelana.

A Constituinte é o caminho para a paz e a normalidade, para retomar o caminho do desenvolvimento e da prosperidade, para superar a crise institucional e construir um programa que reunifique a pátria vizinha.

De forma pacífica e democrática, milhões de cidadãos e cidadãs disseram não aos bandos terroristas, às elites mesquinhas, aos golpistas e à ingerência de outros governos.

Homens e mulheres de bem, no mundo todo, devem celebrar esse gesto histórico de autodeterminação da Venezuela, repudiando as ameaças intervencionistas e se somando a uma grande corrente de solidariedade.

Também no Brasil se farão ouvir as vozes que rechaçam a violência e a sabotagem contra o governo legítimo do presidente Nicolás Maduro.

Qual moral tem um usurpador como Michel Temer para falar em democracia, violando a própria Constituição de nosso país, ao adotar posições que ofendem a independência venezuelana?

O Brasil não pode passar pela infâmia de se aliar a governos que conspiram contra uma nação livre e se associam a facções dedicadas a tomar o poder de assalto, apelando para o caos e a coação.

Convocamos todos os brasileiros e brasileiras à defesa da democracia e da autodeterminação de nossos irmãos venezuelanos, ao seu direito de viver em paz e a definir o próprio destino.

Repudiamos as manobras de bloqueio e agressão que estão sendo tramadas nas sombras da Organização dos Estados Americanos (OEA), sob a batuta da Casa Branca e com a cumplicidade do governo golpista de nosso país.

Denunciamos o comportamento repulsivo dos meios de comunicação que manipulam informações e atropelam a verdade, para servir a um plano de desestabilização e isolamento.

Declaramos nossa solidariedade ao bravo povo de Bolívar. Sua luta pela paz também é nossa.

COMITÊ BRASILEIRO PELA PAZ NA VENEZUELA

1 comentários:

MILTON CORREIA disse...

Vamos Lutar Pela Paz Na Venezuela! #VivaMaduro